Bagan, Myanmar

A Planície das Compensações Celestiais


Planície sagrada

Planície de Bagan repleta de templos e pagodes erguidos por crentes budistas ao longo dos séculos.

Monjes juvenis

Pequenos monges acabam de atravessar uma pequena pagoda de Bagan.

Terraço privilegiado

Visitantes de Bagan admiram a planície repleta de templos de Bagan, de cima de um deles.

Carga de fiéis

Crentes budistas chegam às imediações de um templo de Bagan.

Sem calçado

Sinal bilingue à porta de um templo pede a remoção do calçado dos fiéis.

Cúpulas

Cúpulas de pagodes contra o pôr-do-sol sobre Bagan.

Oração

Monge budista ora num templo de Bagan.

Nichos alinhados

Pequenos budas dourados do templo de Mahabohdi.

Protecção Solar Natural

Jovem vendedora de Bagan mantém a face protegida com um protector solar natural feito da casca de uma árvore.

Pose budista

Detalhe de uma estátua de Buda no interior do templo de Ananda.

Santuário Supremo

Templo de Thatbyinny Pahto, acima de outras estruturas religiosas secundárias.

Pedra Testemunhal

Escritura em birmanês na base de um templo.

Templos sem conta

Silhuetas de templos e pagodas salpicam a planície de Bagan, ao pôr-do-sol.

Sob um Céu Quebrado

Velhas pagodas partilham a planície com palmeiras-de-leque.

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.

Desde cedo, os birmaneses foram instruídos a confiar o seu destino a  reis e divindades que reverenciavam com fervor. Algumas dessas personagens terrenas e celestiais foram-se destacando das demais e fizeram história.

Em 1047, Anawratha, um rei precursor da nação birmanesa anexou Thaton, um domínio que lhe fazia sombra. A narrativa desta conquista explica, em parte, a espiritualidade e grandiosidade de Bagan.

Manuha, o todo-poderoso rei do povo rival de Mon tinha-lhe enviado um monge para o formar religiosamente. A determinada altura, Anawratha exigiu-lhe uma série de textos sagrados e de relíquias importantes, negadas por Manuha, que duvidava da seriedade da sua crença.

Anawratha enfureceu-se. Apoderou-se de Thaton e levou para Bagan tudo o que valia a pena pilhar – incluindo 32 exemplares das escrituras clássicas budistas, os monges e escolásticos de Thaton que as guardavam e estudavam e o próprio líder derrotado, Manuha. O monarca adoptou o Budismo como religião única do reino.

Nos duzentos e trinta anos seguintes, Anawratha e os reis bagari provaram-se devotos à religião que se havia alastrado ao Sudoeste Asiático a partir do território actual do Bangladesh. E, em nome daquela forma híbrida de Budismo Theravada – em parte Tântrica, em parte Mayahana – construíram uma média de vinte templos por ano, disseminados por uma área com 40 km2. A vitória militar estrondosa que lhes deu origem surpreendeu e inspirou a vida dos súbditos que se habituaram a mencioná-la como Arimaddanapura, A Cidade do Rei que Esmagou o Inimigo.

Anawratha, em particular, ergueu alguns dos mais grandiosos edifícios, ainda hoje, destacados entre os milhares que sobreviveram às invasões tártaras de Kublai Khan – a quem os birmaneses recusaram pagar tributo – e ao longo abandono que se seguiu. Foram os casos do Shwezigon, do Pitaka Taik (a biblioteca das escrituras) e da elegante Shwesandaw paya, construída imediatamente a seguir à conquista de Thaton.

Quase um milénio depois, como um pouco por todo o Mundo, a religiosidade dos birmaneses vai da fé mais pura à crendice superficial e interesseira.

Um bom exemplo da última das modalidades foi narrado por George Orwell em “Dias na Birmânia”, na personagem de U Po Kyin, um magistrado nativo corrupto e ambicioso que conjura todas as intrigas possíveis para desgraçar a vida do Dr. Veraswami, este, um médico indiano que U Po Kyin abomina e a quem quer conquistar a única vaga não “british” no European Club de Kyauktada, o distrito fictício da Birmânia Imperial em que a acção se desenrola.

Pois, como escreve Orwell, a determinada altura, “U Po Kin tinha feito tudo o que um homem mortal podia fazer. Era tempo de se preparar para o próximo mundo – em resumo, de começar a construir pagodas…”.

No seu caso particular, esse, provou-se dos poucos planos que correram mal. U Po Kyin sofreu um ataque cardíaco e morreu antes que mandasse assentar o primeiro tijolo. 

Não terá sido caso único mas, ao longo da história, milhares de outros birmaneses precaveram-se a tempo. As suas obras foram erguidas para a eternidade um pouco por toda a nação. Bagan, mais ou menos a meio do território actual do Myanmar e nas margens do grande rio Irrawaddy, acolheu uma concentração única.

