Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo


Praia Islandesa

Banhistas relaxam na água quente da lagoa azul de Grindavik, uma de muitas lagoas geotermais da Islândia

Uma agricultura resplandecente

Estufa geotermal num cenário nevado entre Husavik e Myvatn.

Água pelos ares

Géiser Strokkur, no vale geotermal de Haukaladur com erupções regulares em menos de 10 minutos.

Eva e Guthrun

Duas vendedoras de substâncias naturais para a pele em plena acção na Lagoa Azul de Grindavik.

Das profundezas

Água escaldante das entranhas da Terra, prestes a jorrar a 15, 20 metros ou mais de altura.

Alta Voltagem

Cabos eléctricos numa planície da costa sul da Islândia. Parte significativa da energia do país (incluindo a eléctrica) tem origem geotérmica.

Praia Islandesa II

Vista panorâmica da lagoa Azul de Grindavik com a central geotérmica de Svartsengi (a 4ªa maior da Islândia) em fundo.

Planalto de Hellisheidi

Infra-estruturas complementares da central geotérmica de Hellisheidi - a maior do Mundo - camufladas no cenário malhado do planalto homónimo.

Vulcanismo & Geotermia

Neve derretida sobre um prado seco pelo frio invernal nas imediações da cratera do vulção Hverjall, no Parque Nacional Myvatn.

Banhistas geotermais

Visitantes da Lagoa Azul de Grindavik partilham a água vulcânica e sulfurosa libertada por fontes geotermais.

A Maior das Maiores

A central geotérmica de Hellisheidi, a mais poderosa do Mundo, com uma capacidade de produção de 303 MW de electricidade e 400 MW de água quente.

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Aproximamo-nos da meia-noite. Ao subirmos em direcção às terras altas do lago Myvatn, passamos os olhos pelo retrovisor e percebemos que as nuvens abrem e desvendam um céu de vários tons fogosos que se alastram ao oceano Árctico e à superfície frígida do litoral norte da Islândia. A excentricidade boreal daquele ocaso convida-nos a encostar o carro à berma gelada. Apreciamos o seu lento desenrolar por alguns minutos, até que o vento enregelante nos leva a ilusão de conforto térmico impingida pelo desfazer do grande astro. Aguentamos o que aguentamos e voltamos ao refúgio amornado do carro. Por pouco tempo. Alguns quilómetros para diante, espanta-nos nova visão incandescente, desta feita paralelepipédica e ainda mais resplandecente na quase noite que se havia instalado.

Investigamos aquele O.V.N.I. pousado com o cuidado que nos merecia até porque uma ladeira escorregadia e um descampado pejado de buracos tapados pela neve o separava da berma da estrada. A poucos metros do invólucro de vidro embaciado, percebemos um conteúdo 100% vegetal e confirmamos o que já nos ocorrera: tratava-se de uma estufa islandesa.

O Sol que naquela Primavera invernosa ainda resistia quase dezoito horas acima do horizonte, chegava com raios tão insípidos que pouco nos estimulavam a pele e os sentidos. Estávamos prestes a entrar nos meses afáveis da Islândia, pelo que calculávamos que o clima dos seus meses antípodas fosse bem mais rude. E, no entanto, com excepção para a ínfima duração da luz do dia, em grande parte do ano, a quase árctica Islândia até é favorecida.

Duas correntes marítimas, a Norte Atlântica e a Irminger envolvem-na, mantêm o oceano em redor livre de gelo e suavizam as temperaturas invernais que, de outra forma, seriam bem mais extremas que os normais 0ºC de média nas terras baixas da costa sul e -10ºC nas terras altas do interior. Numa dimensão localizada, a intensa actividade vulcânica contribui para aquecer e preservar menos congeladas vastas áreas da ilha como os  vulcões, fumarolas e géiseres em redor do lago Myvatn, que não tardaríamos a explorar.

Ao longo do tempo, os islandeses aprenderam como nenhum outro povo a viver com a sua delicada geologia. E a manipularem a grande concentração de vulcões em favor da geração de energia geotérmica, aquecimento e alguma produção de electricidade.

São cinco as grandes centrais geotérmicas que produzem um quarto da energia da Islândia. Quase 90% dos edifícios do país têm aquecimento e água quente geotérmicos. Tendo em conta que 75% da electricidade do país tem origem hídrica percebe-se que os islandeses façam fé em que a sua nação deixe em breve de depender de combustíveis fósseis e o menos possível de todo o tipo de importações.

Mais tarde, viríamos a perceber que a estufa excêntrica que tínhamos estado a examinar era apenas uma de muitas, mantidas com calor vindo das profundezas da ilha. Fazia parte do tal plano ambicioso de sustentabilidade.

Devido ao curto período da Primavera-Verão, só os tubérculos e vegetais mais resistentes ao frio como as batatas, os nabos, as cenouras, e as couves podem ser cultivados ao ar livre. Estufas como aquelas aumentavam de número a olhos vistos em lugares estratégicos do país e permitiam gerar, em quantidades cada vez menos limitadas, tomates, pepinos, pimentos, flores, plantas e até bananas, uvas e uma outra iguaria tropical.

