Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias


T4 à moda do Namibe

Um dos lares mais coloridos de Kolmanskop, invadido pela areia do Namibe.

Acima da média

A vivenda do engenheiro de minas e gerente Leonard Kolle, destacada da pequena avenida que agrupou a maior parte das casas.

Num lento declínio

O domicílio do contabilista Wiese, visto da vivenda de Leonard Kolle.

Imersão de deserto

Pouco sobra de uma casa-de-banho de uma outra vivenda, com a banheira repleta de areia em vez de água.

Uma aventura no inóspito

Vista de Kolmanskop no ambiente nada acolhedor do deserto do Namibe.

Lares perdidos no tempo

Vivendas de Leonard Kolle e a do contabilista Wiese, perdidas na vastidão arenosa do deserto do Namibe.

Rua sem saída

Árvore reclama o seu lugar numa rua da antes prodigiosa Kolmanskop.

Kolmanskop versão colonial alemã

O antigo letreiro da povoação, escrito ainda em fonte e língua alemã.

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Repetidos sinais de trânsito na derradeira recta sem fim rumo a Lüderitz, tinham-nos alertado: o vento de sudoeste pode soprar brutal por aqueles lados. O Inverno destas paragens ermas e inóspitas está, no entanto, por se instalar. As rajadas mantêm-se moderadas. Permitem-nos acelerar e chegar num ápice ao destino da manhã. Já a tínhamos vislumbrado ao longe mas é pouco depois de passarmos a cancela de acesso que constatamos com olhos de ver como o tempo e o vento herdaram Kolmanskop e a continuam a sepultar.

Estacionamos. Subimos ao andar cimeiro de um edifício que se destaca dos demais. Lá encontramos a recepção do complexo e o seu velho salão de baile e de espectáculos, de quando em quando adaptado a casino que coisa que nunca faltou aos moradores foi dinheiro para esbanjar.

Estamos em pleno Deserto do Namibe. Um deserto tão avassalador que se apoderou até da nomenclatura do país. Estamos na Namíbia. Na mais preciosa e interdita das suas regiões, a que ficou para a história e surge actualmente nos mapas como Sperrgebiet, o termo germânico para “zona proibida”.

Em 1908, a Namíbia era uma das poucas colónias alemãs em África, uma colónia à nascença, indesejada. Ao contrário da maior parte dos governantes do Velho Mundo, o chanceler Otto von Bismarck era avesso à expansão africana que considerava uma ilusão dispendiosa. “O meu mapa de África é aqui, na Europa.” terá dito em frente a um mapa. “Aqui, é a Rússia e, aqui, é a França e nós estamos aqui no meio.”

Foi o interesse e o investimento comercial de Adolf Lüderitz – um mercador de Bremen – na zona que acabou por forçar a sua integração no Império Alemão. E se Bismarck o teve que apoiar algo contrariado, a birra ainda faria menos sentido se protagonizada pelos governantes teutónicos seguintes.

A 14 de Abril de 1908, Zacharias Lewala, um operário negro que trabalhava na linha de caminho-de-ferro entre a povoação costeira de Lüderitz e a interior de Aus, encontrou uma pedra brilhante na areia. Zacharias mostrou-a ao seu supervisor, August Stauch. Este, reconheceu-a como um diamante e apressou-se a obter uma licença de prospeção. A confirmação do veredicto, despoletou a corrida aos diamantes da zona. Pouco depois, o governo alemão expulsou todos os mineiros e forçou a exclusividade da sua prospecção. Mesmo se a entidade monopolizadora é, hoje, outra, o Sperrgebiet pouco mudou. Detectamos a sua interdição oficial um pouco por todo o lado, à beira da estrada B4 e de várias das vias secundárias e de terra ou sal batido que dela ramificam. Também junto a num dos últimos armazéns de Kolmanskop e da placa que a identifica em fonte germânica.

Apesar da inacessibilidade da vastidão circundante, com o bilhete pago, podíamos explorar a maior parte de Kolmanskop. Começamos pela vivenda do gerente Leonard Kolle, destacada da correnteza de edifícios que conferem a organização linear da cidade e pela elegância da escadaria que conduz à sua entrada, da varanda e do frontão que coroa o segundo piso. A areia é pouca no interior deste lar abandonado. Já a casa do contabilista Wiese, mesmo erguida sobre estacas, surge semi-afundada numa das dunas residentes.

Enquanto lá morou, Wiese não teve mãos a medir. Apenas entre 1908 e o início da 1ª Guerra Mundial, foi extraída de Kolmanskop mais de uma tonelada de diamantes. Sem surpresa, a povoação evoluiu para uma pequena cidade caprichosa. Os residentes gostavam de lhe chamar a cidade mais rica da Terra. Mesmo passado mais de um século, o fausto caprichoso de que se revestiu é-nos bem visível.

Passado o hall de entrada do edifício principal, damos com o enorme e elegante salão erguido para acolher festas, espectáculos de teatro e até projecção de cinema. No piso inferior, encontramos o Clubhouse, em que os homens residentes se entretinham a jogar bowling numa pista evoluída para a época. A partir de 1911, a cidade recebeu electricidade e, não tardou, o único eléctrico de África. A electricidade era fornecida por uma estação geradora a carvão, construída nas imediações, em Lüderitz. A água era importada da Cidade do Cabo por barco. Custava 5 pfennig por litro, metade do custo do litro de cerveja. Kolmanskop viu-se ainda prendada com uma fábrica de gelo operada com base em amónia. Gerava, todos os dias e de forma gratuita, metade de uma barra de gelo para o frigorífico de cada lar. Era igualmente produzida água com gás. Da Alemanha, por barco, chegavam todos os luxos de que os moradores se conseguiam lembrar de champagne a bombons e caviar.

