Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante


“Entusiasmo Vermelho”

Cena do episódio “Entusiasmo” de "Impression: Liu Sanjie" com dezenas de pescadores no rio Li.

Depois da cantoria

Mulheres naxi em trajes tradicionais percorrem uma rua empedrada de Lijiang, após uma sua exibição de canto e dança.

Sérios agasalhos

Cavaleiro naxi com o gorro e colete típicos do seu povo.

Jovens Naxi

Nativos da zona de Lijiang em trajes típicos e alinhados com a neve da montanha Yulong em fundo, durante o espectáculo "Impression: Lijiang".

Sob o luar

Uma de muitas cenas nocturnas de "Impression: Liu Sanjie" realizado sobre as águas do rio Li, em Yangshuo.

Palco majestoso

Uma das cenas mais grandiosas de “Impression: Lijiang” com o palco repleto de figurantes e a montanha Yulong em fundo.

Tradição e voz

Anciã naxi canta em Lijiang, uma antiga cidade de Yunnan, hoje, uma das mais visitadas da província.

Natureza show

Cena de "Impression: Liu Sanjie" aqui com os penhascos da região de Yangshuo bem visíveis em fundo.

Jade Dragon Snow Mountain

Visitantes abaixo do pico nevado de Shanzidou, no cimo da montanha Yulong.

Em tons de azul

Cena azulada de Liu Sanjie com diversos barqueiros reunidos. 

Em honra do trilho do chá

Mulheres naxi carregam cestos "cheios de chá", uma das cenas tradicionais de "Impression: Lijiang".

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Ainda não eram 8h30 quando entrámos no parque nacional Jade Dragon Snow Mountain. Metemo-nos na cabine do teleférico e ascendemos aos 4600 metros do maciço montanhoso mais elevado da província de Yunnan. Ficámos a mil do seu pico supremo, o Shanzidou. Ainda assim, as condições meteorológicas logo se provaram adversas a qualquer exploração ou contemplação mais demorada.

Um vento furioso intensificava o frio que sentíamos na cara e no corpo e impedia-nos de caminhar direitos sobre o passadiço instalado na encosta nevada. Sofremos a bom sofrer para o percorrermos de alto abaixo. E qual não é o nosso espanto quanto damos com dois monges budistas do Sudeste Asiático enrolados nas suas habituais túnicas amarelo-torradas, ambos com gorros a proteger as cabeças, mas, nos pés, apenas sandálias e meias.

Nem os religiosos, com a sua fé, nem quem quer que fosse aguentou muito mais tempo exposto à ira da montanha. Tal como vários outros visitantes enregelados, mal regressámos à estação base do teleférico, recuperámos a bebericar chocolate quente e viajámos uns poucos quilómetros até a um recinto numa rua de nome Guodahuma, junto à cidade velha de Lijiang.

Ali, dezenas de autocarros, minibuses, carrinhas e outros veículos largavam inúmeros passageiros, na sua maioria chineses excitados pela evasão e diversão em que se viam. Seguimos a corrente humana para o interior de uma espécie de anfiteatro que, em vez de um mero palco, tinha, do lado oposto das bancadas, um grande paredão vermelho disposto em socalcos subtis. Estávamos a 3500 metros de altitude. Como horizonte e fundo natural víamos a mesma Jade Dragon Snow Mountain de onde tínhamos chegado.

A multidão ansiosa demorou uma eternidade a acomodar-se. Ignorou por completo as insistentes tentativas de proibição dos funcionários do recinto e armou-se de máquinas de fotografar e de filmar.

O espectáculo não aguardou pelo sossego da plateia. Teve início com uma apresentação vídeo exuberante. Uma vez terminada, entraram em cena dezenas de jovens figurantes em trajes tradicionais de que se destacavam coletes brancos felpudos. Interagiam com uma locução masculina, em mandarim, de tom quase militar.

De forma cuidadosamente coreografada, mais de quinhentos nativos de distintas aldeias e vilas, cerca de cem deles, a espaços, sobre outros tantos pequenos cavalos ou, no caso das mulheres, com enormes cestos tradicionais cheios de chá às costas, exibiam as peculiaridades dos modos de vida das minorias Naxi, Yi, Bai e Mosuo, este, o único grupo étnico matriarcal sobrevivente na China.

Os figurantes percorriam os socalcos em filas graciosas até que os preenchiam por completo ou apenas a linhas e colunas escolhidas a dedo pela equipa de Zhang Yimou. Qualquer que fosse a disposição que assumissem, o espectáculo beneficiava da sumptuosidade dos picos nevados da montanha Yulong por detrás e deixava o público em êxtase.

Mas as “Impressions” de Zhang Yimou – realizador que conhecemos por cá de filmes como “Milho Vermelho”, “O Segredo dos Punhais Voadores” e “Herói”, entre outros – estão longe de agradar a todos. Se as cerimónias de abertura e fecho dos Jogos Olímpicos de Pequim de que foi co-autor tiveram os seus detractores, com os seus espectáculos regionais e de temporada não foi diferente.

A primeira impressão de Yimou: “Impression: Liu Sanjie” teve enorme sucesso e instigou-o a criar outras. Anos depois, políticos locais continuam a acusá-lo de irresponsabilidade como fez o vice-mayor duma cidade da província de Hunan, no artigo de opinião “Zhang Yimou não é nenhum salvador; Que não crie “Impressions” às cegas.”

