Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino


Um

Visitantes encenam poses divertidas com as Ruínas de Talisay City em fundo.

três

Amigos no jardim vasto da antiga mansão, protegidos do sol escaldante próprio da latitude tropical da ilha de Negros,

Casa & Jardim

A estrutura da velha mansão do casal Lacson reflectida numa pequena mesa espelhada de jardim.

Reflexo histórico

Raymundo Javellana, o bisneto de Mariano e Maria Lacso, autor da recuperação e da fama das Ruínas.

Don Raymundo

Pormenor da mansão erguida segundo um plano arquitectónico neo-romanesco italiano executado por Luís Puentevella. 

Neo-romantismo tropical

Amigos fotografam-se numa escadaria da mansão Lacson.

À vez

A iluminação das Ruínas destacada pelo cair do lusco-fusco.

Um novo brilho

Visitantes sobre um dos varandins das Ruínas. 

Umas poses quaisquer

Imagens históricas de Mariano e Maria Lacson.

Casal Lacson

Um tricycle percorre uma estrada que atravessa uma das plantações de cana-de-açúcar em redor das Ruínas.

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Passaram apenas uns minutos desde que a cicerone Betsy Gazo, jornalista do Sunstar de Bacolod nos recebeu à saída do ferry. Percebemos, noutros tantos, o amor que Betsy tinha por aquela terra pejada de história e de incríveis peripécias, coloniais mas não

só. “Sabem que eu tenho um amigo português. Estou mesmo entusiasmada por o irem conhecer!” As suas palavras intrigam-nos. “Um amigo português”? Na ilha tão longínqua de Negros? A verdade é que já tínhamos encontrado compatriotas ou descendentes nos quatro cantos do mundo, incluindo nos arredores de Apia, a capital de Samoa. A confirmar-se, tratar-se ia de mais um caso da vasta luso-diáspora.

Betsy não tem como conter a ansiedade em nos contar e mostrar a sua terra natal. Aqui e ali, o entusiasmo leva-a a apimentar a realidade. Não tardamos a constatar que o amigo não era propriamente português mas que o passado secular da sua família nos valeria bem mais que isso.

Chega o dia de o visitarmos. A carrinha deixa Bacolod rumo a Talisay, uma cidade nos arredores. Entramos em nova zona coberta de cana-de-açúcar, cultura porque a ilha de Negros é notória nas Filipinas. Uma cancela detem-nos. Betsy conhece o funcionário na portinhola. Desbloqueia-nos a entrada num ápice. Umas dezenas de passos adicionais e damos com o âmago e razão da fama da propriedade. “Vou ver se encontro o Raymundo. Volto já. Investiguem à vontade!”

Perscrutamos o cenário em redor. Dele se destaca a armação de uma morada em tempos esplendorosa, hoje, misteriosa.

O sol daquelas latitudes tropicais ia a caminho do zénite. Grelhava-nos sem clamor. Quando Raymundo Javellana aparece, dá-nos as boas-vindas e trata de nos arranjar uma sombra junto à fonte de água de quatro pisos que refrescava o jardim. Munido de vários emails, confirma-nos o sangue português que lhe corria nas veias. Descreve-nos como o obtivera bem como a sua relação com as ruínas célebres que tínhamos por diante. Também nos pede ajuda na missão que alentava de identificar o ponto de origem exacto dos ancestrais lusitanos. “Não estão com pressa, pois não? A história é meio longa…”, adianta-nos com um sorriso terno e juvenil.”

Segundo nos conta, Raymundo era bisneto de Don Mariano Ledesma Lacson e de Maria Lacson. Mariano Lacson, por sua vez, era um barão do açúcar de Negros, nos últimos tempos da era colonial hispânica das Filipinas, o mais novo de oito filhos da família Lacson, herdeiro do apelido e de uma plantação com 440 hectares nos mesmos arredores de Talisay City. Abastado, com o futuro assegurado, Mariano aproveitou vários períodos de menos trabalho na plantação para viajar. Desvendava Hong-Kong quando uma jovem macaense lhe despertou a atenção e, pouco depois, a paixão.

