Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba


Presa por vários arames
Fim do dia na ópera de Arame, uma das várias obras arquitectónicas originais e emblemáticas de Curitiba
Música e vinho
Três jovens animam a feira do bairro "italiano" de Santa Felicidade.
Casario colorido
Curitiba vista da torre panorâmica da Telepar, hoje pertença da operadora Oi.
Igreja “ucraniana”
A igreja ortodoxa de São Jorge, uma de várias erguidas pela comunidade cristã ortodoxa da cidade.
Olho de arquitecto
O Museu Oscar Niemeyer ou olho do arquitecto como é mais informalmente conhecido pelos curitibenses.
Histórico e menos histórico
Contraste extremo na arquitectura do centro da capital do Paraná.
Sem pressas
Pai e filho repousam na sombra de um dos inúmeros jardins da cidade.
Dia de Mercadinho
Frequentadores animam o mercado do Largo da Ordem, uma das zonas mais antigas de Curitiba.

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.

Os dias maléficos de chuva tinham finalmente dado de si. Prendados por um sol sub-tropical radiante, aventuramo-nos numa feira realizada no bairro “italiano” de Santa Felicidade. Ali, desfasado dos transeuntes pelo visual anacrónico, um trio pitoresco toca clássicos rurais vinícolas da Ligúria, enriquecidos pelo acordeão e pela viola, e entoados por um vocalista de boina que, durante toda a actuação, adopta uma pose tão fidedigna como o traje e conserva uma mão no bolso enquanto, com a outra, segura um copo de vinho.

Em grande parte moradores da capital “europeia” do Brasil, os transeuntes reconhecem-se na atmosfera que o pequeno trio recria. Passeiam-se e espreitam cada uma das bancas com interesse redobrado. Convivem e provam o que mais os atrai, incluindo pinhões dos mais variados tipos. Curitiba foi fundada por colonos portugueses, em 1693, entre milhares de pinheiros araucária imponentes. O seu próprio nome advém dessa abundância. Os indígenas tupi chamavam-lhe a terra dos pinhões. Os portugueses ainda tentaram instituir Vila da Nossa Senhora da Luz dos Pinhais mas, a meio do século XVIII, era já o nome tupi que vigorava.

Por essa altura, a faixa costeira da zona era esparsamente povoada. A economia dos poucos pioneiros portugueses e dos caboclos aqui e ali em conflito com os nativos baseava-se na venda de madeira e na pecuária.

Mas, a partir de 1853, por decreto do Imperador D. Pedro II, a região assegurou a autonomia face à província de São Paulo. A falta de mão-de-obra provava-se então de tal forma prejudicial que o governador encorajou a vinda de forasteiros e aderiu ao programa oficial de fomento à imigração europeia. O velho continente mantinha-se assolado pela desigualdade social e por sucessivas guerras que alimentavam a pobreza. Como era de esperar, milhares de almas ansiosas por incentivos semelhantes, zarparam em direcção ao Atlântico do Sul. Em 1871, chegaram ao Paraná 164 famílias de polacos, seguidos de genoveses e de ucranianos, estes últimos reforçados por duas levas distintas após o fim de ambas Grandes Guerras. Nesses períodos, instalaram-se mais alemães, suíços, eslavos, suecos e franceses, bem como árabes provenientes do Líbano e da Síria, holandeses, japoneses e espanhóis, para mencionar apenas as comunidades mais representadas.

O primeiro dos fluxos conferiu um estímulo decisivo no aproveitamento da terra fértil. Os recém-chegados plantaram-na com café, erva mate e soja em vastas áreas até do interior do estado.

Curitiba está situada no cimo de um grande desfiladeiro que surgia na rota que ligava São Paulo ao Rio Grande do Sul. Numa altura em que o café e a criação de gado despontavam, também se assumiu como uma paragem incontornável dos gaúchos e suas manadas.

