PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias


Torres del Paine I

Estrada de terra batida conduz a um dos lagos que cercam as Torres del Paine.

De vigia

Um guanaco examina a estepe em redor de um ponto alto da encosta.

Um Grey azul

Escultura da frente do glaciar Grey, um braço do grande Campo de Gelo da Patagónia do Sul.

Torres del Paine I

Um dos muitos ângulos possíveis do fulcro geológico do Parque Nacional Torres del Paine.

Gelo ao balde

Membros da tripulação passam gelo recolhido no lago Grey para o convés do barco, durante uma navegação em frente ao glaciar Grey.

Frio Austral

Névoa envolve picos semi-nevados da cordilheira de Paine.

Intimidade frígida

Comandante do barco dentro da sua cabine e passageiro admira o glaciar Grey a pouca distância.

Max. 6 Persona

Ponte suspensa sobre o rio Grey, à saída do lago homónimo.

Vistas majestosas

Passageiros de um dos barcos que navegam o lago Grey até à frente do glaciar com o mesmo nome admiram os cenários em redor. 

Auto-aconchego

Raposa dormita e tenta manter-se quente após uma das frequentes chuvas da cordillheira de Paine.

Verde de Degelo

A água esverdeada do lago Nordenskjöld, um dos vários no Parque Nacional Torres del Paine.

Um Pedaço de Frio

Pequeno iceberg solto do grande glaciar Grey.

A gruta da preguiça

Em 1890, Hermann Eberhard descobriu na  Cueva del Milodón vestígios de uma gigantesca preguiça pré-histórica, que teria até 4 metros de altura. 

Pampa ovina

Rebanho de ovelhas preenche uma enorme mancha da pampa a perder de vista da Patagónia em redor do Parque Nacional Torres del Paine.

Um Grey azul II

A frente do vasto glaciar Grey aparece detrás de uma laje da Cordilheira de Paine.

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Punta Arenas, a capital da 12ª região do Chile, a de Magallanes y Antárctica Chilena situada no estreito que viabilizou ao explorador português a travessia pioneira do oceano Atlântico para o Pacífico, estava a quase 200 km para sul. No pequeno cybercafé israelita de Puerto Natales, éramos demasiados os viajantes contemporâneos agarrados aos velhos computadores. A navegação na Internet podia comparar-se àqueles dias – às vezes semanas – desesperantes para os comandantes e tripulações das embarcações em que não soprava sequer uma brisa. As discussões estéreis com Moshe, o dono pouco paciente do estabelecimento sucediam-se.

Já nada nos surpreendia aquela diáspora de jovens judeus, também ali, no fundo da Terra. Em tempos dependente das exportações de lã, de carne e de peixe, Puerto Natales beneficiou da crescente popularidade do vizinho Parque Nacional Torres del Paine e tornou-se no seu portal. Ainda mais quando a empresa estatal NAVIMAG começou a admitir a bordo viajantes estrangeiros e, além dos modos tradicionais de chegarem, estes passaram a chegar vindos, por mar, do norte, de Puerto Eden.

Os israelitas são conhecidos por se instalarem em lugares pouco dispendiosos e que sabem, de antemão, que fazem ou farão, em breve, parte dos itinerários incontornáveis dos seus compatriotas.  No que dizia respeito às Torres del Paine, não eram só os hebreus adolescentes que as idolatravam, era o universo dos aventureiros e curiosos pelo mundo. De acordo, apressámo-nos a despachar os preparativos logísticos em falta e deixámos a cidade ribeirinha e então soturna atraídos pelo magnetismo das montanhas mais fotogénicas e majestosas da vasta Patagónia.  

A primeira abordagem rodoviária àquele domínio de granito começou por nos sublinhar a insignificância, à medida que a carripana subia, a muito esforço, as ladeiras de terra batida desprotegidas de eventuais quedas por longas ribanceiras. Mais para diante, cruzámos a porteria da Laguna Amarga e a Ponte Kusanovik. Já instalados e a pé, passámos para o trilho principal circular que contorna os principais picos e os pequenos glaciares entre eles abrigados. Expostos aos elementos, sentimos o vento veloz de oeste, ainda mais cortante, nas faces, devido à temperatura quase congelante que se fazia sentir.

