Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio


Sirocco

Sirocco, de Tuuli e Kivi Sotamaa, na altura sobre a neve, parte do percurso artístico 'The Treasures of Arabia'.

‘The Arjen Palasia’

‘The Arjen Palasia’ de Anne Siirtola, um painel feito com mosaicos antigos da fábrica Arabia.

Design World

Painel que anuncia uma exposição de Design durante o Helsínquia Capital do Mundo do Design.

Helsínquia gótica

Nativo de Helsínquia com visual gótico.

Kiasma

Linhas simples mas arrojadas do Museu de Arte Contemporânea Kiasma, criado pelo norte-americano Steven Holl.

Arabia Emblemática

Antiga fábrica de Arabia, no coração de um bairro de Design, por excelência.

Valtteri

Compradores e vendedores procuram bons negócios na feira da Ladra de Valtteri, onde são transaccionados inúmeros produtos com design clássico.

Estátuas ferroviárias

Estátuas art deco na fachada da estação de caminho de ferro de Helsínquia.

Confissões de Fragmentos

A obra usa fragmentos de porcelana de Arabia que a autora Anne Siirtola recolheu dos campos de Vanhankaupunginlahti em que eram colocados as sobras da fábrica.

Relevo de M. Schilkin

Obra de inspiração histórica destacada desde 1943 da parede emblemática da fábrica de Arabia.

Paredes que falam de andar de bicicleta

De nome completo, "Walls Speaking Walls, Summer Winters", trata-se de uma parede com inscrições de ciclistas de diferentes idades.

Com parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela estética e pelo modernismo inspirada pela vizinha Escandinávia.

Quem chega à capital finlandesa por estes dias Invernais, gélidos e nevosos depressa desenvolve a impressão de que não há mais nada para fazer, de que é a única coisa que a cidade tem para mostrar. Em 2009, o Conselho Internacional das Sociedades de Design Industrial (ICSID) escolheu-a como a 3ª Capital Mundial do Design, após Turim (2008) e Seul (2010) e entre 46 cidades de 27 países. Helsínquia bateu Eindhoven na fase final e, apesar do título garantido, ao longo do ano do certame, manteve intacta a sua competitividade com a cooperação empenhada das 4 cidades parceiras: Espoo, Vantaa, Kauniainen e Lahti.

Já no balcão do turismo do aeroporto Helsinki-Vantaa tínhamos reparado na predominância incontornável de folhetos e brochuras sobre exposições, itinerários e eventos relacionados com o design. Na delegação do centro da capital, o paradigma repete-se reforçado com as indicações que as funcionárias de serviço fazem questão de prestar e desenvolver.

Se não os podes vencer, junta-te a eles. Na manhã seguinte acordamos com as galinhas para espreitar o Emma – Espoo Museum of Modern Art. Uma funcionária da municipalidade espera-nos à saída do autocarro e começa por se mostrar surpreendida “Ah são vocês. Tenho que confessar que não esperava que fossem. Estão vestidos como nós. Por norma, os jornalistas do sul da Europa aparecem-nos muito mal preparados para estas temperaturas, de calças de ganga e a tremer. “Rimo-nos com a honestidade da observação e trocamos mais alguns reparos humorísticos. Entretanto, Hanna Saari lembra-se da exigência da sua missão e atalha para um briefing exaustivo sobre o design finlandês e os seus últimos projectos. Desbobina frases intermináveis repletas de termos como sustentabilidade, integração, natureza, inovação, desenvolvimento e interacção e fá-lo de cor e salteado, fruto de um aturado estudo prévio e da repetição. Não lhe dizemos mas, entre nós, temos que ser tão honestos como ela. Toda aquela conversa soa-nos a nada. A confirmar as suspeitas, logo à terceira questão absolutamente leiga que lhe colocamos já se sente desconfortável. É suposto o design assegurar o oposto: “Sabem, assumi o cargo há pouco tempo. Ainda me estou a familiarizar com estas lógicas e terminologias. Vou ligar a um colega mais informado e já vos respondo a isso” diz-nos sem perder a compostura para logo dar ao dedo no ecrã táctil do terceiro iPhone com que traiu a pátria. Por nós, nem valia a pena. Só por si, as teorias do Design nunca nos levariam a lado nenhum. Queríamos ver soluções reais e peças revolucionárias. Para lá de tanto folheto e lengalenga, Helsínquia e as suas satélites estão cheias delas. 