A meio do século XIX, uma nova vaga de portugueses juntou-se aos pioneiros que haviam ocupado a zona litoral de Paranaguá. Rumaram para o interior atraídos pelo estímulo das plantações de café e instalaram-se nas áreas actuais de Londrina, Maringá, Campo Mourão e Umuarana.

A ironia das ironias é que, hoje, quando nos encontramos com brasileiros que se mudaram para Portugal desde há vinte anos atrás, muitos daqueles que conhecemos e com quem falamos, são provenientes desse mesmo interior paranaense onde se limitavam a subsistir cada vez com mais dificuldades: “ah vocês conhecem Iguaçu, Londrina também, sério?” pergunta-nos, surpreendido, o caixa de uma das frutarias de Benfica em que, durante o Verão, nos abastecemos de quando em quando. “vejam só que eu vivi toda a minha vida em Londrina, ali tão perto, e nunca deu pra ir a Iguaçu … Na altura em que tivemos que decidir, o Brasil entrou numa crise séria. Apesar de Curitiba estar bem acima de quase todo o país, nessa altura, já tínhamos conhecidos em Lisboa. Lisboa dava mais garantias.”

Mais tarde, subimos à Torre de telecomunicações e panorâmica da Telepar (hoje Oi, ou ainda das Mercês) na companhia de uma funcionária do turismo local. Já orientada em termos profissionais Delianne, não se esquiva a elogiar o cenário urbano em que cresceu, contra a lógica do caixa emigrante que conhecíamos em Portugal: “é um lugar especial, Curitiba. Quem consegue fazer vida boa aqui, tem muita sorte, mesmo. Quem dera que todas as cidades do Brasil fossem assim tão seguras e evoluídas.”

Desvendamos a frente de arranha-céus comedidos dispostos de forma mais ou menos improvisada no distrito comercial da quase megalópole, a prova mais evidente da sua já longa prosperidade.  Daquelas alturas, também nos é fácil constatar como os espaços verdes se tornaram numa espécie de fetiche em detrimento da mais selvagem especulação urbanística. Neles, mais que encontrar simples retiros de lazer, os moradores habituaram-se a conviver com o seu passado e com o dos seus concidadãos.  Tanto o brasileiro, como o anterior.

Deixamos o mercadinho animado do Bairro da Felicidade e rumamos ao enorme Parque Tingui. O parque foi dedicado ao povo tupi-guarani. Assim o prova a estátua de bronze do cacique Tindiquera colocada junto ao porta de entrada. A estátua reproduz o líder da tribo Tingui (“narizes afiados”) que controlava a região quando os primeiros portugueses ali aportaram.

Essa homenagem não invalida a presença do Memorial Ucraniano, uma igreja ortodoxa de madeira trazida do interior do estado para homenagear o fluxo de imigrantes ucranianos e que os seus descendentes continuam a visitar para lá deixar as suas preces e mensagens escritas.

Deparamo-nos com fenómenos semelhantes nos distintos bosques dos arredores atribuídos às diferentes comunidades da cidade: tanto são “alemães” e recontam a história dos irmãos Grimm, como se revelam “italianos” e abrigam uma enorme panela de polenta, como a que fervia na Feira do Bairro da Felicidade. Há também um português, munido de oito pilares decorados por azulejos com versos de poetas lusófonos ilustres dos séculos XVI ao XX e que identificam os PALOP’s. E um polonês, caso do baptizado em honra do papa João Paulo II após a sua visita à cidade em 1980.

Com o passar do tempo e o desconhecimento do continente europeu levou a que o curioso termo tivesse sido adaptado pelo povo para definir os brasileiros de cabelo e olhos claros oriundos do leste da Europa, não necessariamente da Polónia. O próprio Clemente, o anfitrião com sangue e “cantar” italiano que nos ajudou a explorar muito do estado do Paraná, recorria ao termo para explicar a normalidade de famílias que mais pareciam ter saído de Kiev ou de Kalininegrado. “Ué, são poloneses, né? O Brasil não é só os vossos descendentes, negro, índio e mulato. Os poloneses cá do sul são isso assim.”

