Costa Caribenha, Venezuela

No Caribe, Sê Caribenho


Festa semi-travesti

Venezuelanos usam adereços e máscaras e divertem-se a bordo do barco que liga a Ilha Margarita à de Coche.

Pressa Caribenha

Tripulante de um barco percorre o pontão que conduz à Ilha de Cubágua.

Sem saída

Tabuleta indica o fim de um trilho repleto de cactos na ilha de Cubágua.

Iguana

Uma das muitas iguanas que habitam a ilha El Faro, parte do PN Mochima.

Encosta Áspera

Declive da ilha El Faro repleto de cactos baixos.

Mortal

Rapaz de um povoado piscatório da ilha Margarita dá um salto mortal a partir da proa de um barco.

Rumba Total

Mais festa a bordo de um barco que ruma à ilha Coche, ao largo da ilha Margarita.

Estranho Recife

Snorkelers exploram o mar das Caraíbas em redor de um barco que se incendiou.

Ilha aviária

Uma ilha rochedo do PN Mochima ocupada por aves marinhas.

Tarde balnear

Moradores da costa caribenha da Venezuela descontraem numa praia tropical da ilha Arapo.

Sem pé

Uma rapariga de uma aldeia piscatória descontrai dentro de uma boia.

Lancha

Um barco percorre o mar cristalino ao largo de Punta Ballena.

Quase a postos

Auxiliar corre para ajudar na manobra de acostagem na ilha de Coche.

Conversa de Popa

Dois passageiros falam a bordo de uma das lanchas que faz viagens entre a ilha Margarita e a de Coche.

Pontão Improvisado

Pontão da Ilha de Coche entra pelo mar das Caraíbas adentro.

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.

Estamos em contagem decrescente para o fim de semana mas centenas de habitantes da Ilha Margarita fazem questão de o aproveitar até ao último segundo. Subimos os derradeiros metros da rampa que dá acesso ao miradouro Juan Griego em passo de quase corrida e, no topo, dentro da fortificação, uma multidão em alegre convívio ocupa toda a extensão das muralhas, virada para o Mar das Caraíbas em que o sol está prestes a assentar.

Dois vendedores de gelados concorrentes carregam caixas de esferovite e apregoam o seu produto, o que adornam com o soar de pequenas campainhas, despertadores do desejo das crianças que por ali infernizam a vida dos pais.

A assistência em êxtase acompanha e regista o desvanecer do astro. Passam alguns minutos de contemplação adicional e a paz civil submete-se a uma cerimónia político-militar. Aparecem dois soldados que, de acordo com a coreografia pré-encenada, fazem descer a enorme bandeira venezuelana amarela-azul-vermelha que esvoaça, altiva, contra o céu quase limpo. Esticam-na, dobram-na a preceito e levam o símbolo da pátria bolivariana nos braços, carregado com mil cuidados, como se de um recém-nascido se tratasse.

Escurece em três tempos. A manhã seguinte é de trabalho e muitas famílias debandam. Mas certos clãs de jovens permanecem e bailam ritmos tropicalientes que brotam dos seus pequenos telemóveis.

A comitiva internacional de que fazemos parte, admira-os com fascínio e alguma inquietude. Recebemos, no entanto, ordem de partida e deixamos os nativos entregues à sua festa.

Umas horas depois de nova alvorada, seguimos instruções e esperamos, com o pequeno-almoço já tomado, pelo transporte que nos há-de levar a uma doca próxima e, dali, à Playa de la Punta, uma enseada tranquila da Isla de Coche, algumas milhas ao largo.

Um anfitrião humorista a bordo dá as boas-vindas aos passageiros em castelhano hiper-rápido e, logo, com a embarcação já em movimento, num inglês com forte sotaque ianque.

Pouco depois, o bar abre e o DJ tripulante atrás do balcão passa os primeiros temas caribenhos a altos berros. É assim inaugurada uma rumba que se haveria de arrastar e repetir.

A viagem para a ilha secundária é longa. Sentados nos bancos do convés, os passageiros furtam-se ao protagonismo de inaugurar a pista de dança, cada vez mais óbvia e reclamante. Mas, além, do anfitrião e do DJ, há um MC a bordo que os recruta, por vezes agrupados por países, para os mais distintos exercícios e passatempos sem fronteiras. São-lhes atados balões cheios e de diversas cores aos tornozelos. Com um sinal do animador e ao ritmo da música, os participantes forçados pulam e saltam que nem loucos para rebentar os dos adversários e se manterem “vivos”. Carlos, o MC, constata a rapidez com que aquela alegria infantil toma conta da lancha, reforçada pelos efeitos do rum sob as mais distintas receitas. Lança, então, outros desafios que potenciam o fenómeno e planeia prosseguir com a sua função a 100% mesmo depois do desembarque na Playa de la Punta.

