Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar


Mokoros

Canoeiros equilibram-se sobre mokoros, as embarcações tradicionais do Delta do Okavango.

Um céu em fogo

Aves esvoaçam num céu tingido pelos tons fortes do ocaso, em mais um fim de dia africano.

Meandros do Okavango

Linhas do caudal do Okavango que se espraia no deserto do Kalahari, um dos poucos rios do mundo que não atingem nem o mar nem um lago.

Dentro do labirinto

Embarcação com visitantes embrenha-se no labirinto de papiro formado pelo rio.

Sorriso da Terra

Funcionária batswana do lodge Moremi, um dos mais reputados e isolados do Delta do Okavango.

Um pasto fácil

Gazelas devoram erva fresca num prado humedecido pela chuva recente e pela humidade libertada pela água do Okavango.

Power Ranger do Delta

Ranger de serviço a um dos lodges do Delta do Okavango, perito no habitat e nas espécies desta zona do sul de África.

Em formação

Patos alinhados na beira de uma das muitas lagoas do delta.

Cuidados maternais

Gazela lambe uma cria recém-nascida após um período de chuvas.

Rei do Delta

Leão observa a savana em busca de potenciais presas, por norma, muito abundantes na vasta região do delta, sempre repleta de água.

Olho de Ranger

Rangers do parque nacional munidos de binóculos e de muita experiência avistam animais.

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.

O voo com partida da região do Savuti que a BBC tornou conhecida pelos  documentários sobre os seus leões comedores de elefantes só durou 35 minutos. Foi o suficiente para nos revelar a imensidão árida do Kalahari, salpicada de arbustos espinhosos e sulcada por longas estradas sinuosas de terra mais arenosa que batida. Da altitude a que viajávamos, percebíamos em modo geológico e panorâmico, a importância que água tinha para aquela região e tanto a sua presença como a sua ausência. À imagem do caudal do rio Solimões que corre lado a lado com o do Amazonas quilómetros a fio incompatibilizados devido às suas distintas composições e densidades, vistas do ar, também extensões imensas da superfície terrestre ali se opunham com diferentes graus de humidade: verde-amarelado contra um acastanhado aparentemente mais poeirento definiam quantidades discrepantes de água subterrânea.

De quando em quando, fosse em que tipo de mancha de solo fosse, avistávamos manadas longínquas de elefantes que bebiam e chafurdavam em charcos perdidos no nada. Eram estes os postos de abastecimento que permitiam aos paquidermes e a outras espécies sobreviver à longa migração para sudoeste, onde se escondia um domínio bem mais verdejante, abastecido pelo rio Okavango.

Quando nasce no município Tchikala-Tchohanga do Huambo, o Okavango é chamado de Cubango. Dali, flui para sudeste através das províncias do Bié, de Huila e de Cuando-Cubango, logo, da faixa namibiana de Caprivi.

O rio acelera o seu curso nas cascatas de Popa antes de entrar no noroeste do Botswana. Nas imediações de uma aldeia de nome Shakawe, as suas águas começam a espalhar-se e são retidas pelas areias do deserto do Kalahari e pelo ar seco acima. Nesta ampla dispersão conta-se 95% da água doce do Botswana.

Enquanto a avioneta se fazia à pista de aterragem desvendámos meandros caprichosos, desenhados em vegetação relativamente baixa. Aterrámos na suavidade vegetal de uma pista relvada da Reserva Animal de Moremi, a única secção do Delta do Okavango oficialmente delimitada em 1963 para permitir a preservação da vida selvagem que a caça ilegal então fazia declinar a forte ritmo.

Somos recebidos com palavras suaves de boas-vindas por rangers nativos que nos conduzem a um pontão do aeródromo. Subimos a bordo de um pequeno barco metálico com tecto de lona e zarpamos em direcção à lagoa de Xugana.

A viagem pouco fica a dever às melhores cenas de acção dos clássicos jamesbondianos, com o devido desconto para a ausência dos tiroteios e explosões. Durante quarenta minutos, serpenteamos a alta velocidade, por canais com água ocre ou cor-de-champanhe delimitados por papiros às vezes com bem mais de dois metros de altura. Estes canais alargam e estreitam de forma mais ou menos aleatória. Aqui e ali, apertam tanto que as canas invadem os barcos e nos ameaçam com fortes estaladas vegetais.

