Baton Rouge, Luisiana, Estados Unidos

Da Fronteira Indígena à Capital do Luisiana


O Cerne de Baton Rouge
Um Baton Rouge
O Fim de Huey Long
A North Street
Edifício anexo ao Capitólio
A Catedral de St. Joseph
Pintura pós-Chuvada
Rio Mississipi
Huey Long
Edifícios do Chief of Staff
Na Base do Capitólio
O Senado
Riverside Plaza
Pós-Batega
O Veterans Park
Rotary Club cromado
O Velho Capitólio
Cores do Velho Capitólio
“Pioneers”
Anoitecer em Baton Rouge
Aquando da sua incursão Mississipi acima, os franceses detectaram um bastão vermelho que separava os territórios de duas nações nativas. Dessa expedição de 1723 para cá, sucederam-se as nações europeias dominadoras destas paragens. Com o fluir da História, Baton Rouge tornou-se o cerne político do 18º estado dos E.U.A.

Chegarmos a Baton Rouge, provindos de New Orleans, gera-nos um choque de assepsia com que não contávamos.

De um momento para o outro, some-se a arquitectura francesa e secular de madeira e ferro fundido.

Somem-se as cores fortes, a multidão irrequieta, o cheiro a erva (leia-se maconha) e o pivete pós-noites de festim das Bourbon e Frenchmen Streets. Devemos ressalvar, em defesa de Baton Rouge, que entrámos directos no seu centro e nele nos mantivemos.

Sem perdermos de vista o Lousiana State Capitol, o assento do governo federal do estado, edifício símbolo da cidade, que a identifica e localiza até de dezenas de quilómetros de distância. Com a forma de um T invertido, o edifício tem 140 metros de altura e trinta e quatro andares.

É o mais alto de Baton Rouge, mas já apenas o sétimo do Luisiana.

O novo Lousiana State Capitol em forma de torre substitui o anterior capitólio, uma obra de arte em tudo distinta, erguido em 1846, com o propósito de evitar uma concentração excessiva de influência política em Nova Orleães, a maior cidade do Luisiana.

À época, a quarta maior dos E.U.A.

Quando o visitamos, depressa percebemos o porquê do edifício com arquitectura de palacete, repleto de vitrais prodigiosos, se preservar um dos edifícios históricos incontornáveis da cidade.

A par com o novo Capitólio do Luisiana, claro está.

O Arranha-Céus Emblemático do Louisiana State Capitol

Ao contrário do que acontece na maior parte das urbes dos Estados Unidos, o arranha-céus do sucessor desponta para o céu numa absoluta solidão.

Em sua volta, ao nível do solo e em contraste com o calcário das fachadas, espraiam-se um lago e dois jardins, incluindo o do Veteran’s Memorial Park, todos contíguos e desafogados.

Ir a Baton Rouge e não subir ao topo do seu State Capitol é bem mais difícil e grave que ir a Roma sem ver o Papa.

Disso conscientes, intrigados pela grandiosidade e excentricidade do edifício e pelo que nos revelaria o seu panorama a 360º, damos-lhe prioridade.

No caminho pedestre a partir do hotel em que estávamos instalados, uns poucos edifícios menores bloqueiam-nos, por momentos, a vista do colosso.

Assim que entramos na N 4th Street, virados a Norte, voltamos a tê-lo pela frente, a aumentar a cada passo.

Passamos a catedral de St. Joseph e por entre uns poucos grandes prédios de faces escurecidas.

A norte da North Street, damos entrada no domínio geometrizado que serve de preambulo, lugar de departamentos, da biblioteca e do museu estatal.

Nos jardins do complexo, distrai-nos uma população de esquilos ocupados com a sua recolecção.

Uma faixa ampla de estacionamento gera um hiato no verde.

Do lado de lá, fazemo-nos à escadaria do Capitólio, feita de 49 degraus de granito, cada qual com o nome de um dos outros estados dos E.U.A., na ordem por que se tornaram estados.

