Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos


Herança colonial

O casario que foi substituindo, com recurso aos lucros dos diamantes, as tendas feitas de pano que inspiraram o nome "Lençóis da Bahia".

Ruela afrancesada

Jovens moradores entram num beco sombrio que parte da Praça Horácio de Mattos.

Silhueta equestre

Cavaleiros percorrem um trecho colorido de uma rua de Lençóis.

Abençoados sorvetes

Amigas saboreiam gelados contra a porta de uma das igrejas da cidade.

No caminho do Senhor

Morador passa em frente à igreja do Rosário.

Cena sertaneja

Nativo com trajes tradicionais carrega o seu cavalo na rua das Pedras.

Noite clara

Lua cheia e a iluminação eléctrica destacam as cores da Praça Horácio de Mattos.

Homília de 8 de Dezembro

Uma missa exuberante em honra da Imaculada Conceição tem lugar na igreja do Rosário.

SPA natural

Amigas descontraem na lagoa escura do Ribeirão do Meio.

De vigia

Nativo observa a acção da cidade.

Praça Horácio de Mattos

Grupo de visitantes fotografa-se na Praça Horácio de Mattos enquanto um jovem nativo faz ciclo-acrobacias.

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Quando se contempla a cidade do topo da Serra do Sincorá dificilmente se consegue imaginar o estranho cenário provisório que esteve na origem do seu nome. Se nesses primeiros tempos Lençóis não era mais que um reduto garimpeiro caótico que tornava milionários os poderosos e esmagava os mais fracos, hoje, bastam uns dias para se constatar que, do seu passado, restam quase só os aspectos positivos.

Foi algo que o governo brasileiro, perante a pressão do MCC – o Movimento de Criatividade Comunitária criado por defensores da região – acabou por favorecer, proibindo a prospecção industrial e “promovendo”, em 1973, a cidade a Património Nacional, título apenas concedido às verdadeiras preciosidades históricas e naturais brasileiras.

Mas não é só isso que faz de Lençóis tão especial. Existem inúmeras cidades belas por esse mundo fora que não exercem o magnetismo desta que acabámos de conhecer. Há qualquer coisa mais. Qualquer coisa que ultrapassa os sentidos.

Ao fim de algum tempo torna-se óbvio que Lençóis e os seus 6400 habitantes vivem uma relação de amor incondicional e que, por sua vez, geram paixão nos visitantes brasileiros e estrangeiros. Estes, ligados a outras cidades e a outras pessoas, quando se vêem obrigados a partir, acabam por fazê-lo muito contrariados. Mas nem todos os forasteiros se conformam com a despedida. De tempos a tempos, lá surge mais um que não resiste à felicidade prometida e acaba por ficar. 

Dona Eulina, a proprietária da pousada em que nos hospedamos, foi uma das contempladas. Baiana de nascimento, mudou-se para São Paulo ainda criança e lá passou grande parte dos seus quase 60 anos. Nos últimos quinze, dava consigo a sonhar com um lugar diferente, envolto de uma atmosfera única de afectividade e bem-estar, um fenómeno que nos descreve com uma emoção renovada: “Numas curtas férias, resolvi voltar à Bahia com a minha filha e, por mero acaso, passámos por Lençóis. Passeando pelas calçadas, reconheci o refúgio dos meus sonhos. Depois de vencer os receios próprios da mudança, apressei a reforma, comprei uma casa e abri o negócio que giro agora, com o meu marido Roberto. Nunca mais quisemos sair daqui.”

Dos lençóis originais a domínio de coronéis

Apesar das condições precárias, a vida também não correu mal a muitos dos fundadores da povoação. As primeiras jazidas foram descobertas na Chapada Velha, em 1822, por bandeirantes que procuravam ouro e escravos mas não desdenhavam formas alternativas de enriquecer. Vinte e dois anos depois, um tal de “Sinhô” Casusa do Prado achou algumas pedras preciosas com maior valor e a região atraiu milhares de caça-fortunas, uns já abastados e opulentos a quem a riqueza não chegava, outros que só possuíam a roupa que vestiam. Perante a falta de habitações e outras infra-estruturas, os recém-chegados instalaram-se em tendas provisórias que, vistas das colinas em redor, pareciam lençóis estendidos ao vento. Foi esta visão descomunal que ditou o nome da futura vila.

Num ápice, circularam pelo Brasil lendas de tesouros incalculáveis saídos dos leitos dos rios e riachos da região e a migração intensificou-se. Anos mais tarde, os acampamentos de garimpeiros tinham já dado lugar a várias povoações como Vila Velha de Palmeiras, Andaraí, Piatã, Igatu e, a mais apetecida de todas, Lençóis da Bahia.

