Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo


Recta Final

Disputa dos últimos metros de um circuito desenhado sobre o gelo do lago Inari.

Caixa de Partida

Jóquei alinha-se com a sua rena encaixotada para a partida eminente de mais uma corrida.

À força

Dois donos agarram uma rena para lhe apertarem um arreio.

Galope Furioso

Jóqueis e renas arrancam após o tiro de partida.

Raposinho

Dono de renas vestido com peles de raposa.

A reboque

Proprietários e tratadores puxam as suas renas para as meterem nas boxes de partida.

Últimos preparativos

Jóqueis fazem os últimos preparativos antes da chegada das renas.

Corrida Disputada

Competidores lado a lado no interior da pista delimitada por hastes secas.

Mulher do Extremo-norte

Mulher sami, junto às renas competidoras, vestida para o frio da Lapónia finlandesa.

Renas transviadas

Renas libertadas devido à queda dos jockeys correm pela superfície gelada do lago Inari.

Trono motorizado

O grande vencedor da prova em cima da sua mota de neve.

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

“Como é possível conduzires a uma velocidade destas numa estrada completamente gelada? Estes pneus com espigões foram uma invenção mesmo especial não foram, Timo, mas e se aparece alguma rena?”

“Já percebi que vão com medo aí atrás. Pronto OK, vou mais devagar mas não se preocupem que esta é uma área protegida”. Não percebemos de imediato a que se refere o dono do hotel Korpikartano mas aproximamo-nos de uma misturadora de cimento que roda sem parar e faz girar bandeiras vermelhas a ela presas. O anfitrião passa a explicar. “A estrada não está em obras. Há uns tempos, alguém se lembrou de criar aquela geringonça e percebeu que dava um óptimo dispositivo anti-renas. Elas ouvem o ruído das pedras lá dentro e fogem de imediato para o interior da floresta. São animais muito particulares, as renas. Mas já ficam a saber mais sobre elas. Estamos quase lá!”

Tínhamos deixado Menesjarvi havia meia-hora e já seguíamos ao longo do maior lago da Lapónia, o de Inari, em cujas margens se situa a mais importante povoação Sami. Passamos a igreja em forma de A, o novo parlamento e todo o pequeno centro da pequena cidade. Timo corta para o reduto da Inari Village e, mal deixamos para trás as suas cabanas vermelhas, damos com um parque de estacionamento improvisado.

“Bom, é aqui que vos deixo”, informa-nos. “O recinto fica mais para a frente. Divirtam-se!”.

Avançamos entre as centenas de veículos distribuídos sobre a superfície gelada do lago que se estende por 80 por 50 km, com cerca de 3.300 km de costa e abriga 3000 ilhas, algumas delas sagradas para os indígenas.

Ainda é cedo. O céu azul contrasta com o branco predominante e o sol dá o seu melhor mas, em pleno Inverno árctico, a temperatura ronda os -19º. Tendo em conta os registos dos dias anteriores e a ausência total de nuvens, não esperamos que o dia aqueça por aí além.

De acordo com a meteorologia, a pequena feira de bancas e rulotes que se instalou no recinto vende um pouco de tudo para o frio: enormes gorros de pele de animais ou lã, fatos coloridos,  meias, camuflados e armadilhas de caça, comida gorda e hiper-calórica ou o simples café preto a ferver.

Exploramos as bancas com uma curiosidade mediterrânica entre uma multidão crescente de finlandeses do norte, em grande parte sami, alguns nos seus trajes folclóricos, outros com roupas convencionais mas todos com peles, olhos e cabelos muito claros e bochechas ruborescidas. 

Atrás desta feira, encontramos a zona das renas. Agrupam-se, ali, dezenas de espécimes numerados, presos a uma floresta de postes que contornam assustados pela passagem dos humanos e inquietos com o seu destino.

A Porokuninkuusajot (Kings Cup) é a grande final, a prova do ano. Apesar da categoria superior do evento, dão-nos acesso permanente ao recinto dos animais, como a outros estrangeiros curiosos que os perscrutam com falsos olhares veterinários e tentam perceber os cuidados e procedimentos ministrados pelos jóqueis, donos e tratadores. 

Entretanto, a multidão dá origem a uma assistência respeitadora alinhada ao longo de uma corda baixa. Do lado oposto, ficam todos os intervenientes na competição. As renas são animais caprichosos e medrosos. Para que  o seu desempenho não possa ser prejudicado pelo público, não há quase ninguém para lá da projecção das linhas de partida e de chegada da longa pista, marcada em forma de U com simples paus espetados na neve.

A acção está prestes a começar. Os  jóqueis aquecem os músculos e tendões, assumem as suas posições nas boxes da estrutura de partida e ficam a aguardar os animais com que constituem equipa. São rapazes e raparigas, por lei, com mais de 15 anos e 60km (incluindo equipamento), por norma, os mais esguios, leves e aptos para aquele ofício das suas comunidades. Vemo-los, lado a lado, a contemplarem-se com rivalidade disfarçada ou a conversarem através da viseira aberta dos capacetes sofisticados.

Enquanto isso, os donos ou tratadores puxam as renas do estábulo e, com a colaboração dos jóqueis, tentam metê-las nos compartimentos respectivos, tarefa que dá origem a quedas e confusões hilariantes.

