Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado


Sonhos e Cocktails

Barmen exibe as suas habilidades a uma Freemont Street sobrelotada.

Varanda dourada

Clientes contemplam a animação da Freemont Street de uma varanda do casino Golden Nugget.

Auroras artificiais

Um espectáculo de luz projectado na cobertura da rua dá mais cor à noite.

Hard-Rock Negro

Vocalista de banda de hard-rock anima um público espectante.

Freemont St.

Multidão preenche a Freemont Street numa noite de Sábado de Las Vegas.

Can Can

Dançarinas can can garridas atraem clientes para o casino para que trabalham.

Glitter Gulch

O famoso neon de Glitter Gulch que inspirou o outro nome porque é conhecida a Freemont Street.

Sin, sins, sinners

Pregadores de uma igreja do Nevada, condenam a vida pecaminosa da Freemont Street.

B de Binions

Esquina da Freemont Street decorada em tons de verde pela iluminação do casino-bar Binions.

Stripes & Stars

Um espectáculo de luz projecta a bandeira dos Estados Unidos na cobertura da rua Freemont Street.

Um Solo Interminável

Guitarrista de banda de hard rock exibe os seus dotes entusiasmado pela abundância de um público em grande parte motoqueiro na Freemont Street.

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Freemont Street.

A noite vai a meio mas não param de chegar motoqueiros. Reno fica a mais de 700 km para noroeste do estado do Nevada, uma distância que não chega a importunar estes easy riders norte-americanos, perseguidores destemidos dos eventos que lhes dedicam as cidades mais luminosas e barulhentas do Faroeste dos EUA.

Na procedência, a festa tinha encerrado ao início da tarde. À hora a que chegávamos às imediações da Fremont Street, aquela rua e Las Vegas, em geral, ainda aqueciam. Os bikers desmontavam e desentorpeciam as pernas e os braços que as suas Harley Davidsons e afins condenaram a posições pouco naturais.

John Charles Fremont teve bem mais trabalho para chegar às imediações da via a que emprestou o nome. O explorador foi o primeiro americano a vislumbrar estas paragens e a deparar-se com a grande Sierra Nevada. A narração das suas expedições guiadas pelo emblemático Kit Carson a estes confins ocidentais inspirou várias comunidades mórmones a instalarem-se no vizinho Utah. Tendo em conta o que se passa hoje em Reno, Las Vegas e outras, aqueles colonos religiosos acertaram ao não optar pelo Nevada.

De quando em quando, alguns visitam-nas com o propósito sagrado de alertar os frequentadores da má vida para os pecados. A Fremont Street é, claro está, um dos seus alvos predilectos.

Uma banda de hard rock com roupas negras e ar  gasto ensaia para um concerto que está prestes a inaugurar. Confluem para a frente do palco centenas de figurões barbudos e cabeludos de wrestlers reformados, envoltos em cabedal e lenços com caveiras e bandeiras dos E.U.A. A longa viagem despertou-lhes o apetite. Bebem incontáveis cervejas em copo de plástico e fazem o dia ao vendedor ambulante de hambúrgueres e cachorros quentes que, numa jogada de mestre, se tinha instalado ali por perto.

O vocalista sabe ao que vêm. Nos momentos musicais protagonizados pelas guitarras estridentes, provoca-os com chavões infalíveis e posturas desafiadoras: “C’mon guys, lets rock this town”. A audiência rejubila com o show e absorve os decibéis que extravasam qualquer escala admissível. Retribui com headbangs descontrolados que se disseminam como por acção de um qualquer vírus entre a multidão excitada. Ainda  vamos no início da rua mas a Fremont está definitivamente ligada à corrente. Não é coisa de agora.

A Fremont Street recebeu o primeiro asfalto de Las Vegas, em 1925. Seis anos depois, seguiu-se o semáforo inaugural da cidade. A febre dos casinos chegou entretanto, muito antes de o jogo ter sido legalizado. O Northern Club conquistou uma das 6 licenças pioneiras emitidas no Nevada e a primeira para a rua. Daí em diante, a Fremont acolheu mais e mais casinos e a sua aura de néon foi-se intensificando.

O famoso Golden Nugget foi erguido do nada, completamente dedicado ao jogo, em 1946. No ano seguinte, o Pioneer Club instalou a iluminação ainda hoje icónica do cowboy Vegas Vic. A concorrência não quis ficar para trás e criou as suas próprias atracções eléctricas. Concretizou-se, assim, a imagem de marca da Fremont Street e o seu extremo Oeste transformou-se na visão colorida que todos os filmes e espectáculos televisivos queriam mostrar de Las Vegas. A coexistência dos néones granjeou-lhe o título de Glitter Gulch (ravina do brilho), uma fama duradoura que foi frequentemente renovada.

