The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor


Creepy-Graffiti

Graffiti numa rua do bairro de Haight-Ashbury.

Evasão Chique

Fachada da boutique Piedmont.

Passadeira Movimentada

Transeuntes num cruzamento amarelado de Haight-Ashbury.

Tattoo & skate

Skater deixa um estúdio de tatuagens.

Sinal-Bigode

Sinalização original do cruzamento da rua Haight com a Ashbury.

Frankie Zmetra

Empregada de loja de chapéus Frankie Zmetra.

Verão de 67

Montra psicadélica celebra o passado hippie das ruas Haight-Ashbury.

Dupla bem Protegida

Casal prestes a deixar a rua Haight de moto.

Shiva à moda de Haight

Decoração de Haight inspirada num deus Shiva psicadélico.

Creepy-Graffiti II

Mais uma pintura excêntrica ilustra a sempre criativa e insatisfeita avenida Haight.

Neo-punks

Neo-punks percorrem um passeio de Haight-Ashbury.

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.

Caminhamos pela Ashbury Street e estamos prestes a entrar numa das suas muitas lojas alternativas quando uma rapariga sai disparada porta fora e se estatela no chão. Soam gritos tanto masculinos como femininos e, logo após, surge um homem cinquentão que a agarra pelos longos cabelos louros e expulsa para o passeio, apesar da acção detentora de um outro cliente que depressa percebemos ser o seu companheiro e cúmplice.

“Não roubaste nada pois não?” Interroga visivelmente nervoso o dono da boutique enquanto lhe retira objectos dos bolsos do casaco e da mala. “Tens que me explicar de onde veio tudo isto! Por coincidência, são só produtos que vendo aqui na loja”. Já não vos podemos ver à frente! Cambada de inúteis sem princípios! Desapareçam de vez!”.

Se não é por um motivo é pelo outro. O conflito instalou-se à entrada dos anos 70, quando o Haight se tornou numa espécie de Shangri-La californiana para sonhadores, vagabundos e excluídos da sociedade em geral. Desde então, só se agravou.

Na década de cinquenta, os membros e adeptos da Geração Beat inundaram North Beach, iluminados pelos espíritos inquietos e nómadas de Allen Ginsberg, William S. Burroughs e Jack Kerouac. A determinada altura, deixaram de existir vagas nas casas desse bairro e muitos aproveitaram o facto de Haight-Ashbury ter entrado em declínio – com inúmeras casas abandonadas após a 2a Guerra Mundial – e se revelar uma opção bastante acessível da cidade.

A Geração Beat deu o mote para a libertação da falsa moral porque se regia a nação e, a meio dos anos 60, Haight-Ashbury estava prestes a tornar-se na sede do Conselho do Verão do Amor. Foi para as suas ruas que John Phillips, dos Mamas & the Papas convocou os hippies e não hippies do país a convergirem com flores no cabelo. Janes Joplin, os membros dos Jefferson Airplane e dos Grateful Dead viviam todos a pouca distância. Conheciam a comunidade local e acolheram os recém-chegados com o seu rock psicadélico e reivindicador, e o mesmo fizeram os Diggers, uma comunidade anarquista local famosa devido ao seu teatro de rua e que oferecia refeições aos residentes necessitados.

Os tempos mudaram, como São Francisco e o Haight. Frisco confirmou-se uma das cidades mais livres e criativas do país. E o bairro tudo isso e também uma das suas áreas históricas realmente valiosas em termos imobiliários, onde uma mera casa vitoriana pode custar mais de dois milhões de euros. Mas o dinheiro só é fácil para parte da população dos Estados Unidos. A prosperidade crescente conseguida através do capitalismo desenfreado deu origem a uma mais que óbvia disparidade sócio-económica.

Se, nos anos 60, era fácil às Flower Children sobreviver quase sem rendimentos dividindo rendas de algumas dezenas de dólares, às vezes, por outras dezenas de inquilinos solidários, hoje, enquanto percorremos os seus passeios, somos obrigados a serpentear para evitar a multidão de jovens marginalizados e sem-abrigo que ali acampam.

Dizem-nos que são conhecidos como gutter punks (punks da sarjeta). Usam rastas sujas e anéis nos narizes ou mohawks coloridos e exuberantes e faces pintadas a spray. Numas centenas de metros, vários clãs interpelam-nos para pedir dinheiro com abordagens mais ou menos criativas mas sempre determinadas. Lemos nos seus pequenos cartazes de cartão “Por favor, ajudem-nos a ficarmos assóbrios (un-sober)” ou “Também aceitamos cerveja e erva”. 

Estes americanos de segunda tornam-se frequentemente agressivos para os transeuntes. Bloqueiam a passagem enquanto tocam as suas guitarras e jambés, como manda o relógio do cruzamento da Haight St com a Ashbury St que marca sempre 4:20, o International Bong Hit Time. E intimidam quem se atreve a tentar furar ou simplesmente insultam quem não tem intenção de satisfazer os seus pedidos. ”Morre yuppie!” e “Onde foi parar o espírito do Verão do Amor” são ofensas e reclamações frequentes e, se aos novos rebeldes o passado que nunca viveram continua a servir de justificação, muitos dos verdadeiros protagonistas da era Flower Power já não têm paciência para sentir compaixão.

É algo que se lhes deve ser perdoado nem que seja porque, entre tantas outras tropelias, parte da vasta comunidade desenquadrada de Haight usa os canteiros de flores das suas moradias como casa de banho e atira seringas hipodérmicas usadas para um pequeno lago das redondezas a que chamam agora lago Hep-C. 

