Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano


Surfspotting

Grupo de amigos acompanha o surf no oceano Índico abaixo, nas imediações do Cape Naturaliste.

Grande decisão

Uma encruzilhada verdejante nos confins do sudoeste da Austrália.

Mares azuis

A Little Beach do PN Two Peoples, uma das praias frígidas e, só por isso, quase perfeitas da região de Albany.

Surfista desce para a praia de Smiths, um litoral selvagem e sagrado para os surfistas australianos.

Dois kitesurfers quase se emaranham sobre o mar raso e turquesa de uma praia de Gnarabup.

Cangurus observam humanos recém-chegados às imediações de um grande prado dourado.

Um dos passadiços elevados do Valley of the Giants, uma floresta de eucaliptos gigantes anciã do sul da Austrália, situada na zona de Nornalup.

Estrada de terra do tom usual do interior australiano conduz a uma grande enseada azul.

Veleiro acompanha nadadores durante uma competição de natação a ter lugar em Busselton.

Entrada de um drive in nas imediações de Busselton.

Manada de vacas apreensivas num prado junto a uma das muitas vinhas de Margaret River.

Rochas arredondadas e com o tom de elefantes, um atributo geológico predominante do Parque Nacional William Bay.

Dona e cão numa praia nas imediações de Yallingup.

Vegetação ressequida nas margens de um braço de rio junto a Albany.

Surfista contempla a Smiths Beach de um miradouro de madeira.

Sol põe-se e define as silhuetas formadas por eucaliptos altivos, as árvores dominantes no grande sudoeste australiano.

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.

O calor aperta mas, chega a sexta-feira, Perth abstrai-se da fornaça e espairece. É vasto o espaço de fuga em redor. Surge preenchido por uma natureza crua e resplandecente, na prática tudo aquilo de que um australiano true blue precisa para ser feliz, se lhe juntarmos, claro está, a camaradagem, a companhia da prancha de surf durante o dia e da cerveja preferida a partir do fim da tarde.

Alguns residentes rumam à linha de areal que dota a costa do Índico para norte e para sul da foz do rio Swan. Outros, afluem à vizinha Freemantle e à sua alma gémea insular, a Rottnest Island, Rotto, como preferem abreviar os visitantes mais íntimos. Outros ainda aventuram-se às profundezas da província sem fim ansiosos por respirar os ares puros combinados do Índico e do mais longínquo oceano Antártico. Depois de quase um mês de deliciosa permanência na capital da Western Australia, juntamo-nos à evasão.

As primeiras dezenas de quilómetros do percurso dividem-se entre as ruas dos arredores e as auto-estradas de saída da metrópole. Com a distância, começam a suceder-se os primeiros refúgios veraneantes.

À velocidade permitida, sem paragens dignas de registo, no fim da mesma tarde estamos em Bunbury. A povoação não nos enche as medidas pelo que nos limitamos a lá dormir.

Retomamos a Bussel Highway em direcção à Bunker Bay e ao Cabo Naturaliste.

No pino do Verão austral, grassam por ali incêndios florestais e o acesso permanece bloqueado pelas autoridades. Sem alternativas válidas, atalhamos para Yallingup.

No dialecto local aborígene Noongar, Yallingup significa “Lugar do Amor”. Não nos custa perceber porque os australianos mais abastados – incluindo, assim nos dizem, vários jogadores profissionais de críquete – se apaixonaram pelo lugar e ali têm casas de férias.  

A estrada termina num parque de estacionamento minimal. Quando saímos do carro alugado, deparamo-nos com a Smiths Beach, uma enorme baía selvagem, forrada de vegetação costeira verdejante e um areal desafogado que o Índico verde-azul invade.

O cenário é grandioso. Inspira um exército de surfistas determinados como o faz a figura lendária e residente de Taj Burrow. Taj é filho de pais americanos. Em 1988, aos 17 anos, tornou-se no competidor mais jovem a qualificar-se para o ASP World Tour, mas adiou a sua participação para o ano seguinte – quando se voltou a qualificar – por se achar demasiado jovem para passar tanto tempo em redor do mundo. Desde então, triunfou em diversas provas de renome e derrotou concorrentes bem mais cotados, caso do agora onze vezes campeão do mundo Kelly Slater.

