Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas


Cores e sombras

Pedestres agrupados esperam para atravessar a rua para debaixo das arcadas do cabildo de Mérida, sobre o anoitecer.

Passatempos

Condutores de charretes entretêm-se enquanto esperam por passageiros.

Catedral sobre loureiros

A catedral de Mérida sobre a "floresta" de loureiros da praça central de Mérida.

Maias

Vendedores maias carregadas com as artesanias que tentam vender aos turistas que encontram em Mérida.

80b64f76-ebdc-426d-b4f3-60b98231bad7

Guarda de serviço no edifício histórico do cabildo de Mérida.

Colegas de tom

Músicos repousam na praça central de Mérida antes de entrarem ao serviço.

Vida abençoada

Habitantes de Mérida diante da catedral imponente da cidade. 

Agente Mian

Guarda de serviço no edifício histórico do cabildo de Mérida.

Vaqueria iucateca

Momento de dança de um espectáculo tradicional realizado aos fins de semana em Mérida.

Noche de Mérida

Trânsito contorna a praça central de Mérida com a noite a reforçar-se sobre a Península do Iucatão.

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Vinda do Mar das Caraíbas, a frente fria que havia visitado aquela estranha protuberância mexicana começava a dar parte fraca. O dono de uma loja de recuerdos da Plaza Grande sabia bem que quando o sol começava a entrar pelos retalhos de azul celeste não tardaria a reclamar o seu domínio tropical. De acordo, inconformado com alguns sinais de envelhecimento precoce do boneco mariachi à porta do seu negócio, armou-se de pequenas latas de tinta e de pincéis e retocou-o de volta à perfeição.

Gerada e enraizada no centro-oeste do país, a tradição mariachi pouco ou nada tem que ver com Mérida ou a isolada Península do Iucatão em geral, para lá de, em termos oficiais, também estarmos no México.

Cancun e a Riviera Maia distam meras quatro horas por estrada. A maior parte dos gringos que aterram nos seus aeroportos e nas espreguiçadeiras dos inúmeros resorts não conhece o suficiente do México para detectar a incongruência. São raros os que deixam o requinte balnear plástico dos hotéis e estâncias iucatecas do caribe determinados a chegar tão longe como Mérida. Por norma, o limite da sua exploração pelo interior do Iucatão fica no famoso complexo arqueológico de Chichén Itzá, antigo centro político e económico da civilização maia.

Tal como Chichén Itzá, o local em que hoje se espraia Mérida já era uma importante cidade maia séculos antes da chegada do conquistador espanhol Francisco de Montejo y León (El Mozo) e dos seus homens. Foi em 1542 que estes conquistaram T’Hó, um povoado repleto de pirâmides de que os colonos removeram as pedras criteriosamente esculpidas pelos nativos e com elas ergueram os seus próprios edifícios. Alguns historiadores consideram a Mérida mexicana a cidade das Américas há mais tempo ocupada em contínuo, há bem mais anos que o povoado homónimo da vizinha Venezuela, e há muitos mais que o das Filipinas.

Preocupados com as revoltas frequentes dos indígenas maias, os residentes peninsulares e mestiços mantiveram a Mérida da península do Iucatão muralhada. Os paredões de pedra calcária, os defensores e as epidemias de varíola e outras trazidas do Velho Mundo aniquilaram as pretensões de reconquista dos nativos. Muitos dos edifícios coloniais erguidos até ao século XIX permanecem intactos no centro histórico, em redor do parque frondoso e rectangular da Plaza Grande, que o trânsito, mesmo assim, demasiado infernal para o que o encanto deste cientro merecia, contorna de forma incessante, ainda repleto de velhos fuscas barulhentos.

Señores, no quieren acaso hamacas? “pergunta-nos uma mulher maia, de muito baixa estatura – como quase todas – que traja um vestido branco com limites bordados, à sombra de uma árvore secular e na companhia de algumas moradoras mestiças. Passamos os olhos pela sua pilha multicolor de redes de repouso enoveladas. O produto não nos seduz. A vendedora aposta em protelar a venda: “Quizás más tarde?”

