Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão


Gentlemen Club & Steakhouse

Anúncio móvel na caixa de uma camioneta promove um clube masculino e casa de bifes de Las Vegas.

Boas-vindas exuberantes

Uma das famosas placas de acolhimento de Las Vegas, neste caso, à baixa da cidade.

Pennies

Néon no interior de um casino da Strip.

Limo Vegas

Limusina percorre a famosa Strip.

Veneza no Nevada

Gôndolas ancoradas no Venetian, um hotel de Vegas.

Aposta no Verde

Peões aguardam pelo fim da luz vermelha em frente a um casino.

Uma esfinge norte-americana

Estátua decorativa do hotel-casino Luxor.

Paris em Las Vegas

Cópia da torre Eiffel do hotel Paris Las Vegas destaca-se muito acima da Strip.

Máquinas de fazer dinheiro

Máquinas de jogos emprestam alguma cor e luz à sala de jogo lúgubre de um casino.

Classic LV

Modelo promove uma exposição de carros clássicos.

Flamingo

Neon garrido do hotel-casino Flamingo, um dos mais antigos de Las Vegas.

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Estão instalados o lusco-fusco e as cores garridas da Strip quando os repuxos do Bellagio se voltam a elevar. Como a quadrilha de Danny Ocean em “Ocean’s Eleven”, uma multidão expectante deixa-se deslumbrar pelos movimentos graciosos da água. A banda sonora, “Time to Say Goodbye” (“Con te partirò”) de Andréa Bocelli e Sara Brightman, confere ao espectáculo um retoque extra de solenidade e dramatiza um momento de requinte e esplendor que, apesar de repetido até à exaustão, é sempre concorrido. A iluminação e os flashes, disparados vezes sem conta, geram um clarão interactivo que envolve o hotel e, por alguns minutos, relega para segundo plano a restante cidade. Terminado o show, a assistência desfaz-se aos poucos e é devolvida à realidade imprevisível de Vegas.

Do lado oposto da avenida, um exército de mexicanos dispostos ao longo do passeio desafia o glamour envolvente com roupas andrajosas e olhares de miséria sem solução: “ … girls, girls, girls… “ sugerem indiscriminadamente aos transeuntes enquanto distribuem pequenos flyers de mulheres de sonho, nuas, que a promoção oferece a partir de 50 dólares. Os flyers rejeitados acumulam-se no chão e formam um tapete de lascívia que os locais já se habituaram a pisar. Não é motivo para grandes escândalos, afinal “What Happens in Vegas, Stays in Vegas”.

A fama libertina de Las Vegas vem de longe, da sua fundação em 1905, quando a concentração de casas de entretenimento adulto lhe granjeou o título de cidade do pecado e atraiu gente de todos os cantos do país e do estrangeiro. O dinheiro, tantas vezes sujo mas fácil, e o espírito de aventura que lhe era inerente fizeram deste oásis perdido na vastidão árida do Deserto do Mojave – a que os primeiros exploradores espanhóis chamaram Vegas (prados) – a maior urbe norte-americana fundada no século XX. Hoje, apesar de ser apenas a 28º em termos de população (cerca de 560.000 habitantes), Las Vegas continua a ocupar um lugar à parte no imaginário da nação e do mundo.

Tudo começou com um dos sonhos tresloucados de Ben “Bugsy” Siegel, que ali arriscou a sua reputação e muito dinheiro ao abrir um casino esplendoroso de inspiração tropical a que chamou Flamingo. Pouco tempo depois, o lugar foi introduzido a uma modernidade anunciada pela passagem do caminho de ferro que ligava Los Angeles a Salt Lake City.

Desenvolveu-se desenfreadamente graças a projectos de construção apoiados pelo governo federal e à legalização do jogo que permitiu ao estado do Nevada e a Las Vegas cruzar a Grande Depressão sem sobressaltos, acolher uma base da Força Aérea e uma das grandes auto-estradas oriundas do sul da Califórnia. Com o advento da Guerra Fria, o Nevada recebeu ainda um dos mais activos test sites nucleares dos Estados Unidos. A determinada altura, as explosões estilhaçavam janelas dos casinos da Downtown todos os meses. A animação depressa foi incorporada no espírito “the show must go on” e várias Miss Mushroom Cloud oficiais promoveram as facetas atómicas do estado em campanhas turísticas radioactivas.

Todas as sextas, ou ainda antes, se algum feriado o conceder, as longas estradas de acesso à capital do jogo enchem-se de carros apressados por condutores ansiosos. São muitos milhões os viciados em apostas dos Estados Unidos. Assim que as vidas o permitem, uma parte considerável conflui para as suas roletas, slot-machines e mesas de cartas favoritas onde, possuídos pela ganância e aprisionados nas salas cavernosas e fumarentas dos casinos perdem a noção do tempo e do razoável.