Os seus discípulos chegam em campervans e carrinhas envelhecidas. Vemo-los vestirem os fatos e prepararem as pranchas para logo percorrerem o longo trilho que conduz ao mar, apressados, como se receassem que se pudesse sumir de um momento para o outro. Observamo-los também ao longe, a vencer a primeira rebentação branca para atingirem as ondas ideais que, destemidos e por vezes inconscientes, partilham com tubarões, incluindo grandes brancos.

Gnarabup, a praia que se segue, tem um mar demasiado raso para que estes portentosos predadores se acerquem mas é desprezada pela comunidade surfista. As suas águas mais depressa fazem correr os banhistas convencionais, desejosos de relaxarem no cenário idílico antes de se perderem nos mil e um sabores e aromas de Margaret River.

Mags – o diminutivo afectuoso – é a povoação vinícola e gastronómica por excelência do sudoeste da Austrália Ocidental. Em nenhuma outra zona a grande ilha se revela tão mediterrânica como ali. Do litoral para o interior, ao longo do rio epónimo, a vegetação evolui dos arbustos de arriba das praias para bolsas de sobrais e eucaliptais que remetem para o sul português, ainda mais quando abrem espaço às famosas vinhas da região. Cento e quarenta adegas, na sua maioria diminutas, ocupam cerca de 5500 hectares e produzem vinhos cada vez mais enormes a nível mundial. Margaret River só assegura cerca de 3% da uva australiana. Ainda assim, 20% da produção Premium do país tem ali origem, com destaque para o Sauvignon Blanc que todos os anos ajuda a atrair um milhão de visitantes.

Deixamos Mags entregue à sua maturação enóloga e turística. Continuamos a descer a longa Bussel Highway com passagem por Karridale e por Augusta. Fica por estes lados a porta de entrada para o Cabo Leeuwin, o ponto limiar ocidental do Sudoeste, onde os aussies crêem que colidem os oceanos Índico e Antárctico. Prosseguimos para a região das grandes florestas australianas, um domínio místico e poderoso que leva à lágrima os ozzies mais patriotas e sentimentalistas, comovidos pelo cheiro quente da terra, rendidos à imponência dos troncos gigantescos das jarrah, marri e karri trees, as espécies de eucaliptos que ali proliferam.  

Ao longo de centenas de quilómetros, esta floresta majestosa rouba-nos a visão aberta do céu e deixa-nos apreensivos. As distâncias australianas são intermináveis. Não as podemos percorrer devagar. Só que, por aqueles lado, os wallabies e cangurus de maior porte cruzam a estrada com frequência. Qualquer colisão poderia provocar danos irreparáveis de parte a parte, ainda mais grave num domínio que os ambientalistas inveterados têm como sagrado.

“We Love Music” repete, a espaços, com sotaque ozzie, a voz feminina no éter. Para compensarmos a monotonia da paisagem e das rectas sem fim, mantemos o rádio sintonizado na Triple J, uma das estações mais jovens e irreverentes da Austrália. A determinada altura, somos prendados com uma entrevista a dois membros dos Buraka Som Sistema que, na altura, animavam um dos principais festivais de Verão australianos ao som do contagiante “Wegue Wegue” e outros temas do seu progressive kuduro. Enquanto os quilómetros e os marsupiais por nós passam, não conseguimos deixar de rir com a discussão de Lil John, Kalaf e DJ Riot sobre as virtudes e desvirtudes musicais do sempre prepotente norte-americano Kanye West.

Quase uma hora depois, permanecemos subsumidos na floresta e a visão inesperada de várias lonas e cartazes de protesto confirma-nos a presença latente dos ambientalistas. Até há algum tempo, as árvores da região – muitas delas seculares – alimentaram uma indústria madeireira próspera sediada em Nannup, Bridgetown, Pemberton e Northcliffe. Mas a pressão dos ambientalistas nunca parou de aumentar. Como resultado, o governo limitou o abate a um mínimo essencial. Hoje, estas pequenas povoações procuram compensar o corte no seu velho e fácil sustento com lucros de actividades ecológicas recém-geminadas.

Por fim, chegamos ao Grande Sul australiano. Ainda cercados de árvores e mais árvores, planeamos deter-nos no Valley of the Giants, ansiosos por trocarmos o carro pela mais impressionante dessas emendas ambientais.

