Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso


Aposentos dourados

O velho palácio do Khan, entre dois enormes plátanos, por altura do Outono, dourados.

Um artista fotogénico

Mahmud, jovem que divertiu dois amigos com poses hilariantes para a fotografia.

Avenida Lada

Velhos Ladas na avenida principal de Sheki, uma herança colorida dos tempos da U.R.S.S.

 

Lares de Outono

Casario tradicional de Sheki, salpicado de copas de árvores amareladas.

Diálogo da frente p’atrás

Vassif Davudov, o professor de matemática que nos deu boleia na sua própria viagem de taxi Lada e que conhecia inúmeros clubes de futebol portugueses menores.

Ocaso no Cáucaso

Sol põe-se sobre o Cáucaso e tinge os cenários de tons crepusculares.

Ao sol

Clientes de um café junto à estação de autocarros local apanham ar fresco e convivem na esplanada. 

Vale dourado

Vista mais ampla do casario de Sheki, espalhado no sopé das montanhas azeris do Cáucaso.

Cicloturista cazaque

Askar Syzbayev, acabado de chegar a Sheki num projecto patrocinado de cicloturismo entre Paris e o Casaquistão.

Cores de caravanserai

Responsável do caravanserai de Sheki entra no átrio histórico da velha estalagem.

e27d633c-503e-484f-8aed-edcdd075f5f8
alimentada sobretudo pela situação "rebelde" do enclave de Nagorno Karabakh.

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Detém-nos a fronteira da Geórgia com o Azerbaijão. A atmosfera da viagem madrugadora, até então fluída e agradável, degrada-se. Apressamo-nos a percorrer o longo corredor desnivelado e dotado de repetidos degraus que separa as duas aduanas. Entramos no edifício azeri atrás de um grupo de passageiros que seguiam numa marshukta um pouco mais rápida que a nossa. Enquanto esperamos que os militares processem a sua entrada, surgem dois homens em trajes rurais conspurcados. Vinham a bordo de um camião que transportava vacas e empestam o ambiente da sala sem apelo nem agravo. Os oficiais passam-nos à nossa frente. É, assim, prendados por aquele aroma da pecuária georgiana que nos submetemos ao seu aturado escrutínio.

“Uhmmm… portugueses. Já jogámos convosco várias vezes. Ganham-nos sempre mas uma vez quase que conseguíamos… Bom…vemos aqui que estiveram há poucos dias na Arménia. Porque é que foram à Arménia? Estiveram em Nagorno Karabakh?”, interroga-nos o único funcionário que falava inglês. “Se foram, é melhor dizerem-nos já!”

Não tínhamos ido. Explicamos da forma o mais paciente e inocente possível o que tínhamos feito na Arménia. Isso não impede que nos abram as mochilas e as vasculhem de forma aturada, concentrados em encontrarem documentos, programas e mapas de viagem que nos incriminassem. Fazem-no em vão mas para desespero dos restantes passageiros da nossa marshukta e de outras que se tinham entretanto acumulado. Por fim, lá nos concedem a entrada no Azerbaijão.

Regressamos à marshukta e prosseguimos viagem até Zaqatala. Nesta cidade, negociamos a derradeira viagem até Sheki. Uma hora e meia depois, já estamos à procura do lar de Ilgar Agayev, com o condutor a fazer-se a mais alguns manats (moeda azeri) por a casa ser meio afastada do centro e o empedrado irregular lhe danificar a suspensão.

Metêmo-nos por uma ruela apertada que termina num portão. Abrimo-lo e passamos para um quintal pitoresco, adornado por um diospireiro e outras árvores. Duas mulheres descem a escadaria da vivenda e dão-nos umas boas-vindas tímidas, sob os olhares curiosos de algumas familiares. Instalamo-nos no quarto que nos tinham reservado. Reparamos, de imediato, num enorme tapete azeri a cobrir boa parte da parede. Chega Ilgar. Partilhamos um chá e conversamos sobre as suas aspirações e os planos para o turismo em Sheki. Entretanto, Ilgar desculpa-se mas tem que ir.

A tarde já vai a meio. Pouco depois de o anfitrião sair, fazemo-nos à povoação. Começamos por espreitar o palácio de Verão do Khan. Foi erguido no término do século XVIII, numa altura em que a produção e processamento da seda em Sheki, e o respectivo rendimento atingiam números impressionantes, cerca de dez milhões de rublos em 1910.

