Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos


Herança colonial

O casario que foi substituindo, com recurso aos lucros dos diamantes, as tendas feitas de pano que inspiraram o nome "Lençóis da Bahia".

Ruela afrancesada

Jovens moradores entram num beco sombrio que parte da Praça Horácio de Mattos.

Silhueta equestre

Cavaleiros percorrem um trecho colorido de uma rua de Lençóis.

Abençoados sorvetes

Amigas saboreiam gelados contra a porta de uma das igrejas da cidade.

No caminho do Senhor

Morador passa em frente à igreja do Rosário.

Cena sertaneja

Nativo com trajes tradicionais carrega o seu cavalo na rua das Pedras.

Noite clara

Lua cheia e a iluminação eléctrica destacam as cores da Praça Horácio de Mattos.

Homília de 8 de Dezembro

Uma missa exuberante em honra da Imaculada Conceição tem lugar na igreja do Rosário.

SPA natural

Amigas descontraem na lagoa escura do Ribeirão do Meio.

De vigia

Nativo observa a acção da cidade.

Praça Horácio de Mattos

Grupo de visitantes fotografa-se na Praça Horácio de Mattos enquanto um jovem nativo faz ciclo-acrobacias.

Espera sem desespero

Moradora aguarda a abertura de uma loja da rua das Pedras.

Carga leve

Jegues carregados e o jovem dono, como vistos do interior de uma loja de Lençóis.

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Quando se contempla a cidade do topo da Serra do Sincorá dificilmente se consegue imaginar o estranho cenário provisório que esteve na origem do seu nome. Se nesses primeiros tempos Lençóis não era mais que um reduto garimpeiro caótico que tornava milionários os poderosos e esmagava os mais fracos, hoje, bastam uns dias para se constatar que, do seu passado, restam quase só os aspectos positivos.

Foi algo que o governo brasileiro, perante a pressão do MCC – o Movimento de Criatividade Comunitária criado por defensores da região – acabou por favorecer, proibindo a prospecção industrial e “promovendo”, em 1973, a cidade a Património Nacional, título apenas concedido às verdadeiras preciosidades históricas e naturais brasileiras.

Mas não é só isso que faz de Lençóis tão especial. Existem inúmeras cidades belas por esse mundo fora que não exercem o magnetismo desta que acabámos de conhecer. Há qualquer coisa mais. Qualquer coisa que ultrapassa os sentidos.

Ao fim de algum tempo torna-se óbvio que Lençóis e os seus 6400 habitantes vivem uma relação de amor incondicional e que, por sua vez, geram paixão nos visitantes brasileiros e estrangeiros. Estes, ligados a outras cidades e a outras pessoas, quando se vêem obrigados a partir, acabam por fazê-lo muito contrariados. Mas nem todos os forasteiros se conformam com a despedida. De tempos a tempos, lá surge mais um que não resiste à felicidade prometida e acaba por ficar. 

Dona Eulina, a proprietária da pousada em que nos hospedamos, foi uma das contempladas. Baiana de nascimento, mudou-se para São Paulo ainda criança e lá passou grande parte dos seus quase 60 anos. Nos últimos quinze, dava consigo a sonhar com um lugar diferente, envolto de uma atmosfera única de afectividade e bem-estar, um fenómeno que nos descreve com uma emoção renovada: “Numas curtas férias, resolvi voltar à Bahia com a minha filha e, por mero acaso, passámos por Lençóis. Passeando pelas calçadas, reconheci o refúgio dos meus sonhos. Depois de vencer os receios próprios da mudança, apressei a reforma, comprei uma casa e abri o negócio que giro agora, com o meu marido Roberto. Nunca mais quisemos sair daqui.”

Dos lençóis originais a domínio de coronéis

Apesar das condições precárias, a vida também não correu mal a muitos dos fundadores da povoação. As primeiras jazidas foram descobertas na Chapada Velha, em 1822, por bandeirantes que procuravam ouro e escravos mas não desdenhavam formas alternativas de enriquecer. Vinte e dois anos depois, um tal de “Sinhô” Casusa do Prado achou algumas pedras preciosas com maior valor e a região atraiu milhares de caça-fortunas, uns já abastados e opulentos a quem a riqueza não chegava, outros que só possuíam a roupa que vestiam. Perante a falta de habitações e outras infra-estruturas, os recém-chegados instalaram-se em tendas provisórias que, vistas das colinas em redor, pareciam lençóis estendidos ao vento. Foi esta visão descomunal que ditou o nome da futura vila.

Num ápice, circularam pelo Brasil lendas de tesouros incalculáveis saídos dos leitos dos rios e riachos da região e a migração intensificou-se. Anos mais tarde, os acampamentos de garimpeiros tinham já dado lugar a várias povoações como Vila Velha de Palmeiras, Andaraí, Piatã, Igatu e, a mais apetecida de todas, Lençóis da Bahia.

