São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos


À pendura

Passageiros sobem uma colina de São Francisco pendurados num cable car.

De volta à luz

Cable car deixa a escuridão que preenche o fundo de uma elevação de S.Francisco.

Sempre a Subir, Sempre a descer

Vista nocturna sobre uma das muitas colinas percorridas pelos funiculares de São Francisco.

Contra o sol

Passageiros descem de um cable car com o Sol a pôr-se a Oeste de São Francisco.

Casamento sobre carris

Noivos e convidados celebram um matrimónios sobre os carris do cable car, no topo de um dos incontáveis declives da cidade.

Quase no cimo

Cable car impõe-se ao topo de uma longa colina.

Cross – ing

Sinal de trânsito alerta para a passagem de cable cars.

Esplanada sobre carris

Passageiros a bordo de um cable car aberto passam por uma zona solarenga de São Franscisco.

Fim de rampa

Cable car surge de uma rampa com a Transamerica Pyramid no fundo.

Com vista para Alcatraz

Cable car 24 sobe para as alturas de São Francisco com a famosa ilha e ex-prisão de Alcatraz em fundo.

Sobrelotação

Cable car vence uma subida íngreme esforçado pelo número excessivo de passageiros, alguns pendurados para o exterior.

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Quem opta por subir a pé, depressa percebe como podem ser  desmotivadoras e desgastantes as colinas de Frisco. Para variar, a tarde está solarenga e, na Powell-Hyde Street, uma horda multinacional de visitantes entretém-se a perseguir os cable cars que vão aparecendo. Tal como nós, de máquinas fotográficas em riste, aguardam-nos nas várias dobras que a estrada impôs ao relevo, as mesmas lombas que Clint Eastwood e o detective Dirty Harry Callahan que representava galgavam contra o sistema e em contramão, ao volante de um emblemático blue Sedan, durante intermináveis perseguições policiais. À medida que se aproximam, os turistas invadem o asfalto e desafiam-nos numa postura incauta que leva os guarda-freios ao desespero.

A prisão de Alcatraz surge ao fundo e abaixo, a meio da baía de São Francisco. Um manto de nevoeiro arroxeado desliza por detrás da ilha que a acolheu e dá um toque final de beleza mística ao cenário. São três símbolos da cidade numa só imagem e fotógrafos de vários tipos – dos pré-amadores aos hiper-profissionais – correm as rampas acima e abaixo e atravessam a via íngreme vezes sem conta num desassossego que parece atrair mais e mais participantes.

No interior de cada funicular o ambiente está também longe de ser pacífico. Os passageiros são igualmente, em grande maioria, forasteiros. Mesmo que haja lugares, alguns dos mais jovens fazem questão de seguir pendurados no exterior e encaram a viagem como uma nova experiência radical, inclinando-se em excesso para fora, em nome da fotografia ou tão só da aventura, ignorando os alertas repetidos dos pacientes guarda-freios e dos seguranças que seguem na traseira das cabines. “Os jovens aí fora importam-se de não surfarem tanto, por favor? Há vários obstáculos pelo caminho e se alguma coisa acontece, estamos todos em apuros…”

Nunca Andrew Hallidie imaginou que, 138 anos depois, a sua criação ainda fizesse tanto furor. E, se actualmente a maior parte dos admiradores e passageiros saem incólumes deste frenesim, foi um acidente terrível numa das colinas da cidade que  convenceu este inglês a desenvolver o primeiro funicular de São Francisco.

Em 1869, 17 anos depois de chegar da Grã-Bretanha, Hallidie descia uma rua íngreme e molhada pela chuva. Sem aviso, uma carruagem que vencia a inclinação a custo, perdeu a tracção devido a um óbvio excesso de peso e começou a descair. Ganhou tal velocidade que, ao despenhar-se, matou os cinco cavalos que a puxavam uma tragédia que o impressionou tal como a inúmeros outros transeuntes e às autoridades.

Na terra da oportunidade, Hallidie não perdeu tempo. O seu pai registara, além-mar, a primeira patente para o fabrico de cabo de aço e Hallidie tinha-o já empregue em pontes e sistemas de içamento de minas em várias partes do Gold Country californiano. O passo seguinte foi mudar a produção para São Francisco e construir um sistema de transporte digno das suas colinas.  

A obra foi aperfeiçoada ao longo do fim do século XIX mas, em 1892, uma rede de eléctricos operava já noutras zonas da cidade com custos de construção e de manutenção bastante inferiores aos dos cable cars o que os colocou sob a pressão da companhia que geria os eléctricos, a San Francisco & San Mateo Electric Railway. A partir de então, à imagem dos itinerários que percorrem, o seu passado teve inúmeros altos e baixos.

A discussão agravou-se, polarizada entre o aspecto financeiro e a inestética dos postes e cabos necessários aos eléctricos. Até que o grande tremor de terra de 1906 destruiu várias cabines e restantes infraestruturas dos cable cars e obrigou a United Railroads a ceder à electricidade.

