Cabo Verde 

O Milagre de São Vicente


Mindelo Púrpura

Transeunte cruza uma ruela garrida entre a Rua Santo António e a rua do Tejo.

Atlântico vs Costa Leste

Enseadas da Praia Grande, entre a Baía das Gatas e os vulcões acima da aldeia do Calhau.

Clube Beira-Mar à beira mar

Sede do F.C. Beira-Mar do Calhau, o clube da aldeia do Calhau servido por um campo pelado e áspero.

Céus secos, terra inóspita

Vislumbre de São Vicente sob uma névoa que só muito raramente produz chuva.

Puro Mindelo

Casario colorido da Av. Marginal, com uma linha de palmeiras a marcar o centro da estrada.

Incursão na Praia Grande

Caminhantes caminham na extremidade da Praia Grande mais próxima da aldeia do Calhau.

Uma inesperada relação

Arbusto invade a estrada moderna que passa junto à aldeia do Calhau.

Cidade milagrosa

O casario do Mindelo disposto em redor da Baía do Porto Grande, com o Monte Cara em fundo.

Pesca a cores

Barcos de pesca dão mais vida à Baía das Gatas.

Ocaso balnear

Salva-vidas da Praínha arrumam uma prancha com o sol quase a cair para detrás do Monte Cara.

1bbc1511-e72c-4eb7-be9e-9f693159735f
um dos mais emblemáticos da Av. Marginal.

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.

O "Armas" aproxima-se do ancoradouro e as vagas amansam-se à medida que o ilhéu do Farol ganha volume. Destaca-se das falésias entre o ocre e o castanho, imponentes, que ladeiam a baía do Porto Grande. De tal maneira que nos revela a escadaria branca que o trepa até ao topo. O casario acrobático do Mindelo desvenda-se espraiado pela base extensa do Monte Verde como que a querer também conquistar-lhe o cume. 

À hora a que o barco aporta, o sol cai para trás do Monte Cara. Ilumina e amarela a cidade com uma morabeza astral que tem tanto de suave como de efémera. Já em terra, com a noite a insinuar-se, damos connosco ansiosos por desvendar o que havia para lá dos enormes paredões ferrosos que pareciam conter a capital.  Decidimos descobri-lo antes de nos dedicarmos ao Mindelo.

O novo dia amanheceu solarengo e algo ventoso como é suposto na época mais fresca e enxuta de Cabo Verde. Apanhamos o carro alugado na Avenida Marginal e, logo, a estrada Mindelo-Calhau, um longo calçadão irregular, feito de pedras basálticas, tão vulcânico como seu destino final. Seguimos para montante da ribeira seca de Julião, através de uma savana com feno raso ressequido, salpicada de arbustos espinhosos.

Aos poucos, internamo-nos no coração da ilha e apontamos para a caprichosa costa leste. O Calhau não tarda. Admirarmos o seu casario multicolor no sopé dos dois vulcões negros que reforçam a pequenez dos lares. Os arredores descampados surgem-nos em estilo Western, como uns nenhures fantasmas varridos pela areia e pela poeira, repletos de edifícios térreos abandonados à cacimba e aos Alísios.

Uma destas estruturas tem a companhia de uma baliza tombada e todo um campo de futebol áspero por diante. Identifica-os um letreiro: F.C. Beira Mar do Calhau. A sede é preta e amarela, as cores precisas do Sport Clube Beira-Mar de Aveiro. Ao longe, na direcção do restante barlavento cabo-verdiano e do continente africano, vislumbramos ainda a ilha de Santa Luzia, em óbvio fora-de-jogo.

Retomamos a estrada que ali ganha o nome de Baía das Gatas-Calhau. O Calhau fica já para trás quando reparamos que um arbusto feito árvore abraça o rail de aço. Invade a berma e balança-se ao vento sobre o asfalto, como que a reclamar a supremacia do aventuroso mundo vegetal.

Ainda sem avistarmos vivalma, entramos no domínio desafogado da Praia Grande. Uma sucessão de mesetas altivas de lava há muito esfriada dão ali à costa. Sucessivos areais prolongam-se do limite das marés do Atlântico, vertentes acima. A estrada que ondula entre essas mesmas vertentes e o oceano cruza os areais e as dunas. Conduz-nos a uma derradeira enseada fechada por novo casario linear.

Consultamos o mapa.  Confirmamos tratar-se da Baía das Gatas de que já tanto ouvíramos falar. Foi o pretexto de que não precisávamos para a visitar e nos refrescarmos com Strelas geladas. Longe da data do famoso festival local e sem a multidão mindelense e de outras partes de Cabo Verde, faltava vida àquelas paragens.
Acabámos, assim, por nos sentarmos a almoçar numa esplanada arejada, seduzidos pela recepção genuína da dona: “Se querem comida de cá, vão ter que esperar uma meia-hora, no mínimo. Aqui a gente faz tudo fresco e na hora.” avisa-nos, por certo já farta das pressas dos pequenos tours que por lá passavam. “Não, não há cachupa! Mas há galinha frita.”