No auge do ciclo, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de todo o tipo de diamantes mas, a pouco e pouco, começaram a predominar as gemas toscas, úteis apenas para fins industriais e que, graças ao seu poder perfurativo, eram perfeitas para vários mega-projectos de construção civil então conduzidos pelos franceses, casos do canal do Panamá, do túnel de Saint Gothard e do metro de Londres. A compra sistemática e em grandes quantidades destas pedras menos preciosas foi motivo suficiente para o governo de Paris instalar um vice-consulado em Lençóis e, como era de esperar, da arquitectura à etiqueta, Lençóis e os seus negociantes afrancesaram-se. 

Tudo isto fez com que, no início do século XX, Lençóis e as cidades em redor tivessem visto desaparecer grande parte do seu potencial económico e os franceses partiram de vez. O principal testemunho da sua presença é, ainda hoje, o requintado edifício creme do vice-consulado, onde os diamantes eram negociados directamente com os representantes europeus. 

Depois da era francesa, com a liberdade cada vez mais real dos escravos e a perda das enormes verbas obtidas com a venda dos diamantes, Lençóis teve que se adaptar a um novo estilo de vida.

A partir de 1920, a cidade havia regredido de tal forma que depressa se tornaria num domínio decadente, disputado por vários coronéis e seus jagunços. O mais famoso de todos, o destemido Horácio de Mattos destacou-se dos demais recorrendo à força e à irreverência e levou mesmo o governo brasileiro de Epitácio Pessoa a assinar com ele um acordo de pacificação. Como vamos ver mais à frente, na região, assim como por todo o Sertão, um coronel “jagunceiro”, desde que vitorioso, podia ser um herói e este até a praça principal da cidade tem com o seu nome.

Apesar do declínio económico trazido pelo século XX e da perturbação social, na sua fase de decadência já Lençóis se havia consolidado como uma impressionante unidade arquitectónica, muito graças à necessidade de exibição da sua nova aristocracia milionária, mas também da população mais pobre que, mesmo sem grandes recursos, fez questão de seguir o exemplo.

A praça Horácio de Mattos é o ex-líbris do casario colonial herdado. A toda a volta do quase rectângulo que forma, os edifícios, maioritariamente de dois andares, são elegantes e coloridos, muitos deles com fachadas trabalhadas e janelas e portas ogivais. Distribuídos pelos prédios há candeeiros parisienses de tons cinza que conferem ainda mais requinte ao conjunto e, à noite, asseguram uma iluminação suave mas quente.

Depois do calor, a festa

À tarde, as praças e ruas de Lençóis, fustigadas pelo sol tropical, mantêm-se quase desertas mas, com o fim do dia, os turistas e os séquitos que os guiam e acompanham retornam das actividades na Chapada Diamantina. Por essa altura, os Lençoienses saem também das suas casas e a cidade anima-se. Dois dos lugares preferidos para a janta e convívio seguinte são o largo que surge a meio da rua das Pedras e a Avenida Senhor dos Passos. Ali, os pequenos restaurantes e as bancas improvisadas servem especialidades baianas como o pastel “acarajé” acompanhadas de “chopes” geladinhos, caipirinhas ou fabulosos sucos naturais. Com frequência, estes fins de tarde tornam-se ainda mais mágicos quando a banda local se reúne para ensaiar e inunda a cidade com os tons graves e agudos das mais genuínas composições brasileiras.

 Durante muito tempo a famosa rua das Pedras albergou o “brega” (a prostituição que sempre acompanhava os novos focos prospectores). É, agora, a par com as esplanadas da praça Horácio de Mattos, responsável por uma animação nocturna menos polémica.

Nela se situa o famoso Club 7, mais conhecido por Inferninho, um “disco-bar” à moda local que passa versões “tecno” de temas sertanenses e serve inúmeros tipos de cachaça. Esta combinação, em conjunto com a inquestionável boa-disposição dos clientes habituais transformou a “danceteria” num lugar de culto para os turistas maioritariamente jovens que visitam a cidade.

A partir das duas ou três da manhã, a única alternativa dançante ao Inferninho é o Veneno Café bar. A farra até pode ser boa, mas no que diz respeito aos nomes é mesmo assim: venha o diabo e escolha.

Mas nem tudo é assim tão profano por estas paragens. A religião continua a ter enorme importância e, como pudemos assistir, apesar das influências dos ritos e rituais africanos, (como o Jarê, a variação regional do Candomblé) os dias santos ainda se celebram à velha maneira portuguesa.

