Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos


Um halo cristão
Bandelier
Lares de Taos
Fé sobre azul
Beatriz e Joseph
Uma vida adobada
Adobe em branco
Marca dos Guerreiros II
Rio Grande Gorge Bridge
Rio Grande, estrada Grande
A Marca dos Guerreiros
De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.

Novo México Acima, a Caminho de Taos

Por alguma razão esta zona do sul interior dos Estados Unidos ficou conhecida por “Terra do Encanto”. Justifica-se que se orgulhe do título ao ponto de as autoridades a usarem como epíteto e o escarrapacharem nas matrículas dos carros do Novo México pelo menos, desde 1999.

Seguimos num carro californiano. Na viagem entre Albuquerque e Santa Fé, surpreendem-nos temperaturas negativas.

E um nevão de toca-e-foge que depressa congela o deslumbre rodoviário em que andávamos. Quase tão rápido como chegara, o tempo frígido rumou a outras paragens.

Desviamos caminho para oeste, apontados ao Bandelier National Monument. Quando lá damos entrada, a desejada combinação de céu limpo e sol radioso abençoava-nos uma vez mais.  Tínhamos dado com os primeiros testemunhos grandiosos que a civilização ameríndia Puebloana deixou a estes confins do Novo México e aos estados vizinhos do Colorado, Utah e Arizona. Não seriam, nem de longe, nem de perto, as últimas.

Bandelier National Park, Novo México, Estados Unidos

Uma escada dá acesso às habitações escavadas na rocha puebloanas de Bandelier.

O Legado Puebloano do Bandelier National Monument

Caminhamos montes e encostas acima e abaixo, intrigados quanto a como, entre 1150 e 1600 d.C. se tinham instalado e prosperado em grutas e aberturas escavadas em grandes paredões de rocha e leitos de rio do Planalto de Pajarito. Exploramos as suas moradias quase milenares durante duas horas a fio. Só não prosseguimos porque, no entretanto, o sol descera mais do que esperávamos.

Taos ainda distava uma hora e meia. Apontamos a Española. Apanhamos a State Road 68 e seguimo-la na companhia do Grande, um de vários rios famosos e cinéfilos da nação ianque.

Mais abaixo no mapa, o Grande deixa o Novo México e entra no Texas. O seu caudal sinuoso marca, ali, o limiar sul deste estado e estabelece a fronteira, ziguezagueante a condizer, dos Estados Unidos com o México.

Estávamos bem a norte dessa raia que o The Donald (Trump) tornou tão polémica. A mesma fronteira em que o sempre soberbo John Wayne faz do Coronel Kirby Yorke, na liderança de um posto de cavalaria infernizado pelos índios apaches que, na longa metragem homónima lançam sucessivos raides a partir do lado mexicano.

O Grande que perseguíamos era outro, recém-nascido. Contava com umas poucas centenas de quilómetros desde a sua nascente, formada pelo  aglomerar de riachos nas montanhas San Juan do Colorado.

Ao Longo do grande Rio Grande

Road 68 acima, vimo-lo passar nas imediações de sucessivas povações com nomes hispânicos: Santa Clara, Española, Pueblito, Alcalde, La Villita, Los Luceros, Velarde, Embudo, Rinconada e por aí fora.

Rio Grande Gorge Bridge

A ponte sobre o desfiladeiro profundo do rio Grande

A determinada altura do seu curso, o rio atraiçoa a RD68. Parte com a 570 e, pouco depois, com a 567, para norte. Nós, mantemo-nos fieis à State Road 68, rumo a Taos.

Chegamos já sobre novo anoitecer gélido a tempo de nos refugiarmos num motel de beira de estrada conveniente, o Super 8. Lá nos instalamos à pressa.

Mas, mudamos de ideias e de saímos disparados em direcção à igreja de San Francisco de Assis, um dos templos missionários da região, situado em Rancho de Taos, ainda hoje, palco de missas regulares.

Vindos de Santa Fé, já nos tínhamos habituado aos edifícios de adobe ora elegantes ora elegantes e monumentais do Novo México.

State Road 68 com o Rio Grande em fundo

Carro percorre a State Road 68, com o canyon do Rio Grande em fundo.

Peregrinação à Igreja Deserta de San Francisco de Assis

Erguida pelos Padres Franciscanos entre 1772 e 1816, a igreja revelar-se-ia apenas mais um. Isto, se a sua origem histórica não fosse a de escudo de fé contra os ataques frequentes dos índios Comanche de que os colonos se viram vítimas.