Em 1964, a rua entrou nos créditos iniciais de “Viva Las Vegas” com Elvis Presley. Sete anos depois, acolheu uma das cenas de perseguições jamesbondianas de “Diamonds are Forever”.  Em 1987, os membros dos U2 percorreram-na no videoclip de “I Still Haven’t Found What I’m Looking For”. Outra banda, os Flaming Lips, filmaram ali parte do seu teledisco de “Do You Realise” e Tom Waits faz-lhe várias referencias no tema “Mr. Siegal”.

A Fremont Street inspira até a versão San Andreas do popular jogo de vídeo Grand Theft Auto, em que aparece como “Old Venturas Strip”.

Mas, a determinada altura, a rua já não tinha espaço para mais casinos e a população de adeptos e viciados de jogo não parava de aumentar. Alguns empresários relocalizaram os seus investimentos para a bem mais desafogada Las Vegas Boulevard (6.8km) e criaram ali uma espécie de nova Fremont que viria a atingir dimensões e fluxos de pessoas e de dinheiro muito superiores. Esta avenida viria a ser baptizada por The Strip.

À medida que avançamos ao longo da Fremont Street, os sentidos são-nos despertados vezes sem conta mas reforça-se a noção de um inesperado surreal. Mais para diante, há um bar instalado mesmo a meio da via em que vários barmen servem bebidas ao som da música, de forma hiperactiva e acrobática. Os transeuntes fluem em ambas direcções semi-hipnotizados pelas luzes dos néones e da longa cobertura em que são projectados temas visuais alucinantes da Freemont Street Experience, uma instalação luz & som concebida em 1990 para atrair mais gente à área downtown de Las Vegas que sofria devido à cada vez mais forte polarização da Strip.

No tecto côncavo, são exibidas imagens com design irreverente e irrepreensível que jogam com a cor e a luminosidade, com visuais excêntricos e futuristas ou simplesmente queridos da nação americana: a ida à Lua, a bandeira, o patriotismo, o jogo.

Cá em baixo, Carmen Mirandas espalhafatosas e outros iscos femininos desinibidos convidam os homens e até casais a entrarem nos casinos ou nos Gentleman Clubs que representam. Um destes últimos, o Girls of Glitter Gulch tornou-se popular à sua maneira.

Ali, sobre um longo palco-passadeira dotado com três varões, dezenas de modelos sexys desfilam, dançam e insinuam lapdances praticamente nuas. É frequente a presença de actrizes porno famosas e de estrelas centerfold das revistas do género. Cada hora que lá passam é-lhes paga a peso de ouro mas este novo clube de strip é o único da baixa de Las Vegas e tem obtido lucros astronómicos, de tal forma que gastou há algum tempo quase 3 milhões de euros numa remodelação de visual. A sua vaqueira de néon Vegas Vickie surge sentada sobre o pórtico de entrada ou, se preferirmos, sobre uma verdadeira mina.

Nem todos os americanos a apreciam, ou à Fremont Street e até Las Vegas em geral. Caminhamos mais um pouco e damos com dois pastores de uma das milhentas casas de Deus que se instalaram mais tarde no estado. Munidos de megafones, pregam sem temor a culpa e a possível salvação dos gentios: “ainda estão a tempo de se arrepender”, “Não há amor nestas vossas vidas”, entre outros chavões morais.

Complementam ainda a sua indignação verbal com um cartaz que exibe o desenho de Cristo flagelado numa cruz com uma inscrição de “Pecado, Pecados, Pecadores” e impinge a passagem bíblica de Gálatas 3:13: “Cristo resgatou-nos da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; pois está escrito: “Maldito seja todo aquele que for suspenso no madeiro”.

A multidão de pecadores passa pelos religiosos e ignora-os ou observa-os como uma mera expressão de loucura que muitos transeuntes fazem questão de fotografar. Depois, seguem caminho para a próxima diversão. A vida é curta e esta Fremont Street fica no coração de Las Vegas. "The show must go on".

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.

Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.

Praia soleada
Arquitectura & Design

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Aventura
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Cocquete
Cerimónias e Festividades

Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

Marcha Patriota
Cidades

Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado à ilha que os encantou. Passados quase 500 anos, Taiwan prospera, algures entre a independência e a integração na grande China.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Santuário sobre a floresta II
Cultura

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Num equilíbrio fluvial
Em Viagem

Chiang Kong - Luang Prabang, Laos

Por Esse Mekong Abaixo

Os custos mais baixos e a beleza dos cenários são as principais razões para fazer esta viagem. Seja como for, a descida pelo rio "mãe de todas as águas" pode ser tão pitoresca como incómoda.

Capacete capilar
Étnico

Viti Levu, Fiji

Velhos Passatempos de Fiji: Canibalismo e Cabelo

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
T4 à moda do Namibe
História

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Manhã cedo no Lago
Ilhas

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Victoria falls
Natureza

Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As quedas d'água que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua raínha

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Via caribenha
Parques Naturais
Overseas Highway, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Património Mundial Unesco
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Acima de tudo e de todos
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Caribe profundo
Praia

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Auto-flagelação
Religião

Gasan, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Modelos de rua
Sociedade

Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.

Um
Vida Quotidiana

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.