No fim dos anos 20, viviam na cidade cerca de 300 adultos e 44 crianças. Kolmanskop tinha a sua própria escola, uma padaria e um talho. Quando demasiado bebidos, acontecia os homens entretidos com o bowling entrarem no talho e roubarem salsichas para prolongarem a farra. Como seria de esperar, nenhuma conta ficou por pagar. O talhante estimava o prejuízo e a dívida era saldada sem qualquer problema.

Kolmanskop também tinha um hospital com o único equipamento de raio-x do Hemisfério Sul. O motivo, esse, não era tão filantropo como se poderia esperar. Cientes de que uma única pedra os poderia tornar milionários, os trabalhadores ao serviço da prospecção tentavam com frequência engoli-las. Além do raio-x, o hospital estava dotado das melhores técnicas médicas para fazer os trabalhadores devolverem as fortunas roubadas.

Ao contrário dos diamantes, o Deserto do Namibe continua a fazer parte da povoação. Investigamos os edifícios e encontramos vários deles repletos da sua areia, acumulada na base das paredes pintadas ou com papel de parede clássico e gasto. Ou, em certos outros casos, de tal forma acumulada que barra o acesso a diversas divisões. Contadores de electricidade e tomadas resistem, bem como banheiras de ferro em que nos enfiamos para compormos os melhores momentos auto-fotográficos da manhã. À imagem dos anteriores, o dia mantém-se radioso. Uma guia encarregue de um grupo de alemães fascinados elucida-nos a todos: “isto é só uma frágil bonança. A qualquer hora, o Inverno entra ao serviço e ventos de 100 a 150km varrem toneladas de nova areia para cima da cidade. Foi o que aconteceu quando Johny Coleman, um condutor de carroças, se viu apanhado por uma terrível tempestade e foi obrigado a abandonar uma delas, com os seus bois junto à povoação. O nome de Coleman foi germanizado, mais tarde, afrikaansnizado. Assim deu origem a Kolmanskuppe ou a Kolmanskop.

Chegada a 1ª Guerra Mundial, os ventos da história levaram os alemães para fora da Namíbia e, por arrasto, da posse de Kolmanskop. Como primeira consequência directa do conflito, os germânicos, isolados em África entre territórios de inimigos anglófonos, francófonos ou portugueses, viram-se impotentes para proteger as suas colónias. Em 1914, a Grã-Bretanha pressionou a África do Sul a invadir a Namíbia. No ano seguinte, a nova administração sul-africana de Windhoek encarregou-se de expulsar os colonos alemães das terras que antes tinham conquistado aos nativos daquelas partes.

Já Kolmanskop, passou para as mãos de Sir Ernest Oppenheimer, um industrial nascido na Alemanha mas que trabalhara desde os 17 anos em Londres, numa empresa de diamantes. Ernest Oppenheimer acabou por fundar, em 1919, a Consolidated Diamond Mines (CDM). Esta sua empresa tornou-se poderosa. De tal maneira que se apoderou da De Beers Consolidated Mines, de Cecil Rhodes, antes dominadora do mercado mundial de diamantes.

Não terá sido alheia ao facto de ter permitido que os anteriores gerentes e funcionários se mantivessem nos postos a origem de Oppenheimer. Essa inesperada decisão, permitiu a Kolmanskop preservar até aos dias de hoje o carácter germânico que encontramos igualmente na bem maior vizinha Lüderitz.

O fim do tempo dado aos visitantes para explorarem a cidade das areias aproxima-se do fim. Aproveitamos para espreitar o museu que preserva inúmeras fotografias, mapas e artefactos da época, muito de antes de Kolmanskop começar a ser chamada de cidade-fantasma e a constar em tops mundiais deste tipo de lugares.

O seu último suspiro ocorreu em 1936. Dez anos antes, geólogos tinham descoberto um novo campo de diamantes 250 km para sul, a norte da foz do rio Orange que marca, hoje, a fronteira entre a Namíbia e a África do Sul. Os diamantes ali descobertos eram bastante maiores. Por volta de 1936, findos os anos da Grande Depressão, a mina de Oranjemund inaugurou a sua operação e atraiu muitos dos habitantes de Kolmanskop que não tardou a encerrar a sua actividade. Os escritórios passaram para Oranjemund. Quando o hospital e a estrutura de transporte foram encerrados, os derradeiros habitantes de Kolmanskop abandonaram-na aos caprichos do Namibe.

 

Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.

Goiás Velho, Brasil

Uma Sequela Da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas

Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Via Crucis
Cerimónias e Festividades

Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.

Presa por vários arames
Cidades

Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Cultura
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Ocaso para lá da ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3 - Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a ilha da Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso entre Hobart, a capital instalada no sul remoto da ilha e a costa setentrional, a virada ao continente australiano.
Casinhas de outros tempos
Étnico
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Nana Kwame V, chefe ganês, festival Fetu Afahye, Gana
História
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Realidade e fantasia
Ilhas

Guadalupe

Um Delicioso Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Antes da chuva
Natureza

Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Glaciar Meares
Parques Naturais

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Sem corrimão
Património Mundial UNESCO

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Punta Cahuita
Praias

Cahuita, Costa Rica

Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral costariquenho tão afro quanto caribenho. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.

A Crucificação em Helsínquia
Religião

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Orgulho
Sociedade

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Curiosidade ursa
Vida Selvagem

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.