Àquela hora quase nocturna não encontramos vivalma. Nem de índios nem de cowboys, de padres franciscanos ou qualquer que fosse o género humano válido no Novo México, diga-se de passagem. Mesmo assim, ficamos a fotografá-la sob um crepúsculo que o avançar do tempo tornou religioso.

igreja de San Francisco de Assis, Taos, Novo México, Estados Unidos

A igreja de San Francisco de Assis, um deslumbrante legado colonial de adobe

Afinal, estávamos perante uma das igrejas mais pintadas e fotografadas dos E.U.A. As orgulhosas autoridades de Taos reclamam que o é, aliás, do mundo inteiro.

A sua arquitectura colonial hispânica terá parecido humilde aos frades que a delinearam e supervisionaram. Hoje, essa simplicidade adobada e amarelada é vista como uma incrível expressão de subtileza da elegância. Justificou a adolação de Georgia O’Keeffe e de Ansel Adams, entre tantos outros pintores e fotógrafos, de artistas em geral.

Nem condicionados pelas nossas próprias limitações e pela reverência perante o edifício, queríamos deixar de dali levar um bom registo fotográfico. Esperamos, assim, pelo momento em que o amarelo-torrado da fachada iluminada e o azul da abóbada celeste mais resplandecessem e fazemos as nossas fotos, rendidos a uma trilogia distorcida do templo, da cruz de Cristo e da estátua branca de São Francisco de Assis.

A Caminho de Taos

Uns minutos depois, o breu apoderou-se do cenário. Desde o nascer do sol e de Santa Fé que vínhamos a viajar e a descobrir o âmago pós-colonial do Novo México. Àquela hora tardia, sobrava-nos uma réstia de energia. Ansiávamos pelo repouso no Super 8, o tal motel situado num vale amplo entre o já distante limiar do Deserto de Chihuahua e as montanhas de Sangre de Cristo.

A aurora prenda-nos com uma meteorologia igual à antecessora. Saímos disparados para Taos. Pode até parecer estranho mas, estávamos de tal maneira intrigados quanto ao que encontraríamos no velho Taos Pueblo que atravessámos a Taos cidade sem nos determos.

Quando verificamos o caminho no mapa, reparamos numa realidade curiosa. Até então, o rio Grande tivera o protagonismo fluvial do Novo México.

A Inesperada Confluência Fluvial do Planalto de Taos

Ali, onde Taos e o povoado secular homónimo se haviam instalado, os rios e acequias (canais) eram muitos mais. Fluíam o Lucero e o Pueblo de Taos. Estes, ramificavam-se em vários cursos secundários e voltavam a unir-se. Mais para sudoeste, o Pueblo de Taos render-se-ia ao Grande.

Todos estes fluxos irrigavam e alisavam um planalto aluvial situado acima dos 2.000 metros. Muito devido à água gerada pelo degelo a norte, a aridez do Deserto de Chihuahua dava lugar a uma área de transição para as montanhas que anunciavam as terras altas do Colorado, os seus prados e florestas. Entendíamos, assim, porque os nativos escolheram há muito esta zona para se instalarem.

Uma Aldeia de Adobe Milenar

Estacionamos à entrada de um descampado terroso. Para diante, impunha-se um conglomerado excêntrico de casas de adobe por pintar, umas empilhadas sobre as outras. Formavam uns cinco níveis habitacionais. E retalhos com arestas arredondadas, à primeira vista uniformes mas que compunham uma geometria geral inusitada.

Taos Pueblo, Novo México, E.U.A.

Casario ancestral de adobe do Taos Pueblo, no Novo México.

Nos pisos térreos mais à mão dos visitantes, encontrávamos lojas exíguas e escuras de artesanias: a Taos Indian; a Dancing Hummingbird.

A maior parte, anunciava olaria, trajes e bijutaria. Uma em particular, promovia ainda contadores de histórias.

Avançamos rumo ao coração da aldeia. Sentamo-nos num banco de um lar avançado, de adobe, claro está. Um adobe tão puro que, da sua argila gretada, ainda saía palha amarela. Sem aviso, um casal abre uma porta vermelha e senta-se ao nosso lado. Eram Beatrice e Joseph, irmãos Pueblanos de etnia Tiwa. Perguntam-nos se precisamos de ajuda. Destas suas boas-vindas, a conversa veio a fluir em redor do mundo.

Conversas em Redor da Genética

“Sara, tu pareces Navajo, sabes?” Para a co-autora Sara, era mais uma etnia/nacionalidade a adicionar à sua lista. Uma porque não contava.

Nativos de Taos, Novo México, E.U.A.

Nativos de Taos em repouso à entrada de uma das casas de adobe de Taos.

Até já tínhamos visitado e percorrido a Navajo Nation a norte do Grand Canyon e em redor do famoso e cinéfilo Monument Valley. Por razões que só a razão conhece foi, ali, no povoado de uma das tribos que em tempos mais rivalizaram e guerrearam com os Navajo, que a Sara se viu confrontada com tal comparação.

