San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana


No coração amarelo de San Cristóbal

Transeuntes de San Cristobal de Las Casas cruzam-se em frente à catedral secular da cidade.

Negócios indígenas

Vendedoras e compradoras maias no mercado municipal da cidade.

“Aqui manda el Pueblo”

Placa numa estrada de Chiapas anuncia a entrada num território zapatista e rebelde.

Emiliano Zapata

Letreiro de um dos estabelecimentos zapatistas de San Cristóbal homenageia Emiliano Zapata, um revolucionário histórico que se tornou ídolo mexicano.

Sob o peso do catolicismo

Nativos junto a uma das muitas igrejas do “pueblo mágico”.

Viva Zapata !

Letreiro de um dos estabelecimentos “zapatistas” de San Cristóbal. 

Vestes felpudas

Indígena com traje típico de San Juan Chamula, uma povoação vizinha conhecida pela fusão autonomista que criou de crenças indígenas e do catolicismo.

Graxa & Sombreros

Engraxadores fazem brilhar os sapatos e botas de habitantes de San Cristóbal de las Casas.

Gente cristobalense

Transeuntes percorrem uma rua nas traseiras da catedral de San Cristóbal de Las Casas.

Uma Fé móvel

Devoto carrega uma estátua da Virgen de Guadalupe, durante tempos de peregrinação em sua honra.

Uma montra ambulante

Vendedora maia carregada com a sua mercadoria colorida.

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

É de longe uma das principais imagens de marca da povoação e não havia como escapar-lhe. “Señores, no quieren acaso unas pulseritas?” Fossemos para onde fossemos, pequenos esquadrões de vendedoras maias seguiam-nos ou apareciam do nada determinadas em ganhar mais uns pesos. “Miren, tenemos de todos los colores!” e esticavam-nos os braços curtos, sobrecarregadas com redes de dormir, fitas, bolsas e tantas outras peças de artesanato com padrões garridos do mesmo estilo. Por vezes, ainda com crianças de colo.

Estas mulheres de baixa estatura, cabelos negros longos entrançados como os tecidos que produzem, peles douradas e olhos ligeiramente amendoados chegavam logo bem cedo, a pé ou nos autocarros velhos e folclóricos que serviam o trajecto entre as aldeias mais distantes e a cidade. Eram maias Tzotzil ou Tzeltal, as sub-etnias predominantes naquelas terras altas (acima dos 2000 metros de altitude) da província mexicana de Chiapas onde, em conjunto, contam com mais de oitocentos mil elementos.

Famílias inteiras de nativos dão mais vida ao mercado municipal onde, além do artesanato, vendem de tudo um pouco, tanto aos habitantes regateadores da região como aos forasteiros curiosos que sondam as bancas em busca das recordações. Em complemento, os lugares preferidos das vendedoras ambulantes maias são a frente sempre movimentada da catedral de San Cristobal e o Zócalo, no caso, um parque verdejante que percorrem de olho na polícia local que as proíbe de vender fora do mercado.

Passou meio milénio desde que os invasores espanhóis assentaram arraiais por estes lados, depois de o conquistador Diego de Mazariegos ter derrotado vários subgrupos maias e instalado um forte que lhe permitiu resistir aos contra-ataques. Mesmo se não tão desconsiderados como então, depressa constatamos que os indígenas não são propriamente amados por grande parte da população branca e até mestiça da cidade. Apesar de a maior parte falar castelhano como segunda língua, raras são as vezes que os vemos em diálogo com os seus moradores. Pelo contrário, chegamos a ouvir conversas destes em que os continuam a menosprezar como seres humanos.

À imagem do que se passou em tantas outras paragens das Américas, com a colonização, veio a pilhagem e a exploração. Na região de Chiapas, os cidadãos espanhóis acumularam fortunas, sobretudo com a produção de trigo. As terras cultivadas foram todas confiscadas aos nativos. Em troca, ser-lhes-iam impostos, trabalho forçado, tributos e doenças recém-trazidas do Velho Mundo.