Encaixado sobre os pequenos currais vermelhos, apenas com o tronco a aparecer do seu topo, um juiz altivo e solitário supervisiona a regularidade dos acontecimentos a coberto de um enorme gorro peludo cinzento que só lhe deixa a descoberto parte da face e os óculos volumosos. Os competidores estão finalmente preparados. O juiz fiscaliza-os uma última vez e abre as portinholas que retêm as renas.

Estas, disparam como loucas para a pista e rebocam os jóqueis num equilíbrio frágil sobre esquis. Os participantes levantam uma nuvem de neve e somem-se em três tempos na distância. Desprovidos de binóculos, como o público, em geral, ficamos sem perceber o que se passa, até que os competidores mais rápidos vencem a parte curva do percurso e surgem a disputar a recta final. Entusiasma-se parte da multidão perante a iminência da vitória dos que apoiam. Os restantes, conformam-se com os maus desempenhos ou lamentam a sorte que não sorriu aos seus. Todos conhecem a humilhação das piores derrotas. Mesmo a rebocar os jóqueis, as renas atingem os 60 a 80 km/h. Correm muitas vezes encostadas umas às outras ou em trajectórias menos favoráveis. Causam a queda dos jóqueis menos preparados e fogem para a imensidão do lago Inarijarvi obrigando recuperadores sobre motas de neve a complexas perseguições para os trazerem de volta aos donos. Dependendo da distância para a linha de chegada e da sua disposição, os jóqueis podem regressar a pé ou à boleia. Cabe-lhes ainda a árdua missão de disfarçar a sua desilusão perante o público, a família e os rivais. Mas, dos fracos não reza a história. Concentremo-nos nos vencedores. Foi algo que, entretidos com os aspectos secundários mais fascinantes do evento, nem sempre conseguimos, demasiadas vezes perdidos da lógica do grande cronómetro instalado junto à linha de chegada e da classificação.

Tem lugar uma derradeira prova e o suspense aumenta. Quando termina, família, amigos e outros elementos da assistência cercam um homem de fato escuro e gorro branco e felicitam-no de forma efusiva com passou-bens e abraços prolongados. O vencedor é Länsman Anni. A sua rena Annintähti guiada pelo jóquei Uula Petteri Somby tinha percorrido 1 km em 1:17, 34 e os 2 km em 2:29,22.  Os resultados estavam algo distantes do recorde mundial de 1:13 segundos para os 1000 metros mas a conquista da Kings Cup vale mais que qualquer recorde e a época tinha terminado em glória para a cooperativa de Kaldoaivi, com vários participantes nos primeiros dez lugares.

Aos poucos, a multidão debanda. Destaca-se a figura de um proprietário de renas que veste uma combinação excêntrica de cabedal com pele felpuda de raposa, coroado por um gorro de que espreita a própria cabeça de um espécime juvenil daquele canídeo.

Fotografamos o homem e a raposa e ensaiamos um diálogo de ocasião mas, nestes confins setentrionais da Lapónia, só os mais jovens falam inglês e somos forçados a desistir.

Ainda assim, deixamos o nativo ainda mais orgulhoso do seu visual. Depois, continuamos a acompanhar o lento desarmar do evento até que o sol se some, o vento começa a soprar e a temperatura baixa de forma drástica. Não temos roupa nem calçado que nos aguente por muito mais tempo sobre aquele lago. Sem alternativas, seguimos os passos dos últimos resistentes em direcção à cabana salvadora e aconchegante da Inari Village. Na recepção, o dono e gerente recebe-nos admirado por voltarmos já quase de noite: ”Estou a ver que gostaram. É uma grande competição não é?” Por estes lados, toda a gente é louca pela Kings Cup e estão com muita sorte em aqui dormirem. Já vos tinha dito que temos todas as cabanas reservadas nos dias de corrida para os próximos 25 anos, certo? É só para ficarem com uma ideia mais concreta”.

Kemi, Finlândia

Não é Nenhum "Barco do Amor". Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Ilha Hailuoto, Finlândia

À pesca do verdadeiro peixe fresco

Abrigados de pressões sociais indesejadas, os ilhéus de Hailuoto sabem sustentar-se. Sob o mar gelado de Bótnia capturam ingredientes preciosos para os restaurantes de Oulu, na Finlândia continental.

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.

Inari, Finlândia

A Assembleia Babel da Nação Sami

A nação sami é afectada pela ingerência das leis de 4 países, pelas suas fronteiras e pela multiplicidade de sub-etnias e dialectos. Mesmo assim, no parlamento de Inari, lá se vai conseguindo governar

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Durante muito tempo discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera o orgulho e autonomia. A 6 de Fevereiro, esta etnia indígena comemora a sua nacionalidade.

Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. Mas o imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.

Sem corrimão
Arquitectura & Design

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Pleno Dog Mushing
Aventura

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

Saint-Pierre
Cidades
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Indígena Coroado
Cultura

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Pórtico do tempo
Em Viagem
Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Frescura da manhã
Étnico
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Gang de 4
História
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Autoridade bubalina
Ilhas

Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem a maior manada bubalina e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Manada de búfalos asiáticos numa zona lamaçenta do Maguri Beel, Assam
Natureza
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Meandros do Matukituki
Parques Naturais
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Ao fim da tarde
Património Mundial Unesco
Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Perigo de praia
Praia

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

A Crucificação em Helsínquia
Religião

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Fim da Viagem
Sociedade

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Campo de géiseres
Vida Selvagem

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.