Tóquio, Japão

O Imperador sem Império


Torre Fushimi Yagura

Uma das torres do palácio Imperial japonês que recuperou o castelo de Edo.

Excitação

Súbditos nipónicos acenam ao imperador prestes a entrar no palácio imperial.

Pinheiros

Floresta urbana de pinheiros antecede uma área de quase-arranha-céus de Tóquio.

Trânsito interrompido

Polícia barra o trânsito durante a entrada do Imperador no palácio imperial.

Fotos em uniforme

Jovens estudantes fotografam o palácio imperial.

Ciclo-Segurança

Segurança do palácio imperial numa bicicleta clássica.

O Imperador

Imperador Akihito acena aos súbditos de dentro da limousine imperial.

A postos

Guarda Imperial em sentido junto ao seu abrigo.

Excursão juvenil

Fila de alunos de um colégio move-se em direcção da torre Fushimi Yagura do palácio imperial.

Foto de grupo

Grupo de alunos é fotografado com o palácio imperial em fundo.

Fotógrafos

Fotógrafos a postos junto a um plano com a Torre Fushimi Yagura do palácio imperial em fundo.

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.

O palácio imperial impõe-se à cidade como uma das mais marcantes viagens ao passado de Tóquio. Quando emergimos da sofisticação tecnológica da estação de metro de Otemashi examinamos a realidade em redor e deslumbramo-nos. Para trás, salta à vista um núcleo pouco uniforme mas harmonioso de edifícios de escritórios modernos, dois ou três deles quase arranha-céus, outros, mais baixos. Ao nível do solo e quase até à base destes prédios, estende-se uma floresta urbana de pinheiros verdejantes que mais parecem ter sido aparados por uma equipa de Eduardos Mãos de Tesoura.

Entre os pinheiros e o palácio, alonga-se uma vasta área coberta de brita cinzenta só interrompida pelo asfalto mais escuro que dá acesso ao palácio. Detectamos o muro do antigo castelo de Edo e um estranho alinhamento de pessoas que lhe virou as costas e parece esperar algo. Ocorre-nos atravessar o asfalto que nos separa delas para verificarmos afinal que se passava mas, não vamos longe.

Um polícia grita em nipónico e gesticula para voltarmos para trás. Fiéis ao objectivo inicial, submetemo-nos a uma volta bem maior. Quando chegamos ao outro lado, a ansiedade tomou conta do grupo que resiste ao frio, de máquinas fotográficas em riste.

Ouvem-se sirenes ao longe. Surgem polícias-batedores em motorizadas volumosas, seguidos por um cortejo composto por sete viaturas negras e uma última, também policial. A pequena multidão entra em frenesim, mais ainda as mulheres que trocam exclamações histéricas, acenam e batem palmas tão comovidas como fora de si. Abre-se a janela traseira de um dos carros, destacado pela configuração de limusine clássica e por uma bandeira vermelha que esvoaça sobre o meio do capô. Um homem de fato, ar cândido e cabelo grisalho revela-se do interior, acena de volta aos admiradores e leva-os a um óbvio êxtase. O cortejo não pára mas abranda. Em três tempos, desaparece para o interior do jardim do palácio. A multidão rejubila. Dezenas de súbditos nipónicos acabavam de ver o seu imperador. Como se não bastasse, o imperador tinha-os saudado.

No que nos dizia respeito, sem sabermos muito bem como, tínhamos acabado de ver o imperador do Japão. O imperador do Japão tinha-nos saudado.

À partida, a probabilidade deste encontro era semelhante à de se achar um outro imperador ainda no activo à face da Terra: zero.

A casa imperial nipónica mantém-se como a monarquia hereditária mais antiga do mundo a exercer em continuidade. A sua origem é tão ancestral que cai num vazio de rigor, apesar de constar num livro de história japonesa do século VIII que foi fundada em 660. a.C.

