São Francisco, E.U.A.

Cidade do Nevoeiro


Skyline São Francisco
Nevoeiro apodera-se da frente de prédios de São Francisco, uma imagem comum da cidade.
Aviso a Vermelho
Entrada da Golden Gate Bridge com a ponte subsumida no nevoeiro recorrente de São Francisco.
Da baía às alturas de Frisco
Cable car sobe uma das ladeiras de São Francisco, com a ilha ex-prisão de Alcatraz em fundo.
Ocaso apertado
O ocaso visto sob o tabuleiro da Golden Gate Bridge com um cargueiro a sair da baía de São Francisco para o oceano Pacífico.
Comércio na névoa
Cargueiros percorrem a San Francisco Bay sob um manto de nevoeiro.
São Francisco, noite
Panorâmica de casario de São Francisco uma das cidades com imobiliário mais valioso à face da Terra.
Pelicanos sobre Alcatraz
Nevoeiro cobre a ilha-prisão de Alcatraz
Pier 39 à pinha
Leões ocupam o famoso Pier 39 de São Francisco
Pedaladas de sonho
Ciclista pedala ao longo de um mural criativo da cidade.
A Ponte do Pórtico Dourado
Nevoeiro flui acima da Golden Gate Bridge
Inspirada pelo passado hippie e embalada pelas viagens de cable car acima e abaixo das suas colinas, a população de São Francisco tornou-se numa das mais criativas e artísticas dos Estados Unidos. Debaixo da neblina, esta metrópole californiana amadureceu livre de preconceitos e resiste como a grande musa da inovação sócio-cultural norte-americana.

São as águas frias do Pacífico e a localização extrema de São Francisco – uma língua de terra cercada de mar por três lados mas presa à superfície sobreaquecida da Califórnia – que definem a meteorologia única da cidade.

Acompanhamos vezes sem conta o desenrolar deslumbrante do seu mais famoso fenómeno: o nevoeiro a avançar lentamente do Pacífico e a invadir a baía e a metrópole.

No processo, a grandiosa Golden Gate Bridge é a primeira grande estrutura a ser coberta. Segue-se a famosa ilha-prisão de Alcatraz. Por norma, aos poucos, a névoa desvanece-se total ou parcialmente sobre os cenários.

Nevoeiro sobre a ilha de Alcatraz em São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América

Nevoeiro cobre a ilha-prisão de Alcatraz, em plena São Francisco Bay

Água gélida do Pacífico vs Interior da Califórnia Aquecido

Umas vezes por longos períodos, noutras, durante escassos minutos. Uma frase polemicamente atribuída a Mark Twain resume com sarcasmo a instabilidade do clima de Frisco: «O Inverno mais frio que já passei foi um Verão em São Francisco

Desde então, se alguma coisa mudou, foi o número de dias sem sol, que parece ter aumentado. Tarde após tarde, pouco depois de o nevoeiro se instalar, damos connosco a ansiar pela dose diária do famoso clam chowder, um caldo de amêijoas revigorante, servido dentro de um pão sourdough (feito com massa avinagrada) quase oco.

O frio do Pacífico forma, apesar de tudo, as condições ideais para uma  comunidade muito peculiar de Frisco. Nas proximidades do Pier 39, o vento a favor prenda-nos com um estranho aroma.

Mais para diante, sobre plataformas flutuantes, damos com centenas de leões-marinhos conflituosos e barulhentos que disputam, à dentada, cada centímetro de espaço, indiferentes a uma multidão de espectadores entre o intrigado e o incrédulo.

Leões no Pier 39 de São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América

Leões ocupam o famoso Pier 39 de São Francisco

Pier 39: de Doca Náutica a Pouso dos Leões-Marinhos

Os leões-marinhos colonizam a Baía de São Francisco desde há muito. Até 1989, aglomeravam-se num ilhéu baptizado de Seal Rock. Nesse mesmo ano, o terramoto de Loma Prieta abalou São Francisco. Os animais mudaram-se em peso – bastante peso, já agora – para o Pier 39.