Os Antigos Pueblanos desta zona também são agora popularmente conhecidos por Anasazi. Ora, Anasazi é o termo há muito usado pelos Navajo para designar os seus “antigos inimigos” do sudoeste. Os descendentes dos Puebloanos desaprovam-no. Preferem ver a sua etnia tratada por Puebloanos Ancestrais. Fosse como fosse, naquele pueblo inverosímil de Taos, continuávamos em paz, entre indígenas amigáveis.

A Sara passou para o lado dos nativos. Quando contemplei o trio, não pude deixar de constatar e sentir uma base sólida na observação de Beatrice e na semelhança dos três visuais: os olhos rasgados e escuros com sobrancelhas incompletas. Os cabelos pretos e lisos e as peles de tons parecidos, o da Sara mais com a de Beatrice.

Como eu a via, a face masculina tostada e marcada pelo sol do tímido Joseph fazia dele um meio-caso à parte. Para mim, Joseph era um verdadeiro pele-vermelha, sem nada de pejorativo.

Continuamos a tagarelar à sombra e retomamos a observação de Beatrice “É que o meu pai é chinês.” explica-lhe a Sara, o que traz à baila a grande migração paleolítica dos povos asiáticos para as Américas pela Ponte Terrestre de Bering. O tema dar-nos-ia muito que falar. Na prática, concordamos em que deveriam partilhar os três uma mesma base genética de há uns 15 ou 16 mil anos atrás.

Vida no Taos Pueblo, Novo México, E.U.A.

Vida tranquila e de adobe do Taos Pueblo

A História de Resiliência de Taos

Estima-se que Taos tenha sido fundada em redor do ano 1000 d.C. É o mais setentrional dos vários Pueblos do Novo México. Lá residem o ano inteiro cerca de 150 pessoas e, muitas mais, partilham as suas vidas entre casas modernas na cidade de Taos em redor (durante o rigor do Inverno) e os seus pequenos negócios no Pueblo, quando a meteorologia suave das restantes estações do ano o permite.

Já a cidade de Taos para que, não tarda, nos mudámos – na origem Don Fernando de Taos – resultou da colonização que se seguiu ao domínio espanhol dos Puebloanos.

Taos Pueblo, Novo México, E.U.A.

Casario ancestral de adobe do Taos Pueblo, no Novo México.

Taos – a cidade – passou por revoltas indígenas contra os missionários e os encomenderos. Mais tarde, integrou o México. E com a supremacia político-militar dos E.U.A. sobre o México que resultou na entrega de boa parte do Norte Mexicano e do Novo México, também Taos mudou de “donos”.

E a sua Nova Era Artística

A excentricidade colonial de adobe de Taos, cedo atraiu uma catadupa de almas criativas. Na viragem para o século XIX, a cidade acolheu os primeiros artistas, entusiasmados pela inspiração daquelas paragens tão distintas dos E.U.A.

As obras da comunidade local de artistas e os seus estúdios, entretanto considerados históricos, ajudaram a notabilizar a povoação e a lá chamar forasteiros curiosos, como nós.

Decoração de rua, em Taos, Novo México, E.U.A.

Uma das muitas obras decorativas da cidade de Taos.

Outros dos seus edifícios emblemáticos é casa de Kit Carson, um lendário pioneiro norte-americano, caçador de peles, agente de assuntos índios que intermediou incontáveis disputas entre os colonos e os indígenas, mais tarde, promovido a oficial do exército dos Estados Unidos.

Carson permanece sepultado nas imediações do lar-museu, junto da terceira esposa Josefa Jaramillo.

Enriquecida pelo seu extraordinário passado multi-étnico, multinacional, multi um pouco de tudo, Taos prossegue no trilho da sua história, mais viva que nunca.

Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.

Grand Canyon, E.U.A.

América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.

Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Seydisfjordur
Arquitectura & Design

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Pleno Dog Mushing
Aventura

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

Teatro de Manaus, Brasil
Cidades
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Comodidade até na Natureza
Comida

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Cultura
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Braga - Ice Lake, Nepal

A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Em manobras
Étnico

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Verão Escarlate
História

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Luzes VIP
Ilhas

Ilha Moyo, Indonésia

Uma Ilha Só Para Alguns

Poucas pessoas conhecem ou tiveram o privilégio de explorar a reserva natural de Moyo. Uma delas foi a princesa Diana que, em 1993, nela se refugiou da opressão mediática que a viria a vitimar.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Homem em caique no Lago Saint Clair, Tasmânia, Austrália
Natureza
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Abastecimento
Parques Naturais

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Património Mundial UNESCO
Grande Zimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Hotel à moda Tayrona
Praias

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Kremlin de Rostov Veliky, Rússia
Religião
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Sphynx
Sociedade

Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.