Cabo Verde 

O Milagre de São Vicente


Mindelo Púrpura

Transeunte cruza uma ruela garrida entre a Rua Santo António e a rua do Tejo.

Atlântico vs Costa Leste

Enseadas da Praia Grande, entre a Baía das Gatas e os vulcões acima da aldeia do Calhau.

Clube Beira-Mar à beira mar

Sede do F.C. Beira-Mar do Calhau, o clube da aldeia do Calhau servido por um campo pelado e áspero.

Céus secos

Vislumbre de São Vicente sob uma névoa que só muito raramente produz chuva.

Casario colorido da Av. Marginal, com uma linha de palmeiras a marcar o centro da estrada.

Caminhantes caminham na extremidade da Praia Grande mais próxima da aldeia do Calhau.

Arbusto invade a estrada moderna que passa junto à aldeia do Calhau.

O casario do Mindelo disposto em redor da Baía do Porto Grande, com o Monte Cara em fundo.

Barcos de pesca dão mais vida à Baía das Gatas.

Salva-vidas da Praínha arrumam uma prancha com o sol quase a cair para detrás do Monte Cara.

um dos mais emblemáticos da Av. Marginal.

Barbeiros da barbearia Benfica ( Av. Marginal) em plena acção.

Mesetas e picos escarpados rasgam a costa oriental de São Vicente mesmo até à beira do Atlântico.

Edifício da velha empresa Figueira e Cia, Lda, um dos mais emblemáticos da Av. Marginal.

A península em que se situa a Baía das Gatas, vista do cimo do Monte Verde

Sol põe-se detrás do Monte Cara e alaranja a Baía do Porto Grande e a sua marina.

Motorizada estacionada à sombra de um prédio decadente de tom anil.

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.

O "Armas" aproxima-se do ancoradouro e as vagas amansam-se à medida que o ilhéu do Farol ganha volume. Destaca-se das falésias entre o ocre e o castanho, imponentes, que ladeiam a baía do Porto Grande. De tal maneira que nos revela a escadaria branca que o trepa até ao topo. O casario acrobático do Mindelo desvenda-se espraiado pela base extensa do Monte Verde como que a querer também conquistar-lhe o cume. 

À hora a que o barco aporta, o sol cai para trás do Monte Cara. Ilumina e amarela a cidade com uma morabeza astral que tem tanto de suave como de efémera. Já em terra, com a noite a insinuar-se, damos connosco ansiosos por desvendar o que havia para lá dos enormes paredões ferrosos que pareciam conter a capital.  Decidimos descobri-lo antes de nos dedicarmos ao Mindelo.

O novo dia amanheceu solarengo e algo ventoso como é suposto na época mais fresca e enxuta de Cabo Verde. Apanhamos o carro alugado na Avenida Marginal e, logo, a estrada Mindelo-Calhau, um longo calçadão irregular, feito de pedras basálticas, tão vulcânico como seu destino final. Seguimos para montante da ribeira seca de Julião, através de uma savana com feno raso ressequido, salpicada de arbustos espinhosos.

Aos poucos, internamo-nos no coração da ilha e apontamos para a caprichosa costa leste. O Calhau não tarda. Admirarmos o seu casario multicolor no sopé dos dois vulcões negros que reforçam a pequenez dos lares. Os arredores descampados surgem-nos em estilo Western, como uns nenhures fantasmas varridos pela areia e pela poeira, repletos de edifícios térreos abandonados à cacimba e aos Alísios.

Uma destas estruturas tem a companhia de uma baliza tombada e todo um campo de futebol áspero por diante. Identifica-os um letreiro: F.C. Beira Mar do Calhau. A sede é preta e amarela, as cores precisas do Sport Clube Beira-Mar de Aveiro. Ao longe, na direcção do restante barlavento cabo-verdiano e do continente africano, vislumbramos ainda a ilha de Santa Luzia, em óbvio fora-de-jogo.

Retomamos a estrada que ali ganha o nome de Baía das Gatas-Calhau. O Calhau fica já para trás quando reparamos que um arbusto feito árvore abraça o rail de aço. Invade a berma e balança-se ao vento sobre o asfalto, como que a reclamar a supremacia do aventuroso mundo vegetal.

Ainda sem avistarmos vivalma, entramos no domínio desafogado da Praia Grande. Uma sucessão de mesetas altivas de lava há muito esfriada dão ali à costa. Sucessivos areais prolongam-se do limite das marés do Atlântico, vertentes acima. A estrada que ondula entre essas mesmas vertentes e o oceano cruza os areais e as dunas. Conduz-nos a uma derradeira enseada fechada por novo casario linear.

