Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias


Lagoas fumarentas

Lagoas e fumarolas na base do vulcão Tongariro.

Ascenção

Família de caminhantes kiwis sobe o trilho em direcção ao vulcão Tongariro.

Ngauruhoe 2291m

Placa sinaliza o monte Ngauruhoe, com 2.291 metros de altitude.

Montanhas de fogo

Encostas sulfúricas do vulcão Tongariro.

Caminhada em família

Família sobe o trilho pedregoso que conduz à base do monte Ngauruhoe.

Contemplação

Caminhantes contemplam o cume do monte Ngauruhoe.

Espelho vulcânico

Reflexo do vulcão Ngauruhoe numa lagoa de Tongariro.

Um cume à mão de semear

Monte Ngauruhoe e a placa que o identifica e informa da altitude de 2.291m do cume.

Vislumbre de Cume

Cimo do monte Ngauruhoe ainda pouco nevado após o fim do Verão meridional.

Silhueta solar

Silhueta de uma das montanhas do Parque Nacional Tongariro.

Conquista familiar

Família de caminhantes prestes a chegar ao topo do monte Tongariro.

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

A encarregada da guest house não tem boas notícias para os hóspedes ansiosos: “gostava de vos dar melhores notícias mas a coisa parece complicada. Está previsto para amanhã vento ainda mais forte. Se se confirmar, os rangers fecham o trilho.”< /p>

Afectados pela notícia e contagiados pelo desalento comunal que se instala, impressiona-nos o silvar poderoso, audível no interior apesar do isolamento do edifício. Percebemos, cada vez melhor, a razão de ser do nome polinésio atribuído pelos indígenas ao domínio que todos desejávamos percorrer. “Tonga” significava vento do sul. “Riro”, levado. Para mal dos nossos pecados, o padrão meteorológico não parecia disposto a dar tréguas. Devido à força com que persistia, tornava arriscada até a mera descoberta rodoviária dos cenários em redor.

Deixamos esse dia passar no conforto da pousada, entregues a distintos afazeres e prazeres online, a um convívio internacional e a bebidas aconchegantes. Para não variar, deitamo-nos tarde. Temos mais dificuldade que o costume em despertar com a alvorada mas, curiosos para verificar que fortuna traria o novo dia, acabamos por nos obrigar a levantar. Espreitamos pela janela embaciada e não vemos já o balouçar da vegetação. O céu permanece tão limpo quanto antes mas, com o vento desistente, foi-se também a poeira que antes esvoaçava. Mal acreditamos naquela benesse dos deuses maori. Arrumamos nas mochilas o que temos que levar e fazemo-nos à estrada.

Chegamos em três tempos à entrada do parque. Estacionamos e interpretamos o painel com o mapa do trilho e restantes avisos. Entusiasmados pela significância daquela caminhada, inauguramos os 20 km do Tongariro Alpine Crossing.

As primeiras centenas de metros são planas, percorridas sobre um passadiço de madeira, entre arbustos amarelados resistentes. Mas, a determinada altura, o trilho rende-se à pedra-lava e faz-se às montanhas. Entregamo-nos ao coração fumegante de Te Ika A Maui, a ilha do norte da Nova Zelândia.

Mais que um mero vulcão, o reduto de Tongariro consiste num maciço vulcânico que agrupa 12 cones em redor do monte homónimo que chega aos 1978 m. Foi cedido pelo chefe maori todo-poderoso Te Heuheu Tukino aos colonos europeus de forma a apaziguar conflitos já duradouros e evitar a exploração comercial do lugar, com a exigência única de respeito pelas crenças indígenas.

Aos poucos, acercamo-nos da sua base e o trilho transforma-se numa rampa tão sinuosa como dolorosa. Eleva-nos a um planalto castanho, semi-nevado e à proximidade do vizinho ainda mais elevado, o Ngauruhoe, um colossal cone secundário do Tongariro que entrou em erupção em mais de 70 ocasiões, desde 1839, mas que, ao contrário do principal, se tem mantido tranquilo.

Durante 2012, foram duas as erupções de monta do Tongariro. A segunda, no fim de Novembro, seis meses após a inaugural, obrigou o professor Lomi Schaumkel e um grupo de 90 alunos que se encontravam a apenas 1 km da cratera a correr, preocupados como nunca, pela vida: “estávamos bem próximos e foi realmente espectacular e assustador ver toda a cinza a ser projectada. Parecia uma daquelas explosões de bomba atómica. Fez um som subterrâneo impressionante.” 

Nessa ocasião, as autoridades tiveram que evacuar outras 40 a 50 pessoas do trilho por que continuávamos a avançar. Não foram esses os únicos percalços. A uma escala bem mais contida do que se passou com o congénere islandês Eyjafjallajokull, a erupção do Tongariro causou também a interrupção de grande parte tráfego aéreo neozelandês.  

Encontramos na encosta que nos desgasta, dois ou três grupos de trampers que recuperam energias a devorar barras energéticas e chocolates junto às placas de orientação. Juntamo-nos à refeição por alguns minutos. Restabelecidos, alguns daqueles caminhantes desviam-se da rota para conquistar o iminente Ngauruhoe. Outros, como nós, mantêm-se no trilho principal.

