Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia


Jesus Cristo SuperEstrela
Topo do frontão da catedral Mary Help of Christians, em Shillong.
Selfistan Humara
Amigas preparam uma selfie ao lado do anúncio do telemóvel Gionee A1 ("O nosso selfiestan")
Motoboyzz
Motas e motoretas na noite natalícia de Shillong
Ajuda de Maria II
Freira passa em frente à catedral catedral Mary Help of Christians.
Insólitos natalícios
Mais experiências fotográficas em redor das iluminações de Natal no centro de uma rotunda de Police Bazaar.
Jingle Lights
Experiências fotográficas em redor das iluminações de Natal no centro de uma rotunda de Police Bazaar.
Bombay Saree Sale
Cena de rua multicultural em Police Bazaar.
Mascarada natalícia
Vendedor de máscaras, na tarde de trabalho em Police Bazaar, a 25 de Dezembro.
Estrelas cristãs
Cruzes coloridas, simbólicas da fé da grande maioria dos habitantes do estado indiano de Meghalaya.
Passeios de barco & selfies
Famílias divertem-se no Ward Lake, um lago de Shillong, cercado de um parque verdejante.
Natal de todas as cores
Vendedor de balões iluminado pelas luzes de Natal que decoram uma rotunda no coração de Police Bazaar, a área comercial de Shillong.
Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.

Domingo, dia 24.

Véspera de Natal. Encontramo-nos com Don junto à entrada para uma tal de Elephant Waterfall que, em plena época seca, não nos damos ao trabalho de espreitar. Seguimos juntos para a floresta sagrada de Mawphlang, uma das áreas sombrias e místicas das East Khasi Hills, repleta de monólitos e pedras de sacrifício forradas de musgo, durante a longa época das chuvas de Meghalaya, muito mais que o que encontramos. Os nativos consideram-na a morada dos seus deuses ancestrais.

Calculamos, assim, que os piqueniques a que a populaça khasi e forasteira se entrega na grande clareira à sua entrada sejam por eles abençoados. Um grupo de estudantes estridentes faz-se fotografar junto de um trio de menires cerimoniais. A inesperada agitação deixa uma pequena manada de vacas em sobressalto. Também nos surpreende a nós, acabados de sair do reduto silencioso e esotérico da mata.

Deixamos Mawphlang decididos a investigar o Shillong Viewpoint, um ponto à beira da Upper Shillong Forest que permite contemplar o vale verdejante em que se aninhou a capital, o seu casario exótico e o disseminado pelos arredores.

Don sabia que o lugar era popular por aquela altura do ano. “Mas nunca imaginei que isto agora fosse assim!” desabafa afectado com a fila de trânsito assistida por vendedores oportunistas de bebidas e snacks com que nos confrontamos a caminho do miradouro, mesmo assim, muito inferior às habituais à entrada e à saída de Shillong. “Bom, se aqui ficamos à espera, nunca mais… Vamos deixar o carro. Caminhamos até ao portão e já vemos se vos deixam ou não entrar.”

Confirma-se aquilo de que vínhamos avisados. Estratégico, o lugar fora ocupado por uma Base da Força Aérea da Índia. Em tempos, os militares chegaram a autorizar a entrada de estrangeiros, mas, com a rivalidade com o Paquistão e a China a agravar-se a olhos vistos, essa concessão foi suspensa. Uma vez que estávamos em visita de trabalho em parceria com as autoridades turísticas de Megahalaya, tínhamos esperança de que nos abrissem uma excepção. Só que o apelido Wong da Sara atrapalha. Malgrado o diálogo cortês com o oficial de serviço e os telefonemas que se digna a fazer, ficamos à porta. Ainda vasculhamos o pinhal em redor da vedação em busca de uma vista alternativa.

De Volta a Shillong, de encontro ao Natal Indiano

Por razões óbvias, a Força Aérea ocupava o acesso ao extremo panorâmico de onde podia controlar o que se passava em Shillong e na vastidão para norte. Só os indianos lá podiam chegar. Aos poucos, as centenas de famílias dos estados vizinhos de Assam, de Arunachal Pradesh e de Bengala Oriental de férias em Meghalaya viam a sua passagem aprovada. Acumulavam-se no ponto de observação e piqueniqueiro que não chegámos sequer a vislumbrar.

Invertemos o rumo. Voltamos ao carro. Com a hora de almoço e a tarde da véspera de natal a coincidirem, regressamos ao nosso próprio quartel-general da capital, o hotel Pinewood, um dos mais antigos de Shillong, construído por um casal suíço durante o século XIX, em pinho vermelho e teca birmanesa, num jeito que combina influências germanófilas com o estilo habitual das velhas Hill Stations britânicas. Pelo caminho, num outro edifício à beira da estrada, reparamos numa cerimónia disfarçada de missa do galo vespertina.