Encontramos a primeira no WeeGee Exhibition Center – o edifício recuperado de uma velha e gigantesca gráfica –  organizada sob o conceito de DesignEspoo!, em redor da maquete urbanística daquela cidade e com um espaço dedicado à participação activa dos moradores que são convidados a deixar sugestões inovadoras num painel já repleto de post-its coloridos. Há imagens da casa-OVNI Futuro, uma habitação desenhada por Matti Suuronen com objectivo de produção em massa, com fé inabalável num porvir tecnológico, aprazível e nómada, também na conquista do Espaço. Até que, a meio da década de 70, a Crise do Petróleo fez os preços dos combustíveis disparar e, com eles o do plástico. A Futuro foi retirada do mercado mas, hoje, cerca de 50 exemplares subsistem um pouco por todo o mundo. A 001 pertence a Espoo.

O céu azul instala-se e o frio intensifica-se com a brisa húmida e veloz que o Golfo da Finlândia lança sobre a cidade. Fazemo-nos fortes e exploramos o epicentro do estilo da capital, Punavuori, um bairro actualmente etiquetado como o seu Design District nem que seja porque concentra mais de 150 bares, cafés, restaurantes e ateliers com decorações, ambientes e objectos originais num grelha de ruas que se estende da avenida central de Mannerheimintie até aos antiquários do porto e à Feira da Ladra de Hietalahti.

Nos anos 70, os criadores finlandeses pegaram no design dinamarquês e no sueco como exemplos e desenvolveram as suas próprias marcas e uma identidade nacional com expoente na figura histórica de Alvar Aalto, autor premiado de dezenas de edifícios revolucionários da Finlândia e do Mundo e de várias peças premiadas.

Os produtos que encontramos um pouco por todo o lado, de cadeiras de pé alto excêntricas até chaleiras minimais têm preços a condizer com esta distinção que aparecem sempre marcados em Euros. Se não se é escandinavo, russo multimilionário ou finlandês, dificilmente se encontra uma pechincha. Felizmente tornámo-nos numa espécie de nómadas modernos. Damos mais valor à descoberta que ao conforto e às soluções domiciliárias e encaramos esta atmosfera helsinquiana como uma de tantas realidades do Mundo, não como uma oportunidade comercial.

Conhecemos, no entanto, os limites da razoabilidade. O pequeno-almoço buffet do hotel Sokos Vaakuna é diversificado, nutritivo, robusto e, claro está, servido em decoração, mobiliário, loiça e utensílios com design finlandês. Mas não disfarça as dores que se formaram durante a noite e nos apoquentam. Estamos habituados a este tipo de problemas nos países menos desenvolvidos e quando o quarto custa uma bagatela. Não é o caso e temos mais 4 noites pela frente. Antes de sairmos para a rua escolhemos o alvo entre os empregados alinhados atrás do balcão e refilamos com a melhor disposição possível: “Desculpe, mas há aqui qualquer coisa que não estamos a perceber. Passamos o dia todo a ver design nesta cidade e o vosso hotel obriga-nos a dormir sobre um colchão que afunda e nos arruína as costas? Faça-nos lá o favor de trocarem a cama ou coisa assim.” O recepcionista alourado sorri e mantém a dignidade. Dá-nos a ideia que já ouviu a queixa centenas de vezes. A resposta deixa-nos desarmados: “Infelizmente todos os nossos colchões são assim. É um modelo novo, americano. Custaram um balúrdio mas reconheço que muitos dos clientes não os apreciam. Acho que não vos posso ajudar.”

