Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi


Vendedores de Tsukiji

Vendedores a postos nas suas bancas do mercado de peixe de Tsukiji.

Carros Eléctricos

Trabalhadores conduzem carros eléctricos de transporte e carga.

Banca

Vendedor atrás de uma montra exuberante de peixe e marisco no mercado de Tsukiji.

Preço do peixe

Preços do peixe afixado de forma vistosa em exemplares de cada espécie.

Carga de Gelo

Funcionário abastece-se de gelo.

Peixe & Marisco

Montra de peixe e marisco.

Comprador

Comprador examina um peixe bem guardado numa caixa de esferovite.

O Caixa

Trabalhador responsável pela caixa de um stand.

Cabeças de peixes

Jovem empregado de um stand corta cabeças de peixes.

Loja genérica

Trabalhadores fazem compras numa loja não piscícola do mercado de peixe de Tsukiji.

Vendedores de Tsukiji II

Vendedores a postos nas suas bancas do mercado de peixe de Tsukiji.

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Se dúvidas restassem, a atracção exercida sobre os gaijin (estrangeiros) de visita a Tóquio comprova a excentricidade deste vasto mercado. Como nós experimentámos, todos os dias, centenas de almas curiosas dos quatro cantos do mundo saem dos seus hotéis e guest-houses nas primeiras horas ainda escuras da madrugada, tão ensonadas como entusiasmadas por nova incursão nas particularidades civilizacionais da capital japonesa. O encerramento do sistema de metro pouco depois da meia-noite obriga a maior parte a usar os dispendiosos táxis da cidade. Mas não demora até que cada centena de ienes extra e as horas de sono perdidas sejam compensadas.

Por volta das três da manhã, cerca de 2300 toneladas de peixe, marisco e algas começam a chegar ao vasto complexo de Tsukiji em descargas incessantes e são preparadas para a venda em lota que se segue. Os trabalhadores içam enormes atuns e peixes-espada, cortam e transportam blocos de gelo em pequenas carroças por eles puxadas ou sobre a grade traseira de velhas pasteleiras e passam de mão em mão caixas e tanques com espécimes de peixes e moluscos tão estranhos quanto vivos.

Os tons quentes do sol nascente espalham-se finalmente no céu limpo e sente-se fluir a energia produtiva que permitiu que, em apenas duzentos anos, Tóquio se desenvolvesse de um mero pântano até à metrópole em que se tornou, a mesma energia que alimenta e mobiliza a maior cidade do mundo.

De 11 de Março até 26 de Julho 2011, o acesso dos estrangeiros esteve interdito devido aos danos provocados nos edifícios pelo grande tremor de terra de Sendai. Quando o visitámos, só era possível entrar a partir das cinco da manhã e  o acesso à lota dos atuns – um dos espaços mais procurados – era concedido a apenas algumas dezenas de felizardos por dia.

Ali surgem, alinhados segundo o tipo e proveniência, centenas de espécimes de atuns congelados e fumegantes devido à diferença da sua temperatura face à ambiente. E, a partir do momento em que soa o sino da abertura da lota, ali são arrematados por preços exorbitantes que, consoante a excelência da sua carne, podem ascender a 8.000 euros, como acontece com certos peixes-espada e com atuns-rabilhos de grande porte e um otoro (parte mais gorda da barriga, localizada abaixo da barbatana peitoral) irrepreensível, a matéria-prima sempre disputada do melhor sushi e sashimi da nação dos imperadores.

As famílias de alguns vendedores e funcionários trabalham no mercado para cima de dez gerações. A de Shiro Kamoshita, 61 anos, está presente há apenas três o que não o impediu de se estabelecer como um intermediário de sucesso, apto como poucos a avaliar o peixe que lhe passa pelos olhos: “Um bom atum é como um lutador de sumo. Um lutador de sumo come imenso mas como se exercita muito, tem muito músculo e a gordura em redor é suave. Com o atum, passa-se exactamente a mesma coisa.”

Gritados num japonês mais imperceptível que nunca, os negócios processam-se segundo um protocolo sagrado mas nem sempre respeitado pelos turistas que, de tempos em tempos, não resistem a tocar nas peças expostas e irritam os proprietários, os compradores e as autoridades do mercado provocando novas e desnecessárias restrições de acesso.

Segundo nos informaram, as regras mudam consoante os acontecimentos e as pressões opostas dos intervenientes sem qualquer vantagem na presença dos estrangeiros e dos donos dos restaurantes do complexo. Estes, aumentam a sua facturação sempre que os gaijin são atacados pela fome e devoram as suas refeições. E quando os frequentam com o propósito superior de provarem o sushi e sashimi mais frescos e genuínos do Japão, os mesmos que são vendidos nos restaurantes luxuosos da zona multimilionária de Ginza, mais de 12 horas depois (parte de jantares tardios) a 400 euros por dose. Ou uma série de outros pratos menos famosos mas bem mais desafiantes como o fugu, uma iguaria confeccionada a partir de peixe-balão e que pode ser letal caso o cozinheiro responsável não remova convenientemente os órgãos que concentram um veneno para que não existe antídoto, a tetrodotoxina.