Não temos porque reclamar. Sentamo-nos entre franceses, holandeses e ingleses. Desde o desembarque no Mindelo que não víamos sinal de compatriotas. Saboreamos as cervejas e a estranheza daquele recanto da ilha que a companhia tornava mais estrangeiro. Findo o pequeno banquete, avançamos para Salamansa, a aldeia piscatória que se seguia, instalada na baía anterior à da capital em função da água doce, rara na maior parte de São Vicente, como no restante arquipélago. Entramos na que aparentava ser a rua principal. Um grupo de mulheres e crianças partilha a fonte da povoação, munidas de jerricans plásticos. Enquanto os contentores enchem, trocam piadas e brincadeiras espontâneas a que respondem com gargalhadas fáceis. Do outro lado da estrada, uma outra, senhora de mais idade, acabava de estender o equipamento azul do clube de futebol local sob o olhar de um clã reduzido de homens, alguns jogadores, outros ex-jogadores e adeptos que, motivados pelo nosso interesse, se apressaram a louvar o valor da sua equipa.

Passamos pela praia em frente à povoação. Ali, os desportos-rei são outros. Vários adolescentes nativos e um jovem holandês que acabou por ficar, gerem um centro informal de desportos náuticos. Em simultâneo, aperfeiçoam o seu surf e kitesurf. Ao regressarem do mar, alguns deles voluntariam-se para uma curta produção fotográfica. Cristiano, Kenny Marlon e Vladimir exibem, em poses estilosas, as suas pranchas e físicos. Confiante, Jairson não precisa de adereços para chegar a um mesmo plano.

Estávamos em vias de fechar a volta à estrada em que conduzíamos desde manhã cedo. Ao mesmo tempo, tínhamo-nos aproximado do acesso ao zénite da ilha (750 m), o Monte Verde sobranceiro que admirámos à chegada de ferry de Santo Antão. Ascendemos ao seu cume panorâmico. Devagar, devagarinho, a altitude prendou-nos com vistas majestosas da Praia Grande. E, para diante, ao longe, de Santo Antão, da Baía do Porto Grande, do Mindelo que a preenchia e dos montes e vales estéreis mas deslumbrantes entre a meseta que nos sustentava e o Canal de São Vicente. Os Alísios castigavam aquelas alturas. De tal maneira que, ao chegarmos à beira do precipício, mal nos conseguíamos equilibrar.

Apesar da distância, percebemos que o “Armas” voltava a atracar no porto. O dia encerrou-se num ápice e as luzes tomaram conta do casario. Não podíamos continuar de costas viradas para uma cidade tão orgulhosa e resiliente como o Mindelo.

Desde sempre, o Mindelo lutou contra as mais diversas adversidades. De cada vez que a sua população começava a aumentar, alguma nova tragédia a assolava e travava a evolução. Foram as secas e os ataques de piratas. Em 1861, em pleno boom do abastecimento de carvão aos navios propulsionado por companhias inglesas; com a escravatura já abolida e a cidade a abrir-se ao progresso e ao mundo, um surto de febre amarela reduziu os 1400 habitantes a metade. Passada a maleita, a população voltou a recuperar. O declínio da venda de carvão e da ancoragem de barcos no Porto Grande durante os anos 30 do século XX e secas e fome terríveis nos 40 levaram a mortes, a uma intensa diáspora e a nova decadência.

A vida nas restantes ilhas não era mais fácil e a crença de que o Porto Grande tinha inesgotáveis empregos para oferecer suscitou intensa migração para o Mindelo. Em simultâneo, o facto de a cidade ter o único liceu do Barlavento fez com que lá se concentrasse a nata dos intelectuais do arquipélago, incluindo Amílcar Cabral. A sua presença esteve na origem da emergente consciência nacional cabo-verdiana.

A partir de 1968, as condições de vida melhoraram graças ao influxo de verbas enviadas pelos emigrantes na Europa e nos E.U.A. Seis anos depois, o 25 de Abril abriu as portas à independência e ao regresso à cidade de muitos quadros e políticos que antes viviam emigrados ou noutras ex-colónias portuguesas.

O Mindelo assumiu o protagonismo do desenvolvimento económico e cultural de Cabo Verde com base na recuperação providencial da actividade do Porto Grande e no acolhimento de parte da população de outras ilhas, em especial de Santo Antão e de São Nicolau. Hoje, acolhe mais de 70.000 habitantes. Mantém um dinamismo evolutivo que é ímpar no arquipélago.

