San Pedro de Atacama, Chile

O Oásis dos Gringos


La Casona

Empregado de um restaurante observa a acção numa das ruas típicas de San Pedro.

Passeio Acrobata

Residentes atravessam a Plaza de Armas num modo ciclista original.

Pose orgulhosa

Cavaleiro posa pouco antes de partir para uma cavalgada em redor de San Pedro.

Rua de adobe

Moradores e visitantes cruzam-se numa das várias ruas de adobe do pueblo.

Oriana Soza

Nativa ao balcão de uma mercearia afastada das ruas principais da povoação.

Calle Tocopilla

Indicação de números de domicílios sobre uma moldura de adobe não pintado.

La botica

Farmacêutico à porta da farmácia de San Pedro, também ela instalada numa casa típica.

Atacama a pedais

Viajante-ciclista aproxima-se de San Pedro de Atacama.

La Estaka

Angariador de clientes à porta do restaurante La Estaka.

Botas de pele e Esporas

Detalhe do traje de montada usado por um cavaleiro em San Pedro.

Diálogo equestre

Cavalos convivem no estábulo do hotel Explora.

Os conquistadores espanhóis tinham partido e o comboio desviou as caravanas de gado e nitrato. San Pedro recuperava a paz mas uma horda de forasteiros à descoberta da América do Sul invadiu o pueblo.

Percorremos mais uma ruela apertada de adobe quando nos confrontamos com uma procissão proveniente de um outro beco escuro. Progride a passo curto, atrasado pelo peso dos andores que transportam Cristos e Virgens Marias de p

orte impressionante, se tida em conta a dimensão do lugarejo.

Liderado por uma combinação improvável de beatas locais escondidas atrás de véus negros e estrangeiros curiosos que caminham de calções e sandálias, o co

rtejo é animado por cânticos estridentes, interpretados por centenas de devotos iluminados por tochas.

Considerando a velocidade a que se move, promete demorar toda a madrugada a percorrer San Pedro e a chegar à igreja homónima. Para os estrangeiros, is

so pouco importa. Mal a Calle Caracoles fica desimpedida,  à falta de crença, entregam-se à cena e, depois, à cerveza Austral e ao Pisco Sour, as bebidas rainhas do Chile, perfeitas para alegrar a narrativa das suas estórias de viagem – as exactas e as exageradas – e a noite em geral.

Finda a cerimónia, a animação depressa contagia também a calle Gustavo Le Paige, que homenageia um missionário jesuíta de origem belga que se radicou em San Pedro, em 1955, e, como tantos outros forasteiros, se apaixonou pela vida simples da povoação e pelo seu passado atacamenho. Este padre tornou-se, aliás, num dos responsáveis pela preservação da fé e da manifestação religiosa a que tínhamos acabado de assistir.

O oásis que o acolheu foi inicialmente ocupado, há cerca de 11.000 anos, pelos Atacamas, o primeiro povo a fixar-se nas zonas irrigadas por rios ou aquíferos da puna e das quebradas do deserto. Conquistada a área aos Incas – que dela se haviam entretanto apoderado – os colonos espanhóis ergueram então San Pedro que, em 1540, seria visitada pelo conquistador de serviço na região, Pedro de Valdivia. A povoação viveu numa paz próspera enquanto paragem obrigatória das caravanas de gado e de nitrato que ligavam as oficinas nas terras altas dos andes e nas planícies do Atacama à costa do Pacífico.

Essa substância química viria, mais tarde, a ser exportada para todo o mundo, incluindo Portugal. O famoso fertilizante Nitrato do Chile provou-se essencial ao bom desempenho das culturas. Enquanto se disseminou pelo subsolo nacional, a sua imagem de marca do cavaleiro negro invadiu a superfície em posters e sacas do produto. Resistem, aliás, um pouco por todo o país, vários outdoors da marca, pintados em painéis de azulejo, ao estilo clássico da pasta medicinal Couto. 

San Pedro declinou durante algum tempo devido à introdução do caminho de ferro através dos Andes mas ganhou nova vida quando se transformou num destino de férias predilecto dos chilenos e começou a atrair visitantes estrangeiros, ambos rendidos à sua maravilhosa arquitectura colonial e à atmosfera tranquila e acolhedora.

Como nos explica o guia de Santiago, Maurício Aguero: “… o deserto de Atacama tornou-se irresistível aos habitantes aventureiros da capital chilena e, por volta de 1970, apoderou-se da povoação uma horda internacional de viajantes que havia já desbravado várias paragens das proximidades – Salta e Jujuy na Argentina; o Salar de Uyuni na Bolívia, Cusco no Peru e tantos outros – e procurava novos fascínios”.

Passados alguns anos, eram já vários os bares, restaurantes e guest-houses por eles abertos em casas e outros edifícios típicos. O turismo chegou para ficar e dominar. Depois das caravanas de burros e cavalos, a aldeia tornou-se, então, numa paragem obrigatória nas rotas de mochileiros à descoberta da América do Sul Andina, quase sempre provenientes do sul do Chile, de Salta e Jujuy na Argentina, do sul do Peru e do Salar de Uyuni, na Bolívia. Em época alta, os locais são novecentos e poucos mas os forasteiros contam-se aos milhares. Esta invasão subsidia e perturba, desde há muito, a forma de vida secular dos atacamenhos.

Durante o dia, a situação ainda é comportável. A maior parte dos gringos ausenta-se de San Pedro que adopta o ritmo arrastado dos seus habitantes. Mulheres falam à porta da farmácia local, miúdos brincam descalços sobre a lama em redor das acequias, idosos pedalam vagarosamente em direcção aos seus huertos, logo à saída da povoação. Tudo se passa sem pressas ou confusões.

