Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte


O Apogeu da América do Norte

Vista aérea do cume mais elevado do monte McKinley ou Denali, a montanha suprema da América do Norte com 6194 metros de altitude.

Verde efémero

Taiga verdejante do PN Denali, durante o curto Verão do interior norte do Alasca.

Um Vale Glacial

Fluxo de gelo de um dos muitos glaciares que fluem nos desfiladeiros da cordilheira do Alasca de que faz parte o monte Denali.

Águas bravas

Dois barcos de rafting enfrentam rápidos do rio Nenana, nas imediações do Parque Denali.

Granito na névoa

Nevoeiro envolve falésias íngremes no sopé gélido do monte Denali.

Moose Crossing

Sinal de trânsito avisa para a travessia de alces em todo o Parque Nacional Denali.

Gelo nas profundezas

Outro glaciar, este bem escondido num desfiladeiro entre montanhas íngremes.

Pasto de Berma

Alces pastam na beira da estrada do parque Denali, pouco ou nada incomodados com a circulação de veículos.

Boleia Ferroviária

Marco C. Pereira dependurado de uma carruagem inactiva do Alaska Railroad.

Estrada de Gelo

Longo glaciar com estranhas linhas paralelas e contínuas.

Destino: Savage River

Autocarro de serviço do Parque Nacional Denali, pintado de verde para quebrar o menos possível a homogeneidade natural do lugar.

Perspectiva privilegiada

Passageiros de um voo panorâmico fotografam o monte Denali num dia de óptima visibilidade.

O Apogeu da América do Norte II

Perspectiva distinta do Monte Denali, bem destacado da restante cordilheira do Alasca.

Fim de dia sem Fim

Lento ocaso sobre a tundra alasquense, durante o Verão curto das latitudes boreais.

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Após vários dias de exploração dos domínios majestosos de Prince William Sound, deixamos Valdez e damos início a um longo trajecto pseudo-nocturno para norte, ao longo da Richardson Highway, a primeira das grandes estradas alasquenses. Sucessivos congelamentos e degelos e a descontinuidade do permafrost por debaixo tornaram-na mais ondulada do que seria desejável. De acordo, seguimos a velocidade moderada, num ritmo também apropriado para apreciarmos as formas altivas das montanhas Chugach e a tundra setentrional. Mas não só. O vagar permite-nos evitar as raposas, doninhas, esquilos, porcos-espinhos, alces e até um glutão que, ao longo dos quase seiscentos quilómetros cruzam – ou no caso do alce atarantado, ocupam – o asfalto.

Chegamos a Fairbanks já a meio da madrugada mas nunca percebemos uma alvorada digna desse nome. O sol limitou-se a restabelecer-se do seu curto cochicho sobre o horizonte e a devolver àquelas paragens boreais a luminosidade intensa e plena que lhes devia até ao fim do curto Verão.

Confirmamos a fama da segunda cidade do Alasca. Isolada nos confins de um quase nada árctico, Fairbanks desenvolveu a sua própria vida à margem e nunca se preocupou em atrair visitantes. Como seria de esperar, a maior parte não se apaixona por ela à primeira vista. Nem sequer na seguinte. Compreendemo-los. A cidade pareceu-nos tão improvisada e atarefada como desgastada pelo clima austero.

De qualquer maneira, são os grandes cenários que mais se destacam no 49º estado norte-americano e, a algumas horas adicionais para sul, aguardava-nos o ponto alto do itinerário, aquele que tinha justificado o longo caminho desde Valdez. Ponto alto, bem que o podemos dizer. Destacado da vastidão sub-árctica, o parque Denali foi estabelecido em redor da maior elevação da América do Norte, uma montanha pré-histórica com 6.196 metros, cercada por outros picos menos imponentes. No fim do século XIX, um prospector de ouro baptizou-o de McKinley, como apoio político a um candidato presidencial homónimo dos E.U.A. nascido no Ohio e viria a ser assassinado durante o seu segundo mandato por Leon Czolgosz, um anarquista de ascendência polaca. 

Atingimos o parque pela George Parks Highway que liga as cidades bem distantes e emblemáticas de Anchorage e Fairbanks, como tal, uma das vias mais importantes do Alasca. Mal desviamos para a Park Road, começamos a depreender a razão porque os fotógrafos profissionais se referem aos animais de Denali como vida animal aproximável. A caça é, há muito, proibida e, por isso, a fauna foge menos das pessoas e dos veículos. Nuns poucos quilómetros, passamos por uma família de alces e por raposas que se passeiam mesmo à beira da estrada. Há quem tenha a sorte ou o infortúnio – dependendo da perspectiva e da ocasião – de se cruzar com ursos grizzlies, com caribus e com lobos nos muitos trilhos pedestres e de BTT do parque. 

Avançamos até ao Wonder Lake mas o dia não está particularmente favorável à contemplação do Monte Denali que, em dias limpos, ali costuma prendar os visitantes com fabulosas imagens simétricas: a real e a do seu reflexo nas águas imóveis do lago. Entretanto, para compensar, confirma-se a possibilidade de participarmos num voo panorâmico acima do cume e em seu redor. Conscientes de que a mais de 6000 metros de altitude a meteorologia deveria ser outra, animámo-nos e esperámos pelo melhor.

Dormimos num acampamento de nome Greezly nas imediações do rio Nenana mas, apesar do nome do lugar, nenhum dos grandes ursos alasquenses nos atormentou o sono. Despertámos para uma manhã gloriosa. Às oito, já estacionávamos no aeródromo local, ansiosos pela partida.