Consultamos o mapa.  Confirmamos tratar-se da Baía das Gatas de que já tanto ouvíramos falar. Foi o pretexto de que não precisávamos para a visitar e nos refrescarmos com Strelas geladas. Longe da data do famoso festival local e sem a multidão mindelense e de outras partes de Cabo Verde, faltava vida àquelas paragens.
Acabámos, assim, por nos sentarmos a almoçar numa esplanada arejada, seduzidos pela recepção genuína da dona: “Se querem comida de cá, vão ter que esperar uma meia-hora, no mínimo. Aqui a gente faz tudo fresco e na hora.” avisa-nos, por certo já farta das pressas dos pequenos tours que por lá passavam. “Não, não há cachupa! Mas há galinha frita.”

Não temos porque reclamar. Sentamo-nos entre franceses, holandeses e ingleses. Desde o desembarque no Mindelo que não víamos sinal de compatriotas. Saboreamos as cervejas e a estranheza daquele recanto da ilha que a companhia tornava mais estrangeiro. Findo o pequeno banquete, avançamos para Salamansa, a aldeia piscatória que se seguia, instalada na baía anterior à da capital em função da água doce, rara na maior parte de São Vicente, como no restante arquipélago. Entramos na que aparentava ser a rua principal. Um grupo de mulheres e crianças partilha a fonte da povoação, munidas de jerricans plásticos. Enquanto os contentores enchem, trocam piadas e brincadeiras espontâneas a que respondem com gargalhadas fáceis. Do outro lado da estrada, uma outra, senhora de mais idade, acabava de estender o equipamento azul do clube de futebol local sob o olhar de um clã reduzido de homens, alguns jogadores, outros ex-jogadores e adeptos que, motivados pelo nosso interesse, se apressaram a louvar o valor da sua equipa.

Passamos pela praia em frente à povoação. Ali, os desportos-rei são outros. Vários adolescentes nativos e um jovem holandês que acabou por ficar, gerem um centro informal de desportos náuticos. Em simultâneo, aperfeiçoam o seu surf e kitesurf. Ao regressarem do mar, alguns deles voluntariam-se para uma curta produção fotográfica. Cristiano, Kenny Marlon e Vladimir exibem, em poses estilosas, as suas pranchas e físicos. Confiante, Jairson não precisa de adereços para chegar a um mesmo plano.

Estávamos em vias de fechar a volta à estrada em que conduzíamos desde manhã cedo. Ao mesmo tempo, tínhamo-nos aproximado do acesso ao zénite da ilha (750 m), o Monte Verde sobranceiro que admirámos à chegada de ferry de Santo Antão. Ascendemos ao seu cume panorâmico. Devagar, devagarinho, a altitude prendou-nos com vistas majestosas da Praia Grande. E, para diante, ao longe, de Santo Antão, da Baía do Porto Grande, do Mindelo que a preenchia e dos montes e vales estéreis mas deslumbrantes entre a meseta que nos sustentava e o Canal de São Vicente. Os Alísios castigavam aquelas alturas. De tal maneira que, ao chegarmos à beira do precipício, mal nos conseguíamos equilibrar.

Apesar da distância, percebemos que o “Armas” voltava a atracar no porto. O dia encerrou-se num ápice e as luzes tomaram conta do casario. Não podíamos continuar de costas viradas para uma cidade tão orgulhosa e resiliente como o Mindelo.

Desde sempre, o Mindelo lutou contra as mais diversas adversidades. De cada vez que a sua população começava a aumentar, alguma nova tragédia a assolava e travava a evolução. Foram as secas e os ataques de piratas. Em 1861, em pleno boom do abastecimento de carvão aos navios propulsionado por companhias inglesas; com a escravatura já abolida e a cidade a abrir-se ao progresso e ao mundo, um surto de febre amarela reduziu os 1400 habitantes a metade. Passada a maleita, a população voltou a recuperar. O declínio da venda de carvão e da ancoragem de barcos no Porto Grande durante os anos 30 do século XX e secas e fome terríveis nos 40 levaram a mortes, a uma intensa diáspora e a nova decadência.

A vida nas restantes ilhas não era mais fácil e a crença de que o Porto Grande tinha inesgotáveis empregos para oferecer suscitou intensa migração para o Mindelo. Em simultâneo, o facto de a cidade ter o único liceu do Barlavento fez com que lá se concentrasse a nata dos intelectuais do arquipélago, incluindo Amílcar Cabral. A sua presença esteve na origem da emergente consciência nacional cabo-verdiana.

A partir de 1968, as condições de vida melhoraram graças ao influxo de verbas enviadas pelos emigrantes na Europa e nos E.U.A. Seis anos depois, o 25 de Abril abriu as portas à independência e ao regresso à cidade de muitos quadros e políticos que antes viviam emigrados ou noutras ex-colónias portuguesas.

O Mindelo assumiu o protagonismo do desenvolvimento económico e cultural de Cabo Verde com base na recuperação providencial da actividade do Porto Grande e no acolhimento de parte da população de outras ilhas, em especial de Santo Antão e de São Nicolau. Hoje, acolhe mais de 70.000 habitantes. Mantém um dinamismo evolutivo que é ímpar no arquipélago.