No auge do ciclo, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de todo o tipo de diamantes mas, a pouco e pouco, começaram a predominar as gemas toscas, úteis apenas para fins industriais e que, graças ao seu poder perfurativo, eram perfeitas para vários mega-projectos de construção civil então conduzidos pelos franceses, casos do canal do Panamá, do túnel de Saint Gothard e do metro de Londres. A compra sistemática e em grandes quantidades destas pedras menos preciosas foi motivo suficiente para o governo de Paris instalar um vice-consulado em Lençóis e, como era de esperar, da arquitectura à etiqueta, Lençóis e os seus negociantes afrancesaram-se. 

Tudo isto fez com que, no início do século XX, Lençóis e as cidades em redor tivessem visto desaparecer grande parte do seu potencial económico e os franceses partiram de vez. O principal testemunho da sua presença é, ainda hoje, o requintado edifício creme do vice-consulado, onde os diamantes eram negociados directamente com os representantes europeus. 

Depois da era francesa, com a liberdade cada vez mais real dos escravos e a perda das enormes verbas obtidas com a venda dos diamantes, Lençóis teve que se adaptar a um novo estilo de vida.

A partir de 1920, a cidade havia regredido de tal forma que depressa se tornaria num domínio decadente, disputado por vários coronéis e seus jagunços. O mais famoso de todos, o destemido Horácio de Mattos destacou-se dos demais recorrendo à força e à irreverência e levou mesmo o governo brasileiro de Epitácio Pessoa a assinar com ele um acordo de pacificação. Como vamos ver mais à frente, na região, assim como por todo o Sertão, um coronel “jagunceiro”, desde que vitorioso, podia ser um herói e este até a praça principal da cidade tem com o seu nome.

Apesar do declínio económico trazido pelo século XX e da perturbação social, na sua fase de decadência já Lençóis se havia consolidado como uma impressionante unidade arquitectónica, muito graças à necessidade de exibição da sua nova aristocracia milionária, mas também da população mais pobre que, mesmo sem grandes recursos, fez questão de seguir o exemplo.

A praça Horácio de Mattos é o ex-líbris do casario colonial herdado. A toda a volta do quase rectângulo que forma, os edifícios, maioritariamente de dois andares, são elegantes e coloridos, muitos deles com fachadas trabalhadas e janelas e portas ogivais. Distribuídos pelos prédios há candeeiros parisienses de tons cinza que conferem ainda mais requinte ao conjunto e, à noite, asseguram uma iluminação suave mas quente.

Depois do calor, a festa

À tarde, as praças e ruas de Lençóis, fustigadas pelo sol tropical, mantêm-se quase desertas mas, com o fim do dia, os turistas e os séquitos que os guiam e acompanham retornam das actividades na Chapada Diamantina. Por essa altura, os Lençoienses saem também das suas casas e a cidade anima-se. Dois dos lugares preferidos para a janta e convívio seguinte são o largo que surge a meio da rua das Pedras e a Avenida Senhor dos Passos. Ali, os pequenos restaurantes e as bancas improvisadas servem especialidades baianas como o pastel “acarajé” acompanhadas de “chopes” geladinhos, caipirinhas ou fabulosos sucos naturais. Com frequência, estes fins de tarde tornam-se ainda mais mágicos quando a banda local se reúne para ensaiar e inunda a cidade com os tons graves e agudos das mais genuínas composições brasileiras.

 Durante muito tempo a famosa rua das Pedras albergou o “brega” (a prostituição que sempre acompanhava os novos focos prospectores). É, agora, a par com as esplanadas da praça Horácio de Mattos, responsável por uma animação nocturna menos polémica.

Nela se situa o famoso Club 7, mais conhecido por Inferninho, um “disco-bar” à moda local que passa versões “tecno” de temas sertanenses e serve inúmeros tipos de cachaça. Esta combinação, em conjunto com a inquestionável boa-disposição dos clientes habituais transformou a “danceteria” num lugar de culto para os turistas maioritariamente jovens que visitam a cidade.

A partir das duas ou três da manhã, a única alternativa dançante ao Inferninho é o Veneno Café bar. A farra até pode ser boa, mas no que diz respeito aos nomes é mesmo assim: venha o diabo e escolha.

Mas nem tudo é assim tão profano por estas paragens. A religião continua a ter enorme importância e, como pudemos assistir, apesar das influências dos ritos e rituais africanos, (como o Jarê, a variação regional do Candomblé) os dias santos ainda se celebram à velha maneira portuguesa.