“Está bastante ventoso. O avião vai chocalhar um bocado. Além disso, vamos voar a altitude que requer oxigénio” avisa-nos o piloto com a descontracção de quem conduz aquelas excursões aéreas há que séculos. “Mas isso são pormenores. O que interessa é que vão ter o privilégio de admirar das melhores vistas das Américas, sem qualquer disputa!” acrescenta. 

Descolamos para o céu azulão. Num ápice, voamos sobre a grande taiga verdejante de Denali. Vemos rios e lagos que o reflexo do sol torna prateados. Para diante, a vegetação verde torna-se seca por acção da maior altitude e do frio. Entram os primeiros braços de gelo e, logo, os brancos frígidos avassaladores dos grandes campos de gelo da cordilheira do Alasca. Continuamos a ganhar altitude sobre desfiladeiros profundos em que deslizam longos glaciares, alguns com meandros caprichosos ou bifurcações graciosas. Vemos enormes pilares de granito esculpidos pela erosão e subsumidos na névoa. 

A determinada altura, entre solavancos e pequenos saltos, deparamo-nos com uma montanha. Temos, aliás, a sensação que com ela vamos colidir. “Ora, aqui está ele!” comunica o piloto americano gabarola aos passageiros com indisfarçável entusiasmo: “Monte McKinley ou Denali, como preferirem. Já muita gente morreu por este sacana. Se depender de mim, nós não vamos fazer parte das estatísticas, não se preocupem!. Vamos dar-lhe três voltinhas e depois regressamos pelo lado oposto ao que viemos, OK?” 

A montanha surge bem destacada acima de nuvens baixas, coroada por um topo branco de gelo permanente, ou dourado do granito mais polido a que o gelo ainda não se conseguiu fixar. O seu assento, escuro, é amplo como o de poucas outras montanhas. Com 5.500 m, a subida da base ao pico é considerada a maior de qualquer montanha situada inteiramente sobre o nível do mar. 

A partir da viragem para o século XX, o pioneirismo da sua conquista despertou a cobiça de um sem número de montanhistas. A primeira ascensão confirmada deu-se em 1910 por um grupo de quatro moradores da região que ficaram conhecidos pela Expedição Sourdough (fermento). Apesar da absoluta falta de experiência no alpinismo, passaram cerca de três meses na montanha. O seu dia de subida ao cume terá durado dezoito horas e sido impressionante. Apenas munidos de um saco de dónutes cada, um termos com chocolate quente e uma vara de abeto de quatro metros, dois deles atingiram o pico norte, o menos elevado dos dois cimos. Ergueram o pau próximo do topo.

A primeira ascensão ao pico mais elevado – a conquista oficial da montanha – deu-se três anos mais tarde por Walter Harper, um nativo alasquense. Robert Tatum, o seu parceiro, também chegou ao cume principal. Este grupo confirmou o testemunho de abeto deixado pela expedição Sourdough, em 1910.

Desde então, inúmeros recordes foram sendo batidos: a primeira mulher, o primeiro montanhista a escalá-lo duas vezes, as primeiras conquistas por novas rotas, a primeira conquista no Inverno (1967), a primeira subida a solo (1970), a primeira subida por uma equipa só de mulheres (1970), a primeira descida da vertente Cassin por Sylvain Saudan “Esquiador do Impossível” (1972), a primeira ascensão por uma matilha de cães esquimós (1979), nova tentativa de ascensão a solo pelo japonês Naomi Uemura, agora no Inverno (1984), falhada, um feito que seria conseguido quatro anos mais tarde. Ao longo deste tempo, e tal como nos tinha adiantado o piloto a bordo, mais de cem pessoas sacrificaram as suas vidas em honra do grande Denali.

A montanha é de tal forma ampla que cria a sua própria meteorologia completamente imprevisível. De um momento para o outro, a atmosfera estável pode degenerar em tempestades furiosas. Em Dezembro, de 2003, foram registados -59.7ºC. Num dia de temperatura semelhante e com um vento de quase 30 km/h, o Monte Denali produziu um recorde norte-americano absoluto de frio de – 83.4ºC.

Perante estes e outros números meteorológicos, topográficos e geográficos, entendemos  porque os nativos Athabascan e outros lutaram tanto tempo para que o tecto da América do Norte se passasse a chamar apenas Denali, exigindo a remoção do nome do presidente que nunca o visitou e pouco ou nada teve que ver com aquelas paragens alasquenses. Este capricho foi satisfeito pelo Presidente Baraka Obaka apesar da oposição do estado do Ohio e da irritação do Partido Republicano um dia antes da sua visita de 30 de Agosto de 2015 em procurou sensibilzar os americanos paras o drama das alterações climáticas. 

Também entendemos porque os nativos guardam tanto respeito pela montanha majestosa no cerne do seu vasto território. Aliás, quando aterramos são e salvos no aeródromo de Denali, esse mesmo respeito ainda nos aperta os corações.

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
El Chalten, Argentina

O Apelo de Granito da Patagónia

Duas montanhas de pedra geraram uma disputa fronteiriça entre a Argentina e o Chile.Mas estes países não são os únicos pretendentes.Há muito que os cerros Fitz Roy e Torre atraem alpinistas obstinados
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Parques nacionais
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Via Crucis de Boac, Festival de Moriones, Marinduque, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Cidades
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Cultura
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Em Viagem
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Capacete capilar
Étnico
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Uma Busca solitária
História

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Banco improvisado
Ilhas
Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Cruzeiro Celestyal Crystal, Santorini, Grécia
Natureza
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Torres del Paine I
Parques Naturais

PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Barco no rio Amarelo, Gansu, China
Património Mundial UNESCO
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Brigada incrédula
Praias
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Religião
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Sociedade
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.