Terminada a planura, anuncia-se nova subida. A segunda metade desta vertente surge coberta de gelo e de pedras soltas que resvalam. Pouco depois, chegamos aos domínios elevados e sulfúricos do Monte Tongariro e vislumbramos, escondida na sombra, a Cratera Vermelha, assim chamada por estar coberta de uma rocha ocre repleta de ferro oxidado, cercada pela lava escura libertada pelas várias erupções.

Acedemos à secção problemática do percurso, aquela que mais justificava o fecho do trilho caso o vento forte se tivesse confirmado. Ali, a caminhada é feita ao longo de uma aresta estreita do cume em que qualquer descuido pode significar cair muitos metros para o interior fumegante da cratera. Sem vento para importunar ou cansaço excessivo, seguimos sem sobressaltos até ao começo da próxima descida que fazemos quase a correr e semi-enterrados numa rampa poeirenta de areia e cinza.

A meio da descida, revelam-se três lagos que ocupam buracos abertos por antigas explosões vulcânicas. O trilho prossegue e chega a outro lago de maior dimensão e título a condizer, o Te Wai-whakaata-o-te Rangihiroa, lago azul na versão simplificada ocidental.

Paramos no topo de uma encosta intermédia com vista privilegiada. Observamos as vistas que ficaram para atrás. Abaixo, além do lago, estende-se uma superfície lunar com uma cicatriz escura de lava que mancha a base amarelada de um leito seco. Detectamos ainda, o cume aguçado do Ngauruhoe, destacado da paisagem surreal.

Foi nestes panoramas estranhamente grandiosos e, em particular, no visual enigmático das mais aguçadas montanhas de Tongariro que Peter Jackson se inspirou para recriar Mount Doom, a moradia incandescente e temida em que J.R.R. Tolkien fez Sauron forjar o poderoso Anel Um.

Nos planos mais longos da sequela, a montanha negra foi, no entanto, representada por um modelo de grande escala ou por uma imagem gerada por computador. Apesar de já dividido entre o bem o mal da obra que passava para o ecrã, Peter Jackson teve que se submeter a um outro poder, o da mitologia secular maori.

Os indígenas neozelandeses acreditam que o vulcão Ngauruhoe foi baptizado por Ngatoro-i-rangi, um alto sacerdote mitológico colonizador de Aotearoa (a Nova Zelândia). Crêem também que Ngatoro-i-rangi convocou para aquela montanha o fogo da sua pátria espiritual Hawaiki com o propósito de terminar com o frio que a enregelava e ao domínio circundante.

O vulcão é, há muito, tabu. De acordo, os chefes maori não permitiram que fosse filmado. O realizador kiwi Peter Jackson encontrou soluções alternativas na tecnologia assistida por computador e nas encostas da terceira grande montanha vulcânica de Tongariro, o mais afastado e ainda mais elevado vulcão Ruapehu (2797 m).

Mas, nem o respeito pela cultura ancestral nem o sucesso estrondoso da saga que promoveu a Nova Zelândia por todo o Mundo, contribuíram para sanar a velha polémica.

Como o vê a maioria dos indígenas, a passagem do território sagrado para as mãos dos pakeha (europeus) resultou de uma decisão precipitada do chefe Te Heuheu Tukino. Hoje, decorridos quase 127 anos, muitos maori mantêm-se revoltados pela oferta. Defendem que, por liderar apenas a tribo Ngati Tuwharetoa, o chefe não poderia ter alienado as montanhas à revelia da restante nação indígena e reclamaram num tribunal de Waitangi, uma participação directa nos destinos das suas montanhas de fogo.

À medida que regressamos ao parque de estacionamento, muito depois da hora prevista, extenuados e meio perdidos no breu que se havia instalado, passa-nos pela mente o que teria opinado o demoníaco Sauron de toda esta confusão. 

Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Pico, Açores

Com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. O Pico é a sua montanha aguçada mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Big Island, Havai

À Procura de Rios de Lava

São 5 os vulcões que fazem a Big Island aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.

Wilkommen in Africa
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Aventura
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Verificação da correspondência
Cerimónias e Festividades

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Uma espécie de portal
Cidades

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Comodidade até na Natureza
Comida

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Combate
Cultura

Filipinas

Quando só os Galos Despertam um Povo

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Ferry Nek Luong
Em Viagem

Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso

Étnico
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Uma Cidade Perdida e Achada
História

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.

A pequena-grande Senglea
Ilhas

Senglea, Malta

A Cidade com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

À boleia do mar
Natureza
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Cores Argentinas
Parques Naturais

Perito Moreno, Argentina

O Glaciar Que Não se Rende

O aquecimento é supostamente global mas não chega a todo o lado. Na Patagónia, alguns rios de gelo resistem.De tempos a tempos, o avanço do Perito Moreno provoca derrocadas que fazem parar a Argentina

Torres del Paine I
Património Mundial Unesco

PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Praia soleada
Praia

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Solovestsky Outonal
Religião

Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag cruel. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Travessia ao ocaso
Sociedade

Lago Taungthaman, Myanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein carece de cuidados especiais.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Refeição destemida
Vida Selvagem

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.