Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca


Fim da Viagem

Hidroavião desliza em direcção a outros já atracados num rio nas imediações de Talkeetna.

Afecto alasquense

Casal abraça-se em frente à Nagley Store de Talkeetna, uma mercearia popular da povoação.

Grizzly à Mesa

Painel naife do restaurante-pub West Rib.

Casa cheia

Clientes do bar Fairview Inn assistem ao espectáculo dos Bathtub Gin.

Decoração do Grande Norte

Pormenor da fachada do restaurante-pub West Rib.

Taxi Fluvial

Hidroavião desliza num rio nas imediações de Talkeetna.

Ponto de Encontro

Moradores falam junto à Nagley Store de Talkeetna.

Pequena expedição

Aventureiro desce um rio num pequeno bote de borracha.

Exercício Boreal

Casal corre ao longo da rua principal de Talkeetna.

Concerto Quase Familiar

Bathtub Gin actuam no bar da pousada Fairview Inn.

Composição Alasquense

Comboio com as cores da bandeira do Alasca passa nas imediações de Talkeetna.

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Passadas Wasilla e Palmer, a civilização fica para trás e, com ela, os últimos cruzamentos e desvios. A possibilidade de tomarmos um caminho errado desaparece na quase deserta George Parks

highway. São onze e quarenta e cinco da noite mas a luz expande-se teimosamente a partir do horizonte e ilumina a noite branca. Apesar do nome, a atmosfera envolvente é azulada, retocada pelos tons naturais da paisagem. As montanhas insinuam-se, à distância, destacadas do céu limpo pelos seus cumes nevados. Como contraponto, a floresta de coníferas domina as terras baixas e alonga-se mesmo até à berma da estrada. Impõe um breu húmido e misterioso que nos vemos obrigados a sondar com cuidados redobrados

Os alces são a principal causa de acidentes rodoviários no Alasca. É depois de o sol se pôr, que se sentem mais à vontade para cruzar as estradas ou sobre elas estacionar. Castanhos, altos e esguios, confundem-se facilmente com os troncos das árvores e, muitas vezes, os condutores só os detectam, já sobre o asfalto, um azar que estamos determinados a evitar.

De quando em quando, passamos braços amplos de rio, feitos de águas selvagens alimentadas pelo degelo contínuo dos glaciares circundantes. Estamos em plena época do salmão e os alasquenses dedicam-lhes parte considerável das suas energias. Durante o dia, as margens delimitadas para o efeito estão à pinha de pescadores entusiasmados com a oferta inesgotável de peixes e com a competição que se instala. Chamam combat fishing a esta forma comunal de pescar mas a maior parte dos adeptos não leva o nome muito a sério e aposta na camaradagem.

À milha 98 da George Parks Highway tomamos o desvio que conduz a Talkeetna, uma das povoações mais emblemáticas do Alasca. Por volta do século XX, formou-se, aqui, um novo pólo de mineração do ouro que havia, entretanto, sido descoberto em diferentes regiões do estado.

Com o fim da febre, a preservação do seu aspecto histórico e o facto de se situar às portas do Parque Nacional Denali ainda por cima dotada de um aeroporto, tornaram-se em atributos que atraíram as famílias da grande Anchorage, e todos os aventureiros ansiosos por avistar e conquistar o grandioso Mt McInley – a montanha mais elevada da América do Norte –  uma tarefa de tal forma desafiadora que o cemitério da povoação está repleto de lápides em homenagem dos homens que a tentaram em vão cumprir. E só em 1991, foram 11 as vidas sacrificadas pela montanha.

Mas não foram só os alpinistas que promoveram a povoação ao seu quasi-estrelato alasquense. Outras sub-culturas enriquecem a comunidade alternativa que a povoa e frequenta: os aviadores intrépidos que transportam os alpinistas e turistas à montanha e mais tarde os sobrevoam. Os bichos do mato sociais insatisfeitos com as ambições clonadas e materialistas da maior parte dos compatriotas que chegam determinados em arrancar do 49º estado uma existência à sua maneira. Os grupos descomprometidos de neo-hippies, de ambientalistas jurados apoiantes ou não do Green Party que já fizeram do partido dos verdes o mais votado em Talkeetna.

Estas personagens e clãs sociais misturam-se de forma dinâmica, democrática e afável. Como resultado, Talkeetna irradia um bem-estar e acolhimento que fazem com que muitos visitantes vão adiando as suas partidas. Alguns deles para sempre.

