Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso


Moldura
António do Remanso caminha em frente à Fazenda Velha.
Maré de nenúfares
Visitantes atravessam o pantantal Marimbus.
De barco em barco
Nativo do Remanso na doca da povoação sobre o pantanal Marimbus.
António do Remanso
António, um dos muitos descendentes dos escravos que, no século XIX, fugiram de sanzalas da região.
Reflexo fluvial
Grupo percorre a margem de um dos rios que delimitam o Marimbus.
Ninfeias
Folhas de nenúfares, uma das plantas predominantes do pantanal Marimbus.
Sorriso de alívio
Apicultor do Remanso já liberto da máscara que o faz suar sob o sol tropical da região.
Duche natural
Visitante da Chapada Diamantina refresca-se numa poça do rio Roncador.
Fazenda Velha
A casa principal da Fazenda Velha, situada numa das extremidades do território histórico dos quilombos que deram origem ao Remanso.
Oferta adocicada
Apicultor do Remanso protegido a rigor das abelhas oferece favos de mel a visitantes do Marimbus.
Rio cor de café
Adolescente do Remanso banha-se numa lagoa escura do rio Roncador.
De novo entre nenúfares
Remador Tiago conduz visitantes pelos canais do pantanal Marimbus.
Desembarque
Guias do Remanso António e Tiago preparam-se para arrastar a canoa, num trecho demasiado raso do rio Roncador.
Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.

Apesar do fim da prospecção mineira e da escravatura, algumas das gentes de Lençóis da Bahia mantiveram-se à parte da evolução, perdidas no tempo, fiéis à história. Não foi só o caso dos quilombos.

Foi o caso dos garimpeiros, uma classe hoje isolada da sociedade local que mantém representantes solitários a viver e a trabalhar em condições precárias nos leitos dos rios e riachos mas também povoações que agrupam descendentes dos antigos prospectores.

Barqueiro, Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina

Nativo do Remanso na doca da povoação sobre o pantanal Marimbus.

É o caso de Estiva, um vilarejo perdido no meio da imensa catinga do interior da Bahia. E foi também o que se passou com Remanso, uma comunidade que sucedeu a distintos quilombos antes disseminados nesta zona remota e isolada dos arredores de Lençóis da Bahia.

As Origens Austeras e Seculares da Comunidade Quilombola do Remanso

Seja ou não verdade, diz-se que o primeiro destes quilombos foi originado por um escravo que liderou uma fuga temerária de uma senzala através do pantanal de Marimbus, estima-se que, na altura, bem mais repleto de jacarés, piranhas e anacondas que agora – o que há muito frustrava qualquer tentativa de evasão.

António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina

António do Remanso caminha em frente à Fazenda Velha.

Esse e outros escravos, terão ficado entregues à sua sorte. Obrigaram índias então ainda existentes na zona a viverem e a procriarem com eles. Com frequência, surgiam outros quilombos após os fugitivos resistirem a tentativas de recaptura, numa era pós-colonial em que a sua desobediência escandalizava muito mais a população livre e abastada que o arrastar da escravatura.

Quando chegamos ao Remanso, um destes cafuzos, conhecido por António do Remanso passou a guiar-nos naquele cenário baiano exótico em que cresceu. “Com certeza!”

É com a popular expressão abrasileirada e um forte sotaque sertanejo que nos responde a quase todas as perguntas e confirma a maioria das nossas observações.

António exibe uma suavidade de trato pouco comum no género masculino que nos pareceu, de imediato, estar associada aos seus traços andrógenos raros, por aqueles lados.

Foi este anfitrião que nos indicou a canoa escolhida de entre dezenas ancoradas à entrada do Marimbus e que, apoiado por Tiago, um colega de ofício bem mais másculo e musculado, deu início à navegação.

À Descoberta do Pantanal do Marimbus, Chapada Diamantina

O Marimbus ocupa uma vasta (1250km²) área alagada entre Lençóis da Bahia e Andaraí. É alimentado por três rios. Esconde algumas lagoas interligadas em que, abrigadas por papiro (localmente chamado de marimbus ou peri) a restante flora e uma fauna mista da Mata Atlântica e da Amazónia proliferam .

A embarcação de madeira zarpa com a lotação esgotada. O peso exagerado exige esforço redobrado aos remadores.

Barco sobrelotado, Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina

Visitantes atravessam o pantantal Marimbus.

Mesmo assim, lá avançamos aos poucos, a romper um denso manto verde formado por distintas plantas aquáticas, embelezado por centenas de nenúfares, pelo menos até o sol tropical (o Trópico de Capricórnio atravessa a Chapada Diamantina) fazer as suas flores coloridas recolherem.

Tínhamos como primeiro objectivo uma tal de Fazenda Velha. O tempo do percurso para a atingir multiplicou-se muito para lá do previsto, isto, com a concordância dos guias que nunca se escusaram a parar ou a desviar-se da rota para nos mostrarem os espécimes animais e vegetais mais exuberantes ou apenas interessantes.

Uma hora e meia, muitos meandros sem visibilidade depois, demos com um braço de um rio. Ali, a pouca profundidade obriga-nos a encalhar a canoa na beira e prosseguir a pé o pouco que restava, ao longo do leito arenoso e avermelhado do Roncador.

Rio Roncador, Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina

Grupo percorre a margem de um dos rios que delimitam o Marimbus.

Regressados a terra, metemo-nos num trilho de mato cerrado. Prendado com a sombra de um cajueiro e com o sumo açucarado dos frutos que todos partilhamos, António aproveita para dissertar sobre o passado do Remanso e as crenças e rituais afro-brasileiros que subsistiam na comunidade.