A cristianização dos khasi teve início no século XIX, por acção dos colonos britânicos e dos seus missionários. Provou-se de tal forma influente que Meghalaya é, hoje, um dos três estados da Índia com maiorias cristãs inequívocas: Nagaland e Mizoram contam com 90% de cristãos nas suas populações; Meghalaya, com 83%. Estes estados têm igrejas e rituais cristãos a condizer, como a celebração do Natal que já há algum tempo víamos e sentíamos intensificar-se.

Isto não quer, no entanto, dizer que todos os khasi tenham abandonado de vez as suas antigas crenças. Alguns, combinam-nas com o Cristianismo. Outros, são mais radicais e apologistas da pureza das primeiras. A Seng Khasi, uma organização fundada em 1899, mas que tem conquistado recentemente bom número de novos seguidores, advoga uma alternativa ao contágio civilizacional do Ocidente e o regresso à identidade khasi, à fé e aos rituais pré-coloniais. É sua a bandeira com um galo verde sobre uma circunferência branca central (simbolizadora da Terra), cercada de vermelho que vemos esvoaçar acima dos seguidores da convenção.

A Seng Khasi defende e difunde a crença mitológica khasi de que, a determinada altura, os seres vivos sofreram uma longa era de escuridão e desespero causada por, a determinada altura, o sol se ter escondido nas trevas e deixado de iluminar e aquecer a Terra. Então, um galo eremita, U Malymboit Malymbiang, acabou por se ver indigitado em último recurso entre várias criaturas, para resolver o drama. Foi vestido e embelezado com os melhores cosméticos, de maneira a que a sua personalidade, aura e capacidade de influência saíssem reforçadas. Ao contrário dos sucessivos candidatos anteriores – um elefante, um tigre e até um calau que se veio a revelar individualista e trapaceiro –  o galo levou a cabo a missão com a subserviência e honestidade que dele se esperava. Tão indigno, quanto indigno se achava, prostrou-se perante Sua Majestade. A abordagem humilde do emissário asado convenceu o Sol. O grande astro voltou a conceder o seu brilho à Terra.

Deste mito resultou o louvor khasi pelo galo, o símbolo nuclear da Seng Khasi, um guia que, entre vários outros princípios seculares, ilumina os khasi no trilho da verdade, da dignidade e da honra, em cada pensamento, em cada acção.

Como era de esperar num dia em que contava ter a tarde para descanso, o motorista nepalês Sharma estava desejoso de nos ver pelas costas, algo que o engarrafamento que começara ainda bem distante de Shillong só adiava. Não nos pudemos, assim, deter e espreitar a convenção. Por volta da uma da tarde em ponto, ficamos, enfim, por nossa conta. Almoçamos momos, sopas Laksa de tofu e fried rice num tal de Bamboo Hut. Após o que recolhemos ao aconchego do quarto 309 no State Convention Center do PineWood Hotel.

Eram já vários os dias de exploração de Meghalaya seguidos em que saíamos às sete e meia ou oito da manhã e regressávamos, extenuados, já de noite. Entregamo-nos, assim, a um merecido descanso. Só voltamos a deixar o quarto para uma ceia pré-reservada que, com recurso obrigatório ao menu indiano e indiano-khasi, tentamos fazer passar por natalícia, como o era a iluminação prolífica à entrada do hotel.

Segunda, dia 25.

A grande esforço, despertamos às 8h30 e disparamos para o edifício de madeira principal do hotel. Se a ceia se havia comprovado pouco condizente da época como a conhecíamos, que dizer do pequeno-almoço. Tal como na noite anterior, a sala estava à pinha de famílias indianas de férias, cada qual mais buliçosa que a outra. Todas em disputa acesa pelas dosas, pelos idlis (bolos de arroz) pelo sambhar (guisado de vegetais, sobretudo lentilhas) pelas chapatis e parathas (espécie de pães lisos ou panquecas) e afins.

Nós, voltamos a combinar milktea, café, torradas e parathas barradas com doce ou omeletes a cavalo, com bananas. Voltamos ao quarto para trabalhar um pouco mais nos portáteis. Às duas da tarde, ganhamos coragem e saímos para Shillong, de novo em modo fotográfico. Atravessamos o Ward Lake em frente ao hotel. Cruzamos o parque vasto e verdejante em volta, repleto de mais famílias e namorados a viver o melhor da vida. Encontramos uma saída dissimulada no extremo oposto do parque que nos leva a uma estrada movimentada. Após umas centenas de metros nessa que era a Soso Tham Road, damos com a área de Police Baazar, o coração comercial de Shillong.

