Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano


À boleia
Um bando de bicos abertos
Voo em esquadrão
Rumo às redes
A Caminho
Manobras sobre ponte
Névoa matinal
Nenúfares resplandecentes
Tudo a postos
Bovinos intimidantes
O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.

Didas estava consciente do tráfico horrífico que íamos apanhar nos 170 km ligavam Sivasagar ao Babblers Inn, nas imediações de Tinsukia e do Maguri Bill.

Opta, assim, por nos conduzir por uma via alternativa, bem mais rural e pitoresca que cruza sucessivas terreolas de beira de estrada, elevadas face a arrozais sem fim que a debandada da monção, por volta de fins de Setembro, deixara a ressecar.

Pelo estado de Assam acima

Boa parte dessas aldeias e lugarejos são islâmicos. Só o estado indiano de Assam abriga mais de trinta milhões de pessoas. Destas, um terço são muçulmanos com uma profunda génese histórica, que resistiram aos fluxos da Partição da Índia de 1947 e à migração forçada para o Bangladesh ou o Paquistão.

Didas é hindu. Diz-nos que vários dos trinta e três distritos do estado têm, inclusive, maiorias islâmicas. E afiança que o aumento das suas populações pela alta natalidade mas, mais ainda, devido à fixação não documentada de bangladeshianos vindos do outro lado da fronteira se tem intensificado. Ao ponto de o governo de Delhi o considerar um dos seus problemas prioritários.

Tal como a apreciávamos pelas janelas do carro, a abundância de homens de barbas em jilabas e turbantes brancos e a sucessão de pequenas mesquitas locais confirmava o fenómeno, comparável à realidade de Cachemira mas em que, ao contrário do que acontece em Assam, a resistência independentista se mantém bem activa.

Três horas e meia após a partida, passamos por Tinsukia. Não demoramos a achar o Babblers Inn. Partha Sarathi Das, o proprietário, recebe-nos com lenços sedosos de boas-vindas e instala-nos. Almoçamos sem pressas. Por volta das três, saímos os três juntos.

Maguri Bill ou Maguri Beel: uma Deslumbrante Lagoa Assamesa

Amante da fotografia e da vida animal, Partha queria mostrar-nos as maravilhas do Maguri Bill, uma lagoa comprida e recortada, alimentada pelo rio Doom Dooma que a secura relativa do Inverno do Nordeste Indiano, mantinha então pouco profunda, salpicada de ilhas e ilhotas de vegetação.

Maguri Bill ficava represada aquém do caudal dos rios Dibru e Bramaputra e de uma das suas maiores línguas insulares, a de Dibru Saikhowa, por sinal, um parque nacional reputado da Índia e uma das suas mais amplas e ricas reservas da Biosfera. Após se espraiar nessa vastidão lacustre, o Doom Dooma reassume o seu perfil fluvial serpenteante e desagua no Dibru. Não chegamos a testemunhar essa união.

Partha detem-se por momentos num tal de Kohuwa Eco Camp que servia de base às incursões à lagoa. Dali, caminhamos para junto de uma grande ponte de ferro de visual militar sobre o Dibru. Partha apresenta-nos a um barqueiro local. Este, faz-nos embarcar. Mal nos vê recostados, zarpa contra a corrente.

Nesta altura do ano, a lagoa não está tão rasa quanto pode ficar. Mesmo assim, os barqueiros que dela vivem propulsionam as embarcações de madeira com varas longas. Usam-nas como alavancas sempre que encalham em bancos de areia ou na selva densa de jacintos-de-água.

Os pescadores destas partes chamaram o cenário de Beel. Em tempos, proliferava no Beel que continuávamos a subir o Magur, uma espécie de peixe-gato muito procurado. De acordo, o nome completo da lagoa passou a ser Maguri Beel (lagoa cheia de Magurs). Com o passar dos anos e a pesca, os peixes-gato terão diminuído. Várias outras espécies lá continuam a habitar, com predomínio das aves.

Um Remoto Paraíso Ornitólogo

À medida que o barco desliza, sucessivos bandos de patos, gansos, garças, cegonhas, corvos-marinhos e afins, todos com nomenclaturas curiosas reagem à nossa incursão. Alguns, nadam até ao limite da desconfiança. Só após desatam a esvoaçar.

Outros, mais intolerantes, levantam voo quando ainda estamos a umas dezenas de metros. Limitamo-nos a acompanhar e a fotografar os movimentos dos bandos que se mantêm ao alcance das nossa lentes, com frequência de Bicos-Abertos-Brancos, um tipo de cegonha menor que a comum em Portugal, com um bico que, tal como o nome deixa antever, nunca se fecha por completo.