Na sua imensidão, o delta revela visuais contrastantes. Grandes áreas de terra seca, surgem do meio de zonas encharcadas sem fim. Em quase 16.000 km2, abriga diversos habitats. São florestas de mopane e arbustos espinhosos, savana seca, pastos, planícies alagadas e um labirinto de pântanos, de canais e de enormes lagoas que visto do espaço aparenta uma pegada de ave. O papiro é um das duas espécies vegetais que predominam nos pântanos perenes do delta e fornecem registos muito úteis das suas oscilações. A outra espécie é palmeira Fénix ou anã que se destaca nas muitas ilhas da região.

Quando menos esperamos, os canais desembocam de novo nas tais lagoas desafogadas, em parte, cobertas de nenúfares e partilhadas por trinta e cinco milhões de peixes de oitenta espécies, por crocodilos do Nilo, hipopótamos, marabus, mergulhões, íbizes e uma miríade de outros répteis e aves. Os crocodilos e os hipopótamos são os reis e senhores do delta. De tal forma perigosos que os Bayei – um dos cinco grupos étnicos que habitam o delta – ensinam um poema preventivo às suas crianças: “Eu sou o rio. A minha superfície dá-nos vida. Por debaixo, está a morte.”

A impressionante liquidez luxuriante do cenário é alimentada de uma forma pouco palpável ou localizada. O tempo pode manter-se seco no delta durante meses. No entanto, em simultâneo, chuvas intensas nas terras altas ( 1780m ) do Planalto do Bié – a mais de 800 km de distância – geram uma espécie de enxurrada em câmara lenta.

A superfície destas paragens interiores de África é tão plana que a inundação pode levar mais de três meses a sentir-se nestas partes do Botswana. A estes, há que contar com quatro meses adicionais para que atravesse os 240 km de extensão do delta.

Ao chegar às imediações de Shakawe, o Delta aumenta substancialmente. A partir daí, a enxurrada vagarosa move-se em várias frentes, pelos seis dedos da pata que os satélites registam. Os habitats mais profundos e diversos residem na “perna” de quase 100 km em que a inundação atinge o seu pico em Abril e faz aumentar o nível do rio em quase dois metros. Em Maio, a profundidade começa a diminuir.

Terá sido o explorador e missionário escocês David Livingstone o primeiro europeu a dar com o delta, em 1849, numa altura em que o seu caudal fluía de forma bem diferente da de hoje ainda que igualmente misteriosa. “A água não pode correr para trás ou para cima” retorquiu Livingstone, ao companheiro de descobertas dessa altura, o naturalista sueco Charles Andersson. Ambos estavam abismados com os canais que ora fluíam a grande velocidade ora paravam de fluir ou chegavam a inverter o seu sentido.

Livingstone pediu a nativos Bayei para lhe explicarem o fenómeno. Estes contaram-lhe o que sabiam: todos os anos um chefe do norte do seu território, de nome Mazzekiva matava um homem e atirava o seu corpo ao rio. Depois disso, a água corria para sul. É improvável que o aventureiro se tenha conformado com tal esclarecimento.

Livingstone abriu caminho para uma catadupa de visitantes que, a partir da segunda metade do século XX, se deslumbraram com um dos cenários mais fascinantes de a África, entretanto protegido pelas normas da Convenção de Ramsar que salvaguardam a preservação dos pantanais do mundo. Mesmo se a origem e parte substancial do Okavango está em Angola e na Namíbia onde não usufrui dos mesmos cuidados, o Botswana só beneficiou.

Nesta jovem nação, apenas as prolíficas reservas de diamantes garantem mais divisas estrangeiras que o turismo no Delta do Okavango. O proveito deste último recurso tem origem nas licenças de operação e taxação de eco-lodges sofisticados e dispendiosos instalados em lugares estratégicos, vários, geridos por proprietários sul-africanos, mais experientes no ofício.