Quando o pretexto não é o étnico, Curitiba edifica e requalifica em nome das artes, se assim se justificar, sem qualquer pretexto, desde que a obra contribua para a dignificação da cidade e dos curitibanos.

Onde existia uma velha pedreira, o município construiu, em ferro e vidro, a exuberante Ópera de Arame inspirada na de Paris. Passamos pelo Jardim Botânico Fanchette Rischbieter, onde uma estufa reluzente é o coração de um espaço com cerca de 25 hectares que concentra os atributos da flora regional e as principais plantas do Brasil. E no estilo arrojado que tornou famoso o autor, o museu Óscar Niemeyer – ou “do olho”, como é conhecido localmente – surge semi-suspenso pela sua sofisticação arquitectónica. Estes são alguns exemplos.

A riqueza patrimonial e o dinamismo de Curitiba parecem não ter limites. Em jeito de recompensa, em 2003, a UNESCO elegeu-a como a Capital Americana da Cultura. O prémio actuou como incentivo extra. Daí para cá, muitas mais foram as obras e eventos que o continuaram a justificar e a dar sentido aos dias atarefados dos residentes que sustentam o quinto maior PIB do Brasil.

A contar pelas estações-tubo de autocarro futuristas em que aguardamos bem abrigados da chuva, pela quantidade de ciclistas que percorrem a vasta rede de ciclovias local, diríamos mais facilmente que estávamos no Japão ou em Berlim que numa capital de estado brasileira, mas Curitiba é um caso à parte. Ao contrário do que se passou com a vizinha São Paulo, com o Rio de Janeiro e também com a mais jovem Brasília, até há algumas décadas atrás, Curitiba tinha crescido e chegado a quase 2 milhões de habitantes de forma quase imaculada. Hoje, apesar de ter cedido à pressão populacional e à invasão de algumas favelas, continua a destacar-se por uma qualidade de vida e diversidade que é única no território brasileiro e que respeita os seus próprios antecedentes históricos.

Entre tantos jardins e monumentos arrojados, arranjamos tempo para passar a Praça Tiradentes, admiramos a Catedral Metropolitana e avançamos pelo túnel pedestre até ao velho Largo da Ordem. Ali, muitos dos edifícios seculares da cidade foram restaurados e aprimorados e o calçadão negro serve de base para mais um mercado, este belo e amarelo. É a cor da maior parte do casario que o cerca e das banquinhas em que alguns vendedores montam os seus negócios, bem mais confortáveis que dezenas de outros comerciantes de roupa e livros usados que os expõem directamente no chão para consulta e regateio de centenas de acocorados. Logo ao lado, uma loja desvia-nos, por momentos, a atenção da feirinha e da sua encantadora genuinidade. A calçada portuguesa que a precede, o seu nome e a mercancia em que se especializaram, dizem-nos, uma vez mais, muito de Curitiba: “Gepetto: Brinquedos”.

Passo do Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Goiás Velho, Brasil

Um Legado da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Parques nacionais
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos Trinta

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cerimónias e Festividades
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Cidade de Mindelo, São Vicente, Cabo Verde
Cidades
São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Cultura
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Pórtico de entrada em Ellikkalla, Uzbequistão
Em Viagem
Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Étnico
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Cruzeiro Celestyal Crystal, Santorini, Grécia
História
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Ilhas
Viti Levu, Fiji

A Partilha Improvável da ilha Viti Levu

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Natureza
Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Cataratas de Victoria, Zimbabwe, Zambia
Parques Naturais
Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As cataratas que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua rainha
Maias de agora
Património Mundial UNESCO

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Hotel à moda Tayrona
Praias

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Via Conflituosa
Religião
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Mini-snorkeling
Sociedade
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso a “A Praia”

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.