Devolvemos o carro. Começamos a sentir a cidade no moderno Pont d’Agua que agrupa uma série de negócios sofisticados aquém da marina do Porto Grande. Continuamos Av. Marginal fora e constatamos a sua deliciosa vivacidade: os barcos coloridos de pesca a contrastarem com a secura longínqua do Monte Cara, a convivência frenética do mercado de peixe, dos pescadores e varinas com o recanto não menos barulhento da “batota” em que se defrontam, às cartas, dezenas de jogadores. Ali por perto, destaca-se ainda a estátua altiva de Diogo Afonso – que honra a sua descoberta de São Vicente – e a réplica da Torre de Belém, inaugurada em 2010 com a presença do então Presidente Cavaco Silva, para celebrar os 550 anos passados desde a chegada dos navegadores portugueses.

O meio da avenida é marcado por grandes palmeiras. Vemos as suas sombras graciosas projectadas nas fachadas multicolores que a encerram, casas dos mais distintos negócios estabelecidos e itinerantes. Aqui e ali, a relação quase umbilical entre Cabo Verde e Portugal salta à vista. Na pitoresca barbearia, a bandeira nacional convive com uma panóplia de calendários, emblemas e fotografias do Benfica. São vários os jogadores do Grandioso, seus rivais e convocados para a selecção portuguesa nascidos em Cabo Verde ou filhos de pais cabo-verdianos que mantêm dupla nacionalidade.

Numa de tantas vezes que caminhamos pela Av. Marginal, cruzamo-nos com Vânia e Riseli, jovens vendedoras de fruta e vegetais.  Conversa puxa conversa, entramos numa perspectiva não desportiva do tema paternidade. A sua confissão conformada deixa-nos estupefactos: “aqui em Cabo Verde, homem só serve para fazer filhos. Depois, até evita passar por nós para não exigirmos nada.”  “Então ficam só com a parte divertida, como pode ser?” retorquimos. “É isso mesmo. Isto, por cá, não tem nada a ver com Portugal! Eu tenho um filho. Só eu e os meus pais cuidamos dele. Ela já tem dois, é a mesma coisa…”

O Mindelo viu nascer e falecer, em 2011, a sua Rainha da Morna, Cesária Évora. E não tardam a soar êxitos da “diva dos pés descalços”, vindos da Casa da Morna, logo ao lado do prédio emblemático da Figueira & Cia, Lda.

O sol volta a envolver-se com o pico do Monte Cara. Também a praia da Laginha se prepara para a noite. Eliseu Santos, salva-vidas escultural, bombeiro, segurança e professor de educação-física desce da torre de observação e recolhe uma prancha da beira d’água. A essa hora, ele e o colega que o ajuda tornam-se silhuetas em movimento contra a baía prateada.

Logo, um grupo dá música à rua de Libertad d’Africa, sobre um palco montado de costas para o Palácio do Povo, antigo Palácio do Governador. O Mindelo entrega-se de vez ao seu delicioso modo hedónico. Nós, ainda queríamos ter o prazer de admirar a cidade no seu todo. Na manhã seguinte, ascendemos ao cerro da Cruz de João d’Évora. Sós, com o casario em redor da grande baía do Porto Grande por diante, rendemo-nos ao prodígio civilizacional que ali se espraiava.

 

 

Got2Globe agradece o apoio das seguintes entidades na criação deste artigo:

 

TAP

www.flytap.pt

 

SOLTRÓPICO

www.soltropico.pt

 

HOTEL FOYA BRANCA

www.foyabranca.com

 

Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Lenha à Pressa
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Sonhos e Cocktails
Cidades

Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Freemont Street.

Ilha menor
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Cavalgada em tons de Dourado
Cultura

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Mural Espacial
Em Viagem

Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliff Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.

Coragem
Étnico

Pentecostes, Vanuatu

Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Champagne Beach
História

Espiritu Santo, Vanuatu

Divina Melanésia

Pedro Fernandes de Queirós pensava ter descoberto o grande continente do sul. A colónia que propôs nunca se chegou a concretizar. Hoje, Espiritu Santo, a maior ilha de Vanuatu, é uma espécie de Éden.

Todos a bordo
Ilhas

Viti Levu, Fiji

Uma Partilha Improvável

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Victoria falls
Natureza

Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As quedas d'água que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua raínha

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Aurora fria II
Parques Naturais
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Nacionalismo Colorido
Património Mundial Unesco

Cartagena de Índias, Colômbia

Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Espantoso
Praia

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Ferry Nek Luong
Religião

Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Sociedade
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Brincadeira ao ocaso
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.