San Pedro de Atacama, Chile

O Oásis dos Gringos


La Casona

Empregado de um restaurante observa a acção numa das ruas típicas de San Pedro.

Passeio Acrobata

Residentes atravessam a Plaza de Armas num modo ciclista original.

Pose orgulhosa

Cavaleiro posa pouco antes de partir para uma cavalgada em redor de San Pedro.

Rua de adobe

Moradores e visitantes cruzam-se numa das várias ruas de adobe do pueblo.

Oriana Soza

Nativa ao balcão de uma mercearia afastada das ruas principais da povoação.

Calle Tocopilla

Indicação de números de domicílios sobre uma moldura de adobe não pintado.

La botica

Farmacêutico à porta da farmácia de San Pedro, também ela instalada numa casa típica.

Atacama a pedais

Viajante-ciclista aproxima-se de San Pedro de Atacama.

La Estaka

Angariador de clientes à porta do restaurante La Estaka.

Botas de pele e Esporas

Detalhe do traje de montada usado por um cavaleiro em San Pedro.

Diálogo equestre

Cavalos convivem no estábulo do hotel Explora.

Os conquistadores espanhóis tinham partido e o comboio desviou as caravanas de gado e nitrato. San Pedro recuperava a paz mas uma horda de forasteiros à descoberta da América do Sul invadiu o pueblo.

Percorremos mais uma ruela apertada de adobe quando nos confrontamos com uma procissão proveniente de um outro beco escuro. Progride a passo curto, atrasado pelo peso dos andores que transportam Cristos e Virgens Marias de p

orte impressionante, se tida em conta a dimensão do lugarejo.

Liderado por uma combinação improvável de beatas locais escondidas atrás de véus negros e estrangeiros curiosos que caminham de calções e sandálias, o co

rtejo é animado por cânticos estridentes, interpretados por centenas de devotos iluminados por tochas.

Considerando a velocidade a que se move, promete demorar toda a madrugada a percorrer San Pedro e a chegar à igreja homónima. Para os estrangeiros, is

so pouco importa. Mal a Calle Caracoles fica desimpedida,  à falta de crença, entregam-se à cena e, depois, à cerveza Austral e ao Pisco Sour, as bebidas rainhas do Chile, perfeitas para alegrar a narrativa das suas estórias de viagem – as exactas e as exageradas – e a noite em geral.

Finda a cerimónia, a animação depressa contagia também a calle Gustavo Le Paige, que homenageia um missionário jesuíta de origem belga que se radicou em San Pedro, em 1955, e, como tantos outros forasteiros, se apaixonou pela vida simples da povoação e pelo seu passado atacamenho. Este padre tornou-se, aliás, num dos responsáveis pela preservação da fé e da manifestação religiosa a que tínhamos acabado de assistir.

O oásis que o acolheu foi inicialmente ocupado, há cerca de 11.000 anos, pelos Atacamas, o primeiro povo a fixar-se nas zonas irrigadas por rios ou aquíferos da puna e das quebradas do deserto. Conquistada a área aos Incas – que dela se haviam entretanto apoderado – os colonos espanhóis ergueram então San Pedro que, em 1540, seria visitada pelo conquistador de serviço na região, Pedro de Valdivia. A povoação viveu numa paz próspera enquanto paragem obrigatória das caravanas de gado e de nitrato que ligavam as oficinas nas terras altas dos andes e nas planícies do Atacama à costa do Pacífico.

Essa substância química viria, mais tarde, a ser exportada para todo o mundo, incluindo Portugal. O famoso fertilizante Nitrato do Chile provou-se essencial ao bom desempenho das culturas. Enquanto se disseminou pelo subsolo nacional, a sua imagem de marca do cavaleiro negro invadiu a superfície em posters e sacas do produto. Resistem, aliás, um pouco por todo o país, vários outdoors da marca, pintados em painéis de azulejo, ao estilo clássico da pasta medicinal Couto. 

San Pedro declinou durante algum tempo devido à introdução do caminho de ferro através dos Andes mas ganhou nova vida quando se transformou num destino de férias predilecto dos chilenos e começou a atrair visitantes estrangeiros, ambos rendidos à sua maravilhosa arquitectura colonial e à atmosfera tranquila e acolhedora.

Como nos explica o guia de Santiago, Maurício Aguero: “… o deserto de Atacama tornou-se irresistível aos habitantes aventureiros da capital chilena e, por volta de 1970, apoderou-se da povoação uma horda internacional de viajantes que havia já desbravado várias paragens das proximidades – Salta e Jujuy na Argentina; o Salar de Uyuni na Bolívia, Cusco no Peru e tantos outros – e procurava novos fascínios”.

Passados alguns anos, eram já vários os bares, restaurantes e guest-houses por eles abertos em casas e outros edifícios típicos. O turismo chegou para ficar e dominar. Depois das caravanas de burros e cavalos, a aldeia tornou-se, então, numa paragem obrigatória nas rotas de mochileiros à descoberta da América do Sul Andina, quase sempre provenientes do sul do Chile, de Salta e Jujuy na Argentina, do sul do Peru e do Salar de Uyuni, na Bolívia. Em época alta, os locais são novecentos e poucos mas os forasteiros contam-se aos milhares. Esta invasão subsidia e perturba, desde há muito, a forma de vida secular dos atacamenhos.

Durante o dia, a situação ainda é comportável. A maior parte dos gringos ausenta-se de San Pedro que adopta o ritmo arrastado dos seus habitantes. Mulheres falam à porta da farmácia local, miúdos brincam descalços sobre a lama em redor das acequias, idosos pedalam vagarosamente em direcção aos seus huertos, logo à saída da povoação. Tudo se passa sem pressas ou confusões.