Dos mais insignificantes aos sumptuosos – como o Wynn, o Bellagio, o Caesar Palace e o MGM -, os casinos decoram as suas paredes com imagens sugestivas dos ganhadores e os jornais divulgam-nos, com pompa, dia após dia. Os falidos, esses, surgem apenas nas listas de devedores dos bancos e das empresas de crédito, de procurados pela polícia e, em casos extremos de desespero, das morgues.

Há ainda aqueles que jogam “dólar a dólar” para preencher um vazio existencial e os que podem perder por pura diversão por, de tão ricos, serem praticamente imunes aos estragos.  

Hollywood, Beverly Hills e a Mulholand Drive escondem-se logo ali ao lado, por detrás das encostas litorais da vizinha Califórnia. A viagem de jacto privado de LAX é tão curta que não chega para saborear uma garrafa de champanhe. As estrelas aproveitam a proximidade e desembarcam para ocupar lugares reservados ad eternum nas UltraLounges VIP dos casinos. Algumas – actores/comediantes/cantores – alargam a sua órbita de fama à cidade. Assim que pisam os palcos mais prestigiantes de Vegas ou lá filmam, passam a dela fazer parte como aconteceu com Elvis, Frank Sinatra, Cher, Bette Middler, Celine Dion, Seinfeld ou o britânico Elton John, todos eles protagonistas de espectáculos concorrentes sempre esgotados.

Até o célebre vizinho canadiano Cirque du Soleil, de início familiar e alternativo, moveu mundos e fundos para responder ao recrutamento de várias corporações presentes em Vegas. As suas produções locais – Mystere, O, Zumanity, Ka, The Beatles- Love, Believe e Viva Elvis – são, hoje, exibidas em seis dos hotéis mais importantes da cidade e tornaram-se, elas mesmas, de certa forma, corporativas.

Para compensar a falta de referências internacionais do Nevada, Las Vegas e, principalmente a Strip, foram geradas com base em clonagens e franchises culturais internos e externos. O próprio nome Strip foi tomado de empréstimo da Sunset Strip de Los Angeles e, com o passar do tempo, substituiu o original Arrowhead Highway.

Ao invés de aborrecerem, estes plágios arquitectónicos e conceptuais suscitaram enorme interesse num público em que predominavam os pouco viajados estadounidenses e continuaram a ser produzidos, sempre em função da capacidade de entretenimento e facturação deste american playground

A Strip tem actualmente 6.1 km preenchidos na quase totalidade por edifícios e complexos de visuais dramáticos como o Mandalay Bay, que assinala a sua extremidade norte e o futurista Stratosphere que delimita a sul. Entre ambos, impõem-se vários dos maiores casinos e resorts do planeta e 19 dos 25 maiores hotéis do mundo, por número de quartos. Nos melhores anos, passam pela cidade quase 40 milhões de pessoas. Para as impressionar, a iluminação dos edifícios e das ruas, em geral, é de tal forma potente que, vista do Espaço, a área metropolitana de Las Vegas revela-se a mais brilhante à face da Terra.  

A Strip acolhe também as duas maiores empresas de jogo do Mundo: a Harrah’s Entertainment e a MGM Mirage. Como tributo à imagem da marca, esta última dá-se ao luxo de exibir ao público leões, tigres brancos e outros felinos, nas suas instalações megalómanas.

Estamos a quase 14.000 quilómetros de França, ainda mais de Itália e do Egipto mas surgem por aqui uma reconstituição de Paris que contempla os indispensáveis Arco do Triunfo, Campos Elísios e Torre Eiffel; uma pirâmide de Luxor protegida por uma esfinge e a mini-Veneza do Venetian em que circulam gôndolas subtilmente movidas a motor, para compensar, conduzidas por gondoleiros trajados a rigor, alguns cantores de ópera.

Cruzando a avenida, a fantasia continua, desta vez, entre os piratas e corsários do Treasure Island e prolonga-se pelo imaginário greco-romano do imperial Caesar. Seja qual for o espaço, as instalações revelam-se invariavelmente requintadas e acolhedoras, refrescadas ou aquecidas por sistemas de ar condicionado poderosos que protegem os visitantes das temperaturas sufocantes do Verão, – quando as máximas chegam facilmente aos quarenta graus – e das gélidas do Inverno, que roçam os zero. 