Raymundo passa-nos para as mãos um esquema genealógico que tem raiz, em 1630, em Tancos e centra-se, nas últimas décadas do século XVII, em Macau. Por essa altura, Manuel Vicente Rosa começava a prosperar no comércio marítimo entre Portugal continental e a colónia asiática. Contingências da sua vida e do negócio levaram a que, em 1738, se visse desafogado de finanças e uma das personagens mais influentes de Macau. Ainda assim, sem herdeiro. Mandou chamar de Portugal o sobrinho Simão Vicente Rosa, nos seus vinte anos, com o propósito de o casar e de lhe legar a fortuna. O sobrinho não teve como resistir à proposta. Chegou a Macau a 3 de Outubro de 1738. Dezasseis dias depois, casava com Maria de Araújo Barros, noiva pré-seleccionada pelo tio. Este último, faleceu no ano seguinte. Simão Vicente tornou-se ainda mais rico que Manuel Vicente Rosa e, pelo menos, tão influente. Reforçou a sua prosperidade através de empréstimos estratégicos aos Jesuítas, com quem viria a entrar em conflito quando reclamou uma tal de Ilha Verde como compensação por falta de pagamentos. Sucedeu-o nos negócios o seu quarto filho, Simão d’Araújo Rosa.

Simão d’Araujo Rosa concentrou a navegação e actividade comercial que herdara entre Banguecoque e Goa mas, na sua vigência, a riqueza da família definhou, vítima da concorrência da rota cada vez mais rentável de ópio entre Macau e Calcutá, em que não conseguira imiscuir-se.

Em Macau e, mais tarde Hong Kong, os sucessores de Simão d’Araújo Rosa usaram de forma combinada e alternada os sobrenomes do pai e da mãe: Rosa, Rosa Pereira e Rosa Braga. Por fim, adoptaram apenas Braga que, com o tempo, conquistara forte distinção em Goa. Maria, a jovem atraente que chamara a atenção do turista filipino Mariano Ledesma Lacson era uma das descedentes desta então família Braga.

Enquanto Raymundo desenrolava a história, o número de visitantes das suas Ruínas aumentara a olhos vistos. Investigavam o interior da estrutura e todos os recantos do jardim em redor, entregues a incontáveis e inevitáveis selfies e fotos de grupo. Ou a namoricos românticos nas varandas e escadarias do edifício. Também a vida a dois de Mariano e Maria Lacson se mantivera harmoniosa, repleta de amor. Até a desgraça lhes bater à porta.

Mariano e Maria casaram e foram viver para Talisay. Nessa altura, esperava-se de um casal uma família prolífica. Mariano e Maria abençoaram-se com dez filhos: Victoria, Rafael, Mercedes (que mais tarde casou com um Javellana, apelido de Raymundo), Natividad, Sofia, Felipe, Consolación, Angelina, Ramon e Eduardo. Teriam sido prendados com um 11º rebento mas Maria Lacson escorregou na casa de banho e começou a sangrar de forma abundante. O dano provou-se tão grave que em vez de a tentar transportar a um hospital de Talisay, Mariano apressou-se a preparar uma carruagem para ir buscar à cidade um médico que socorresse a esposa. À época, a viagem para Talisay durava dois dias. Mariano demorou quatro a ir e a regressar. Maria e a criança morreram antes que chegasse. Mariano perdeu o amor da sua vida. Sofreu a bom sofrer para recuperar do desgosto.

Mas Don Mariano Lacson tinha dez filhos para criar e uma óbvia obrigação de continuar com a vida. Como expressão de amor-póstumo e de clarividência, decidiu erguer uma mansão em memória da esposa nas imediações da casa em que haviam morado. Planeou uma casa em que ele e os filhos pudessem viver em desafogo e que, ao mesmo tempo, mitigasse a memória dolorosa do lugar em que Maria perecera. A ideia acolheu a concordância do sogro. Este, contribuiu financeiramente e, crê-se, que com os planos de arquitectura neo-romanesca italiana da mansão. Don Mariano confiou a obra a um engenheiro local: Luís Puentevella. Um dos filhos Lacson supervisionou-a.

À imagem dos antecedentes o pai de Maria era capitão de navio. A casa de dois andares foi assim dotada com a sua marca, com repetidos ornamentos em forma de concha nos cantos superiores, os mesmos que identificavam, então, na Nova Inglaterra, os lares de capitães de barcos.

Pormenores adicionais testemunharam o amor de Mariano por Maria: os dois “M” em cada pilar em volta do exterior da mansão, claras de ovo adicionadas ao cimento usado na construção para lhe conferir um visual e textura, refinados como os do mármore, que representasse a pele de alabastro de Maria característica das mulheres mediterrânicas.

A mansão tornou-se a maior estrutura residencial de Negros, dotada das melhores mobílias, louças e outros elementos decorativos. Foi algo favorecido pelo pai de Maria Braga poder navegar mundo fora e assegurar o seu transporte, como assegurou de trabalhadores chineses.