O Xugana em que nos instalamos era um deles. Camuflado por vegetação densa, culminada por árvores majestosas, tinha, entre outros, o dom da absoluta simbiose com a natureza circundante. Pulavam, nadavam, arrastavam-se e esvoaçavam, por lá, esquilos e uma miríade de pássaros e insectos coloridos, répteis e anfíbios. Como é frequente no Botswana e noutros lodges que ficaram para trás, o Xugana mantinha-se aberto à fauna local. De noite, para gáudio dos hóspedes mais entusiasmados com o realismo da Natureza da zona, visitam-no espécies de maior porte, incluindo os elusivos leopardos. 

Já instalados, descansamos até por volta das quatro da tarde. Estava previsto, na manhã seguinte, mudarmo-nos para outro lodge chamado Moremi. Nesse fim de dia, ainda voltamos a sair de barco para o delta, com o objectivo de explorar os cenários e a fauna de outras das suas ilhas, também de mokoro, a canoa tradicional da região, feita de um único tronco escavado.

Mas as mokoro eram demasiado estreitas e instáveis. Tendo em conta que dificilmente conseguiríamos resistir a fotografar de pé, representavam sério um risco para as câmaras que transportávamos. Optámos, assim, por começar de fora e avaliar e registar primeiro a acção a partir da margem. Quando nos separamos do resto da comitiva, um dos guias deixou-nos apenas com um conselho: “Se algum animal aparecer, saltem logo para a caixa da carrinha.”

Sós, face à vastidão do delta, sentimos como nunca a imponência esmagadora de África. As nuvens azuis e lilases que descarregavam à distância, as acácias gigantescas que se destacavam contra o céu pesado e o vento que siflava através da floresta de papiros impunham-nos uma desagradável sensação de vulnerabilidade.

Além dos hipopótamos e crocodilos que sabíamos ser mais raro atacarem longe das margens ensopadas, o Delta do Okavango acolhe uma população generosa dos mais capazes predadores terrestres. Leões, chitas, leopardos, hienas e mabecos eram apenas alguma das espécies de que teríamos, em vão, que nos defender caso algo corresse mal. Não necessariamente ali, mas em redor, percorriam-no ainda cerca de 60.000 elefantes – uma das maiores manadas do mundo – e milhares de búfalos irascíveis.

Sobrevivemos à espera solitária, ao percurso de mokoro entre hipopótamos e crocodilos furtivos. No regresso, fomos prendados com um pôr-do-sol esplendoroso, rasgado por centenas de aves e acompanhado, no horizonte, por uma mancha cinzenta e granulada, desenhada pela queda da pula, a chuva do Botswana, malgrado a abundância de água no delta, tão valiosa que também denomina a moeda nacional da nação.

ACOMPANHE-NOS NO "DESTINO IMPROVÁVEL", ÀS SEXTAS, NAS REVISTAS TABU E CAJU (ANGOLA) DO JORNAL SOL.

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.

PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Masai Mara, Quénia

Um Povo Entregue à Bicharada

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.

Savuti, Botswana

O Domínio dos Leões Comedores de Elefantes

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.

Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As quedas d'água que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua raínha

PN Chobe, Botswana

Um Rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.

Herança colonial
Arquitectura & Design

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Em louvor do vulcão
Cerimónias e Festividades

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Caçada com Bolhas
Cidades

Juneau, Alasca

Na Capital Diminuta do Grande Norte

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta cidade ínfima que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Seydisfjordur
Cultura

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Erika Mae
Em Viagem

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Épico Western
Étnico

Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos E.U.A. Hoje, na Navajo Nation, os navajos também vivem na pele dos velhos inimigos.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Todos a bordo
História

Viti Levu, Fiji

Uma Partilha Improvável

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.

Pequeno navegador
Ilhas

Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2a Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Observatório Dourado
Natureza

Monte Mauna Kea, Havai

Um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Vai-e-vem fluvial
Parques Naturais

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Um cenário imponente
Património Mundial Unesco

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Fila Vietnamita
Praia

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Natal de todas as cores
Religião
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Febre vegetal
Sociedade

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Acima de tudo
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.