Passamos por Walpole. Após Nornalup, flectimos para o interior até que chegámos à área protegida que lhe dá o nome.  Exclusivas desta pequena região do Grande Sul da Austrália Ocidental, as árvores tingle tingle (Eucalyptus jacksonii) que ali abundam podem viver mais de 400 anos e crescer 60 metros enquanto os seus troncos chegam aos 16 metros de diâmetro nas bases. Durante décadas, os locais e visitantes entusiastas da natureza percorreram o trajecto que atravessa o vale para verem o “Velho Império” vegetal que se havia instalado naquele lugar muito antes de os europeus ancorarem na grande ilha austral. Hoje, graças ao pensamento ecológico da população e das autoridades, mais que admirar a partir do chão, podemos caminhar pelo cimo da floresta ao longo de uma estrutura com cerca de 600 metros. O vento faz oscilar as passadeiras e agrava uma vertigem controlada mas o mar de clorofila em redor deixa-nos deslumbrados.  

Denmark é conhecida como a vila em que aquela mesma floresta aparentemente sem fim encontra o mar e os hippies se encontram uns aos outros. Como tantas povoações pela Austrália fora, revela-se um refúgio de campo marcadamente residencial mas repleto de galerias e lojinhas de arte alimentadas pelos estilos de vida alternativos de muitos moradores. Ao contrário do que toda a gente e nós próprios pudéssemos pensar, o seu nome tem pouco que ver com o país nórdico. Foi-lhe atribuído, em 1829, pelo médico naval Thomas Braidwood Wilson, o primeiro homem branco a explorar a zona e que baptizou o rio que ali corria com o apelido de um dos seus melhores amigos, o doutor Alexander Denmark.

Mais que a povoação, são as redondezas que nos atraem. Apelam-nos, em particular, o litoral excêntrico do PN William Bay, repleto de enseadas perfeitas em que as marés cobrem e descobrem curiosas rochas arredondadas – as Elephant Rocks – e piscinas naturais com uma água tão gélida que só verdadeiros masoquistas nelas se banham.

Estamos já na costa meridional da Austrália. Para sul no mapa, resta apenas a Antárctida e, a condizer, sopram ventos furiosos que, além de baixarem adicionalmente a temperatura do ar e do oceano, parecem querer arrancar os grandes calhaus de granito dispersos pela praia.

A leste, ao longo da South Coast Highway, sucedem-se dois tipos de beira-mar extremos e imaculados, ora rochoso e dramático, ora dominado pela vegetação costeira verdejante e embelezado por areais que mais parecem neve.

Malgrado ser apenas a sexta cidade do estado, com 34.000 habitantes, Albany é a maior que visitamos desde que deixámos Busselton. Também é a colónia permanente mais antiga da Austrália Ocidental, fundada em 1826, três anos antes de Perth. Nos dias que correm, exibe visuais contrastantes. O do velho centro histórico com os seus edifícios coloniais relativamente bem preservados junto à marginal e o da zona nova que se desenvolve a olhos vistos para o interior e que aumenta uma extensão americanizada de centros comerciais e de restaurantes de fast food.

O charme do antigo agrada-nos. Mantemo-nos entre as ruas e cafés do centro, a longa marginal do Princess Royal Harbour e a reputada Middleton beach.

Nove dias e 543 km após a partida de Perth, tínhamos chegado ao ponto final do itinerário. Pouco tempo depois, apanhamos a Albany Highway e regressamos à capital pelo interior do grande sudoeste australiano.

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Victoria, Austrália

No Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes de Melbourne, a estrada B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. E bastam alguns km para perceber porque foi baptizada The Great Ocean Road.

Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital de estado mais a sul da grande ilha foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.

Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Perth, Austrália

Em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.

Herança colonial
Arquitectura & Design

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Aventura
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Nacionalismo Colorido
Cidades

Cartagena de Índias, Colômbia

Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".

Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Rosa Puga
Cultura

Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Ferry Nek Luong
Em Viagem

Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso

Frescura da manhã
Étnico
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Caminho para o deserto
História

Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.

Praia Islandesa
Ilhas

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Recta Final
Inverno Branco

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Convés multifuncional
Natureza

Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Água grande
Parques Naturais

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

Passerelle secular
Património Mundial Unesco

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Gang de 4
Personagens

Tombstone, E.U.A.

A Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.

Pura Vida em risco
Praia

Montezuma, Costa Rica

Um Recanto Abnegado da Costa Rica

A partir dos anos 80, Montezuma acolheu uma comunidade cosmopolita de artistas, ecologistas, pós-hippies, de adeptos da natureza e do famoso deleite costariquenho. Os nativos chamam-lhe Montefuma.

Himalaias urbanos
Religião

Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção himalaia da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos creem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Sociedade
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Acima de tudo
Vida Selvagem

Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história. 

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.