Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros


Mini-dinossauro
Uma iguana nas imediações do Templo do Vento de Tulum. A devastação provocada pelo meteorito de Chicxulub terá aniquilado todos os animais terrestres com mais de 25kg. Dos enormes dinoussauros predominantes, sobraram espécimes bem mais pequenos.
Portal para o submundo
Mais uma entrada ao mundo subterrâneo da Península de Iucatão, desta feita, no estado de Quintana Roo, nas imediações de Playa del Carmen.
Destino: Cuzamá
Meio de transporte semi-ferroviário que, ao longo da fazenda Chunkanan, conduz os visitantes e banhistas ao cenote de Cuzamá.
Despojos do tempo
Edifício da hacienda Chunkanan, em ruínas, não pelo impacto do meteorito mas pelo efeitos preversos da economia.
Vida. Boa vida.
Dois gringos celebram a vida humana que, segundo a teoria cada vez mais popular, a extinção dos dinossauros lhes permite desfrutar.
Cuesta Flaminga
Flamingos alimentam-se na lagoa salobra da Reserva Natural de El Corchito, uma área represada no limiar terrestre do impacto do meteorito.
Uma fractura verdejante
Abertura na camada predominante de rocha calcária que cobre a zona terrestre da Península de Iucatão afectada pelo impacto do meteorito.
Cenote
Sinal identifica o cenote de Cumaná, uma dolina escondida na fazenda semi-abandonada de Chunkanan, a sul da cidade de Mérida.
Parelha bi-color
Cavalos repousam sobre o solo pedregoso (de rocha calcária) gerado pela explosão apocaliptica provocada pelo meteorito de Chicxulub há 66 milhões de anos.
Banho subterrâneo
Banhistas divertem-se na lagoa de uma das inúmeras dolinas disseminadas pela península de Iucatão.
Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.

(Puerto) Progreso é, por excelência, a estância balnear dos merideños, sobretudo em Julho-Agosto, quando o calor e a humidade apertam nestas partes tropicais das Américas e tornam a atmosfera sufocante. Durante o estivo, os lares e negócios da marginal que dá para o Golfo do México enchem-se de hóspedes temporários.

Alguns desses lares são pequenas casas pouco elegantes, mas pitorescas que parecem apertar-se umas às outras para usufruírem do vaivém suave do mar. Outras, mais afastadas do centro da povoação, são vivendas sofisticadas e desafogadas que os norte-americanos erguem para lá se refugiarem da frigidez invernal.

Em época alta do turismo caribenho, enormes cruzeiros atracam junto ao pontão da povoação, o mais comprido do México, com uns módicos 6.5 km.

Então, os gringos desembarcam e passeiam-se pelo malecon, antes e depois de subirem a bordo das vans e autocarros e de saírem disparados rumo a Mérida, a Chichen Itza e outros lugares históricos e naturais da Península de Iucatão.

Com frequência, apesar de a água se manter todo o ano meio lamacenta, deparam-se com a beira-mar inundada de banhistas e convivas da região, uma multidão entregue a uma celebração solarenga, exótica e anfíbia da vida e do seu tempo livre.

Este é o quadro que pintamos da Progreso viva e caliente. A que encontramos numa manhã de Novembro quase a virar para Dezembro revela-se bem distinta.

Depois de três dias de frente fria, o céu volta ao azulão bem mais comum nestas partes. O sol brilha, mas com poder comedido. Quando passamos para o lado de lá da frente de casas, o malecon está entregue aos Nortes, os ventos prevalentes e furiosos que sopram golfo abaixo, oriundos dos confins boreais da América. Também está deserto. O facto de não vermos vivalma incita-nos a debandar e a explorarmos outros recantos do cimo da península.

Sobre Chicxulub. E a Extinção Abrupta dos Dinossauros.

Durante toda a manhã, percorremos um domínio igualmente desolado do Iucatão. Roçamos uma circunferência da Terra em tempos de tal forma esventrada que a sua destruição deu origem a uma espécie de Inverno Global e à consequente extinção das espécies de maior porte, com destaque para os dinossauros (não voadores) que há muito dominavam o planeta.

A teoria do impacto de um meteorito com 15km de diâmetro, há cerca de 65 milhões de anos, ganhou aceitação entre os cientistas como a explicação mais premente para o súbito desaparecimento destes répteis pré-históricos.

Em 1978, Glen Penfield, um geofísico que pesquisava petróleo para a companhia mexicana PEMEX detetou uma cratera com cerca de 300km de diâmetro.

Foi-lhe dado o nome de Chicxulub, uma povoação alguns quilómetros para sul de Progreso, de que nos aproximamos após admirarmos os bandos de flamingos nas águas salobras da Reserva Ecológica El Corchito e, para leste, na Laguna Rosada.