Com o pôr-do-sol os estrangeiros regressam e aglomeram-se  a sul da Plaza de Armas, na principal calle de entretenimento de San Pedro, a Caracoles.

Ali, e nalgumas parelas e perpendiculares, os bares, restaurantes e lojas de recuerdos fazem um pouco de tudo para atrair mais clientes: criam decorações garridas, instalam lareiras interiores e palcos em que acolhem músicos chilenos e, quando calha, de outras partes do Mundo. Também aumentam o volume do som o máximo que podem e mantêm angariadores exuberantes em permanência a desviar transeuntes esfomeados ou sedentos para os seus estabelecimentos.

O espectro dos turistas é agora bem mais amplo do que há algumas décadas atrás. A evolução acentuada da economia chilena dotou a região de melhores acessos e condições. De repente, San Pedro e o Deserto do Atacama deixaram de ser território exclusivo dos indígenas e dos mochileiros, habituados a sofrer para descobrir. Chegaram também os hotéis de luxo, como o Explora e o Larache e os seus clientes endinheirados. Aos viajantes sub-35 juntaram-se outros com mais idade, dinheiro e caprichos de conforto e requinte a condizer.

Apesar da invasão de forasteiros, em termos arquitectónicos, este pueblo situado a 2436 metros acima do nível do mar mantém o aspecto rústico original gerado pelos colonos hispânicos. As casas, térreas e dispostas num padrão geométrico, preservam o adobe em que foram erguidas, umas vezes cru, outras caiado e outras ainda caiado mas “enfeitado” por riscas castanhas produzidas pelo escorrer da água dos telhados de lama num qualquer dia tão especial em que choveu. A contrastar com os tons terra, as suas molduras de portas e janelas são quase sempre garridas e, dependendo do tipo de proprietários, os interiores vão de espartanos à decoração lounge. 

Já as ruas, de terra batida, estão interligadas em redor da Plaza de Armas, onde se destacam os edifícios religiosos e políticos da cidade, solenemente representados pela igreja de San Pedro, a Casa Incaica (especialmente construída para a visita de Valdivia) e o Cabildo. As vias principais são a Caracoles – a comercial – e a Gustavo Le Paige. Esta passa em frente ao museu homónimo, assim baptizado em homenagem ao seu fundador, um missionário jesuíta de origem belga que se radicou em San Pedro, em 1955, e se apaixonou pela povoação e seu passado atacamenho. 

Nas traseiras da cidade, resistem ainda espécies de guetos rurais das comunidades indígenas – os ayulles – sob permanente ameaça especulativa. São hortas e pomares irrigados por canais em que, para surpresa geral, a água, de origem subterrânea ou produto do degelo longínquo dos Andes, flui a grande velocidade. Afinal, era suposto estarmos num deserto.

A população permanente ronda os 5000 habitantes. A quem percorre as callecitas ao fim da tarde, parece bem maior. Regressados das excursões ao deserto e à montanha, inúmeros exploradores atarefados cruzam-se e voltam a cruzar-se até terminar de organizar os seus programas para os dias seguintes. Acossados vezes sem conta por “vendedores” de restaurantes que lhes acenam com conversa fácil, menus baratos e promoções irresistíveis, com o cair da noite, escolhem finalmente onde vão assentar, não necessariamente sossegar.

Há muito que deixou de exercer o fascínio exótico puro por que se tornou famoso. Para sentir o modo de vida tradicional, há que filtrar os cenários, algo exequível durante a tarde quando as excursões levaram os estrangeiros para longe e o calor afasta das ruas os que ficaram a repousar.

Nessas ocasiões, encontramos, aqui e ali, pequenas mercearias genuínas e confusas que vendem um pouco de tudo, desde sacos de adubo e corta-unhas a guias de viagem usados. Entre as tiendas e bodegas pitorescas, sobressaem a farmácia e a padaria em que as mulheres atacama e aymara de tez escura e olhos rasgados comentam os boatos que correm sobre os vizinhos.

Desviamo-nos mais que o habitual do centro e acabamos a comprar empanadas na bodega y botilleria San Pedro. Oriana Soza está muito grávida mas ainda resiste ao balcão e recebe-nos com um misto de surpresa e simpatia. Atendido o pedido, passa-nos o embrulho quente e deseja-nos o típico sul-americano "Que les vaya bien". Estamos prestes a deixar a mercearia quando a nativa ganha coragem e acrescenta ”y, señores … hablen de la nuestra bodeguita a los otros gringos, por favor”.

Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.

Doca gelada
Aventura

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
Pela sombra
Cidades
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Cultura
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Convés multifuncional
Em Viagem

Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.

Paz de "cenote"
Étnico

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Apocalipse teimou em não chegar. Na Mesoamérica, os maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Ao fim da tarde
História
Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Ilhas
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Cavalos sob nevão, Islândia
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Santas alturas
Natureza

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Mergulhão contra pôr-do-sol, Rio Miranda, Pantanal, Brasil
Património Mundial UNESCO
Passo da Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Conversa ao pôr-do-sol
Praias

White Beach, Filipinas

A Praia Asiática de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.

Templo Kongobuji
Religião

Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir de Koya San, pode ser ainda mais fácil.

Cable car com Transamerica Pyramid, São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Noite Pachinko
Sociedade

Tóquio, Japão

O Vídeo-Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Curiosidade ursa
Vida Selvagem

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.