Com o pôr-do-sol os estrangeiros regressam e aglomeram-se  a sul da Plaza de Armas, na principal calle de entretenimento de San Pedro, a Caracoles.

Ali, e nalgumas parelas e perpendiculares, os bares, restaurantes e lojas de recuerdos fazem um pouco de tudo para atrair mais clientes: criam decorações garridas, instalam lareiras interiores e palcos em que acolhem músicos chilenos e, quando calha, de outras partes do Mundo. Também aumentam o volume do som o máximo que podem e mantêm angariadores exuberantes em permanência a desviar transeuntes esfomeados ou sedentos para os seus estabelecimentos.

O espectro dos turistas é agora bem mais amplo do que há algumas décadas atrás. A evolução acentuada da economia chilena dotou a região de melhores acessos e condições. De repente, San Pedro e o Deserto do Atacama deixaram de ser território exclusivo dos indígenas e dos mochileiros, habituados a sofrer para descobrir. Chegaram também os hotéis de luxo, como o Explora e o Larache e os seus clientes endinheirados. Aos viajantes sub-35 juntaram-se outros com mais idade, dinheiro e caprichos de conforto e requinte a condizer.

Apesar da invasão de forasteiros, em termos arquitectónicos, este pueblo situado a 2436 metros acima do nível do mar mantém o aspecto rústico original gerado pelos colonos hispânicos. As casas, térreas e dispostas num padrão geométrico, preservam o adobe em que foram erguidas, umas vezes cru, outras caiado e outras ainda caiado mas “enfeitado” por riscas castanhas produzidas pelo escorrer da água dos telhados de lama num qualquer dia tão especial em que choveu. A contrastar com os tons terra, as suas molduras de portas e janelas são quase sempre garridas e, dependendo do tipo de proprietários, os interiores vão de espartanos à decoração lounge. 

Já as ruas, de terra batida, estão interligadas em redor da Plaza de Armas, onde se destacam os edifícios religiosos e políticos da cidade, solenemente representados pela igreja de San Pedro, a Casa Incaica (especialmente construída para a visita de Valdivia) e o Cabildo. As vias principais são a Caracoles – a comercial – e a Gustavo Le Paige. Esta passa em frente ao museu homónimo, assim baptizado em homenagem ao seu fundador, um missionário jesuíta de origem belga que se radicou em San Pedro, em 1955, e se apaixonou pela povoação e seu passado atacamenho. 

Nas traseiras da cidade, resistem ainda espécies de guetos rurais das comunidades indígenas – os ayulles – sob permanente ameaça especulativa. São hortas e pomares irrigados por canais em que, para surpresa geral, a água, de origem subterrânea ou produto do degelo longínquo dos Andes, flui a grande velocidade. Afinal, era suposto estarmos num deserto.

A população permanente ronda os 5000 habitantes. A quem percorre as callecitas ao fim da tarde, parece bem maior. Regressados das excursões ao deserto e à montanha, inúmeros exploradores atarefados cruzam-se e voltam a cruzar-se até terminar de organizar os seus programas para os dias seguintes. Acossados vezes sem conta por “vendedores” de restaurantes que lhes acenam com conversa fácil, menus baratos e promoções irresistíveis, com o cair da noite, escolhem finalmente onde vão assentar, não necessariamente sossegar.

Há muito que deixou de exercer o fascínio exótico puro por que se tornou famoso. Para sentir o modo de vida tradicional, há que filtrar os cenários, algo exequível durante a tarde quando as excursões levaram os estrangeiros para longe e o calor afasta das ruas os que ficaram a repousar.

Nessas ocasiões, encontramos, aqui e ali, pequenas mercearias genuínas e confusas que vendem um pouco de tudo, desde sacos de adubo e corta-unhas a guias de viagem usados. Entre as tiendas e bodegas pitorescas, sobressaem a farmácia e a padaria em que as mulheres atacama e aymara de tez escura e olhos rasgados comentam os boatos que correm sobre os vizinhos.

Desviamo-nos mais que o habitual do centro e acabamos a comprar empanadas na bodega y botilleria San Pedro. Oriana Soza está muito grávida mas ainda resiste ao balcão e recebe-nos com um misto de surpresa e simpatia. Atendido o pedido, passa-nos o embrulho quente e deseja-nos o típico sul-americano "Que les vaya bien". Estamos prestes a deixar a mercearia quando a nativa ganha coragem e acrescenta ”y, señores … hablen de la nuestra bodeguita a los otros gringos, por favor”.

Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.

Sirocco
Arquitectura & Design

Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela estética e pelo modernismo inspirada pela vizinha Escandinávia.

Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades

São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré mas, Siga a Marinha.

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.

Herança colonial
Cidades

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Entusiasmo Vermelho
Cultura

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

As Cores da Ilha Elefante
Em Viagem

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Convívio masai
Étnico

Masai Mara, Quénia

Um Povo Entregue à Bicharada

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Banco improvisado
História
Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Autoridade bubalina
Ilhas

Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem a maior manada bubalina e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Uma Busca solitária
Natureza

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Anéis de Fogo
Parques Naturais
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Ao fim da tarde
Património Mundial UNESCO
Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Baie d'Oro
Praias

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Resistência
Religião

Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus radicais pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação

A todo o vapor
Sobre carris

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul

Erika Mae
Sociedade

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Um
Vida Quotidiana

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Recanto histórico
Vida Selvagem

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.