Deambulamos pela cidade quando somos surpreendidos pelo som de cânticos distantes acompanhados pelo rebentar de foguetes. Ao olharmos para trás, vislumbramos um enorme cortejo que sai da praça Horácio de Mattos e incorre na Avenida 7 de Setembro, em direcção ao coreto. Com a silhueta difusa do casario como fundo e a luz de centenas de archotes a rasgar o lusco-fusco, a cena prova-se digna de um filme passado na Idade Média e com excelente fotografia.

Após contornar o coreto, a procissão dirige-se à sua última paragem, a Igreja do Rosário. E ali, junta-se-lhe mais uma multidão de crentes que entoam temas litúrgicos. Somos autorizados a subir à varanda do coro. Dali, assistirmos à cerimónia em formato panorâmico. E este espectáculo de devoção reforça a impressão que já antes formávamos: passada a febre dos diamantes, Lençóis é, agora, acima de tudo, um retiro acolhedor, crente e espiritual.  

O Ribeirão do Meio e o Último Estertor do Garimpo

Entre os vários cursos de água com que a serra de Sincorá refresca Lençóis, os três principais, os Ribeirões do Meio, de Cima e de Baixo deliciam o povo e maravilham os turistas. O Ribeirão do Meio, então, é famosíssimo e muito frequentado. Principalmente aos fins-de-semana, logo pela manhã, é ver os “grupos excursionistas” partir com os seus farnéis para o meio da floresta. Da saída da cidade ao rio são cerca de 45 minutos de caminhada descontraída que, à pressa se podem transformar em meia hora. O trilho sinuoso, quase sempre sombrio, vai cortando a encosta da serra até que, quase no fim, revela um vale largo que tem início no topo escarpado da montanha.

É no vértice deste vale, descendo várias plataformas rochosas que o ribeirão se espraia. Uma dessas plataformas dá, então, lugar a uma rampa que a água –  repleta de óxido de ferro (mas limpa) e, por isso, avermelhada – continua a polir. Foi aqui que evoluiu o desporto radical mais sui géneris da região, o “escorreganço” artístico.

Mal chegam à pequena represa fluvial, os praticantes sobem cuidadosamente a rampa. Já lá em cima, combinam a coreografia a seguir. Depois, deixam-se escorregar a grande velocidade até entrarem na água. E se os turistas que experimentam pelas primeiras vezes já se contentam em sair incólumes de uma descida de rabo, já os locais atingiram níveis de desempenho surpreendentes e o seu único limite é, agora, a imaginação. Sentados ou de pé, de cabeça para baixo ou para cima, sozinhos ou em grupo, tudo vale para protagonizar a tarde e impressionar as garotas do Ribeirão.    

Enquanto isto, no vale acima, os derradeiros resistentes da febre do diamante continuam a tentar a sua sorte. Há algum tempo atrás, as técnicas que usavam incluíam ainda bombas de água destrutivas que, entre outros malefícios, aceleravam a erosão do leito dos rios. Há décadas atrás, os peritos chegaram à conclusão que a extracção dos diamantes que restam na Chapada é demasiado dispendiosa. Isto contribuiu para que, em 1995, o governo federal tivesse proibido a prospecção industrial, autorizando apenas o uso dos meios tradicionais. Por detrás da decisão esteve também o facto de Lençóis, muito mais que as vizinhas Andaraí, Palmeiras e Igatu, ser a cidade ideal para servir de base à exploração turística da Chapada Diamantina.

Depois de uma fase transitória em que a economia de Lençóis passou a assentar na produção de café e mandioca, actualmente, é o turismo garante a subsistência de grande parte da população.

Passo da Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.

Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.

Lençois da Bahia, Brasil

Uma Liberdade Pantanosa

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.

Cartagena de Índias, Colômbia

Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".

Colónia del Sacramento, Uruguai

Um Vaivém Colonial

A fundação de Colónia del Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.

Goiás Velho, Brasil

Uma Sequela Da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.

Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Sirocco
Arquitectura & Design

Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela estética e pelo modernismo inspirada pela vizinha Escandinávia.

Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e a experiência que não se deve arriscar subir à pressa.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

A Crucificação em Helsínquia
Cidades

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Ilha menor
Comida

Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.

Seydisfjordur
Cultura

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Lento fim do dia
Em Viagem

Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.

Silhuetas Islâmicas
Étnico

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Verão Escarlate
História

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Caribe profundo
Ilhas

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Via caribenha
Natureza

Overseas Highway, E.U.A. 

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Praia Islandesa
Parques Naturais

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Travessia ao ocaso
Património Mundial Unesco

Lago Taungthaman, Myanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein carece de cuidados especiais.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Leme Manual
Praia

Ilhabela, Brasil

A Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das 10 melhores praias do Brasil.

Portal para uma ilha sagrada
Religião

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

A todo o vapor
Sobre carris

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul

Ijen-Inferno
Sociedade

Vulcão Ijen, Indonésia

Escravos do Enxofre

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.