Três das filhas de Mariano – Victoria, Consolación e Angelina – nunca casaram. De acordo, viveram no andar superior naquela mansão esplendorosa, enquanto os irmãos homens residiam no térreo. Dizem as más línguas que esta distribuição dos filhos na casa determinada por Don Mariano impediu uma aproximação condigna dos pretendentes às donzelas que assim dela usufruíram por bastante mais tempo. Até que nova tragédia lhes roubou o privilégio.

Definia-se o palco asiático da 2ª Guerra Mundial. A invasão nipónica das Filipinas estava eminente e Mariano Lacson e os filhos viram-se obrigados a deixar a ilha de Negros.

O boato de que os japoneses transformariam a mansão num seu quartel-general, fez com que a guerrilha filipina sob comando norte-americano USAFFE se visse obrigada a incendiá-la. A mansão ardeu durante três dias em que o fogo consumiu telhado, pisos e as portas de 5 cm de espessura tudo feito de madeiras nobres como tindalo, pau-rosa, kamagong e outras. Já a estrutura de ferro e cimento, resistiu. Permanece intacta e fascina quem quer que hoje visite as Ruínas.

Don Mariano Lacson (1865-1948) faleceu três anos após o desfecho da 2ª Guerra Mundial. Raymundo Javellana, o nosso anfitrião e interlocutor era neto de Mercedes, uma das três filhas de Mariano e Maria que casaram. Raymundo tornou-se também o dono inconformado e criativo da fazenda e do que sobrava da mansão dos bisavôs. Foi dele a ideia de transformar as Ruínas do seu ninho num memorial à altura.

Voltamos a visitá-las ao fim do dia, atentos a como o pôr-do-sol e o lusco-fusco moldavam a atmosfera do lugar. Por essa altura, dezenas de visitantes formavam uma fila para fotografarem a estrutura reflectida numa pequena mesa de jardim semi-espelhada. Outros, contracenavam para distintas fotos, rendidos ao significado emocional do lugar entretanto apelidado de “Taj Mahal de Negros”. Uma banda de Bacolod não tardou a inaugurar a sua actuação nocturna e contribuiu com uma banda sonora vigorosa para aquela intrigante celebração da vida e da morte. 

Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.

Cebu, Filipinas

O Atoleiro de Magalhães

Tinham decorrido quase 19 meses de navegação pioneira e atribulada em redor do mundo quando o explorador português cometeu o erro da sua vida. Nas Filipinas, o carrasco Datu Lapu Lapu preserva honras de herói. Em Mactan, uma sua estátua bronzeada com visual de super-herói tribal sobrepõe-se ao mangal da tragédia.

White Beach, Filipinas

A Praia Asiática de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.

Arquipélago Bacuit, Filipinas

A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.

Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo "Country"

Os GI's partiram com o fim da 2a Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz Hungduan.

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Vigan, Filipinas

A Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina

Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.

Gasan, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé

Filipinas

Quando só os Galos Despertam um Povo

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.

Busuanga, Filipinas

Uma Armada Pouco Secreta

Na 2a Guerra Mundial, uma frota nipónica falhou em ocultar-se ao largo de Busuanga e foi afundada pelos aviões norte-americanos. Hoje, os seus destroços subaquáticos atraem milhares de mergulhadores.

Bohol, Filipinas

Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km2 de oceano Pacífico. No grupo Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e colinas extraterrenas a que chamaram Chocolate Mountains

Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.

Filhos da Mãe-Arménia
Arquitectura & Design

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Aurora fria II
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades

Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.

Sob um céu mais que dourado
Cidades

Goiás Velho, Brasil

Uma Sequela Da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

1º Apuro Matrimonial
Cultura

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

As Cores da Ilha Elefante
Em Viagem

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

MAL(E)divas
Étnico

Malé

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, a capital das Maldivas pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano genuíno que nenhuma brochura turística poderia revelar.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
A inevitável pesca
História

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

De partida
Ilhas

Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais

Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Caçada com Bolhas
Natureza

Juneau, Alasca

Na Capital Diminuta do Grande Norte

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta cidade ínfima que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

À sombra da árvore
Parques Naturais

PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"

De regresso a casa
Património Mundial Unesco

Sigiriya, Sri Lanka

A Capital de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Pesca no Paraíso
Praia

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Planície sagrada
Religião

Bagan, Myanmar

A Planície das Compensações Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Encarregado da iluminação
Sociedade

Barragem Itaipu, Brasil

A Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Brincadeira ao ocaso
Vida Selvagem

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.