A sua migração obrigou à remoção das embarcações que lá antes atracavam para outras docas. Gerou teorias que ligavam os dois acontecimentos. Os cépticos afirmaram ter-se tratado, sim, duma coincidência, de que, na realidade, os leões-marinhos ali se sentiam a salvo dos seus predadores, os tubarões brancos que patrulham as águas em redor.

Situado numa extremidade do Fisherman’s Wharf district, o Pier 39 conduz a um mar de outras atracções entre o feirante e showbiz e, para alívio daquele passeio dos alegres, já sem o revés da pestilência.

O Domínio Shopping e Encanta Turistas de Frisco

São lojas, restaurantes e carrosséis agrupados numa espécie de grande centro comercial ao ar livre. São actuações ao vivo, mais a dupla Marine Mammal Center e Aquarium of the Bay. Esta proliferação de encantos de rua mantém os passadiços a transbordar de gente e as caixas registadoras a tilintarem com o ingresso constante de greenbacks.

Para leste, tanto na direcção do Parque Aquático como no sentido contrário, a marginal é percorrida por trolleys coloridos. Passamos por cais com números ímpares. Essa marginal, conduz-nos a um sortido de marisqueiras históricas com nomes de famílias italianas, caso da reputada Alioto’s.

Logo ao lado, entramos em North Beach. Malgrado o nome, o bairro também é italiano. Abriga cafés e pizzarias sobrevoados por bandos de periquitos foragidos que lhe conferem uma aura desenquadrada de exotismo tropical.

North Beach. O Antro Hiper-Criativo da San Francisco Beat Generation

Esta era a zona da cidade preferida pelos escritores da Beat Generation como Allen Ginsberg, Jack Kerouac e Lawrence Ferlinghetti que, a meio dos anos cinquenta, se mudaram de Nova Iorque para reforçar o seu cerco cultural aos valores mais rígidos da sociedade norte-americana.

Já na City by the Bay, tornaram as ruas e mesas de café da zona uma base de lançamento de novos direitos civis e liberdade de expressão. A sua conquista começou a tornar-se realidade quando, em 1957, Ferlinghetti e a livraria City Lights venceram um apelo legal contra a censura da colecção incendiária de poemas “Howl”, de Ginsberg.

Os escritores da Beat Generation depressa fizeram amigos entre as principais figuras da San Francisco Renaissance, o movimento cultural vanguardista da cidade que viriam a enriquecer.

Entre drogas, formas alternativas de sexualidade e um interesse espontâneo na espiritualidade oriental, obras libertadoras como a autobiografia “On The Road” [Pela Estrada Fora] de Kerouac conquistaram, então, uma influência irreversível na juventude norte-americana.

Com a chegada da década seguinte, a já desgastada Beat Generation abriu alas à Sixties Counterculture. Em 1967, ao som do hino “San Francisco (Be Sure To Wear Flowers In Your Hair)” cantado por Scott McKenzie, despontou na cidade o Summer of Love, a expressão local da cultura hippie que varria os Estados Unidos e o mundo.

Montra de loja, the Haight, São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América

Montra de loja evocativa do Summer of Love em Haight.

A Sixties Counterculture Flower Children de Haight

Milhares de jovens seguiram a letra da canção e afluíram dos quatro cantos do país adornados com flores que também distribuíam pelas ruas. Ficaram conhecidos como os Flower Children.

Movimento após movimento, corrente atrás de corrente, São Francisco afeiçoou-se ao seu jeito inquieto de contestar e desbloquear a mudança. Alguns dos seus bairros mais criativos de hoje foram fulcrais nas revoluções culturais passadas. Haight ficou conhecido como o G-Spot do Summer of Love e parte dos seus velhos hábitos – como o de gerar ideais – mantêm-se inalterados.