Tal como as congéneres espanhola, venezuelana e filipina, esta Mérida tem uma forte génese hispânica mas, passados os confrontos históricos, nenhuma outra grande cidade mexicana acolhe, hoje, tantos habitantes maias como a capital do estado de Iucatão (cerca de 60% da sua população). Claro está que, fruto da longa supremacia dos colonos, os negócios estabelecidos nos principais edifícios da cidade estão entregues aos criollos (habitantes já nascidos no México mas com ascendência hispânica). À maior parte das mulheres maias, restam algumas bancas do enorme mercado local ou patrulhar os recantos turísticos da cidade de olho nas autoridades que nem sempre lhes perdoam as multas devidas pela ilegalidade da venda ambulante.

Essas e outras leis emanam do cabildo, instalado noutro edifício secular elegante sustentado por arcadas abobadadas e de que se projecta uma torre de relógio suprema.

Saímos da sombra do jardim, atravessamos uma passadeira amarela e subimos uma escadaria interior que nos revela diversas salas com decorações faustosas de antiquário. Ninguém questiona a nossa incursão, razão porque só nos detemos sobre o parapeito do longo varandim do edifício. Dali, apreciamos a Plaza de la Independência (nome oficial da Plaza Grande), vista acima do tecto formado pelas copas de grandes loureiros, perfurado pela bandeira mexicana no seu centro, pelo frontão e pelas torres da Catedral e cimos de outros edifícios quase tão altivos.

Enquanto o fazemos, uma troupe em vestes artísticas atravessa a mesma passadeira que havíamos cruzado e sobe ao cabildo. Não tardamos a partilhar com eles o varandim e percebemos tratarem-se de uma jovem cantora argentina, seus músicos e dançarinos, que se passeiam pela cidade e dela seleccionam lugares mais apelativos para breves sessões fotográficas, algumas em poses de tango. Haveríamos de nos cruzar novamente com eles nas ruas da cidade e, sem o esperarmos, assistimos a uma sua exibição, parte de um espectáculo cultural de uma das noites seguintes.

Antes de regressarmos à realidade térrea da cidade, o agente policial J. Mian aparece do interior do edifício com a missão de controlar a legitimidade daquele inesperado ajuntamento. Conversa puxa, conversa, acabamos por o incluir na nossa própria sessão fotográfica. As câmaras não só não o intimidam ou preocupam – algo raro quanto se trata de um braço da lei – como o deixam visivelmente orgulhoso, a posar de braços atrás das costas e feições endurecidas. “A ver, a ver….” roga-nos para poder espreitar o pequeno monitor com a avidez de um Narciso fardado e fora de si. ”Muy bién, muy bién, soy el agente Mian.”

A determinada altura, o sol estava a pique, o calor e a humidade intensificavam-se e agravavam a poluição residente nas ruas entupidas por vendedores de tudo um pouco. Passámos por uma sucessão de sapatarias e lojas de roupa, legados distantes da bonança económica dos anos 80 e 90, quando inúmeras maquiladoras (fábricas de confecção têxtil) da zona produziam e vendiam, com enormes lucros, uma panóplia de peças de roupa. Contornámos várias lojas repletas de bugigangas chinesas e a fachada do Mercado Municipal Lucas de Galvez. Na sequência, subimos uma escadaria e, nas traseiras, demos com um terraço intermédio ocupado pelos incontornáveis comedores (pequenos restaurantes) que quase sempre complementam os mercados. Era o que procurávamos.

Num ápice, nove ou dez donas de pequenos restaurantes inauguraram uma disputa frenética pela nossa atenção e pelos pesos mexicanos, e obrigaram-nos a escolher as oito ou nove que iríamos rejeitar. Não estávamos com paciência ou sequer com energia para comparar menus. Numa das paredes, um painel com uma pirâmide e outros motivos maias pintados num kitsch manchado pelo tempo publicitava o negócio de Carmita La Mesticita! É lá que nos sentamos, instigados pela suavidade do apelo da proprietária: “Bienvenidos señores. Que les puedo servir?” e saboreamos um revigorante almoço tradicional mestiço, enquanto aguardamos que o calor dê de si.