“Muitos de nós que aqui continuamos a morar fomos Flower Children…” queixa-se à imprensa Robert Shadoian, um terapeuta familiar reformado com 58 anos. “… depois crescemos. É isso que eles deviam fazer. A determinada altura, há responsabilidades que devem ser assumidas. Não se pode estar drogado 24 horas por dia e esperar que o mundo tome conta de nós.”

A presença e as atitudes extremadas da comunidade misfit provocam outros danos menos visíveis. Moradores e empresários investiram dinheiro a sério em negócios a que entregam imensa energia mas parte da potencial clientela é afastada pela sensação de incómodo associada ao bairro.

Em 1977, a Dra. Sami Sunchild, uma artista e activista ambiental e social adquiriu um velho hotel com arquitectura vitoriana e rebaptizou-o “Red Victorian”. Tinha como objectivo que o lugar congregasse os principais ideais e movimentos históricos daquela área. Hoje, o Peace Café do hotel acolhe as World Conversations realizadas aos Domingos. Logo ao lado, ao mesmo tempo, é comum grupos de skaters irreverentes percorrerem as estradas em redor atrasando e provocando condutores condescendentes.

Proprietários decoram e fornecem boutiques, lojas e cafés de forma a revolucionar a moda e a gerar atmosferas criativas e acolhedoras. Mas basta um dos clãs marginais eleger para seu poiso a entrada de um destes lugares para a sua viabilidade financeira ficar ameaçada. Numa das cidade mais libertinas dos E.U.A., as autoridades têm dificuldades em lidar com essa situação. É só uma entre tantas outras. Os vários clubes locais de marijuana médica, por exemplo, requerem uma prescrição médica e um período de espera de 30 dias. Ainda assim, continuam a oferecer sorrisos a muitos falsos pacientes.

Apesar das suas comoções e desilusões, o Haight inspira os mais persistentes. Mais adiante, entramos numa curiosa loja de chapéus em que conhecemos Frankie Zmetra, a empregada com ar angelical que atende os clientes. Acabamos por fotografá-la e, em seguida, durante uma longa conversa com várias interrupções, ouvimos a sua visão do problema. “Eles podem ser marginais maltrapilhos mas têm direito a existir e à sua revolta.” Eu, pela minha parte, não os uso como desculpa. Adoro este bairro e aposto o que puder nele” Agora trabalho aqui na loja mas, ao mesmo tempo, estou a lançar a minha própria linha de roupa. Também faço de modelo e vou ter tudo à venda através de um blog que estou a desenvolver.”

À primeira vista, nenhum dos gutter punks parece ter condições para perseguir sonhos do género. Na mesma peça em que testemunha o ex-Flower Child Robert Shadoian, um pedinte de nome Jonah Lawrence reclama que deviam ser os residentes a civilizar-se. “Dizem-me sempre para arranjar um trabalho. E eu respondo: “por acaso tem roupas que me arranje ou um sítio onde tomar banho de maneira a que possa procurar um emprego ?”

É comum encontrarem-se adolescentes que não se adaptam ao mundo de colarinho branco em que vivem as famílias, que fogem  de abusos sexuais e de pais com problemas com drogas e álcool. Tão comum como o facto de muitos não conseguirem escapar a destinos semelhantes. Alguns chegam de outros estados dos E.U.A. esperançados em encontrar a famosa solidariedade dos anos 60. Mas depressa percebem que, salvo uma ou outra excepção, no Haight, as pessoas que se preocupam com eles são os restantes sem-abrigo.

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Moon Festival californiano.

São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

40 anos passados sobre o fim da sua pena, o ex-presídio de Alcatraz recebe mais visitas que nunca.Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos

Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouack e Henri Miller

Gentlemen Club & Steakhouse
Arquitectura & Design

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Aurora fria II
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Bebé entre reis
Cerimónias e Festividades

Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.

Silhuetas Registão
Cidades

Samarcanda, Usbequistão

Um Desvio na Rota da Seda

Em Samarcanda, o algodão é agora o bem mais transaccionado e os Ladas e Chevrolets substituíram os camelos. Hoje, em vez de caravanas, Marco Polo iria encontrar os piores condutores do Usbequistão.

Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Conversa entre fotocópias
Cultura

Inari, Finlândia

A Assembleia Babel da Nação Sami

A nação sami é afectada pela ingerência das leis de 4 países, pelas suas fronteiras e pela multiplicidade de sub-etnias e dialectos. Mesmo assim, no parlamento de Inari, lá se vai conseguindo governar

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Pórtico do tempo
Em Viagem
Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Ilha menor
Étnico
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Horseshoe Bend
História

Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.

Festa semi-travesti
Ilhas

Costa Caribenha, Venezuela

No Caribe, Sê Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Natureza
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Lagoas fumarentas
Parques Naturais

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Parking de Kalesas
Património Mundial UNESCO

Vigan, Filipinas

A Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina

Acima de tudo e de todos
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Pura Vida em risco
Praias

Montezuma, Costa Rica

Um Recanto Abnegado da Costa Rica

A partir dos anos 80, Montezuma acolheu uma comunidade cosmopolita de artistas, ecologistas, pós-hippies, de adeptos da natureza e do famoso deleite costariquenho. Os nativos chamam-lhe Montefuma.

Via Conflituosa
Religião

Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem o caminho de Cristo para a cruz, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.

Colosso Ferroviário
Sobre carris

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Sphynx
Sociedade

Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Recanto histórico
Vida Selvagem

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.