Exploramos a planície fluvial vasta em que se dispõe, sobre pasteleiras velhas e rangedoras. Pedalada após pedalada, investigamos e deixamo-nos deslumbrar pelos inúmeros templos grandiosos por ali erguidos, a começar pelo Ananda que foi construído pelo rei Kyazinttha em forma de crucifixo e baptizado com o nome de um dos primos veneráveis de buda. 

A sua beleza exótica funde a arquitectura Mon com o estilo de construção hindu adaptado pelos birmaneses. E granjeou-lhe o título colonial de Westminster Abbey de “Burma”, apesar dos quatro budas que surgem no seu âmago, virados para os diferentes pontos cardeais, com posições e expressões distintas.

Em frente de Thatbyinnyu, o espanto renova-se. E o mesmo volta a acontecer no sopé do impressionante Dhammayangyi que, de tão ambicioso, nunca chegou a ser terminado pelo rei Narathsu que procurava o perdão divino por ter assassinado o pai e o irmão mais velho para ascender ao trono. A obra e o indulto ficaram a meio mas o templo continua a destacar-se como o maior de Bagan (61 metros).

Quando a luz se começa a desvanecer, incontáveis ciclistas percorrem as estradas de terra batida que conduzem aos templos, atrapalhados pelo pó levantado pelos autocarros turísticos, pelos táxis e pela frota de carroças que circulam pelas redondezas. À chegada à base do pagode, um exército de vendedores de recordações faz-se aos estrangeiros armado de recordações e do mais genuíno charme birmanês.

De Crepúsculo em Crepúsculo

O sol aproxima-se rapidamente do horizonte. Enquanto isso, os terraços mais elevados do templo vão ficando à pinha, preenchidos por dezenas de monges budistas e por uma multidão internacional que, a esforço, se coordena na partilha do monumento. A urgência de subir a escadaria demasiado íngreme, encontrar um espaço e apreciar a paisagem surreal tem prioridade face às compras até porque, no dia seguinte, os mesmos vendedores e produtos surgirão neste e noutros templos, tão disponíveis como sempre.

Do topo, as cores da planície semi-ressequida somem-se no crepúsculo e numa névoa difusa que a condensação tardia e algum fumo libertado por fogueiras longínquas vão formando. A visão é quase extraterrestre. Em redor, para todas as direcções, centenas e centenas de templos vermelho-tijolo com pontas aguçadas, projectam-se do solo criando uma atmosfera solene que cada uma das almas sobre os terraços e escadarias de Shwesandaw absorve no mais profundo espanto.

Esta reacção contrasta com a manifestada pelos visitantes e qualquer interessado em história e arquitectura quando descobrem que a povoação e a sua esplendorosa herança não estão sequer classificados pela UNESCO.

Tal como se passou em relação a tantos outros aspectos, o governo dictatorial do Myanmar isolou-se também quanto à recuperação do seu património que tratou de incompatibilizar, desrespeitando as regras vigentes no resto do Mundo.

Em 1996, até foi apresentada uma candidatura de Bagan mas, diversos danos já infligidos e a recusa em pactuar com as indicações dadas pela organização inviabilizaram o esforço. Por essa altura, a junta militar tinha já restaurado o património – stupas, pagodes, templos e outros edifícios seculares – sem qualquer critério profanando o estilo base com materiais modernos que em nada se pareciam com os originais.

Como se não bastasse, os governantes de Naypyidaw construíram ainda, na planície de Bagan um campo de golfe, uma via asfaltada e uma torre de vigia com 61 metros. O paradigma do sacrilégio  continua em vigor principalmente porque, em termos de jurisdição, o património milenar continua ao Deus dará.

Apesar de tudo, estas e outras atrocidades são insignificantes se comparadas com os crimes económicos e sociais cometidos para permitir a construção da nova capital Naypyidaw. Alguns estrangeiros optam simplesmente por as ignorar, privilegiando a beleza do Myanmar e o acolhimento caloroso garantido pelos sempre atarefados nativos. 

Ninguém sabe ao certo quantos edifícios religiosos abriga Bagan. No final do século XIII, a contagem oficial indicava alegadamente 4446. Por volta de 1901, estudos britânicos contabilizaram 2157 monumentos ainda de pé e identificáveis. Mas, em 1978, apenas alguns anos depois do forte tremor de terra que abalou a região, um novo exame estimou ainda mais que o anterior: 2230. A conclusão a que se chegou entretanto só espantou quem não conhecia o modo de vida birmanês: os templos simplesmente não param de aumentar.