Outros acidentes são constantemente evitados no mercado de peixe de Tsukiji. Centenas de pequenos carros eléctricos com visual enferrujado de adereços do “Espaço 1999” são conduzidos por trabalhadores que se mantêm em constante alerta para nos contornarem e a colegas ocupados ou distraídos. Peixeiros de facas em riste cortam enormes barbatanas para contentores ensanguentados enquanto funcionários previnem avalanches em pilhas de caixas de esferovite vazias. 

Apesar da quantidade de peixe e marisco presente o aroma característico destas criaturas é estranhamente ténue ao que não é alheia a obsessão japonesa pela higiene e anti-sepsia. Todas as bancas estão organizadas sem mácula e os produtos – incluindo alguns resultantes da controversa pesca da baleia japonesa – surgem sobre camadas generosas de gelo picado, embalados por celofane e em arcas frigoríficas sofisticadas ou, se ainda vivos, em contentores com água salgada. Folhas de cartolina espessa asseguram a identificação das espécies com grandes caracteres bem visíveis assim como o preço que, quase sem excepção, não deve ser regateado.

Um dos poucos vendedores que fala inglês pergunta-nos de onde somos e apressa-se a identificar Portugal num planisfério que mantém afixado num tecto baixo da sua banca. “Portugal? Muito bom peixe e marisco! E, se bem me lembro dos meus tempos passados nos mares, comem quase tanto como nós.”

O consumo per capita de peixe japonês, como o português, é exemplar, ultrapassado apenas por nações insulares com centenas de milhares de habitantes como a Islândia ou outras menores e bastante menos desenvolvidas como as Maldivas e Kiribati.

Mas, apesar da tonelagem ainda fornecida pelo mercado de Tsukiji, desde o fim do século XX que a quantidade de atum ali vendido – e o Japão consome cerca de um terço da produção mundial –  tem vindo a decair até se ficar apenas pelos 11%, prejudicada pela opção das grandes superfícies de comprar directamente na fonte, algo facilitado pela evolução nas comunicações e pela consolidação do retalho.

Em simultâneo, o peixe comprado por Kamoshita e pelos colegas já não é pescado exclusivamente nas águas ao largo das quase 7000 ilhas japonesas. Mais de metade provém de vendedores tão longínquos como os de Port Lincoln, na Austrália ou Gloucester, Massachusetts. E para agravar a situação, as mulheres japonesas trabalham agora, cada vez mais, fora de casa. Como têm menos tempo para comprar peixe fresco, optam pela conveniência do peixe processado.

Estas mudanças têm ameaçado a subsistência dos pescadores, intermediários e vendedores japoneses como a qualidade do produto em geral.

Pescadores e estivadores cortam a cauda aos atuns expostos na lota para que os compradores possam examinar o teor de gordura e a cor da carne. E a origem do atum surge escrita em japonês numa etiqueta colocada na carcaça. Por norma, quando os atuns vêm de águas não nipónicas, é cortada uma porção extra. São peixes que passam mais tempo fora de água até chegarem ao mercado e, por isso, é necessário dar acesso extra para se investigar a carne convenientemente. 

Devido ao grande tremor de terra de Sendai, os respectivos tsunamis e a catástrofe de Fukushima perderam-se muitos pescadores e embarcações que abasteciam a capital e os receios de contaminação passaram a ser nucleares. Apesar de o governo ter proibido a pesca nas águas ao largo do nordeste do Japão, as transacções no mercado de Tsukiji e as importações de peixe e marisco japoneses diminuíram por efeito da popularização e internacionalização dos receios. Nos últimos meses, no entanto, o mercado de Tsukiji, como o Japão em geral tem vindo a recuperar e, como acontecia há séculos, recomeça a abastecer a grande capital nipónica.

Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.

Sem corrimão
Arquitectura & Design

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Nana Kwame V
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Gang de 4
Cidades
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Creepy-Graffiti
Cultura

The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Sal Muito Grosso
Em Viagem

Salta e Jujuy, Argentina

Nas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.

Tribal
Étnico

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Wall like an Egyptian
História
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Pacífico celestial
Ilhas
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Esqui
Inverno Branco

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Por Chame
Natureza
Circuito Anapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Água grande
Parques Naturais

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

As Cores da Ilha Elefante
Património Mundial Unesco

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Brigada incrédula
Praia

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Cortejo Ortodoxo
Religião
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Noite Pachinko
Sociedade

Tóquio, Japão

O Vídeo-Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Devils Marbles
Vida Selvagem

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.