Além de entidades de nomes enigmáticos como a Anarchist Book Collective, a cooperativa Red Vic Movie House e o Haight Asbury Food Program, abundam bares, lojas e ateliers com decorações possivelmente inspiradas na muita marijuana que circula, alegadamente «para fins medicinais».

Ciclista paCiclista passa por mural excêntrico de São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América

Ciclista pedala ao longo de um dos muitos murais criativos da cidade.

A norte da Divisadero Street, a zona superior do bairro acrescenta ao panorama uma concorrida proliferação de cabeleireiros, lojas de discos e dedicadas a skaters, para não falar das de material de jardinagem.

«É a terceira vez que aqui passam, agora têm mesmo que pagar portagem!», avisa-nos um membro mais extrovertido de um grupo de anarquistas pedintes.

Não há como nem porquê evitar contactos deste género. Onde quer que se vá em Haight e na vizinha Ashbury, as ruas ostentam graffitis surrealistas. São obras de punks anacrónicos, de artistas excêntricos e pseudo-desenquadrados da sociedade que chamam casa aos passeios e a combies psicadélicas estacionadas ao largo.

Os Antípodas Sociais do Financial District

No absoluto oposto civilizacional, paira o Financial District onde a compostura corporativa tem a cotação sempre em alta.

No início do século XX, os proveitos da Febre do Ouro da Califórnia tornaram São Francisco no principal centro financeiro do Pacífico.

Desde então, a Montgomery Street, ficou conhecida como «Wall Street da Costa Oeste» acolhe algumas das empresas bancárias mais poderosas do país.

Hoje, para cima de 30 instituições financeiras – várias delas presentes no índice Fortune 500 – têm escritórios nas suas ruas, com destaque para o Wells Fargo e para o Bank of America, proprietário do arranha-céus 555 que se destaca da California Street.

Skyline nevoenta de São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América

Nevoeiro apodera-se da frente de prédios de São Francisco, uma imagem comum da cidade.

São Francisco e o Silicon Valley: Motores Financeiros da Califórnia e dos E.U.A.

Em termos de produto interno bruto, São Francisco é a 18.ª cidade do mundo e a nona dos Estados Unidos. Na década de 90 do século passado, os seus lucros astronómicos ficaram intimamente ligados à revolução dot com que eclodiu em Silicon Valley, o domínio empresarial situado na zona baixa da vizinha San José.

Por essa altura, os cyberpunks engenhosos da cidade iniciaram ali um núcleo de gestação tecnológica que daria origem a milhares de novas companhias. Muitos mais programadores, engenheiros informáticos e designers juntaram-se ao influxo que envolveu ainda quadros de marketing, de vendas e de outras áreas relacionadas.

De cada vez que, nós, o leitor e o mundo compravam um novo computador ou programa, ou clicávamos num touchpad ou determinadas teclas de portáteis, tablets e smartphones, gigantes como a Intel, a Apple – Steve Jobs, o seu ex-presidente nascido em São Francisco – a Google, a Yahoo ou a Adobe, entre tantas outras, ficavam mais ricas.

Apesar do rebentar da bolha tech de 2001, que levou à falência inúmeras start ups, a enorme aposta na inovação gerou marcas tão ou mais poderosas de que só escrevemos o nome por descargo por consciência: Facebook, Instagram (e ficamo-nos por aqui).

Sem surpresa, Frisco reforçou-se também noutras áreas como a investigação biotecnológica e biomédica.

Golden Gate Bridge de São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América

Nevoeiro flui acima da Golden Gate Bridge

O Reflexo Imobiliário e Social do Contínuo Sucesso

O lucro e as oportunidades gerados pelo boom da Internet transformaram o cenário social da cidade. Enquanto o valor das propriedades e os salários escalaram para níveis entre os mais elevados do país, o custo de vida tornou-se demasiado alto para muitas famílias da classe média.