Com tantos budistas ávidos por salvaguardar a sua próxima vida, os residentes mais ricos de Yangon, entre outros, (incluindo muitos oficiais do governo militar) encontram ali a redenção. Reconstroem e erguem novos pagodes ao seu critério e a um ritmo inesperado – cerca de trezentos só no princípio do século XX – demasiadas vezes indiferentes à arquitectura do património original. Apesar de indignar a maior parte dos técnicos da UNESCO esta dinâmica faz parte da forma de vida birmanesa. É vista, no país, como natural.

A Azáfama Também Espiritual de Nyang U

Alvorada atrás de alvorada, novos dias quentes despertam em Nyang U e o mercado da povoação entra em frenesim, indiferente ao fluir do país e do resto do mundo. Mulheres de rostos pintados de dourado, por thanaka – uma protecção natural contra o sol – gerem as suas bancas de fruta e vegetais coloridos e convivem, quando podem, alegres e sorridentes apesar da intensidade de alguns negócios. Vendedores de bilhetes de autocarro, gritam os seus destinos entre a multidão redobrando esforços para completar lotações sem fim. E, quando menos se espera, pullmans incomparavelmente mais modernos estacionam nas imediações e despejam hordas de turistas curiosos, quase todos de máquinas fotográficas em punho e carteiras recheadas de kyats voláteis. Em absoluto contraste, na rua em frente, freiras budistas passam em fila pelas portas de domicílios e pequenos negócios com recipientes que os crentes lhes enchem de arroz e um ou outro complemento mais rico que aliviam a sua árdua privação monástica.

Para diante, o mercado transforma-se numa feira barulhenta e poeirenta, animado por passatempos e jogos básicos promovidos com a ajuda de altifalantes. Transaccionam-se também vacas e cabras e muita malagueta que os potenciais compradores apanham à mão cheia e deixam cair como que para comprovar o potencial explosivo.

Logo ao lado, a azáfama é espiritual. Uma alameda coberta, ocupada por vendedores de artigos religiosos, conduz à entrada da Shwezigon paya, ao mesmo tempo um dos mais antigos e mais activos templos budistas de Bagan, considerado o protótipo das milhares de stupas espalhadas pelo país.

Erguido até 1102, Shwezigon foi uma das primeiras obras do rei Anawaratha mas a sua importância vai muito para lá da antiguidade. Os fiéis crêem que um dos seus túmulos conserva um osso e um dente do buda Gautama e que um dos pilares de pedra contém inscrições ditadas em dialecto Mon pelo rei Kyazinttha, que se encarregou de acabar a obra, após a morte do seu antecessor.

Estamos num suposto “Inverno” do sudoeste asiático mas, assim que o Sol sobe no horizonte, brilha inclemente e incide nos crentes que circulam em redor do núcleo dourado do templo. Estes rezam compenetrados, indiferentes ao burburinho provocado pelas primeiras excursões estrangeiras do dia que ocupam o complexo por breves minutos e logo o deixam em direcção às ruínas.

 

Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem lá desembarca, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante. Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem lá desembarca, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante. 

Guwahati, India

A Cidade Prolífica que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.

Yangon, Myanmar

A Grande Capital Birmanesa (Delírios da Junta Militar à Parte)

Em 2005, o governo ditatorial do Myanmar inaugurou uma nova capital bizarra e quase deserta. A vida exótica e cosmopolita mantém-se intacta, em Yangon, a maior e mais fascinante cidade birmanesa.

Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.

Nara, Japão

Budismo Hiperbólico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.

Lhasa, Tibete

O Mosteiro da Sagrada Discussão

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.

Lago Taungthaman, Myanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein carece de cuidados especiais.

Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir de Koya San, pode ser ainda mais fácil.

Praia soleada
Arquitectura & Design

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Dia no ksar
Cerimónias e Festividades

Tataouine, Tunísia

Os Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. A Tunísia presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.

Rumo ao vale
Cidades

Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Entusiasmo Vermelho
Cultura

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Erika Mae
Em Viagem

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Dança dos cabelos
Étnico

Longsheng, China

A aldeia chinesa dos maiores cabelos do mundo. Nutridos a arroz, claro

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de uma aldeia renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os seus cabelos anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm que faz da aldeia recordista. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e o cereal. 

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
De novo na ribalta
História

Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.

Chocolate hills
Ilhas

Bohol, Filipinas

Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km2 de oceano Pacífico. No grupo Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e colinas extraterrenas a que chamaram Chocolate Mountains

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Twelve Apostles
Natureza

Victoria, Austrália

No Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes de Melbourne, a estrada B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. E bastam alguns km para perceber porque foi baptizada The Great Ocean Road.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Danças na Catedral
Património Mundial Unesco

Antigua, Guatemala

Guatemala à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.

Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Conversa ao pôr-do-sol
Praia

White Beach, Filipinas

A Praia Asiática de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.

A Crucificação em Helsínquia
Religião

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Modelos de rua
Sociedade

Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.