Helsínquia tinha borrado ligeiramente a pintura. Ainda assim, deixamos a persistência para mais tarde.

Logo ao lado do hotel, gigantes de granito iluminam e protegem a estação central de comboios desenhada por Eliel Saarinen. Diz-se que inspiraram visuais de Gotham City no primeiro filme da saga Batman. Ali próximo, damos com as formas pouco ortodoxas do museu Kiasma que abriga nova galeria de arte moderna. Segue-se o eloquente Concert Hall e, no extremo oposto do lago central gelado, vislumbramos outra das criações de Aalto, o Estádio Olímpico da capital.

Em 1965, o território soviético era inacessível aos realizadores norte-americanos. Enquanto admiramos o pragmatismo de regra e esquadro da Praça do Senado, percebemos porque serviu para fazer de São Petersburgo no clássico de David Lean, Doutor Jivago. Há muita mais arquitectura divinal para explorar em redor mas, nessa tarde, mudamo-nos para a periferia em busca de uma Arabia local.

Mal saímos do autocarro, detectamos ao fundo a chaminé emblemática do edifício da velha fábrica homónima de porcelana, faiança e barro, inaugurada em 1873 e que, à laia de Vista Alegre, conquistou um lugar especial no coração suomi. Nos dias que correm, o prédio rejuvenescido e alguns edifícios complementares acolheram uma panóplia de pequenas lojas de design, uma biblioteca e a Escola Universitária de Arte e Design de Aalto. O bairro Arabiakeskus e a vizinhança abrigam ainda restaurantes, cafés e alguns dos domicílios mais bem equipados de toda a Finlândia. Ao mesmo tempo, revela-se um museu ao ar livre que nos propõe uma espécie de prova de orientação artística. Munidos de um mapa e ao longo de duas horas, tentamos detectar na paisagem urbana e examinar 24 obras criadas e instaladas por personagens famosas dos vários ramos da arte. Em jeito de confirmação e de recordação, fotografamos cada um dos achados, das Pedras Mágicas à Beira Mar aos pequenos Pássaros Viikki camuflados contra uma parede do mesmo tom, passando pelo parque Tapio Wirkkala desenhado pelo americano Robert Wilson.

A noite põe-se, o frio volta a apertar e a neve cai em abundância. Regressamos da Arabia enregelados e recuperamos a temperatura e as energias num café lounge do centro com estilo irrepreensível. É nestas alturas que o prodigioso design finlandês faz mais sentido.

Kemi, Finlândia

Não é Nenhum "Barco do Amor". Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Ilha Hailuoto, Finlândia

À pesca do verdadeiro peixe fresco

Abrigados de pressões sociais indesejadas, os ilhéus de Hailuoto sabem sustentar-se. Sob o mar gelado de Bótnia capturam ingredientes preciosos para os restaurantes de Oulu, na Finlândia continental.

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls

Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.

Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Folia Divina
Cerimónias e Festividades

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

No coração amarelo de San Cristóbal
Cidades

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Cultura
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Mini-dinossauro
Em Viagem
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Natal de todas as cores
Étnico
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Aposentos dourados
História

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Um mahu integrado
Ilhas

Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Respeito felino
Natureza

PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Por Chame
Parques Naturais
Circuito Anapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
O grande Salto Angel
Património Mundial Unesco

PN Canaima, Venezuela

O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra

Gang de 4
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Conversa ao pôr-do-sol
Praia

White Beach, Filipinas

A Praia Asiática de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.

Cortejo garrido
Religião

Suzdal, Rússia

1000 Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.

Colosso Ferroviário
Sobre carris

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Comodidade até na Natureza
Sociedade

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Campo de géiseres
Vida Selvagem

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.