A reserva antecede o porto de Chicxulub, uma espécie de extensão marinha do pueblo homónimo do interior, por sua vez, vizinho de Dzibilchaltún, um sítio arqueológico Maia menor que aproveitamos para também espreitar.

No que diz respeito a El Corchito e à Laguna Rosada, percebemos, no mapa, que são apenas dois domínios da vasta área represada aquém da franja de costa quase insular que encerra o Iucatão.

Tal fraqueza – ou falha geológica – revela-se apenas mais ampla e exposta que as que salpicam a península, incluindo os seus incontáveis cenotes, (dolinas profundas) e os rios subterrâneos que os abastecem e ligam. Este panorama de queijo-suíço é, afinal, a consequência geológica do fenómeno sideral que vitimou os dinossauros.

Um Impacto Apocalíptico

Estudos recentes levados a cabo no leito pouco profundo do Golfo do México permitiram concluir que o meteorito terá caído num dos lugares menos favoráveis à face da Terra.

Se o impacto se tivesse dado algumas horas antes ou depois, o mais provável seria o meteorito ter atingido uma zona profunda de oceano Atlântico ou Pacífico e essa profundidade ter amortizado o impacto. À hora e no lugar em que se deu, o meteorito precipitou-se sobre um mar superficial, coberto de uma espécie de gesso mineral.

A colisão foi devastadora. Abriu uma cratera na crosta terrestre com 100km de extensão e 30km de profundidade. Mais tarde, essa cratera abateu e aumentou para mais do dobro.

Hoje, a sua secção marinha (a quase totalidade) está coberta por seiscentos metros de sedimentos. A terrestre, por sua vez, ficou debaixo de uma camada de pedra calcária, como já vimos, salpicada de dolinas e fenómenos erosivos afins.

A explosão gerada pelo impacto do meteorito teve uma potência equivalente a dez biliões de bombas atómicas “Little Boy”, aquela que o B-52 “Enola Gay” largou sobre Hiroxima. Gerou tremores de terra e maremotos que varreram boa parte do planeta. Libertou enormes quantidades de rocha e enxofre vaporizados, bem como uma fuligem que combinava ainda partículas de outras substâncias.

Joanna Morgan, uma professora e cientista britânica que participou nas mais recentes investigações, afirma que terão sido projetadas 325 gigatoneladas de enxofre, uma estimativa que afiança  conservadora.

Fosse qual fosse a quantidade, uma nuvem apocalíptica obscureceu a atmosfera. Barrou de tal maneira os raios solares que a temperatura desceu entre 8 e 17ºC e várias zonas sofreram secas catastróficas.

No hemisfério norte, a mudança climática verificou-se de forma mais acentuada e duradoura que no sul. Isto, numa era em que o clima à face da Terra já esfriava havia algum tempo devido a uma intensificação da atividade vulcânica.

É crível que a pluviosidade tivesse arrastado de volta para o mar parte dessas partículas vaporizadas. Kunio Kahio, um reputado cientista japonês defende, todavia, que uma porção substancial ficou a circular na alta atmosfera.

Chicxulub, da Extinção dos Dinossauros à Renovação da Vida na Terra

Se voltarmos à faceta probabilística do impacto, veremos que, ao longo dos milénios, vários outros meteoritos de dimensões semelhantes se precipitaram sobre outras zonas da Terra: Chesaoeake Bay, nos E.U.A., Baviera, entre outras.

Mas só uma superfície terrestre rara e excepcional – carregada de hidrocarbonetos – como aquela em redor de Chicxulub, poderia originar uma alteração atmosférica e uma extinção em massa como a que se verificou.

Na Terra sufocada e frígida que o meteorito legou, a vegetação de porte significativo depressa sucumbiu. Sem alimento, possivelmente enregelados, seguiram-se os dinossauros e muitas outras espécies, crê-se que 75% de todos os animais ou pelo menos, todos os terrestres com mais de 25kg, se bem que, na sua maioria, os dinossauros-ave sobreviveram.

Na ressaca desta teoria, distintos cientistas descobriram áreas com dezenas de milhares de fragmentos de fósseis acumulados numa camada de sedimento com apenas 10cm. Ora, esta concentração de espécimes vitimados e enterrados no mesmo lugar só seria possível se causada por um evento fulminante e arrasador como o que causou a cratera de Chicxulub.

Esse evento aniquilou para sempre os dinossauros. Ao mesmo tempo, baralhou os dados da vida na Terra. De tal maneira que, à medida que a atmosfera se normalizou, a evolução das espécies recebeu um incremento que a levou à incrível diversidade há algum tempo verificada, e ao surgimento, à proliferação e a supremacia da espécie humana.