A longa crítica incluía o seguinte trecho: “A coberto do isco de investimentos colaterais massivos, Zhang Yimou conseguiu que diversos lugares turísticos da China competissem para que neles instalasse as suas produções, malgrado os valores astronómicos requeridos para acolher os espectáculos (n.a: 80 a 400 milhões de euros), dos bilhetes (n.a: mais de 25€) e das comissões de Yimou e sua equipa. No entanto, o festim de luz e sombra que capta o olhar não deixa nada do espectáculo para trás após a sua temporada de exibição.” 

Este mesmo autarca apontou ainda a Yimou o facto de ser responsável pelas enormes dívidas acumuladas pelos governos locais nos casos cada vez mais numerosos em que as suas “Impressions” se revelam fracassos ou sucessos desgastados pelo tempo e pela repetição exaustiva da mesma fórmula. De acordo com os padrões chineses, a própria vida de Yimou parece ir de encontro a esta denúncia.  Em 2014, o realizador teve que pagar uma multa de cerca de um milhão de euros devido a nascimentos desautorizados e respectiva “manutenção social”, isto por ter gerado sete filhos com quatro distintas mulheres e, assim, violado a Política do Filho Único com que a China procura controlar o crescimento da sua população. 

Alguns dias depois, viajámos do norte de Yunnan para leste e instalamo-nos em Yangshuo, uma região de tal maneira famosa pelos seus incontáveis penhascos de calcário disseminados em volta do rio Li que muitos dos restaurantes chineses por esse mundo fora têm ilustrações destes cenários a decorá-los.

Explorámo-la de barco e de bicicleta. Numa das noites de pós-exploração, aproveitámos ainda para espreitar a primeira das “Impressions”.

“Impression Liu Sanjie” teve estreia em 2004. Assenta numa lenda do povo Zhuang – o maior dos grupos étnicos minoritários da China – em redor de uma mulher (Liu Sanjie, a terceira irmã da família Liu) desde muito cedo dotada de um canto magnífico. Liu Sanjie conseguia, com a sua voz, acalmar a ira e animar os espíritos das pessoas em redor de si.  Era invejada por Mo Huairen, um bandido que dela queria fazer sua concubina.

Está escuro como breu quando nos sentamos à beira do rio, desta vez, com os enormes rochedos iluminados ao longe, cinzentos mas salpicados de verde vegetal para lá da silhueta de uma floresta marginal de bambu. A luz ténue também reflectida na superfície do rio não tarda a ser quebrada por feixes coloridos. A protagonista Liu Sanjie aparece a cantar sobre um pequeno barco tradicional. Gera uma onda de entusiasmo no trabalho fluvial e na vida de centenas de barqueiros de chapéu cónico simbolizada pelas ondas e outros movimentos produzidos quando estes fazem oscilar longas faixas vermelhas de plástico.

Tal como em Lijiang, a plateia não sossega e comenta entre si o enredo que prossegue com recurso a mais de seiscentos figurantes da zona – a maior parte pescadores de cinco aldeias das margens do Li – suas embarcações e utensílios.

Uma iluminação sofisticada produz os efeitos e sensações que encantam o público. À medida que o rio flui, compreendemos como, aliada à localização excêntrica do espectáculo e à mestria da navegação tradicional dos figurantes, justificou o primeiro dos grandes sucessos de Yimou.

A grande febre chinesa das “Impressions”, essa, não parece ter fim. Imune a qualquer criticismo, o realizador e produtor continua a instalar novos espectáculos em paragens visualmente merecedoras ou simplesmente mais abastadas da vasta China. 

Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Grande Zimbabué

Grande Zimbabué, Pequena Dança Bira

A aldeia KwaNemamwa está situada junto ao lugar mais emblemático do Zimbabwé, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova nação. É ali que vários habitantes de etnia Karanga exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas de Great Zimbabwé.
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Espectáculos

A Terra em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.

Huang Shan, China

A Montanha dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.

Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.

Badaling, China

Uma Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da maior estrutura criada pelo homem, recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.

Seydisfjordur
Arquitectura & Design

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Auto-flagelação
Cerimónias e Festividades

Gasan, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé

Natal de todas as cores
Cidades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Bruxinha de chaleira
Cultura

Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Em manobras
Em Viagem

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Étnico
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pastéis nos ares
História
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Pedaço de Maldivas
Ilhas

Maldivas

De Atol em Atol

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Pose mais à mão
Natureza

Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Contemplação
Parques Naturais

El Chalten, Argentina

Um Apelo de Granito

Duas montanhas de pedra geraram uma disputa fronteiriça entre a Argentina e o Chile.Mas estes países não são os únicos pretendentes.Há muito que os cerros Fitz Roy e Torre atraem alpinistas obstinados

Um cenário imponente
Património Mundial Unesco

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Acima de tudo e de todos
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Pacífico celestial
Praia
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Resistência
Religião

Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus radicais pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
No coração amarelo de San Cristóbal
Sociedade

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Hipo-comunidade
Vida Selvagem

PN Chobe, Botswana

Um Rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.