Como pudemos sofrer na pele, a sua produção ainda pouco alterava o preço do isolamento insular e setentrional da Islândia: “São 3500, ou 3700 ou 4000 coroas (24, 25 ou 27€)” informavam-nos educadamente os caixas dos supermercados em que nos abastecemos enquanto demos a volta à ilha. “Pagam em dinheiro ou em cartão?” De cada vez que ouvíamos o total, essa era a questão que menos nos preocupava. Invariavelmente, olhávamos para o cesto e tentávamos perceber se lá tínhamos colocado algo por engano ou cometido algum exagero. Mas não. Confirmava-se apenas o pouco que desejávamos. Enchíamos o saco, virávamos as costas e prosseguíamos viagem conformados e sempre entusiasmados pela imponência geológica quente e fria daquelas paragens.

Depois de termos dado a volta à ilha, instalámo-nos em Reiquejavique de onde passámos a partir para incursões estratégicas aos domínios imperdíveis em redor. Numa delas, parámos no vale de Haukaladur. Existem três outros vales com o mesmo nome na Islândia mas só este acolhe uma vasta área geotermal que os colonos viquingues relataram, em 1294, que ser terá formado pouco tempo antes por acção sísmica. Aliás, os tremores de terra continuam a activar e desactivar estas fontes, como aconteceu alternadamente em Julho de 2000.

Lemos antecipadamente que eram dois os géiseres mais famosos no vale, o Strokkur e outro, o Geysir (termo derivado do verbo geysa do antigo norueguês para jorrar). O Geysir provou-se o primeiro géiser a ser conhecido pelos europeus modernos, descrito em obra impressa e que acabou por ser adaptado como a nomenclatura mundial do fenómeno.

Ora, cedo percebemos que era tão famoso quanto caprichoso. Por norma, só irrompia em quatro ou cinco ocasiões solenes diárias. Não hesitámos, assim, em nos dedicarmos ao mais sociável Strokkur. Vimo-lo brotar cinco ou seis vezes em menos de uma hora, a mais de 20 metros de altura e ainda fomos baptizados por borrifos da sua água escaldante e sulfurosa.

No fim dessa tarde, regressávamos à capital quando fomos surpreendidos pelo cenário malhado do planalto de Hellisheidi nevado mas não muito, colorido por retalhos de solo vulcânico castanho que o novo ocaso tardio transformava lentamente em ocre.

Conduzimos a um dos pontos mais altos desta chapada. Dali, apreciámos como o lusco-fusco se apoderou lentamente da central geotérmica homónima – a maior do Mundo –, situada junto ao vulcão de Hengill e deu origem a novo panorama extraterrestre. Nem a geotermia nem a quase ficção científica islandesa se ficariam por aí.

“Se não gostam do tempo na Islândia, esperem só um minuto”, professa um dos ditados mais populares da nação. Mas, já tinham decorrido bastantes mais horas do que estávamos dispostos a conceder e uma das atracções da ilha que melhor poderia compensar a má meteorologia continuava à nossa disposição. Dedicámos-lhe toda a manhã seguinte.

Passamos pelo portal sofisticado da sua recepção e subimos ao terraço panorâmico. Daquele cimo, espantamo-nos com a visão surreal de centenas de banhistas em puro deleite, subsumidos na água da Bláa Lonid, a lagoa azul de Grindavik. Ao longe, já no extremo oposto da lagoa, isolada por lajes abrasivas de lava, vislumbramos a quarta maior estação geotérmica da Islândia, a de Svartsengi. Em plena operação, as chaminés desta central lançavam nuvens de vapor que se juntavam às celestes.

Descemos para os balneários e juntamo-nos a uma multidão internacional e anfíbia. A temperatura da água oscila consoante a distância das fontes que a libertam. Por norma, está perfeita mas, de quando em quando, algumas caldeiras sobreaquecem certas secções. Ainda rimos a bom rir com a debandada de um núcleo de senhoras, aflitas com uma cozedura imaginária. Apesar de água mal passar da cintura, dois nadadores salvadores limitam-se a divertir-se com a situação, recorrente e pouco preocupante.

Eva e Guthrun, representantes da lagoa também elas com máscaras faciais de argila ou afins e munidas de tabuleiros com taças abordam os banhistas e convencem-nos a testar substâncias que afiançam embelezar qualquer pele. “Experimentem esta!” desinquietam-nos. É uma espécie de botox natural islandês!”

Entretanto, uma saraivada fulminante expulsa-nos a nós, às jovens vendedoras e aos restantes clientes balneares do caldo vulcânico. A tormenta prova-se de pouca dura. Ainda caía um granizo diminuto quando os primeiros islandeses começaram a regressar àquele seu famoso afago geotermal. 

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d'água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Sirocco
Arquitectura & Design

Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela estética e pelo modernismo inspirada pela vizinha Escandinávia.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Aos repelões
Cerimónias e Festividades

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Danças na Catedral
Cidades

Antigua, Guatemala

Guatemala à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Silhuetas Islâmicas
Cultura

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Em Viagem
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Telhados cinza
Étnico

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Canal de Lazer
História

Amesterdão, Holanda

Numa Holanda Surreal (Sempre a Mudar de Canal)

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato. 

Passagem
Ilhas

Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Victoria falls
Natureza

Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As quedas d'água que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua raínha

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Sal Muito Grosso
Parques Naturais

Salta e Jujuy, Argentina

Nas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.

Memória cruel
Património Mundial Unesco

Hiroxima, Japão

Uma Cidade Rendida à Paz

Em 6-8-1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.

Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Perigo: correntes
Praia
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Àgua doce
Religião

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Travessia ao ocaso
Sociedade

Lago Taungthaman, Myanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein carece de cuidados especiais.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Acima de tudo
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.