Atchafalaya Basin, Luisiana, E.U.A.  

O Grande Pântano do Sul Americano Profundo


Auto-Estrada Elevada
Captain Caviar
O dique de Berwick
Edifício Lacustre
Canal Reflectivo
Jacaré em Patrulha
Barbas de Velho
Raízes e Rebentos do Bayou
Ilha de Ciprestes
Íbis-Negro
Linhas do Progresso
A Floresta Alagada
Poema Fantasmagórico
Brilhos do Pântano
Duo Íbis
Cipreste em Fogo
Sombras do Atchafalaya
Por alguma razão os indígenas o tratavam por “rio longo”. A determinado ponto, o Atchafalaya espraia-se num pântano feito de lagoas ligadas por canais, salpicadas de ciprestes, carvalhos e tupelos. Exploramo-lo, entre Lafayette e Morgan, Luisiana, no caminho para a sua foz do Golfo do México.

Por fim, após muitos mais dias do que tínhamos previsto, mudamo-nos de New Orleans para a Cajun Coast a sudoeste.

A viagem até às imediações de Morgan City demora 1h30.

Cumprimo-la por auto-estradas peculiares, erguidas acima de zonas alagadas que, ora seguem paralelas, ora cruzam rios, canais, bayous (braços de rio, rios secundários e pantanosos), lagos, reservatórios e outros.

Uma montra da miríade de corpos de água que mantêm o sul do Luisiana num óbvio estado anfíbio.

Um pouco antes das cinco da tarde, chegamos a uma propriedade sobre a margem de um bayou conhecido por Teche.

O Anfitrião do Atchafalaya Captain Caviar

Vanessa, a anfitriã da região de Morgan apresenta-nos a John Burke, o fundador, timoneiro e guia da Captain Caviar Swamp Tours, uma empresa que, mesmo “one man show”, tinha conquistado uma notoriedade invejável.

Como o seu cognome deixa perceber, John criou-a na sequência de outro negócio inusitado, a comercialização de caviar obtido da amia, um peixe nativo cujas ovas são comparáveis às do caviar consumido na Rússia e restante Europa.

Era suposto John conduzir-nos, de barco, pelo pantanal da bacia do rio Atchafalaya, a partir do embarcadouro do seu lar e base de operações. Findas as saudações, propõe-nos actividades com que não contávamos. “Sabem outra coisa? A minha mãe vive numa casa grande e antiga, próxima da minha. Apareceu-lhe um fantasma, na cozinha.

Além disso, um sacerdote vudu detectou três espíritos pendurados de uma árvore logo em frente.” A sugestão vinha na senda de várias abordagens e incursões ao mundo paranormal, estreadas em New Orleans, entre as quais, um périplo nocturno pelos cemitérios da Big Easy. Haveria de se repetir em quase todos os lugares que cobrimos no Luisiana.

Ali, onde nos encontrávamos, interessava-nos, sobretudo, a Natureza invulgar e intimidante que nos envolvia. Só que o paranormal tornou-se uma fonte de popularidade e de lucro quase obrigatória para quem trabalha em turismo no Pelican State.

Parecia custar, a John, o desprezo que mostrávamos pelas atracções fantasmagóricas que sugeria. John Burke opta, assim, por nos confrontar com alguns dos títulos da TV americana que lhes tinham dedicado programas, episódios e afins.

O próprio Captain Caviar marca presença no episódio “Blue Shirt of Idlewild”, de “Ghosts of Morgan City”, uma série do género fantástico que se apresenta com a seguinte sinopse: “depois de um pico de chamadas de emergência pouco usuais em Morgan City, o edil da cidade e o chefe da polícia local recrutam uma equipa de peritos no paranormal para investigarem a bizarra actividade sobrenatural”.

Num plano mais mundano, Captain Caviar acolheu ainda Troy Landry, vedeta protagonista da série “Swamp People” recorrente, pelo menos, no canal História e em português. Era outro tipo de programa que estava longe de nos seduzir.

À Descoberta da Bacia e Pântano do Atchafalaya

Com o sol a descer no horizonte e um território extenso por explorar, o Captain Caviar anui. Embarcamos e zarpamos em três tempos.