Também ali, à beira da cratera, nos legados geológicos do impacto, como nos que marcam o progresso antropológico do Homem, homens e mulheres nativos e forasteiros vivem e celebram a vida que, a crer nas teorias cada vez mais aceites, o meteorito catástrofe lhes terá concedido.

O Cenário Tropical pós-impacto da Península do Iucatão

De Progreso, ziguezagueamos pelo território do Iucatão, primeiro pelo do estado mexicano homónimo, logo, pelo resto da península. À imagem de milhares de visitantes de outras partes longínquas do planeta atingido, deslumbramo-nos com as cidades que os Maias disseminaram neste que, após uma incrível epopeia migratória, se tornou o seu recanto na Terra.

Depois de Dzibilchaltún, exploramos o complexo cerimonial Chichen Itza e outros lugares, como a cidade amarela Izamal em que os vestígios e a herança Maia e colonial hispânica convivem plaza a plaza, calle a calle.

Como é também de bom senso, descomprimimos de algum stresse turístico em vários dos SPAs aquáticos naturais que abundam nestas partes. À falta de condições balneares no litoral do Golfo do México, aventuramo-nos pelas profundezas do Rio Secreto (um rio subterrâneo).

Banhamo-nos nas praias caribenhas perfeitas de Quintana Roo, o mais recente dos estados da Península; também na de Tulum que é coroada por um dos raros conjuntos arquitectónicos Maias erguidos quase sobre o Mar das Caraíbas.

Noutro périplo pelo Iucatão, regressamos ao interior de Mérida, à descoberta de uma fazenda enequera secular, em tempos produtora de cactos usados para fibra de vestuário e outros usos.

Um Legado do Meteorito, os cenotes iucatecas

A Hacienda Chunkanan vem do tempo do presidente mexicano Porfírio Diaz. Segundo nos narra o guia residente, Diaz ofereceu-a, em 1937, a camponeses da zona para que dela retirassem o seu ganha-pão. Assim sucedeu até que, em 2002, num contexto em que a matéria-prima se tinha já desvalorizado, um tal de furacão Isidoro a arrasou.

Desde então, a recuperação das infraestruturas e da produção continua a ser adiada. À falta de melhor, os camponeses aproveitam o que subsistiu ao ciclone e o que lhes deixou o meteorito de Chicxulub.

“Instalem-se à vontade, vamos ter dez minutos de viagem.” instrui-nos Jesus Pech Arjona, o condutor da carruagem que apanhamos. Confrontados com o crescente interesse dos forasteiros nas fazendas históricas e nas dolinas mais impressionantes do Iucatão, os trabalhadores nativos deram uso ao sistema ferroviário básico da propriedade.

De acordo, um cavalo pachorrento reboca-nos e à pequena carruagem, ao longo de um corredor limpo da vegetação tropical. Dez minutos depois, desembarcamos. “Estão a ver aquele sinal ao pé das escadas? A entrada é por ali!“

Avançamos e espreitamos a abertura em que estavam metidas as escadas. Lá em baixo, levemente iluminado pela luz do sol a pique, exibia-se o cenote de Cuzamá, uma dolina profunda e ampla, dotada de uma piscina de água esmeralda translúcida. Vestimos os trajes de banho.

Descemos a escadaria e juntamo-nos a quatro ou cinco outros banhistas que já desfrutavam da lagoa inusitada. Chapinhamos, nadamos, investigamos o estranho fundo da gruta inundada. E ficamos minutos a fio a boiar, a pensar apenas na ironia de o mesmo meteorito furioso que aniquilou os dinossauros, nos ter validado a nós. E ao delicioso capricho geológico em que nos sentíamos renovar.

Mais informações turísticas sobre a Península de Iucatão no site VisitMexico

Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.

Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Apocalipse teimou em não chegar. Na Mesoamérica, os maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Aterragem sobre o gelo
Aventura

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Voo marinho
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Canal de Lazer
Cidades

Amesterdão, Holanda

Numa Holanda Surreal (Sempre a Mudar de Canal)

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato. 

Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Casal Gótico
Cultura

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Sal Muito Grosso
Em Viagem

Salta e Jujuy, Argentina

Nas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.

Étnico
Grande Zimbabué

Grande Zimbabué, Pequena Dança Bira

A aldeia KwaNemamwa está situada junto ao lugar mais emblemático do Zimbabwé, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova nação. É ali que vários habitantes de etnia Karanga exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas de Great Zimbabwé.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
As Cores da Ilha Elefante
História

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Príncipe da Selva
Ilhas
Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Recta Final
Inverno Branco

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Vale de Kalalau
Natureza

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Respeito felino
Parques Naturais

PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.

Património Mundial Unesco
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Espantoso
Praia

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Via Conflituosa
Religião

Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem o caminho de Cristo para a cruz, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Puro Pacífico do Sul
Sociedade

Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Acima de tudo
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.