Em 1912, sobravam só 8 e apenas porque serviam colinas que os eléctricos não conseguiam vencer. Em 1944, a decadência tinha-se acentuado e já só restavam os 2 da famosa Powell Street. No fim da década de 70, além de diminuído, o sistema revelava-se demasiado desgastado e perigoso e foi desactivado. Mas, depois de cada baixo há um alto e, em breve, a história viria a inverter-se.

O turismo tornava-se cada vez mais importante para a cidade e os sucessivos mayors viram finalmente nos cable cars ícones de São Francisco que se deviam valorizar. Uma convenção do Partido Democrata a realizar-se em Frisco, contribuiu para justificar o enorme esforço financeiro e, em Junho de 1984, o sistema foi reactivado a tempo de beneficiar da publicidade que traria o evento político.

Desde então, a sua recuperação intensificou-se, como o interesse dos visitantes e o orgulho dos governantes e habitantes da cidade ainda mais porque o novo sistema de três linhas é o último no mundo permanentemente operado de forma manual.

Como pudemos compreender em várias viagens, não é qualquer um que chega a guarda-freio (gripman) dos cable cars. Só cerca de 30% passam no curso de treino e, até hoje, apenas uma mulher – com o nome bem sulista de Fannie May Barnes – foi contratada, em 1998.

Trata-se de um trabalho que requer um tronco forte mas, ao mesmo tempo, é relativamente qualificado já que a operação de travagem e libertação exige bom senso, sensibilidade e coordenação para que os veículos se imobilizem nos lugares indicados e se antecipem possíveis colisões e tragédias, algo que nem sempre é possível.

O historial de segurança das relíquias está longe de ser famoso. Uma investigação apoiada por números do US Department of Transportation apurou que quase todas as semanas os cable cars chocam contra outros veículos ou embatem em pedestres, ou que travam com demasiada brusquidão e magoam passageiros ou a tripulação. De tempos a tempos, verificam-se acidentes graves e até mortes. Como resume Miguel Duarte, um guarda-freios hispânico: “… muitas pessoas pensam que estão na Disneylândia, que isto é uma espécie de montanha-russa.” “Nós fazemos com que pareça fácil mas acreditem que não é.”

O mesmo se pode dizer da missão dos revisores que há muito sentem dificuldades para vencer os oportunistas e quase-anarquistas da classe média-baixa da cidade, conhecida por acolher um grande número de bilionários mas também pelo desemprego elevado e por uma sub-população de sem-abrigos. Em Abril de 2007, um outro estudo realizado comprovou que, até então, cerca de 40% dos passageiros viajava sem pagar bilhete. À estatística não serão inócuos os preços implacáveis praticados pela Muni (San Francisco Municipal Railway) que vão dos 5 dólares para uma simples viagem de ida aos 60 dólares dos passes mensais.

Subimos a California Street, ao fim de outro dia húmido. O sol põe-se por detrás da névoa, sobre o horizonte ocidental da metrópole e cria uma cortina amarelada de que vão irrompendo os veículos num dos cimos da colina. As silhuetas atraem-nos. Decidimos esperar pela chegada dos cable cars da carreira 61, que têm as formas que realmente queremos. Mas, mais uma vez, a operação é delicada e arriscada. A linha passa no meio da estrada que é também espaço dos carros e autocarros. Temos, assim, que actuar nos tempos ínfimos em que os cable cars da surgem na posição cimeira exacta e os outros veículos nos dão tréguas, um exercício que foi gerando as imagens pretendidas mas também alguma adrenalina.

Quando terminamos, percebemos que, nem ali, nem àquela hora tardia, somos os únicos a acossar os funiculares. Um casamento decorria num hotel luxuoso da avenida. E, para fechar as recordações, noivos e fotógrafo de serviço tiram algumas fotos com família e amigos mesmo no meio da emblemática California Street. A sorte sorri-lhes e passam dois cable cars num período mais tranquilo do trânsito. Nós aproveitamos também e registamos mais um momento insólito sobre os carris históricos de São Francisco. 

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.

The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.

São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Moon Festival californiano.

São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

40 anos passados sobre o fim da sua pena, o ex-presídio de Alcatraz recebe mais visitas que nunca.Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos

Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouack e Henri Miller

Praia soleada
Arquitectura & Design

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Doca gelada
Aventura

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Em louvor do vulcão
Cerimónias e Festividades

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Celebração Nahuatl
Cidades

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Smoke sauna
Cultura

Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. Mas o imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Convés multifuncional
Em Viagem

Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.

Febre vegetal
Étnico

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Do lado de cá do Atlântico
História

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

Vista de Selkirk
Ilhas

Ilha Robinson Crusoe, Chile

Na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Manada de búfalos asiáticos numa zona lamaçenta do Maguri Beel, Assam
Natureza
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Comunismo Imperial
Património Mundial Unesco

Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Sol nascente nos olhos
Praia

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

1º Apuro Matrimonial
Religião

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Coreografia pré-matrimonial
Sociedade

Old Jaffa, Israel

Onde Assenta a Cidade que Nunca Pára

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Abastecimento
Vida Selvagem

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.