Primeiro, para o bayou Teche. Logo, para o prolongamento do Baixo Atchafalaya, o curso original do rio, desviado para segurança das povoações que cresceram nas suas margens.

Neste percurso, a margem direita contrasta com a oposta.

A do quartel-general do Captain Caviar, revela-se desenvolvida, pejada de mansões ribeirinhas com grandes quintais, ou fazendas diminutas servidas por pontões e embarcadouros.

Assim se sucedem Bayou Vista, Glenwild e Berwick, uma cidade separada de Morgan City pelo Atchafalaya, todas povoações que se orgulham do seu passado e história.

O Passado Indígena e Colonial da Região

Berwick, em particular, honra Thomas Berwick, o primeiro colono branco a desbravar estas paragens, no final do século XVIII, numa altura em que as dominavam os nativos Chitimacha (traduzível como povo das muitas águas), hoje, concentrados numa reserva índia situada nos seus domínios originais de Bayou Chene, para montante do rio e pântano Atchafalaya.

A exclusividade dos Chitimacha e, a sul, da tribo Atakapa terminou por volta de 1755. Então, os Britânicos triunfaram sobre os franceses no cimo das Américas. Expulsaram os seus colonos da imensa Acádia, hoje, integrante do Canadá.

No término de uma deambulação que ficou conhecida como “Le Grand Derangement”, alguns sobreviventes acadianos chegaram a este sul profundo dos Estados Unidos, entretanto dominado pelos franceses. Malgrado a inospitalidade pantanosa da região, lograram formas de subsistência.

Abriram caminho a muitos mais recém-chegados, os ancestrais da vasta comunidade cajun  dos Estados Unidos.

Os Canais, os Bayous e o Pântano Atchafalaya sem Fim

Atingimos o dique que separa o Baixo Atchafalaya do caudal principal do rio.

É um de centenas que as autoridades do Luisiana ergueram para controlarem o nível do caudal, o fluxo da água e de espécies, na bacia do Atchafalaya, considerada o maior pantanal dos Estados Unidos.

John Burke recebe autorização para cruzarmos o dique. Sulcamos um tapete de jacintos aquáticos, invasivos, como o são em tantas outras áreas alagadas à face da Terra.

Do lado de lá, vislumbramos a ponte que liga Morgan City a Berwick.

Flectimos para norte, para um meandro em que o rio flui entre ilhas encharcadas, a Morgan, a Little, outras.

Temos uma vista mais abrangente da flora e da fauna peculiares da bacia e pântano do Atchafalaya.

É, todavia, quando o Captain Caviar nos mete por canais e bayous derivados e nos aponta ao Duck Lake, que os cenários se aproximam, definem e nos impressionam sem apelo.

Até então, certas zonas desvelavam a mácula de milhares de cepos de cedros e carvalhos.

Os Cepos Seculares, Máculas do Pântano Atchafalaya

Integram um legado mais complexo da exploração madeireira que sustentou a expansão dos colonos no Sul Profundo dos E.U.A., devido à sua inacessibilidade aquática e selvagem, tardia na região, onde só se intensificou no final do século XX.

Por volta de 1920, os colonos tinham já arrasado as florestas mais próximas e rentáveis.

A diminuição da procura e os primeiros esforços de protecção ambiental ditaram o fim abrupto do corte de árvores.

Subsistem, assim, bolsas consideráveis de floresta húmida anciã, misteriosa e opressiva na sua densidade e antiguidade.

Uma placa com que nos cruzamos traduz, em rima, o misticismo daquele pantanal.

Parece justificar os programas de TV dedicados ao seu alegado sobrenatural:

Ghosts are around and maybe a Vampire. Especially with fog on the Lower Atchafalaya”.

Navegamos sob cortinas de barbas-de-velho, ondulantes e reluzentes.

Na iminência de rebentos de ciprestes que despontam junto aos troncos sulcados dos espécimes adultos.

Os nativos de ascendência cajun chamam-lhes knees (joelhos).

Na ausência de vento, esses rebentos, contribuem para um reflexo aquático que duplica a excentricidade e beleza da paisagem.