É o tamanho diminuto da aldeola (chamemos-lhe assim) que começa por surpreender. À boa maneira do Alasca, o centro resume-se a uma única rua, a Main Street, em que se concentram os edifícios mais antigos, agora lojas, agências de tours, bares e restaurantes embelezados por pinturas, letreiros e outras decorações coloridas.

De Junho a Setembro, esta rua é percorrida  para cima e para baixo, vezes sem conta por dia, até que se esgota a novidade e os forasteiros se vêem forçados a escolher um poiso para desfrutar o lento anoitecer.

Um dos lugares mais encantadores da vila, o Fairview Inn, deixa escapar acordes de música ao vivo para a rua desafiando os transeuntes mais curiosos. Fundado em 1923 como estalagem de pernoita para o longo trajecto entre Seward (junto à costa sul) e Fairbanks (centenas de quilómetros para norte, a meio caminho para Círculo Polar Ártico), este estabelecimento acompanhou o passado recente do Alasca e, com o tempo, transformou-se numa espécie de museu vivo.

Assim que entramos no bar do rés-do-chão, reparamos na construção clássica. O chão é de tábua corrida, gasta. O enorme balcão, quadrado para optimizar o contacto com os clientes, surge protegido por uma assustadora pele de grizzly pendurada no tecto e a que fazem companhia algumas outras bem como armações de alce e de caribu. Em redor, o mobiliário é constituído de várias relíquias, incluindo uma velha jukebox e a única slot machine de Talkeetna. Espalhadas, um pouco por toda a parte, encontram-se ainda testemunhos da história da região, nos mais diversos formatos e avisos humorísticos que aproveitam para regulamentar o comportamento errático dos clientes.

Como na maior parte do estado, a cerveja é, aqui, uma espécie de instituição. Além da famosa Alascan – a marca emblemática, por excelência – inúmeros pequenos bares e cervejarias oferecem novos sabores com frequências diversas que chegam a ser semanais.

Quando os Bathtub Gin começam a actuar, as duas salas do piso térreo estão lotadas e a cerveja refresca praticamente toda a assistência.

Os músicos da banda – incluindo o vocalista tocador de banjo e a teclista, a sua mãe octogenária – são moradores da cidade mas, nessa noite, dão a ouvir temas do Louisiana e do Mississipi o que leva à loucura um inesperado sector sulista do público. Animados pelo concerto, só deixamos o bar às tantas. Lá fora, como por todo o estado, a noite é branca. Descansamos por algumas horas e tomamos o pequeno-almoço no primeiro bar a abrir.

Àquela hora, sobrava tempo livre ao empregado, pelo que resolveu meter conversa. A manhã ainda nem tinha começado e damos connosco a elogiar mais uma vez a Alaskan Amber que tanto nos havia encantado. Mark aceita a admiração mas ressalva que estávamos por aqueles lados há poucos dias. "Aqui em Talkeetna temos as nossas próprias cervejeiras particulares. Eu sou louco por improvisar novos sabores. Eu e vários outros cá da terra. Façam uma coisa. Mudem os vosso planos. Ficam lá em casa até Domingo. Assim já podem explorar melhor estas paragens e as cervejas caseiras que aqui formos servindo."  

Por muito que soe a lugar comum, por estas e por outras é que quem viveu o Grande Norte sabe que é melhor não dizer adeus.

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Montezuma, Costa Rica

Um Recanto Abnegado da Costa Rica

A partir dos anos 80, Montezuma acolheu uma comunidade cosmopolita de artistas, ecologistas, pós-hippies, de adeptos da natureza e do famoso deleite costariquenho. Os nativos chamam-lhe Montefuma.

Juneau, Alasca

Na Capital Diminuta do Grande Norte

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta cidade ínfima que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Seydisfjordur
Arquitectura & Design

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Preces ao fogo
Cerimónias e Festividades

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Dourado sobre azul
Cidades
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Comodidade até na Natureza
Comida

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Cavalgada em tons de Dourado
Cultura

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Pórtico do tempo
Em Viagem
Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Étnico
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
O Pequeno Tibete Português
História
Peneda-Gerês, Portugal

Do “Pequeno Tibete Português” às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo ao vale do Vez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de “tibetanas”.  Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras minhotas.
Baie d'Oro
Ilhas

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

À sombra da árvore
Natureza

PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Vai-e-vem fluvial
Parques Naturais

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Benção Solar
Património Mundial Unesco
Passo da Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Pacífico celestial
Praia
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Auto-flagelação
Religião

Gasan, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Encarregado da iluminação
Sociedade

Barragem Itaipu, Brasil

A Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Perigo de praia
Vida Selvagem

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.