Para espanto geral, nos últimos anos, a concorrência desenfreada e o estado decadente da economia dos E.U.A. (que derreteu o poder de compra dos norte-americanos) gerou diárias de hotéis e preços, de uma forma genérica, bastante acessíveis. Principalmente de Domingo a Quinta, verdadeiras instituições como o Bellagio e o Stratosphere oferecem quartos e refeições divinais por valores em que custa a acreditar. São os japoneses, sempre abastados, e os europeus – que gastam no agora poderoso Euro – quem mais beneficiam e se surpreendem.

Os passeios da Strip não fogem à esfera do espectáculo barato. Servem de sala a um sem número de imitadores, promotores e artistas tantas vezes empresários de si mesmos. Elvis Presley está vivo em Las Vegas e, além de presente em determinadas capelas da Downtown, aparece multiplicado ao longo da Strip. É raro o visitante que deixa a cidade sem uma foto sua abraçado a um King trajado a rigor. Os sósias quase nunca cobram directamente mas apressam-se a sugerir: “A contribution would be just fine … one of ten or even … twenty if you don’t mind …”  

Por cachets substancialmente mais altos, de 1969 a 1976, Elvis Presley actuou em Las Vegas cumprindo uma média de dois concertos por dia, (um durante a tarde e outro à meia-noite). Dependendo da sua disposição, certos espectáculos foram mais curtos ou mais longos, mais ou menos vivos e contagiantes mas, entre tanta actuação, contaram-se obviamente alguns dos seus momentos inesquecíveis. Vegas está eternamente agradecida.

Duas décadas antes, durante a febre de construção iniciada pelo Flamingo, foram outros os entertainers, só ligeiramente menos famosos. Enquanto os magnatas apoiados pela máfia elevavam o  esplendor da cidade ao nível dos últimos andares dos seus  hotéis-casinos, chegavam novos grupos de dançarinas topless, de França, inclusive. Para credibilizar os palcos demasiado despidos foram então contratados nomes já famosos do showbizz norte-americano. Frank Sinatra, Liberace e Sammy Davis Jr, estiveram entre os pioneiros.

Nos dias que correm, os espectáculos diversificaram-se. Uns resumem-se a experiências de Stand Up Comedy de sucesso, transpostas de outras partes do país, como o exótico Carrot Top, Terry Fator, David Spade ou o ocasional Seinfeld. Outros revelam-se mega-produções multi-disciplinares e tecnológicas. E se o Cirque du Soleil vinha a monopolizar este tipo de shows, a recente inauguração do elegantíssimo hotel-casino Wynn, implicou a entrada em cena de um concorrente digno de registo, o Le Revê.

O próprio acesso à sala, feito através dos corredores e átrios avermelhados, aveludados e brilhantes do Wynn deixa perceber algo especial. Lá dentro, revela-se o único aqua-theater de Las Vegas e, assim que a acção tem início mergulha, nada, dança, salta e representa um elenco de 85 artistas ágeis capazes de combinar força, sensualidade e drama num mundo anfíbio e aéreo de fantasia que encanta o mais céptico dos espectadores.

De volta à Las Vegas real, nem tudo se mostra tão elegante. À saída do Wynn, um semáforo no vermelho detém um pequeno grupo de pedestres e um camião adaptado para fazer de outdoor móvel. A tela exibe um anúncio sedutor. Uma loura irresistível surge deitada sobre um sofá, de cabeça reclinada e olhos fechados numa postura de pura provocação e volúpia. O texto, em dourado, remete para a origem supostamente sofisticada de tal preciosidade. E é directo: ”Treasures. Gentlemen’s Club & SteakHouse”. Estamos em Las Vegas e na cidade do pecado tudo tem perdão.

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.

Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.

Tóquio, Japão

O Vídeo-Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.

Sentosa, Singapura

O Recreio de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.

Filipinas

Quando só os Galos Despertam um Povo

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.

Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.

Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.

Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.

Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Freemont Street.

Minhocas
Arquitectura & Design

Tbilissi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.

Fogo-de-artifício branco
Aventura

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Tribal
Cerimónias e Festividades

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Acima de tudo
Cidades
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Entusiasmo Vermelho
Cultura

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Danças
Étnico
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Caminho para o deserto
História
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Festa semi-travesti
Ilhas

Costa Caribenha, Venezuela

No Caribe, Sê Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Torres del Paine I
Natureza

PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Esqui
Parques Naturais

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Sem corrimão
Património Mundial Unesco

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Promessa?
Praia
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Folia Divina
Religião

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Encarregado da iluminação
Sociedade

Barragem Itaipu, Brasil

A Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Perigo: correntes
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.