A comitiva deleita-se com o mar quente e suave e aproveita para descomprimir do stress do dia-a-dia e do cansaço dos jogos no convés. Mas o MC volta ao ataque e chama-os para novas actividades, agora aquáticas. Alguns dos veraneantes do velho mundo torcem o nariz mas, perante a adesão crescente, acabam por se render. Até que chega a hora do almoço e a refeição num restaurante popular na proximidade da praia resgata o grupo daquele animador tentacular, não necessariamente das bebidas alcoólicas que lhe continuam a facilitar a missão.

Para o fim da tarde, no regresso, nenhum dos passageiros está em condições de oferecer resistência. A música toca cada vez mais alto. O MC impõe outros desafios. Desta feita, a equipa de imprensa venezuelana que acompanha a comitiva assume as honras. E chega a vez de Rogel, em particular.

Com ajuda de um outro tripulante, o mestre de cerimónias coloca uma peruca ruiva sobre a cabeça desta sua última cobaia. E balões bem cheios por dentro de um biquíni que lhe veste, a condizer com um saiote curto. Carlos anuncia então ao microfone: “Senhoras e senhores, vinda da Colômbia, a exuberante Shakira”.

Incitado pelo público, e ao som de um dos êxitos da cantora, o jovem bamboleia-se e exibe uma sensualidade tomada de empréstimo para riso descontrolado dos convidados da viagem e colegas que não tardam a invadir o “palco” para abusar da improvável vedeta.

Seguem-se outros números do género. Parte dos presentes a bordo, perde a voz de tanto gritar e gargalhar. Salva-os então, o fim da tarde e o regresso ao porto de que tinha zarpado aquela epopeia náutica de diversão.

Entra em cena um novo dia. A rumba é interrompida por um périplo madrugador em que nos são mostrados o Castelo de San Carlos, a Igreja de Buen Viaje, o Valle del Espiritu Santo e restantes pontos panorâmicos e históricos relevantes da ilha. À imagem da de Coche, Margarita foi visitada por Cristóvão Colombo na sua segunda incursão pelas Américas. Tornou-se no único estado insular da Venezuela e um dos territórios pioneiros a declarar a independência da Coroa Espanhola, em 1810. Consta que o descobridor comparou aquelas paragens com uma pequena Veneza. Mas, à época, os indígenas não eram amigáveis como os de agora ou proporcionaram ao séquito do genovês a farra que nos estava a ser imposta.

Mudamo-nos para a costa caribenha continental e instalamo-nos em Puerto de la Cruz, de onde está programado partimos para perscrutar o Parque Nacional Mochima e o seu litoral selvagem mas acolhedor.

Duas pequenas lanchas partem das traseiras marítimas do hotel. Os passageiros preenchem na totalidade os rebordos almofadados das embarcações. Ao centro, como era já de suspeitar, vão grandes geleiras com cervejas sem fim subsumidas num frio efémero e desenquadrado. A marca, Polar, condiz na perfeição com o que é pretendido da bebida e alguns dos venezuelanos mais nacionalistas a bordo torcem o nariz quando lhes são passadas latas intrusivas: “Brahma?? Muito inconveniente terem trazido isto!” exclama um deles com ironia.  

Contornamos ilhéus colonizados por corvos-marinhos, pelicanos e outras aves náuticas, acompanhados por cardumes de golfinhos saltitantes. Desembarcamos na ilha El Faro que exploramos por entre cactos verdejantes e em comunhão com enormes iguanas. Por fim, desembarcamos numa baía luxuriante da ilha Arapo. Ali,  integramo-nos numa versão balnear bem mais tranquila de celebração da vida.

Centenas de famílias e grupos de venezuelanos partilham o areal exíguo e a água quase imóvel e quente do Mar das Caraíbas. Muitos, trouxeram as suas bandas sonoras particulares para a praia. Enquanto conversam e piquenicam em volta das inevitáveis neveras coloridas ou semi-submersos numa água tão verde como a selva tropical em redor, um zunido latino-americano embala a comunidade de banhistas. Nós, os envergonhados europeus, limitamo-nos a seguir o seu exemplo e recuperamos para a rumba a sério que receamos ainda estar para vir.

De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.

PN Canaima, Venezuela

O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra

PN Henri Pittier, Venezuela

Entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Cocquete
Arquitectura & Design

Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

Radical 24h por dia
Aventura

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Repuxo Merlion
Cidades

Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Cultura
Espectáculos

A Terra em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Em manobras
Em Viagem

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Étnico
São Nicolau, Cabo Verde

Sodade, Sodade

A voz de Cesária Verde cristalizou o sentimento dos caboverdeanos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau percebe porque lhe chamam, para sempre e com orgulho, "nha terra".
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Repouso anfíbio
História

Mar Morto, Israel

À Tona d’água, nas profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha. 

Banco improvisado
Ilhas

Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Manhã cedo no Lago
Natureza

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Fuga de Seljalandsfoss
Parques Naturais

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d’água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.

Parking de Kalesas
Património Mundial Unesco

Vigan, Filipinas

A Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina

De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Pesca no Paraíso
Praia

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

1001 Noites Russas
Religião
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

No coração amarelo de San Cristóbal
Sociedade

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilômetros de Nampula, fruta tropical é coisa que não falta.
Acima de tudo
Vida Selvagem

Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história. 

Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.