Deambulamos pela cidade quando somos surpreendidos pelo som de cânticos distantes acompanhados pelo rebentar de foguetes. Ao olharmos para trás, vislumbramos um enorme cortejo que sai da praça Horácio de Mattos e incorre na Avenida 7 de Setembro, em direcção ao coreto. Com a silhueta difusa do casario como fundo e a luz de centenas de archotes a rasgar o lusco-fusco, a cena prova-se digna de um filme passado na Idade Média e com excelente fotografia.

Após contornar o coreto, a procissão dirige-se à sua última paragem, a Igreja do Rosário. E ali, junta-se-lhe mais uma multidão de crentes que entoam temas litúrgicos. Somos autorizados a subir à varanda do coro. Dali, assistirmos à cerimónia em formato panorâmico. E este espectáculo de devoção reforça a impressão que já antes formávamos: passada a febre dos diamantes, Lençóis é, agora, acima de tudo, um retiro acolhedor, crente e espiritual.  

O Ribeirão do Meio e o Último Estertor do Garimpo

Entre os vários cursos de água com que a serra de Sincorá refresca Lençóis, os três principais, os Ribeirões do Meio, de Cima e de Baixo deliciam o povo e maravilham os turistas. O Ribeirão do Meio, então, é famosíssimo e muito frequentado. Principalmente aos fins-de-semana, logo pela manhã, é ver os “grupos excursionistas” partir com os seus farnéis para o meio da floresta. Da saída da cidade ao rio são cerca de 45 minutos de caminhada descontraída que, à pressa se podem transformar em meia hora. O trilho sinuoso, quase sempre sombrio, vai cortando a encosta da serra até que, quase no fim, revela um vale largo que tem início no topo escarpado da montanha.

É no vértice deste vale, descendo várias plataformas rochosas que o ribeirão se espraia. Uma dessas plataformas dá, então, lugar a uma rampa que a água –  repleta de óxido de ferro (mas limpa) e, por isso, avermelhada – continua a polir. Foi aqui que evoluiu o desporto radical mais sui géneris da região, o “escorreganço” artístico.

Mal chegam à pequena represa fluvial, os praticantes sobem cuidadosamente a rampa. Já lá em cima, combinam a coreografia a seguir. Depois, deixam-se escorregar a grande velocidade até entrarem na água. E se os turistas que experimentam pelas primeiras vezes já se contentam em sair incólumes de uma descida de rabo, já os locais atingiram níveis de desempenho surpreendentes e o seu único limite é, agora, a imaginação. Sentados ou de pé, de cabeça para baixo ou para cima, sozinhos ou em grupo, tudo vale para protagonizar a tarde e impressionar as garotas do Ribeirão.    

Enquanto isto, no vale acima, os derradeiros resistentes da febre do diamante continuam a tentar a sua sorte. Há algum tempo atrás, as técnicas que usavam incluíam ainda bombas de água destrutivas que, entre outros malefícios, aceleravam a erosão do leito dos rios. Há décadas atrás, os peritos chegaram à conclusão que a extracção dos diamantes que restam na Chapada é demasiado dispendiosa. Isto contribuiu para que, em 1995, o governo federal tivesse proibido a prospecção industrial, autorizando apenas o uso dos meios tradicionais. Por detrás da decisão esteve também o facto de Lençóis, muito mais que as vizinhas Andaraí, Palmeiras e Igatu, ser a cidade ideal para servir de base à exploração turística da Chapada Diamantina.

Depois de uma fase transitória em que a economia de Lençóis passou a assentar na produção de café e mandioca, actualmente, é o turismo garante a subsistência de grande parte da população.

Passo da Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.

Lençois da Bahia, Brasil

Uma Liberdade Pantanosa

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.

Cartagena de Índias, Colômbia

Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".

Colónia del Sacramento, Uruguai

Um Vaivém Colonial

A fundação de Colónia del Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.

Goiás Velho, Brasil

Uma Sequela Da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.

Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Praia soleada
Arquitectura & Design

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Lenha à Pressa
Cidades
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Transbordo
Cultura

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Um "pequeno" Himalaia
Em Viagem
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Tambores e tatoos
Étnico

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Paz de "cenote"
História

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Apocalipse teimou em não chegar. Na Mesoamérica, os maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

Torres Kanak
Ilhas

Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Um cenário imponente
Natureza

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Enseada do Éden
Parques Naturais

Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.

Filhos da Mãe-Arménia
Património Mundial Unesco
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Conversa ao pôr-do-sol
Praia

White Beach, Filipinas

A Praia Asiática de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.

Estante Sagrada
Religião

Tsfat, Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Uma espécie de portal
Sociedade

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Manada de búfalos asiáticos numa zona lamaçenta do Maguri Beel, Assam
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.