Devolvemos o carro. Começamos a sentir a cidade no moderno Pont d’Agua que agrupa uma série de negócios sofisticados aquém da marina do Porto Grande. Continuamos Av. Marginal fora e constatamos a sua deliciosa vivacidade: os barcos coloridos de pesca a contrastarem com a secura longínqua do Monte Cara, a convivência frenética do mercado de peixe, dos pescadores e varinas com o recanto não menos barulhento da “batota” em que se defrontam, às cartas, dezenas de jogadores. Ali por perto, destaca-se ainda a estátua altiva de Diogo Afonso – que honra a sua descoberta de São Vicente – e a réplica da Torre de Belém, inaugurada em 2010 com a presença do então Presidente Cavaco Silva, para celebrar os 550 anos passados desde a chegada dos navegadores portugueses.

O meio da avenida é marcado por grandes palmeiras. Vemos as suas sombras graciosas projectadas nas fachadas multicolores que a encerram, casas dos mais distintos negócios estabelecidos e itinerantes. Aqui e ali, a relação quase umbilical entre Cabo Verde e Portugal salta à vista. Na pitoresca barbearia, a bandeira nacional convive com uma panóplia de calendários, emblemas e fotografias do Benfica. São vários os jogadores do Grandioso, seus rivais e convocados para a selecção portuguesa nascidos em Cabo Verde ou filhos de pais cabo-verdianos que mantêm dupla nacionalidade.

Numa de tantas vezes que caminhamos pela Av. Marginal, cruzamo-nos com Vânia e Riseli, jovens vendedoras de fruta e vegetais.  Conversa puxa conversa, entramos numa perspectiva não desportiva do tema paternidade. A sua confissão conformada deixa-nos estupefactos: “aqui em Cabo Verde, homem só serve para fazer filhos. Depois, até evita passar por nós para não exigirmos nada.”  “Então ficam só com a parte divertida, como pode ser?” retorquimos. “É isso mesmo. Isto, por cá, não tem nada a ver com Portugal! Eu tenho um filho. Só eu e os meus pais cuidamos dele. Ela já tem dois, é a mesma coisa…”

O Mindelo viu nascer e falecer, em 2011, a sua Rainha da Morna, Cesária Évora. E não tardam a soar êxitos da “diva dos pés descalços”, vindos da Casa da Morna, logo ao lado do prédio emblemático da Figueira & Cia, Lda.

O sol volta a envolver-se com o pico do Monte Cara. Também a praia da Laginha se prepara para a noite. Eliseu Santos, salva-vidas escultural, bombeiro, segurança e professor de educação-física desce da torre de observação e recolhe uma prancha da beira d’água. A essa hora, ele e o colega que o ajuda tornam-se silhuetas em movimento contra a baía prateada.

Logo, um grupo dá música à rua de Libertad d’Africa, sobre um palco montado de costas para o Palácio do Povo, antigo Palácio do Governador. O Mindelo entrega-se de vez ao seu delicioso modo hedónico. Nós, ainda queríamos ter o prazer de admirar a cidade no seu todo. Na manhã seguinte, ascendemos ao cerro da Cruz de João d’Évora. Sós, com o casario em redor da grande baía do Porto Grande por diante, rendemo-nos ao prodígio civilizacional que ali se espraiava.

 

 

Got2Globe agradece o apoio das seguintes entidades na criação deste artigo:

 

TAP

www.flytap.pt

 

SOLTRÓPICO

www.soltropico.pt

 

HOTEL FOYA BRANCA

www.foyabranca.com

 

Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.

Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.

Herança colonial
Arquitectura & Design

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Aventura
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Dragão Humano
Cerimónias e Festividades

São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Moon Festival californiano.

Acolhedora Vegas
Cidades

Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Cultura
Great Zimbabwe

Pequena Dança Bira, Grande Zimbabwe

A aldeia KwaNemamwa está situada junto ao lugar mais emblemático do Zimbabwé, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova nação. É ali que vários habitantes de etnia Karanga exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas de Great Zimbabwé.
Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

A derradeira luz
Em Viagem

Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.

1º Apuro Matrimonial
Étnico

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
No rumo da Democracia
História

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

Coragem
Ilhas

Pentecostes, Vanuatu

Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.

Esqui
Inverno Branco

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Retorno na mesma moeda
Natureza

Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Glaciar Meares
Parques Naturais

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

7 Cidades
Património Mundial Unesco

São Miguel, Açores

O Grande Éden Micaelense

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada. 

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Baie d'Oro
Praia

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Religião
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
Colosso Ferroviário
Sobre carris

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Uma espécie de portal
Sociedade

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Campo de géiseres
Vida Selvagem

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.