Apesar da prosperidade, Sheki situava-se numa encruzilhada de poderes. Os seus sucessivos khans procuraram a segurança que só o império russo poderia garantir sob a forma de protectorado. Só que o feitiço virou-se contra o feiticeiro. O khanato foi abolido e a área anexada por uma província russa caucasiana, o Caspian Oblast. Por volta de 1922, já fazia parte da República Federativa Soviética Socialista do TransCáucaso que não tardou a integrar-se na U.R.S.S.

Hoje, o monumento histórico mais impressionante da povoação, o palácio é apenas a estrutura que subsiste de um complexo muito mais vasto protegido pelas muralhas da fortaleza de Sheki. Chegou a incluir um palácio de Inverno, residências da família do Khan e os aposentos dos servos.

Do que sobra, encanta-nos acima de tudo a curiosa posição do edifício com visual de “Mil e Uma Noites”, disposto entre dois enormes plátanos com copas douradas, tão imponentes que parecem elevar-se acima das montanhas por detrás.

Dedicamos-lhe algum tempo e ao seu passado glorioso. Depois, saímos para o exterior das muralhas por uma porta no cimo da encosta. Mal a cruzamos, esbarramos em Abdulah Axundov e em Elvia Xamedov, dois jovens amigos aparentemente vestidos segundo uma mesma inspiração azeri. Abdulah trajava uma camisa aos quadradinhos por debaixo de um blusão de cabedal negro e calças de ganga também pretas. Elvia trazia uma camisa vermelha sob um blazer de cetim azul-escuro e calças parecidas com as do compincha. O duo usufruía de uma folga dos seus estudos. Queria aproveitar essa benesse e registar a farra. De acordo, quando demos por nós, estávamos a fotografá-los junto a um Lada grená e contra as muralhas. Não tardámos a perceber que não eram os únicos nas redondezas com vagar para aquele entretém. Duzentos metros abaixo, três outros parceiros de tempo livre, também eles vestidos com predomínio de negro, apreciavam o evento. Quando deles nos aproximamos a caminho do centro, metem-se connosco e inauguram a sua própria sessão particular, liderados por Mahmud que a, coberto da sua boina achatada, ensaia sucessivas poses cómicas que levam os companheiros à lágrima.

Dali, ainda nos dispusemos a espreitar uma igreja albanesa do século XII ou XIII cercada de mais diospireiros. Apanhamos primeiro um autocarro, depois um Lada táxi conduzido por um jovem que nos deixa à porta. No regresso, já sobre o pôr-do-sol, caminhamos por ruelas apertadas daquela povoação até que um outro Lada se detém e nos oferece boleia. Já nele seguia Vassif Davudov, professor de matemática que tinha dois dos seus filhos numa das turmas que lecionava e falava um pouco de turco, de inglês, de francês e de russo. Ora, o facto de Vassif ser apaixonado por futebol e até pelo futebol português não nos surpreendeu. O que nos desarmou foi quando começou a desbobinar, orgulhoso, nomes de clubes menores dos nossos campeonatos. “Santa Clara, Leixões… ah, esperem como se chama o outro… Paços de Ferreira!”.

Ilgar tinha-nos recomendado jantarmos no restaurante de um amigo. Ficava meio escondido numa ruela afastada da estrada principal pelo que tivemos dificuldade em achá-lo. Quando, encontrámos, por fim o Café Bahar, demos com um estabelecimento lúgubre e fumarento, frequentado apenas por homens que fumavam e bebiam chá de pequenos pires mais fundos que o normal. Pouco habituados a forasteiros, espantam-se com a entrada de um casal que em termos, étnicos, tinham dificuldade em compreender. Ignorámos a sua estranheza e a total inaptidão dos jovens empregados para falar outra língua que não o azeri. Instalamo-nos, comemos duas sopas tradicionais consistentes (piti e bors) acompanhadas de kompot, um sumo de frutas mistas com cor de groselha. Por volta das dez e meia, rendemo-nos ao cansaço e regressamos ao quarto que Ilgar já algum tempo nos aquecia. Toda a sua família convivia na sala logo ao lado que comunicava com o quarto através de uma janela fechada. Mas, estávamos de tal forma exaustos pelo despertar madrugador e pela viagem de Tbilisi que nem a ruidosa confraternização nos importunou o sono.

Despertámos e demos com um pequeno-almoço já pronto na mesa da cozinha logo à frente do quarto. Devorámos o repasto matinal e voltámos a sair à descoberta. Tínhamos curiosidade em perceber como pareceria Sheki vista de uma das encostas acima. Demorámos algum tempo para acertar com uma via que nos permitisse deixar a cidade. Sem termos ideia de para onde prosseguíamos, conseguimo-lo primeiro por ruelas repletas de folhas amarelas, vítimas da queda outonal. Logo, através do vasto cemitério da cidade.