Tanto o Maguri Beel como o vizinho Dibru Saikhowa atraem uma horda de turistas ornitólogos obcecados por avistarem as espécies e os espécimes dos seus sonhos.

Acontece, todavia, que alguns deles chegam entusiasmados com a dimensão e a fama suprema do Parque Nacional Dibru Saikhowa mas depressa se desanimam com as dificuldades logísticas e a paciência lá impostas. Nesses casos, acabam por se render à facilidade e ao imediatismo do Maguri Beel onde, numa simples manhã a bordo de um barco de madeira, detectam boa parte das espécies que pensavam exclusivos da Reserva Biológica.

Foi, aliás, essa a razão porque a BirdLife International – uma Rede Global de Organizações dedicadas à conservação de aves e dos seus habitats e diversidade – o declarou um IBA (Important Birding Site).

Os Pescadores e Recolectores Habitantes de Maguri Beel

Debaixo do tapete de jacintos-de-água e de nenúfares, o Maguri Beel  também é lar de uma miríade de peixes e de criaturas anfíbias. Avisados desta disponibilidade de alimento, os nativos mantêm instaladas redes de pesca em lugares estratégicos.

Improvisam-nas a partir de redes mosquiteiras ou de grandes sacos usados pelas plantações vizinhas do famoso chá de Assam. Usam ainda barreiras feitas de canas, bem mais ecológicas já que permitem a passagem dos peixes mais jovens. E também os vemos recorrer a modelos de arremesso, com pesos nas pontas e que lhes concedem pescarias casuais. Alguns pescadores ficam instalados em tendas básicas que armam sobre secções de terra firme.

Essas tendas improvisadas permitem-lhes prolongar as suas pescarias e aumentarem os rendimentos. Uma pequena minoria detém casas de madeira, por norma (mas nem sempre), a salvo das inundações trazidas pelas monções.

Nas zonas baixas do Maguri Beel em que a água mal passa dos joelhos, vemos ainda homens e mulheres a recolherem e filtrarem grandes tufos encharcados de vegetação. Partha vê-nos intrigados e esclarece-nos: “Andam a apanhar caracóis de água que vêm agarrados às raízes. As pessoas aqui adoram-nos. Eles vendem-nos facilmente nos mercados.”

De Volta à Margem e ao Babblers Inn

Ao fim de uma hora e meia de deambulação embarcada, constatamos que o ambiente se rosava, à medida que o sol pousava sobre o horizonte dissimulado atrás de um manto denso de nuvens.

Em simultâneo, o reflexo do grande astro aterrava aos poucos sobre o Maguri Beel e tingia-o de tons de magenta condizentes com os dos muitos nenúfares que se mantinham abertos. Invertemos o rumo. A favor da corrente, regressamos num ápice ao embarcadouro do Kohuwa Eco Camp. Partha instala-nos numa mesa exterior.

Serve-nos um pequeno lanche que inclui milkteas bem quentes. Àquela hora tardia, com tanta água em volta, uma cacimba invernal frígida tinha-se apoderado dos nossos corpos. Os chás açucarados disfarçam de imediato o desconforto e renovam-nos a disposição.

Regressamos ao Babblers Inn. Jantamos. Partha convida-nos para nos juntarmos a ele e ao seu padrinho de casamento, em volta duma fogueira. “And would you join us for some booze?” questionam-nos sem cerimónias, com a maior das vontades de que nos integrássemos.

Bebemos do que eles estavam a beber. Ficamos um bom tempo à conversa. Até que o calor do fogo e o álcool se aliam ao cansaço da viagem matinal e dos sucessivos despertares madrugadores. Partha tinha marcado a alvorada seguinte para as cinco. Um sono precoce, embalado pelo afago da fogueira e do convívio, vinha a calhar.

Uma Nova Incursão Matinal

Despertamos àquela hora cruel mas essencial. Voltamos a sair os três rumo ao Maguri Beel. Um nevoeiro cerrado cobre a lagoa de mistério, sem sinais de ceder.

Partha sugere caminharmos em vez de embarcamos logo no ancoradouro da véspera. Atravessamos a ponte para o lado de lá do Doom Dooma, comunidade ribeirinha de Purani Motapung adentro. Prosseguimos pela estrada de terra batida que dela se prolongava, ao largo de um mato verde ensopado coroado por estranhas plumas com jeito de penas de pavão que se destacavam contra a névoa.