Luís Villanueva, o motorista que nos conduz pelo estado de Iucatão tem sérias dificuldades com a geografia do mundo ao ponto de nos perguntar se Portugal fica para os lados da Bolívia (terá confundido com Paraguai?). Para compensar, de comida e saúde entende e testemunha sem qualquer receio que os repastos tradicionais iucatecas são meio caminho para uma vida longa: “desde que não se coma a porcaria que os gringos para cá trouxeram, tem-se tudo para viver muito e bem. O meu pai já conta 90 anos. A minha mãe vai com 80. E dois dos meus avós estão vivos com mais de 100.” O mais certo é ele estar cheio de razão.

Com o entardecer, caminhamos em direcção à Praça de Santa Lucia, palco de espectáculos musicais e de dança que não queríamos perder. Pelo caminho, espreitamos com atenção redobrada a Catedral de Mérida. À direita da sua porta sul, há uma pintura de Tutul Xiú, um cacique maia aliado de Francisco de Montejo. Juntos, Montejo e Xiú derrotaram os maias Cocomes. Em seguida, Xiú converteu-se ao Cristianismo. Os seus descendentes ainda vivem em Mérida.

Do lado oposto da rua, descortinamos uma outra cena digna dos tempos dos senhores e seus vassalos, se bem que passada nos nossos dias. O dono de uma pequena frota de charretes turísticas fala ao telemóvel refastelado no banco de uma delas. Cinco condutores e auxiliares todos igualmente sob chapéus de vaqueros fazem-lhe uma óbvia companhia subalterna sentados nos restantes assentos e em redor. Aguardam por instruções ou por passageiros que tardam em chegar e sorriem deleitados quando nos mostramos obcecados pela pitoresca cena.

Continuamos a afastar-nos da Plaza Grande em direcção à de Santa Lucia, entre mais e mais fachadas de grandes casas senhoriais adaptadas a museus, instituições estatais ou privadas ou negócios elegantes. Quando chegamos, constatamos o laxismo da pontualidade mexicana. Não vemos sinal do espectáculo que era suposto estar prestes a começar. Um vendedor ambulante ainda instala uma banca de snacks. Dois jovens irmãos impingem-nos pulseiritas e colheritas de artesanato. Pouco depois, chegam os técnicos encarregues de afinar o som e os primeiros aficionados da vaquería Yucateca – assim se chama a exibição regular – determinados em conseguir lugar na primeira fila. Volvida uma hora, a plateia está composta. Um apresentador octogenário mas em grande forma surge em trajes típicos, numa guayabera, calças e alpergatas iucatecas brancas. Inaugura o show e uma série de piadas no intervalo de cada actuação que, popularuchas e deveras machistas, arrancam gargalhadas histéricas entre o público feminino. “Las mujeres son como la yerbabuena. Arriba tienen la yerba y abajo la cosa buena”…

Entram com grande destaque os artistas argentinos com que nos tínhamos encontrado no cabildo e nas ruas da cidade. Pelo meio, há declamação de poesia. Antes do encerramento têm lugar os actos a que os espectadores estão mais que fartos de assistir mas que, ainda assim, preferem. Ficamos a conhecer o folclore regional do estado de Iucatão acelerado e diversificado a que se convencionou chamar vaquería iucateca por ter tido origem nas festas populares que os grandes criadores de gado daquelas partes das Américas organizavam, especialmente antes da ferragem dos animais, tarefa que implicava um enorme esforço e merecia uma recompensa à altura.

Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Apocalipse teimou em não chegar. Na Mesoamérica, os maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

Wilkommen in Africa
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Tribal
Cerimónias e Festividades

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Palestra
Cidades

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Ilha menor
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Conversa entre fotocópias
Cultura

Inari, Finlândia

A Assembleia Babel da Nação Sami

A nação sami é afectada pela ingerência das leis de 4 países, pelas suas fronteiras e pela multiplicidade de sub-etnias e dialectos. Mesmo assim, no parlamento de Inari, lá se vai conseguindo governar

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Em Viagem
Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
A ver a vida passar
Étnico
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Minhocas
História

Tbilissi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.

Recanto histórico
Ilhas

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

South African Geographic
Natureza
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Acima de tudo
Parques Naturais
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Bastião Ryukyu
Património Mundial Unesco

Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Perigo de praia
Praia

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Cansaço religioso
Religião

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

A todo o vapor
Sobre carris

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul

Puro Pacífico do Sul
Sociedade

Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Hipo-comunidade
Vida Selvagem

PN Chobe, Botswana

Um Rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.