Sudeste da Tunísia

A Base Terráquea da Guerra das Estrelas


Tatooine na Terra

Habitantes berberes do ksar Douiret contemplam o cenário extraterrestre do deserto em redor durante uma tempestade de areia. 

A Força vs A Classe

Tunisino de smoking cruza o hotel Sidi Driss, desfasado do visual intergaláctico herdado do décor da propriedade da família Lars no planeta Tatooine.

Num fundo troglodita

Empregado do hotel Sidi Driss atravessa um dos vários fossos trogloditas do estabelecimento, terroso como nunca devido a chuvas recentes.

Alturas Fortificadas de Douiret

A colina íngreme em que se instalou o ksar Douiret, um de tantos nos arredores de Tataouine, (a povoação com o nome adaptado por George Lucas).

Descanso solarengo

Mulher berbere repousa à entrada de um dos compartimentos trogloditas do hotel Sidi Driss usado para servir refeições aos hóspedes.

Clones Berberes

Anciãos berberes em jelabas tradicionais alinham-se e confrontam-se durante uma exibição cultural do Festival dos Ksours

A Força (de braços)

Trabalhador carregado com uma grade de bebidas cruza o pátio do fosso troglodita que o hotel Sidi Driss adaptou a restaurante.

Exército Terráqueo

Uma comitiva de anciãos berberes desce uma encosta desértica nos arredores de Tataouine.

Um Cenário Extraterrestre

Paisagem excêntrica de mesetas e do céu tingidos de vermelho pela acção de tempestades de areia no deserto do Saara, a sul de Tataouine.

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.

 

Passeamos pelo coração da fazenda produtora de humidade da família Lars e não encontramos sinal de Luke Skywalker ou de nenhum outro membro do vasto clã que habitava desde há muito aquelas paragens imaginárias. São humanos reais – tanto nativos e residentes como vindos de longe – os que vemos em redor e no fundo das muitas cavernas escavadas no solo arenoso a sudeste do oásis de Gabes, não na Grande Planície imaginária de Sal de Chott, nem nas terras desoladas e fictícias de Jundland.

Também foi só no ecrã que esta quinta em que Luke Skywalker cresceu até aos 19 anos, criado por Owen e Beru, foi queimada pelo Império Galáctico quando o seu exército buscava os droids C-3PO e R2-D2.

Estamos em Matmata, uma cidade troglodita real e hoje tunisina e em que, tal como há milhares de anos, mais de 6.000 mil terráqueos empregam estas concavidades como seus lares, silos, armazéns e até negócios.

Circundamos cinco fossos redondos e espreitamos para dentro com cuidado redobrado para evitarmos cair para o seu fundo. Nos dias que correm, o complexo filmado como casa dos Lars é o hotel de Sidi Driss. Quatro destes fossos abrigam diversos quartos espartanos. O quinto faz de restaurante. Abriga e serve viajantes entusiasmados pela excentricidade do estabelecimento e dos cenários da região, em particular por aqueles seleccionados pela equipa de George Lucas para ilustrar Tatooine, o primeiro planeta do sistema solar binário Tatoo, e um astro bem mais ressequido e peculiar que a paisagem que o inspirou.

A base deste quarto buraco argiloso está caiada e pintada de anil. Foi dotada de janelos e portas ogivais ou redondas distribuídas pela circunferência. Ouvimos gritos abafados provenientes ora de umas ora de outras mas nada que se equipare ao som do sabre de laser do protagonista de Star Wars ou das armas futuristas com que os seus inimigos e aliados se confrontavam.

Em vez, empregados de mesa lutam contra o tempo e os patrões. Atravessam o pátio terroso atrasados e apressados, com tabuleiros cheios de comida ou bebidas ou, no sentido inverso, das louças que os acomodavam.

A ausência de referências da saga está, todavia, longe se ser total. Um respiradouro branco conserva um disco dourado com design espacial. Várias molduras de portas preservam estranhas ranhuras modulares. Ambos os itens foram herdados das filmagens.

Após o primeiro filme “Uma Nova Esperança”, o décor foi todo removido. Em 2000, a sequela “Ataque dos Clones” obrigou à reconstrução de grande parte.

Hoje, sejam ou não fãs, os hóspedes ou visitantes do hotel almoçam ou jantam com uma sensação nem que seja ligeira de que fazem parte da saga. Como vemos acontecer vezes sem conta, fotografam-se a emular as cenas mais emblemáticas da epopeia sideral.

Segundo nos conta Raisha, uma guia local, alguns dos seus adictos não se contentam com tão pouco: “Há uns tempos, soubemos por cá que um grupo criou um fundo para recuperar o exterior da fazenda dos Lars! Reuniram quase 15 mil dólares!“ informa-nos ainda e sempre meio incrédula pelo valor exorbitante que mereceu aquele iglu perdido num nenhures desértico de Chott El Jerid, destruído após a filmagem da primeira trilogia, reconstruído para o “Ataque dos Clones” e “A Vingança de Sith” e, logo, abandonado à erosão.

“Não só angariaram o dinheiro como vieram cá uns cinco ou seis amigos salvadores em excursão e só voltaram depois de o reconstruir. Depois, apresentaram o projecto, todos contentes, na Alemanha, parte de uma efeméride qualquer da “Guerra das Estrelas” e ainda lançaram um livro a descrever o projecto.”