Bandos de íbis-pretos, águias-pesqueiras e jacarés de olhos lampejantes são as provas mais óbvias de uma vida animal furtiva, mas prolífica.

Por essa altura, já tínhamos percebido o quão raras eram as gentes do sul do Luisiana conformadas com a mera realidade natural.

John Burke faz questão de o recordar. “Isto, à medida que escurece, fica mais assustador.

O Fenómeno do Rougarou e as Filmagens Inaugurais do Tarzan

Nunca se sabe quando aparece um rougarou”. John Burke confirma que nos intrigamos. E rejubila.

Na génese colonial e acadiana do 18º estado dos E.U.A., a criatura selvagem e mítica é descrita como tendo cabeça de lobo ou de cão e corpo humano, algo em jeito de lobisomem. John Burke introduz-nos, todavia, a uma inesperada variante.

“Vocês sabem que, em 1917, vieram para cá filmar o primeiro “Tarzan dos Macacos” ? (n. do A. – baseado na obra de Edgar Rice Burroughs).

Imaginem a aventura que não foi, aqui no meio dos jacarés, com malária por todos os lados… Pois, diz-se que deixaram fugir chimpanzés, que eles se adaptaram a esta selva e se transformaram em monstros.”

Imaginamos, então, rougarous amacacados, em vez de lobisomens, a surgirem detrás da floresta sombria e dos véus de barbas-de-velho.

Com o sol a sumir-se para oeste da floresta alagada, sob o pretexto da dificuldade de navegação e sem intenção de arriscar encontros com rougarous, John tira-nos dali para fora.

Ao longo de uma tal de Dog Island Pass, para o cenário de novo amplo e aberto do Flat Lake que nos permitiria apreciar o ocaso, detrás de “ilhas” de ciprestes providenciais.

Pedimos ao Captain Caviar alguma paciência extra.

Que avançasse e recuasse, em função da nossa busca de determinados enquadramentos.

Aperfeiçoamo-los até os considerarmos meritórios daquele lugar inolvidável.

O escurecer dita uma retirada tardia mas estimulante.

Esperavam-nos, afinal, Baton Rouge, a capital do Luisiana. Morgan City e todo um intrigante domínio cajun-acadiano.

 

COMO IR

Reserve o voo Lisboa – Miami (Flórida), Estados Unidos, com a TAP: flytap.com por a partir de 820€. De Miami, poderá cumprir a ligação para Lafayette (2h) por, a partir de 150€, ida-e-volta.

Reserve as suas actividades na Bacia e pântano do Atchafalaya com a Captain Caviar Swamp Tours: captaincaviar.com;

Whats App: +1 98 599 25 383

Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Pearl Harbor, Havai

O Dia em que o Japão foi Longe Demais

Em 7 de Dezembro de 1941, o Japão atacou a base militar de Pearl Harbor. Hoje, partes do Havai parecem colónias nipónicas mas os EUA nunca esquecerão a afronta.
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cerimónias e Festividades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Forte de San Louis, Fort de France-Martinica, Antihas Francesas
Cidades
Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Mini-snorkeling
Cultura
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
mural de extraterrestre, Wycliffe Wells, Australia
Em Viagem
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Étnico
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Casario de Balestrand, Noruega
História
Balestrand, Noruega

Balestrand: uma Vida Entre Fiordes

São comuns as povoações nas encostas dos desfiladeiros da Noruega. Balestrand está à entrada de três. Os seus cenários destacam-se de tal forma dos demais que atraíram pintores famosos e continuam a seduzir viajantes intrigados.
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Ilhas
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
Natureza
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Walvis Bay, Namíbia, baía, dunas
Parques Naturais
Walvis Bay, Namíbia

O Litoral Descomunal de Walvis Bay

Da maior cidade costeira da Namíbia ao limiar do deserto do Namibe de Sandwich Harbour, vai um domínio de oceano, dunas, nevoeiro e vida selvagem sem igual. Desde 1790, que a profícua Walvis Bay lhe serve de portal.
Sigiriya capital fortaleza: de regresso a casa
Património Mundial UNESCO
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Solovestsky Outonal
Religião
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Sociedade
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Vida Selvagem
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.