Caminhá-lo na íntegra, pode demorar de sete a nove dias intermediados com repouso em acampamentos ou refúgios e, como pudemos testemunhar, sujeitos a meteorologia caprichosa e por vezes inclemente que tanto pode significar as quatro estações numa tarde, como dois dias de chuva ou neve quase ininterruptas.

Esse é um castigo suave se tivermos em conta a beleza dos cenários. As Torres del Paine (Monzino, Central e D’Agostini) são o centro de tudo. Erguem-se quase na vertical a aproximadamente 2800 metros acima da estepe da Patagónia, cada qual com a sua altitude. A Paine Grande atinge os 3050 metros e os picos de Los Cuernos 2200 a 2600 metros. Sob um céu nublado, revelam-se algo acinzentados mas, quando a luz crepuscular neles incide, tinge-os e à restante montanha de tons quentes que afagam a alma de quem quer que os admire.

Apesar de, hoje, o Parque Nacional Torres del Paine ser um dos mais visitados do Chile e uma paragem incontornável dos itinerários aventureiros da Patagónia ou da América do Sul, durante muito tempo permaneceu no mais absoluto anonimato.

Até à chegada dos primeiros colonos europeus, os nativos Alacalufes, Onas e Tehuelches viviam do que caçavam, pescavam e recolhiam da natureza. Nem os colonos que quase os exterminaram conseguiram ultrapassar a dureza do clima e do solo que tornavam qualquer tipo de tentativa agrícola impossível. Já a pecuária foi um caso diferente. A área actual do parque fez parte de uma das muitas herdades ovelheiras que ocupavam aquelas paragens da Patagónia. Quase só os colonos e alguns indígenas tinham tido o privilégio inconsciente de admirar Paine e os seus panoramas únicos. O nome do lugar tinha, aliás, sido dado por um grupo dos últimos, os Tehuelches, inspirados pela tonalidade azul predominante das suas lagoas gélidas. Mas o isolamento não foi absoluto. Ao longo do tempo, alguns visitantes foram chegando.  

Lady Florence Dixie, viajante, escritora, correspondente de guerra e feminista britânica destacou-se num grupo que se crê ter sido o dos primeiros turistas da zona e, no seu livro de 1880, baptizou as três torres de Paine de “Agulhas de Cleópatra”. Nas décadas imediatas, vários cientistas e exploradores europeus se seguiram até que, em 1959, o parque nacional foi estabelecido primeiro como Nacional de Turismo Lago Grey, e, em 1970, com o nome actual.

Oito anos depois, a UNESCO nomeou-o Reserva Mundial da Biosfera e a fama do lugar atingiu novas proporções. Hoje, exploram-no 150.000 visitantes por ano, 60% dos quais são estrangeiros.

Caminhamos nas imediações da base da torre Sur quando avistamos um bando de guanacos atentos à intrusão de criaturas inesperadas no seu vasto território. Com a vista apurada que têm, os camelídeos depressa sentiram o alívio de se tratarem de humanos e não dos pumas que os predam com grande voracidade, como às ovelhas e aos potros tresmalhados. Os guanacos e os pumas convivem, em Torres del Paine, com os lamas, as emas, flamingos, condores e muitas outras espécies animais, algumas endémicas.

Enquanto caminhamos vamos constatando a riqueza frígida do  ecossistema que os acolhe composto de estepe, florestas de coníferas, rios, lagos e glaciares. Alguns dos ventisqueros do parque – como preferem chamar os sul-americanos das vizinhanças aos glaciares devido à tendência que têm em canalizar o vento – são reduzidos e muito dissimulados entre os picos rochosos. É o caso do Serrano. Outros, são braços do gigantesco campo de gelo da Patagónia do Sul (em que a Argentina e o Chile continuam a debater as suas fronteiras) e têm dimensões a condizer. O Grey é um destes. Naquela altura, a sua frente permanecia acessível de barco através do lago homónimo. Aproveitámos a benesse e não tardámos a abordá-lo.

Nuvens escuras como breu cobrem a Quebrada de los Vientos e dispersam-se sobre as águas cada vez mais agitadas. Mesmo assim, temos ordem de embarque. Pouco depois de zarparmos, o Grey parece crescer e agita-se sob a tempestade que se desenrola mas que nos limitamos a apreciar quase como se do interior de uma cuba de máquina de lavar a roupa, protegidos pelos vidros reforçados do barco.  