Na base da escadaria, para conseguirmos avistar a cúpula distante do arranha-céus, já nos vemos forçados a uma inclinação dramática do pescoço.

Subimo-la entre as duas esculturas que a flanqueiam.

Uma, a “Patriots”. A outra, “Pioneers”.

Nesta, alinham-se as figuras mais preponderantes na colonização do Luisiana, a partir da expedição francesa pioneira.

Vencida a escadaria, acedemos ao Memorial Hall.

Dão-nos carta branca para cirandarmos.

Espreitamos a Câmara do Senado.

Encontramo-la vazia.

Metemo-nos num dos elevadores e antecipamos a subida ao topo panorâmico.

À boa maneira americana, chegados ao andar de saída, damos com uma gift shop.

Trocamo-la pelo exterior.

Tinha decorrido um bom tempo desde que deixámos o hotel.

Os Panoramas Desafogados do Âmago do Luisiana

A meio de Outubro, ainda faz um calor húmido e opressivo. Reparamos numa frente de cumulus nimbus distantes, mas enormes, com bases escurecidas e relampejantes.

Tinham-se formado sobre o Golfo do México. Internava-se no Luisiana, na nossa direção.

Damos a volta à cúpula.

Admiramos como Baton Rouge se disseminava na margem leste do Mississipi, com o retalho diminuto de West Baton Rouge do outro lado do rio.

Também por ali, percorrem o Mississipi incontáveis navios, sobretudo barcaças.

O porto local é, aliás, no que diz respeito a tonelagem, o décimo dos E.U.A.

Para norte, estendem-se instalações petroquímicas imensas, detidas pela famosa petroleira Exxon Mobil, outra das provas de como Baton Rouge se tornou um dos principais polos industriais e tecnológicos do Grande Sul americano e a capital do Luisiana.

Em boa parte, devido às mentes determinadas e ambiciosas de alguns dos seus políticos.

Huey Long: de Ditador em Incubação a Vítima de Assassínio

Mesmo na Democracia vulnerável dos Estados Unidos, quando as ideologias e interesses chocam, ocorrem actos tirânicos e tragédias. Se Dallas vitimou John F. Kennedy, Huey Long viu-se vitima de Baton Rouge.

Naquele mesmo Capitólio que Huey Long tudo fez para ver erguido enquanto torre e onde manteve um apartamento no 24º andar, diz-se que por considerar que a altitude ajudaria a curar a febre dos fenos que o apoquentava.

Huey Long evoluiu de vendedor-ambulante até advogado conceituado.

Enquanto democrata, populista como poucos outros, tornou-se o 40º Senador, dono e senhor do Luisiana, não tarda, com ambições presidenciais.

Huey Long tornou-se de tal maneira manipulador e controlador que o historiador David Kennedy não teve pejo em escrever “que o seu regime, no Luisiana, fora o mais próximo de uma ditadura que a América tinha conhecido”.

Em Setembro de 1935, Long entrou no Capitólio determinado a aprovar uma série de leis que consolidariam uma opressão cada vez mais antidemocrática do seu estado, incluindo a remoção de um juiz seu opositor que representava um determinado distrito há 28 anos.

Pelas 9h20 da noite do dia 8, Huey conseguiu-o. Mais que indignado, irado, o genro do juiz, de seu nome Carl Weiss acercou-se de Huey Long e disparou um único tiro. Huey faleceu trinta e uma horas depois. Weiss, esse, soçobrou de imediato.

A 60 balas disparadas pelos seguranças de Huey Long que tinham as alcunhas de Cossacos e de Esmaga-Crânios. Huey Long foi sepultado junto ao “seu” capitólio, uma estátua acima da sepultura honra-o.

Uma enorme oposição via-o como um tirano populista. E, no entanto, mais de 200.000 pessoas acompanharam o seu funeral.

Terminamos a volta pelo museu do Capitólio que descreve estes factos. Caminhamos rumo à biblioteca estadual, no extremo sul dos Capitol Gardens.

A Meteorologia Tropical e Ensopada de Baton Rouge

As nuvens que tínhamos avistado do alto da varanda panorâmica estavam iminentes. Sob os cumulus nimbus, o sol abrasador dá lugar a sombra.