Continuamos a subir por entre as campas e jazigos aglomerados dentro de gradeamentos familiares. Até que, a determinada altura, se revela, lá em baixo, o casario abundante disposto em redor do edifício mais gráfico e emblemático de Sheki, o seu caravancerai (estalagem) secular. Dali, o conjunto formado pelos telhados em tons de terra e pela derradeira folhagem multicolor, ligeiramente retocados pelo fumo branco de algumas fogueiras e chaminés, formavam um deslumbrante cenário outonal. Sem vivalma por perto, apreciamo-lo na paz eterna dos falecidos e durante o tempo que nos apetece que passe.

Até que descemos ao vale e, entre os cada vez mais Ladas que percorrem as suas calçadas, não tardamos a dar com o grande caravancerai que em tempos alojava os mercadores que passavam pela cidade e os animais e a carga com que seguiam.

A porta principal está aberta. Entramos e investigamos o vasto edifício, com quase 250 quartos dispostos atrás de sucessivos arcos erguidos em redor de um pátio principal. Naquela ocasião, como em grande parte do ano, o caravancerai estava praticamente vazio mesmo se, em época mais que baixa, alguns viajantes visitavam a cidade.

À saída da estalagem, detemo-nos a fotografar uma longa fila de Ladas disposta ao lado de um grande outdoor com a fotografia do presidente do Azerbaijão. Sem o esperarmos, constatamos que não éramos os únicos forasteiros nas redondezas. Um ciclista surge derreado do fundo da calçada. Quando chega perto de nós, aproveita para descansar o corpo e a alma da viagem que já seria longa. Apercebemo-nos da bandeirinha que tinha instalada sobre o volante. Conversa puxa conversa, confirmamos que Askar Syzbayev era cazaque. Ainda algo ofegante, o cicloturista conta-nos o que andava a fazer. “Tive a minha sorte. Consegui um patrocínio e planeei uma viagem de 8000 km entre a França e o Cazaquistão. Tem sido cansativo mas, ao mesmo tempo, maravilhoso.” Continuamos a falar por mais algum tempo mas Askar estava derreado e farto de pernoitar na tenda que transportava. Tinha decidido que, em Sheki, dormiria mais confortável mas precisava de encontrar um lugar com preços compatíveis com o seu orçamento. Bastou-lhe examinar a fachada e a entrada do edifício histórico para concluir que não poderia contar com o caravancerai.

Despedimo-nos. Continuamos a explorar o centro da cidade. Deliciamo-nos em particular com os grandes estendais soviéticos de roupa dispostos entre andares opostos de blocos de prédio distantes e em que as mulheres estendiam ou apanhavam a roupa operando as enormes cordas rotativas.

Antes de deixarmos Sheki em direcção à capital Baku, ainda encontramos outros pontos com vistas distintas sobre o casario e os minaretes que dele se projectavam. Nas imediações de um desses lugares, damos de caras com um monumento que lembrava os filhos de Sheki, vítimas da guerra entre o Azerbaijão e a Arménia, um conflito sempre latente e que, devido à nossa visita da Arménia, quase nos impedira de entrar no Azerbaijão.

 

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Tbilissi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.

Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Sem corrimão
Arquitectura & Design

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Pleno Dog Mushing
Aventura

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Indígena Coroado
Cerimónias e Festividades

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Celebração Nahuatl
Cidades

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Tatooine na Terra
Cultura

Sudeste da Tunísia

A Base Terráquea da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.

 

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Um rasto na madrugada
Em Viagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Passagem
Étnico

Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Lenha à Pressa
História
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Vista de Selkirk
Ilhas

Ilha Robinson Crusoe, Chile

Na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe

Frígida pequenez
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Recanto histórico
Natureza

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

Épico Western
Parques Naturais

Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos E.U.A. Hoje, na Navajo Nation, os navajos também vivem na pele dos velhos inimigos.

De regresso a casa
Património Mundial Unesco

Sigiriya, Sri Lanka

A Capital de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.

Gang de 4
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Brigada incrédula
Praia

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Folia Divina
Religião

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Noite Pachinko
Sociedade

Tóquio, Japão

O Vídeo-Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.

Um
Vida Quotidiana

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Refeição destemida
Vida Selvagem

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.