O dilúvio termina em três tempos. A meio caminho da frente do glaciar, a chuva pára e o céu limpa-se para gáudio dos passageiros. Subimos de imediato para o cada vez mais disputado convés. Num ápice, temos a vista inaugural dos sete quilómetros de largo do glaciar, ainda distantes, mas já impressionantes, encaixados entre as falésias da cordilheira de Paine.

O comandante aproxima-se o mais que pode do gelo, em câmara lenta. Aos poucos, vemos o azulão e a dimensão esmagadora daquele incrível fenómeno intensificar-se e a temperatura descer para graus negativos de rápido enregelamento.

“Agora vamos fazer silêncio absoluto, amigos, por favor ”. A tripulação volta a afastar-nos para distância segura e pede aos passageiros que parem de cochichar de maneira a que pudéssemos ouvir o crepitar do glaciar e assistir ao estrondo da próxima derrocada. Mas o desabamento demora e desilude pelo que decidem passar ao próximo número. Dois deles saem num pequeno zodiac e capturam fragmentos diminutos de gelo do lago. No regresso ao barco principal, inauguram uma palestra acerca das águas congeladas milenares que já tínhamos presenciado, semelhante, noutros glaciares e a que não tomámos a atenção devida. Pouco depois, teve início a viagem de regresso e a tormenta retomou o seu acto.

Mais que não resistirem ao chamamento desta natureza crua e poderosa do fim do mundo, algumas personagens responderam-lhe e eternizaram-na com o melhor da sua arte. Um dos mais associados à Patagónia e a estas paragens de Magallanes foi o escritor inglês Bruce Chatwin.

Ao serviço da Sunday Times Magazine, Chatwin viajou no contexto de frequentes reportagens internacionais. Em 1972, entrevistou a arquitecta e designer de 93 anos Eileen Gray, no seu salão de Paris. Entre a decoração do salão, chamou a atenção de Chatwin um mapa da Patagónia que a entrevistada havia pintado. “Sempre lá quis ir.” disse-lhe Chatwin. Ao que Gray respondeu: “Também eu. Vá lá por mim.” 

Passados dois anos, Chatwin foi mesmo. Voou até Lima e atingiu a Patagónia um mês depois. Explorou a região por alguns meses e reuniu histórias e peripécias alegadamente de pessoas que se lá instalaram chegadas de outras partes. Em 1977, publicou “Na Patagónia”, uma narrativa em redor de uma demanda sua por um pedaço de brontossauro que havia sido deitado fora do escritório dos seus avós anos antes. A obra fez de Chatwin um dos escritores britânicos mais conceituados do pós-guerra. No entanto, aos poucos, os residentes das zonas narradas foram negando grande parte das personagens e conversas descritas por Chatwin o que transformou a sua obra em ficção.

Bruce Chatwin morreu de SIDA em 1989. “Na Patagónia” continuou a inspirar milhares de aventureiros a explorarem a região. O livro tem sido um bom aliado das imagens do Parque Nacional Torres del Paine que entretanto se globalizou.

Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

San Pedro de Atacama, Chile

O Oásis dos Gringos

Os conquistadores espanhóis tinham partido e o comboio desviou as caravanas de gado e nitrato. San Pedro recuperava a paz mas uma horda de forasteiros à descoberta da América do Sul invadiu o pueblo.

Ilha Robinson Crusoe, Chile

Na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe

Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.

Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.

Pucón, Chile

A Brincar com o Fogo

Pucón abusa da confiança da natureza e prospera no sopé da montanha Villarrica.Seguimos este mau exemplo por trilhos gelados e conquistamos a cratera de um dos vulcões mais activos da América do Sul.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Aventura
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Pesca Preciosa
Cidades

Colónia del Sacramento, Uruguai

Um Vaivém Colonial

A fundação de Colónia del Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
1º Apuro Matrimonial
Cultura

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Épico Western
Em Viagem

Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos E.U.A. Hoje, na Navajo Nation, os navajos também vivem na pele dos velhos inimigos.

Insólito Balnear
Étnico

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Entrada para a Cidade das Areias de Dunhuang, China
História
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia
Ilhas
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Convívio masai
Natureza

Masai Mara, Quénia

Um Povo Entregue à Bicharada

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Ijen-Inferno
Parques Naturais

Vulcão Ijen, Indonésia

Escravos do Enxofre

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.

Fuga de Seljalandsfoss
Património Mundial UNESCO
Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d’água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.
De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Religião
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Perigo de praia
Vida Selvagem

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.