Esta opressão prolongou-se pelos séculos fora, apesar da resistência que passou a encontrar. Os monges dominicanos chegaram à região em 1545 e fizeram de San Cristobal a sua base operacional. O nome da cidade foi estendido em honra de um deles, Bartolomé de Las Casas, entretanto apontado Bispo de Chiapas. De Las Casas tornou-se no mais notório defensor espanhol dos povos indígenas da era colonial. Em tempos recentes, um bispo de nome Samuel Ruiz, seguiu os passos de Las Casas e mereceu o repúdio e a hostilidade da elite governante e financeira de Chiapas. Ruiz acabou por se retirar são e salvo, em 1999, após muitos anos no cargo. Faleceu em 2011. Entre as suas intervenções de cariz político-social que lhe granjearam vários prémios de instituições internacionais pela paz, incluindo a UNESCO, contaram-se frequentes mediações do conflito entre o Governo Federal Mexicano e o Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) que, volvidas duas décadas de ressentimento e activismo, começou a operar a partir da selva de Lacándon, nas terras baixas da província, em 1994, o dia em que o Tratado NAFTA (Tratado Norte-americano de Livre Comércio entrou em vigor.  Mesmo sem as intervenções militares de outrora, preserva a sua estrutura.

Uns dias antes, enquanto viajávamos montanha luxuriante acima pela estrada sinuosa que liga Tuxtla Gutiérrez – a capital actual de Chiapas – a San Cristóbal, sucediam-se as pequenas portagens impostas às viaturas com simples cordas esticadas por aldeãos, por vezes crianças, de ambos os lados da estrada. “Isto são os impostos locais!” explica-nos Edgardo Coello o condutor e guia que há muito mostrava aquelas paragens a forasteiros. O dinheiro do governo não chega até eles e eles, cobram as taxas que acham devidas a quem passa. Eu não me importo de deixar uns pesos de vez em quando mas, quando acho que são demasiado seguidas e oportunistas, aí, simplesmente não paro. Nunca me aconteceu levar ninguém atrás mas já me contaram histórias de um ou outro incidente rocambolesco com os portageiros, à conta de não reagirem a tempo!”

Uns quilómetros para diante e para cima, já de noite, mandam-nos parar as autoridades oficiais de metralhadoras a tiracolo. Investigam o jipe e os passageiros com critério. “E porque é que estão a passar já de noite?” quer saber um dos militares federais a quem intriga a hora tardia para os hábitos dos guias locais. Edgardo impinge-lhe uma qualquer explicação logística e consegue permissão para prosseguirmos. Pouco depois, atingimos a entrada de uma povoação mal iluminada. Com o reforço dos faróis do jipe, detectamos uma tabuleta de madeira rudimentar e envelhecida que publicita: “Está usted en território Zapatista en rebeldia. Aqui manda el Pueblo y el gobierno obedece.

Em poucos lugares do México esta proclamação fez tanto sentido como em Chiapas. No estado mais meridional do país, os zapatistas provaram-se na quase totalidade nativos. Não foi o caso do emblemático e holográfico Subcomandante Marcos que há pouco mais de um ano publicou uma carta em que confessava ser na realidade Subcomandante Insurgente Galeano. Inspirado na figura do herói nacional-revolucionário Emiliano Zapata, o Zapatismo sintetizou práticas maias tradicionais com elementos libertários do socialismo, anarquismo e Marxismo contra a selvajaria neo-liberal e pró-globalização. Armado da sua ideologia, de metralhadoras e da densidade da selva de Lácandon, o EZLN procurou devolver aos indígenas o controlo das suas terras e matérias-primas, com todas as forças e apesar das baixas probabilidades de sucesso.