Partha leva-nos à casa de corda e bambu de uma das famílias residentes. Tinham despertado fazia pouco. Preparavam-se para sair para os seus fazeres. Partha saúda-os, apresenta-nos e questiona-os quanto a novidades da fauna da lagoa; queria saber, em particular, se sabiam se andavam por perto os búfalos que costumam deambular pelas suas margens.

Respondem-lhe que ainda não tinham dado por eles nessa manhã mas que ainda era cedo, e que era possível que estivessem mais para dentro do Maguri Beel.

Partha decide procurá-los. Instrui o barqueiro que nos acompanhava a resgatar uma embarcação enquanto nós prosseguimos estrada acima até uma zona mais rasa da lagoa em que – tudo assim indicava – conseguiríamos passar para o barco sem nos atolarmos.

Frente a Frente com uma Armada de Búfalos Asiáticos

Retomamos a navegação livre do fim de tarde anterior, entre redes de pescas suspensas, espécies de véus lacustres que o sol ainda difuso mas cada vez mais insinuante transformava em silhuetas e reflexos enigmáticos.

A disputa entre a névoa e o grande astro inundavam o pântano de um forte misticismo matinal. O guia e o barqueiro levam-nos ainda mais para dentro da lagoa. Mantemo-nos atentos às aves camufladas pela alvura flutuante. Equipado com binóculos, Partha vê mais à frente.

“Encosta ali!” diz, entusiasmado, ao barqueiro. Voltamos a desembarcar e cumprimos um ligeiro desvio ilusório. Quando apontamos uma teleobjectiva para a direcção que nos indicava, percebemos o motivo do seu sobressalto. Uma grande manada de búfalos asiáticos partilhava uma zona alagada entre um prado verdejante e nova floresta de mato alto.

“Vamos aproximar-nos mas muito, muito devagar.” comunica-nos. “Por norma, eles só não toleram os movimentos bruscos na direcção deles ou demasiada proximidade. Se avançarmos a pouco e pouco, se ficarmos a uma boa distância, não nos metemos em sarilhos.”

Verdade seja dita que a formação de várias dezenas daqueles bovídeos hiperbólicos, donos de longos e afiados chifres deixava-nos intranquilos. Até porque o seu reflexo na água parada do lodaçal dava a ideia de serem o dobro.

Sabíamos que, onde quer que existem, os búfalos selvagens provocam um número considerável de vítimas entre os humanos. Mas também estávamos conscientes de que Partha explorava o Maguri Bill e com eles se confrontava com frequência. De acordo, seguimo-lo.

Regresso à Base

Apontamos as objectivas. Rejubilamos tanto quanto possível quando os grandes machos líderes da manada se viram para nós e tentam intuir as nossas intenções. Aproximamo-nos um pouco mais. Um dos machos-alfa ergue o focinho, a sondar o que a brisa lhe levava, e raspa uma das patas no solo.

A repetição do seu sinal por mais um ou dois espécimes chega para concluirmos que ali estávamos há demasiado tempo e que tínhamos imagens suficientes. Reembarcamos. Invertemos o rumo orientados para o canal em que o Maguri Bill afunilava no canal que o levava até ao grande Dibru, do lado de cá do majestoso e mítico Bramaputra.

Regressamos ao Babblers Inn. São dez e meia da manhã quando nos despedimos de Partha e da família. As dez horas seguintes passamo-las a viajar de volta para Guwahati, a cidade também ela às margens do Bramaputra, em que tínhamos inaugurado aquele périplo já bem longo por Assam.

 

Got2Globe agradece o apoio na realização deste artigo às seguintes entidades: Embaixada da Índia em Lisboa; Ministry of Tourism, Government of India; Assam Development Corporation e Babblers Inn, Tinsukia.

 

Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.

Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.

Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
Passo da Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.

PN Chobe, Botswana

Um Rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.

Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.

Lençois da Bahia, Brasil

Uma Liberdade Pantanosa

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.

Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Guwahati, India

A Cidade que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Seydisfjordur
Arquitectura & Design

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Telhados cinza
Cidades

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Acolhimento de Satoko
Cultura

Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Até há pouco, os estúdios nipónicos produziam 60% de todas as séries de animação. “Higurashi no Naku Koro ni” teve enorme sucesso. Em Ogimashi, damos com um grupo de kigurumis das suas personagens.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Convés multifuncional
Em Viagem

Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.

Casinhas de outros tempos
Étnico
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
White Pass & Yukon Train
História

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Litoral de Upolu
Ilhas

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Meandros do Matukituki
Natureza
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.

Tempo de surf
Património Mundial UNESCO

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Cap 110
Praias

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.

1º Apuro Matrimonial
Religião

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Sociedade
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Um
Vida Quotidiana

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.