Aproveitamos a relativa proximidade e, no dia seguinte, vamos até Tataouine onde já começara um festival étnico e cultural emblemático da Tunisia, o dos Ksours. Quando chegámos, a zona sofria os efeitos de uma tempestade de areia e mantinha-se envolta de uma atmosfera algo marciana, ocre, poeirenta, bem mais húmida do que é suposto num deserto.

George Lucas e os seus colaboradores poderão não ter tido a mesma sorte – ou azar, consoante o ponto de vista – mas fosse como fosse, os cenários extraterrestres de Tataouine inspiraram de tal forma o realizador que este tomou o seu nome de empréstimo para a saga.

O nome e não só. Numa visita aos arredores da cidade, a visão inesperada dos ksours (celeiros fortificados de areia compacta projectados do solo), divididos em diversas ghorfas (células armazenadoras) revelaram-se modelos perfeitos para a ala dos escravos do porto espacial de Mos Espa, lar de Anakin e de Shmi Skywalker, em grande destaque no primeiro episódio, “A Ameaça Fantasma”.

Um marco histórico escrito em rodês (um dos vários dialectos a fingir dos povos em conflito) proclamava à entrada deste lugar modular e obscuro: “Forjámos esta cidade sob o calor de sóis gémeos, em memória dos nossos antepassados, em honra dos nossos clãs vivos e pela esperança das nossas crianças por nascer.”

Os berberes de Tataouine são pouco dados a publicitar escritos assim pomposos mas, quando entramos no ksar Ouled Soultane decorre a visita de um político de Tunes e os anciãos de diversas tribos participam num convívio banqueteado. Numa dimensão real, terrestre e fortemente fotogénica, a sua mera presença reveste-se de um simbolismo análogo ao do marco de Mos Espa.

Observamos a beleza secular e exótica das suas jelabas brancas, amareladas pelo tempo e indagamo-nos se, com certa influência nipónica (dos quimonos) à mistura, não teriam iluminado a criação de várias das vestes sui generis da Guerra das Estrelas.

Nos últimos dias deste périplo, mudamo-nos para a ilha mediterrânica de Djerba, a maior ao largo do norte de África, em que se diz que Ulisses e os seus companheiros da Odisseia desembarcaram e, de que os últimos não queriam mais partir, deliciados com aquela espécie de oásis flutuante e com as suas frutas suculentas sem fim.

Em Djerba, deixamo-nos perder nas ruelas e no mercado agitado da capital Houmt Souk. Em redor, passamos por povoações campestres todas elas embelezadas por inúmeros menzeles, casas tradicionais também em parte abobadadas e cercadas de oliveiras e palmeiras em jeito de monte alentejano berbere.

Ao investigar este outro reduto da Tunísia, George Lucas e a sua equipa repararam, como nós, na abundância de burros que os camponeses e pescadores carregavam com de tudo um pouco. Ora, não foi assim coincidência que o animal de carga de eleição de Tatooine tivesse sido chamado de jerba. Tão excêntricas quanto úteis, estas criaturas tinham um pelo longo e desgrenhado e forneciam leite, couro e o seu pelo. Eram criadas pelos bem mais esdrúxulos Pacithhips mas também por Swilla Corey, uma humana loura nascida escrava e carteirista em part-time.

Em Djerba, ainda espreitamos o edifício que deu origem à cabana de retiro de Obi-Wan Kenobi e outros usados em cenas passadas em Mos Eisley, um segundo porto espacial que mereceu que Obi-Wan Kenobi alertasse Luke Skywalker de que “nunca encontraria um antro mais desprezível de escumalha e de vilãos”. 

A Djerba real deixa-nos nas mentes uma imagem contrária, de honestidade, tranquilidade e de harmonia. Fãs contidos como sempre fomos, por essa altura, apreciávamos melhor que nunca a riqueza perversa da imaginação de George Lucas mas tínhamos bem presente que a Terra era uma coisa, Tatooine era outra.

Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.

Tataouine, Tunísia

Os Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. A Tunísia presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Chegada à festa
Cerimónias e Festividades

Perth, Austrália

Em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.

Danças na Catedral
Cidades

Antigua, Guatemala

Guatemala à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Cultura
Espectáculos

A Terra em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Num equilíbrio fluvial
Em Viagem

Chiang Kong - Luang Prabang, Laos

Por Esse Mekong Abaixo

Os custos mais baixos e a beleza dos cenários são as principais razões para fazer esta viagem. Seja como for, a descida pelo rio "mãe de todas as águas" pode ser tão pitoresca como incómoda.

Conversa entre fotocópias
Étnico

Inari, Finlândia

A Assembleia Babel da Nação Sami

A nação sami é afectada pela ingerência das leis de 4 países, pelas suas fronteiras e pela multiplicidade de sub-etnias e dialectos. Mesmo assim, no parlamento de Inari, lá se vai conseguindo governar

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Fim do dia no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Índia
História
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Lagoa das Sete Cidades, um dos cenários majestosos da ilha de São Miguel, Açores
Ilhas
São Miguel, Açores

O Grande Éden Micaelense

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Repouso anfíbio
Natureza

Mar Morto, Israel

À Tona d’água, nas profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha. 

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Solidão andina
Parques Naturais

Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução desde 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida chegou à sua estação terminal. Foi levada a cabo nas montanhas andinas por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.

Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Património Mundial UNESCO
Grande Zimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Magníficos Dias Atlânticos
Praias

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.

As forças ocupantes
Religião

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

Tren del Fin del Mundo, Ushuaia, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Coreografia pré-matrimonial
Sociedade

Old Jaffa, Israel

Onde Assenta a Cidade que Nunca Pára

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.