No largo período decorrido, o poder do imperador japonês alternou entre um quase total simbolismo e uma verdadeira regência imperial. Mas, na maior parte do tempo – apesar de nominalmente apontados pelo imperador – os verdadeiros líderes japoneses foram os shoguns, senhores feudais que disputaram o território nipónico até à entrada em cena da Restauração Meiji, que promoveu o imperador à personificação de todo o poder do reino. Os exploradores portugueses, pioneiros europeus na chegada ao Japão, compararam-no ao Papa: com grande autoridade simbólica mas soberania limitada.

Após estender-se pela Ásia e Pacífico do final do século XIX até 1945, o Império do Sol capitulou em pouco mais que um ano perante os exércitos aliados. Foi reconduzido ao seu arquipélago ponto de partida e dissolvido, em 1947, durante a ocupação dos E.U.A. que estiveram na base da criação da nova constituição nipónica.

Hirohito foi poupado pelos norte-americanos a condenações por crimes de guerra e preservado no poder com o estatuto de “símbolo do estado e da unidade do povo”. Morreu, em 1989. Akihito ocupou então aquele que é conhecido pelo trono crisântemo. Este último imperador é venerado da forma que tínhamos acabado de assistir – e de outras bem mais zelosas ou até fanáticas – como descendente directo de Amaterasu, deusa xintoísta do Sol e do Universo, de acordo, a mais alta autoridade terrena desta religião.

Durante onze séculos, os imperadores japoneses residiram em Quioto. A partir do meio do século XIV, a residência oficial – Kokyo – foi mudada para o castelo de Edo, no coração de Tóquio. O seu edifício principal continuava à nossa frente, abrigado sobre muralhas interiores, para diante da ponte Nijubashi, no cimo de uma colina e entre árvores frondosas.

Vemos dezenas de alunos nipónicos vestidos de negro avançarem em fila ao longo da gravilha. Chegados à ponte, formam com este cenário como fundo e um fotografo, à boa maneira japonesa munido de tripé, regista a imagem dos jovens súbditos para a posteridade.

A estação central de Tóquio não está longe. Partem dela a toda a hora comboios-bala shinkansen destinados às principais cidades do país e equipados com uma hospedeira para cada carruagem. Entretanto, um grupo destas trabalhadoras nos seus uniformes elegantes aflui ao lugar com o mesmo propósito dos estudantes.

No início do século XXI, estas e outras japonesas quase foram prendadas com uma revolução na sempre tradicionalista relação de género nipónica.

Por essa altura, o Príncipe Akishino (segundo filho de Akihito)  mantinha-se o único elemento masculino nascido no seio da família imperial desde 1965.

Com a sucessão em risco, a Casa Imperial decidiu formar um conselho para ponderar a hipótese de uma mulher poder suceder ao Imperador. Mas, em 2006, Akishino e a princesa Kiko geraram um príncipe, Hisahito. Pouco depois, o conselho manteve que a sucessão deveria continuar a fazer-se no masculino. Acontece que Naruhito – o primogénito e provável sucessor do imperador actual – só tem uma filha. O que decidirão os japoneses quando a sucessão voltar a estar em perigo?

Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

Lenha à Pressa
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Coragem
Cerimónias e Festividades

Pentecostes, Vanuatu

Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.

Sirocco
Cidades

Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela estética e pelo modernismo inspirada pela vizinha Escandinávia.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Entusiasmo Vermelho
Cultura

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Aldeia luxuriante
Étnico

Navala, Fiji

O urbanismo tribal de fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Insólito Balnear
História

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Pesca no Paraíso
Ilhas

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Pré-Tosquia
Natureza

Nova Zelândia

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Vítima do Destino
Património Mundial Unesco

Ilha da Páscoa, Chile

Sob o Olhar dos Moais

Rapa Nui foi descoberta pelos europeus no dia de Páscoa de 1722. Mas, se o nome cristão da ilha faz todo o sentido, a civilização que a colonizou de estátuas observadoras permanece envolta em mistério

Gang de 4
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Perigo: correntes
Praia
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Cidade dourada
Religião

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Sociedade
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Perigo de praia
Vida Selvagem

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.