O Subcomandante Marcos – Insurgente Galeano, aliás – foi abatido em Maio de 2014 numa emboscada levada a cabo por paramilitares. Com a sua morte, o EZLN passou a ter liderança indígena e reforçou a notoriedade mundial que já conquistara. Em San Cristóbal, em particular, relançou o fenómeno do Zapaturismo.

Neste pueblo mágico ­– assim lhe chamam os mexicanos – é a deslumbrante arquitectura colonial que começa por se destacar. Impressiona-nos a beleza da catedral da cidade, em particular da sua fachada barroca e oitocentista que o descer do sol no horizonte vai tornando mais amarela ao longo da tarde, quando dezenas moradores usam a cruz à sua frente como ponto de encontro. Outra igreja igualmente barroca e ainda mais elaborada que nos encanta é o Templo de São Domingo, todo ele decorado em filigrana de estuque. Subimos os incontáveis degraus que levam ao cimo dos cerros de San Cristóbal e de Guadalupe e admiramos o casario hispânico térreo colorido e repleto de pátios interiores que constitui a cidade. Ainda exploramos a casa-museu Na Bolom que estuda e apoia as culturas indígenas de Chiapas.  

Como nós, milhares de forasteiros deixam-se todos os anos fascinar por estas atracções mais óbvias.

Mas, passados os anos de conflito mais aceso (1994-1997) que prejudicaram sobremaneira a chegada de visitantes, hoje, a velha capital da província atrai um bom número de adeptos e activistas internacionais do Zapatismo. Instalam-se em pousadas baratas para debater e conspirar em bares, restaurantes e centros de artesanato ou combinações de todos, baptizados como “Revolución” e com outros nomes do género. Estes lugares assumem-se agora sem receios. Ernesto Ledesma, psicólogo e dono do restaurante Tierra Adentro – um dos mais emblemáticos – que trabalha com duas cooperativas zapatistas, a “Mujeres por Dignidad” e a “Fábrica de Calzado 1 de Enero” explica que os turistas zapatistas se dividem em duas categorias. “A uns interessa tirar umas fotos com zapatistas e seguir o seu itinerário pela atracções históricas e naturais de renome. Ou, vá lá que seja, pelo Zapatour, o percurso que, em 2001, levou os Zapatistas por doze estados mexicanos para colocarem a questão indígena no centro do debate político nacional.

Os outros, não devemos sequer chamá-los de turistas. Partilham um verdadeiro interesse social e político. Interessa-lhes aprender e colaborar com a causa. San Cristóbal de Las Casas beneficiou muito com a notoriedade conquistada pelo Zapatismo. Ainda mais com a proliferação destas duas classes de visitantes. Chiapas, sempre foi esquecida pelo governo. Sem saber muito bem como, o Subcomandante Marcos foi o melhor relações públicas que podíamos ter tido.”

 

ACOMPANHE-NOS NO "DESTINO IMPROVÁVEL", ÀS SEXTAS, NAS REVISTAS TABU E CAJU (ANGOLA) DO JORNAL SOL.

Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.

Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Apocalipse teimou em não chegar. Na Mesoamérica, os maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

Sirocco
Arquitectura & Design

Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela estética e pelo modernismo inspirada pela vizinha Escandinávia.

Radical 24h por dia
Aventura

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Tempo de MassKara
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Go Go
Cidades

Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.

Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Intersecção
Cultura

Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo “Country”

Os GI's partiram com o fim da 2a Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz Hungduan.

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Um rasto na madrugada
Em Viagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Étnico
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
No sopé do grande Aratat
História

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

Um mahu integrado
Ilhas

Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Victoria falls
Natureza

Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As quedas d'água que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua raínha

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Mini-snorkeling
Parques Naturais

Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso a “A Praia”

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.

Comunismo Imperial
Património Mundial Unesco

Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.

Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Brigada incrédula
Praia

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Ferry Nek Luong
Religião

Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Febre vegetal
Sociedade

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Refeição destemida
Vida Selvagem

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.