Ao conjugamos as suas palavras com as de vários outras figuras da aldeia, inteiramo-nos de como tudo se terá passado.

De Manézinho ao Guia António do actual Remanso

A povoação, em si, foi fundada por Manoel da Silva – Manézinho do Remanso (hoje com 73 anos), pelo irmão Inocêncio e por três primos mais as respectivas famílias, em 1942. A história da ocupação escrava daquele confins, essa, é muito anterior. “Meu bisavô era índio e foi ‘pegado’ no mato a dente de cachorro”, habituou-se o próprio Manézinho a contar a quem chega de fora. “Na senzala, ele se casou com a minha bisavó, que ainda veio de África” (cálculos feitos, supostamente no início do século XIX).

Retrato António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina

António, um dos muitos descendentes dos escravos que, no século XIX, fugiram de sanzalas da região.

“Aqui, somos todos primos e filhos de primos que casaram com primos”. “Meu avô era pescador e, de pai para filho, todo o mundo era pescador”, esclarece o ancião. “ No começo, a vida era difícil. A gente pescava tucunarés e crumatás, guardava os peixes num viveiro e, no dia de feira, prendia tudo pelo boca num cambão (vara de madeira), saíamos ainda de noite, a pé, para vender lá em Lençóis”.

As décadas passaram. O Remanso adornou-se com as primeiras modernidades, incluindo uma TV a cores ligada a uma antena de satélite que atraía toda a comunidade em redor dos episódios das novelas mais populares.

A aldeia permaneceu muito tempo sem benefício de uma rede social e de infra-estruturas erguida quase apenas em Lençóis, desprovida de escolas, centros de saúde ou do que quer que fosse.

Os habitantes queixam-se ainda de que, apesar de estarem numa terra abençoada no que diz respeito à sua beleza e fertilidade, o Remanso, o Marimbus e o Rio Roncador não providenciam empregos e obrigam muitos dos seus filhos a migrar para Lençóis e outras paragens bem mais distantes do Brasil.

Banho no rio Roncador do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina

Visitante da Chapada Diamantina refresca-se numa poça do rio Roncador.

Os Trunfos Turísticos do Pantanal do Marimbus e do Rio Roncador

Nos últimos tempos, a aldeia começou, por fim, a beneficiar do vigor turístico crescente da Chapada Diamantina.

A comunidade cobra, agora, entradas aos forasteiros que a visitam e ao Marimbus. Os guias são remunerados pelas pequenas agências instaladas em Lençóis.

Esse desafogo, com os proveitos adicionais das roças, da pesca e da criação de mel – mas também de outras artes e ofícios – permitiram a vários nativos regressar e, senão prosperar, pelo menos sustentar as suas famílias.

Navegação Marimbus do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina

Remador Tiago conduz visitantes pelos canais do pantanal Marimbus.

A auto-estima indígena do Remanso provém, em grande parte, da consciência das origens marginais da comunidade.

Quando as famílias se unem para celebrar o que quer que seja, essas origens  abençoadas por orixás, patuás e babalorixás ficam bem patentes ao som dos tambores, do berimbau, do reco-reco que dão o ritmo à capoeira dos mais jovens e aos cânticos de inspiração tribal e africana.

Regressamos à Fazenda Velha. Admiramos o seu encanto de “Sitio do Pica-Pau Amarelo” isolado antes de um almoço baiano revigorante.

Fazenda Velha, Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina

A casa principal da Fazenda Velha, situada numa das extremidades do território histórico dos quilombos que deram origem ao Remanso.

O caminho de regresso cumpriu-se contra a corrente. Provou-se também bastante mais doce.

No meio do pantanal, cruzamo-nos com dois apicultores conhecidos de António e Tiago, em plena recolha.

Completada uma acostagem suave e alguma conversa bem disposta, os nativos sumidos em fatos e máscaras protectores brancos que os mantinham em destilação, prendam-nos com favos ainda ensopados de mel.

Oferta de mel no Marimbus, Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina

Apicultor do Remanso protegido a rigor das abelhas oferece favos de mel a visitantes do Marimbus.

Pouco depois, a noite tomava já conta do Marimbus, ancoramos de volta no Remanso e regressamos à civilização pós-colonial de Lençóis da Bahia.

Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

Casario

Lares Doces Lares

Poucas espécies são mais sociais e gregárias que a humana. O Homem tende emular outros lares doces lares do mundo. Alguns desses casarios revelam-se impressionantes.
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas
Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Cerimónias e Festividades
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Viagem na História de Santa Cruz de La Palma, Canárias, Varandas Avenida Marítima
Cidades
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Cultura
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Em Viagem
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Telhados cinza, Lijiang, Yunnan, China
Étnico
Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Christiansted, Saint Croix, Ilhas Virgens Americanas, Steeple Building
História
Christiansted, St. Croix, Ilhas Virgens Americanas

A Capital das Antilhas Afro-Dinamarquesas-Americanas

Em 1733, a Dinamarca comprou a ilha de Saint Croix à França, anexou-a às suas Índias Ocidentais em que, com base em Christiansted, lucrou com o trabalho de escravos trazidos da Costa do Ouro. A abolição da escravatura tornou as colónias inviáveis. E uma pechincha histórico-tropical que Estados Unidos preservam.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Ilhas
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Natureza
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Rio Matukituki, Nova Zelândia
Parques Naturais
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Visitante, Michaelmas Cay, Grande Barreira de Recife, Australia
Património Mundial UNESCO
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Mangal entre Ibo e ilha Quirimba-Moçambique
Praias
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Casario de Gangtok, Sikkim, Índia
Religião
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Máquinas Bebidas, Japão
Sociedade
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
EN FR PT ES