Em redor da Khyndailad Fountain e da sua rotunda decorada com renas, árvores de Natal e outros elementos da quadra feitos de fios eléctricos, pequenos empresários de rua provocam as crianças de passagem. Exibem-lhes cachos de algodão doce cor-de-rosa, balões e uma panóplia de bugigangas coloridas, incluindo um mostrador portátil de máscaras em que co-habitam a Minie, o homem-aranha e até um amacacado – como é suposto – Lord Hanuman. Os adultos merecem distintos iscos: milho, grão e amendoim torrados, vários outros petiscos de rua.

Metemo-nos por uma rua pedestre atafulhada por muitos mais vendedores ambulantes de tudo um pouco, muitos deles migrados do ali iminente Bangladesh. O sol poente já quase não entra nessa tal via. Procuramos e perseguimos os seus raros recantos requentados e a vida atarefada que por eles passava. Às tantas, fazemo-lo com tal entrega e entusiasmo que a missão nos sabe a prenda de Natal.

A Noite Natalícia de Shillong

Escurece. Arrefece. O néon na fachada dos edifícios do Centre Point Shillong e do Marba Hub – dois centros comerciais na orla da rotunda – destaca-se contra o céu azulão do lusco-fusco.

Não tarda, acendem-se os enfeites no interior gradeado da circunferência, já de si de acesso desafiante devido ao trânsito frenético que circulava em volta. Achamos, ainda assim, que o cenário urbano em frente cada vez mais garrido pelo néon merce um registo. Fazemo-nos à rotunda, passamos por cima do gradeamento e instalamo-nos a fotografar e a filmar. A nossa transgressão desperta a cobiça de alguns indianos que, munidos dos seus telefones, nos  seguem e imitam. Um jovem vendedor de balões  apercebe-se da comoção e aproxima-se para os impingir.

Às tantas, é já uma verdadeira multidão que disputa o interior mal relvado da rotunda e as suas iluminações. Sucedem-se selfies em todas as modalidades, para todos os gostos. São familiares, de grupo, individuais. Junto da árvore de Natal verde e da alaranjada. Cara-a-cara com a rena amarelada, feita com fios eléctricos e com hastes vermelhas que, apesar da fragilidade de ambas as criaturas, é fotografada até com bebés a cavalo.

Destacado da estrutura que sustem a abóboda celeste da galeria, numa publicidade a um telefone chinês com forte aceitação na Índia, Virat Kohli – o capitão da selecção indiana de criquete – tira a sua própria selfie . Selfiestan humara (o nosso Selfiestão) prega o anúncio, em dialecto urdu.

Sem esperarmos, sem sabermos bem como, seguidor após seguidor, era o que tínhamos gerado naquele retalho arredondado de Shillong: um excêntrico selfiestão de Natal.

Os autores agradecem o apoio na realização deste artigo às seguintes entidades: Embaixada da Índia em Lisboa; Ministry of Tourism, Government of India; Meghalaya Tourism.

Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.

Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.

Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.

Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.

Guwahati, India

A Cidade Prolífica que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.

Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.

Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção himalaia da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos creem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.

Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Cria(ra)m Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes vegetais deslumbrantes às futuras gerações.

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

Atherton Tablelands, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.

Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24s de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.

Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Aurora fria II
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades

São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré mas, Siga a Marinha.

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.

Street Scooter scene
Cidades
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Tatooine na Terra
Cultura

Sudeste da Tunísia

A Base Terráquea da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.

 

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Twelve Apostles
Em Viagem

Victoria, Austrália

No Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes de Melbourne, a estrada B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. E bastam alguns km para perceber porque foi baptizada The Great Ocean Road.

Deserto (Pouco) Branco
Étnico
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Repouso anfíbio
História

Mar Morto, Israel

À Tona d’água, nas profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha. 

Manhã cedo no Lago
Ilhas

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Frescura da manhã
Natureza
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Ijen-Inferno
Parques Naturais

Vulcão Ijen, Indonésia

Escravos do Enxofre

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.

Património Mundial Unesco
Quedas d'água

Admiráveis Caudais Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do Salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra catadupas de todos os tipos.
Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Pesca no Paraíso
Praia

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Cansaço religioso
Religião

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Colosso Ferroviário
Sobre carris

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Fim da Viagem
Sociedade

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilômetros de Nampula, fruta tropical é coisa que não falta.
Recanto histórico
Vida Selvagem

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.