Num ápice, as nuvens libertam uma bátega assustadora.

Refugiamo-nos no Museu do Capitol Park.

Lá nos entretemos, com a história, a tradição e a cultura cajun do Luisiana.

Meia-hora depois, a bátega já tinha debandado para norte.

Regressamos ao exterior, com o sol a debater-se com as nuvens remanescentes.

Decidimos prosseguir até ao Mississipi. Seguirmos a sua margem a leste do Capitólio para sul, a ver o que nos revelaria.

A Marginal Elevada que protege a Cidade do rio Mississipi

A tarefa estava facilitada por uma marginal separada da cidade por uma tal de Riverside Road movimentada, uma marginal elevada, preventiva de inundações, uma imagem de marca estrutural no Luisiana sempre vulnerável aos furacões.

Cruzamo-nos com joggers, com namorados e com um bando de jovens BMXs que tudo fazem para que fotografemos algumas das suas manobras “Y’all should shoot this one, bro, this one is special!”.

Tínhamos chegado à Riverfront Plaza da cidade.

Uma ponte elevada com origem num complexo de pavilhões e espaços de exibição passava sobre a River Road e continuava para a City Dock.

Já sobre o Mississipi e ao lado navio USS KIDD, o único Destroyer americano que sobreviveu à 2ª Guerra Mundial e que se mantém tal e qual, por ali fundeado em jeito de museu-memorial.

Dessa Riverfront Plaza, destaca-se ainda o mastro que celebra a génese colonial da cidade.

Foram os franceses os primeiros europeus a explorarem estas partes das Américas, uma comitiva liderada, em 1698, por Pierre Le Moyne d’Iberville.

Ora, narrativas dessa expedição revelaram que, ao chegarem àquela zona do Mississipi, os franceses encontraram um bastão, vermelho como o que tínhamos perante nós, espetado na margem.

Apuraram que marcava uma divisória entre o domínio dos indígenas Houma e o dos Bayagoula.

Segundo os escritos de André-Joseph Pénicaut, um carpinteiro que viajava na expedição, os nativos já chamavam ao lugar Istrouma (mastro vermelho). Os colonos franceses eternizaram o nome actual de Baton Rouge.

E se New Orleans goza da sua fama planetária, Baton Rouge prolifera no seu outro lugar de destaque.

Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Pearl Harbor, Havai

O Dia em que o Japão foi Longe Demais

Em 7 de Dezembro de 1941, o Japão atacou a base militar de Pearl Harbor. Hoje, partes do Havai parecem colónias nipónicas mas os EUA nunca esquecerão a afronta.
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Gelados, Festival moriones, Marinduque, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
, México, cidade da prata e do Ouro, lares sobre túneis
Cidades
Guanajuato, México

A Cidade que Brilha de Todas as Cores

Durante o século XVIII, foi a cidade que mais prata produziu no mundo e uma das mais opulentas do México e da Espanha colonial. Várias das suas minas continuam activas mas a riqueza de Guanuajuato que impressiona está na excentricidade multicolor da sua história e património secular.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Cultura
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
jet lag evitar voo, jetlag, turbulência
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós Voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Tulum, Ruínas Maias da Riviera Maia, México
Étnico
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

História
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Vista Serra do Cume, Ilha Terceira, Açores Ímpares
Ilhas
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Monte Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Vulcao dos Capelinhos, Misterios, Faial, Açores
Natureza
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Parques Naturais
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Património Mundial UNESCO
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Pórtico de Daytona Beach, praia mais famosa do ano, Florida
Praias
Daytona Beach, Flórida, Estados Unidos

A Dita Praia Mais Famosa do Mundo

Se a sua notoriedade advém sobretudo das corridas NASCAR, em Daytona Beach, encontramos uma estância balnear peculiar e um areal vasto e compacto que, em tempos, serviu para testes de velocidade automóvel.
Kremlin de Rostov Veliky, Rússia
Religião
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Sociedade
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.