De um momento para o outro, viram-se forçadas a cederam os seus lugares a investidores e especuladores, a sócios de empresas bem sucedidas e aos seus hiper-formados quadros superiores.

No centro da metrópole, o refinamento social permitiu a continuação do upgrade com reflexo nas recuperações milagrosas do Embarcadero (zona de docas) e dos distritos de South Beach, Mission Bay, Cow Hollow, Noe Valley e as Union e 24th Streets, entre outros, agora dotados de restaurantes, boutiques e lojas com preços exorbitantes.

Chinatown de São Francisco. A Maior da América do Norte

Mas nem tudo mudou. Diz-se que, em São Francisco, o Oriente se encontra com o Ocidente. E lá encontramos a maior Chinatown da América do Norte e uma das mais numerosas comunidades chinesas fora da Ásia, espalhada por 22 quarteirões adornados por candeeiros de rua em forma de dragão e telhados de pagode.

Letreiros da Chinatown, São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América

Letreiros em caracteres chineses sucedem-se na maior Chinatown da América do Norte.

A City by the Bay continua também a ser o ex-libris do liberalismo norte-americano. Nela vive a maior percentagem de gays e lésbicas das grandes cidades dos Estados Unidos. E lá se encontra o maior número de lares habitados por casais do mesmo sexo.

Todos os bairros de Frisco são vividos pela população gay mas The Castro foi promovido a quartel-general.

Foi ali que a defesa dos seus direitos e a contestação contra a discriminação se organizaram e ganharam força, sustentadas por instituições como a San Francisco Lesbian, Gay, Bisexual, Transgender Community Center, por noites de poesia ao microfone, pelo Stich’n’Bitch – quando tricotavam em bares e cafés – e por paradas e protestos vários.

The Castro foi também o território político do badalado Harvey Milk, político local e activista gay, a partir de 1973, cinco anos antes de ser assassinado.

Todos os anos, os esforços e convicções gays conquistam expressão acrescida num dos últimos Domingos de Junho. É por essa altura que tem lugar a famosa Pride Parade.

Das dez da manhã às quatro da tarde, grupos de manifestantes exibem, com orgulho, a sua sexualidade. São os casos das Dykes on Bikes, das Drag Queens, dos PFLAG (Parents, Families and Friends of Lesbians and Gays) ou do Leather Contingent (equipados de cabedal e fãs de BDSM – Bondage, Domination and Sado-Masoquism). São Francisco rejubila. Como vive, há muito, debaixo do nevoeiro, há muito que não sente vergonha.

São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Festival da Lua californiano.
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
Prince William Sound, Alasca

Viagem por um Alasca Glacial

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do Alasca. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cerimónias e Festividades
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Cidades
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Celebração Nahuatl
Cultura

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Étnico
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Capacete capilar
História
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, casario soterrado
Ilhas
Plymouth, Montserrat

Das Cinzas às Cinzas

Erguida no sopé do monte Soufrière Hills, sobre depósitos magmáticos, a cidade solitária da ilha caribenha de Montserrat cresceu condenada. Como temido, em 1995, o também vulcão entrou num longo período eruptivo. Plymouth, é a única capital de um território político que permanece soterrada e abandonada.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, Catarata
Natureza
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Rio Matukituki, Nova Zelândia
Parques Naturais
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Embaixada, Nikko, Spring Festival Shunki-Reitaisai, Cortejo Toshogu Tokugawa, Japão
Património Mundial UNESCO
Nikko, Japão

O Derradeiro Cortejo do Xogum Tokugawa

Em 1600, Ieyasu Tokugawa inaugurou um xogunato que uniu o Japão por 250 anos. Em sua homenagem, Nikko re-encena, todos os anos, a transladação medieval do general para o mausoléu faustoso de Toshogu.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Praias
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Religião
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Cabine lotada
Sociedade
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Vida Selvagem
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT