Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial


No sopé do grande Aratat

O mosteiro de Khor Virap, erguido no local em que São Gregório foi aprisionado. O grande monte Ararat em fundo.

Promessas e crenças

Crentes acendem velas à entrada do mosteiro de Geghard.

Missa à moda arménia

Um religioso destaca-se dos fiéis que participam numa missa na catedral de Echmiadzin.

Silhuetas de Ierevan

Transeuntes em frente à catedral de São Gregório o Iluminador, uma das maiores igrejas da capital arménia Ierevan.

Mais fé

Crentes arménias rezam durante uma missa levada a cabo na Catedral de Echmiadzin. 

Um mosteiro escavado na rocha

O mosteiro de Geghard, erguido no sopé de uma encosta, no local em que se diz que Judas Tadeu terá trazido a lança do centurião Longinus que feriu Cristo durante a crucificaçao.

Benção Divina

O Catholicos - lider da igreja arménia - benze crentes à saída da catedral de Echmiadzin.

Num templo de pedra

Uma fiel percorre as câmaras de rocha esculpida que compõem grande parte do mosteiro de Geghard.

Pura fé

Fiéis durante uma missa na catedral de Echmiadzin, uma das mais antigas do mundo.

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

Amanheceu faz pouco, o céu mantém-se azul e o sol brilha radioso como em todos os dias desde que cruzámos a fronteira para sul da Geórgia. Uma grande poça gelada resiste à entrada, na sombra criada pela montanha acima. Cruzamos o pórtico em arco e avançamos pelo átrio de pedra, desconfiados de uma qualquer traição do velho piso avermelhado. Saídos da penumbra, descortinamos a imponência e elegância do mosteiro, escavado na encosta amarelada pelo já longo Outono do Cáucaso.

As suaves carícias do grande astro e a visão imediata de vários khachkars encrustados na rocha impelem-nos a permanecer no exterior a apreciar aqueles incríveis memoriais, tão característicos da arte medieval cristã da Arménia, como o são os seus abundantes mosteiros seculares.

Por fim, lá entramos no Geghard, um dos mais venerados pela sua antiguidade e significado histórico. Apesar da hora quase madrugadora, quando empurramos a porta, soltamos luz sobre a sacristia lúgubre e percebemos que já alguns fiéis acendem pequenas velas entre a família de colunas e, com as faces ruborizadas pelas chamas das promessas, sussurram as suas preces numa íntima comunhão consigo e com Deus.

Prosseguimos para o interior da Avazan, uma câmara toda ela talhada a partir de uma antiga caverna com uma nascente já usada como local de culto pagão antes da propagação do Cristianismo. E subimos ao Jhamatum, uma outra secção superior que contém as sepulturas de antigos príncipes arménios. Um buraco num recanto permite-nos espreitar a Avazan abaixo. Descobrimo-lo e ocupamo-lo por algum tempo, até que percebemos que um outro visitante nos espreitava da entrada. Haveríamos de com ele nos voltarmos a cruzar e de nele encontrar uma surpreendente familiaridade. Chamava-se Fernando, era português e andava de viagem pelo mundo fazia já um bom tempo. Voltámos a encontra-lo no nosso regresso a Tbilissi.

Continuámos a explorar Geghard, na sequência, a capela elevada de São Gregório o Iluminador, o fundador do mosteiro e principal mentor da precocidade da fé cristã dos arménios. Geghard significa lança. O mosteiro recebeu este nome após o apóstolo Judas Tadeu ter alegadamente trazido para o lugar em que foi erguido, a lança com que o centurião romano Longinus feriu Jesus durante a crucificação. Na origem, foi fundado no lugar de uma fonte sagrada por São Gregório o Iluminador, hoje, santo patrono da Arménia e mentor da Igreja Apostólica Arménia.

Gregório (Gregor Lousavorich) nasceu em 257 d.C., crê-se que filho de Anak o Parto, um príncipe arménio que se viu condenado à morte pelo assassínio do rei Khosrov II. O próprio Gregório escapou por pouco à execução graças ao auxílio dos seus tutores. Foi por eles levado para a Capadócia (actual coração da Turquia) para que pudesse ser educado como um cristão devoto, a salvo dos perseguidores. Gregório encarou os ensinamentos com seriedade. Casou com Miriam também ela uma cristã devota e filha de um príncipe arménio cristão da Capadócia. Tiveram vários filhos mas, a determinada altura, Gregório optou por seguir uma vida monástica. Voltou à Arménia com a esperança de redimir o crime do pai pela evangelização cristã da Arménia.

Nessa altura, reinava Tiridates III (Trdat ou Drtat, em arménio) o filho do rei Khosrov II. Receoso por Gregório ser filho do assassino do seu pai, Tiridates III ordenou a sua prisão por doze anos num fosso situado numa planície próxima ao sopé do monte Ararat.

Passado algum tempo, Tiridates apaixonou-se por Rhipsime uma freira cristã que se havia refugiado da perseguição aos Cristãos desencadeada pelo imperador romano Diocleciano, na Arménia. Quando Rhipsime recusou, executou-a e a todas as restantes mulheres refugiadas. Após este evento – e diz-se que também devido à traição do imperador romano Diocleciano que invadiu parte das províncias do oeste da Grande Arménia – enlouqueceu e adaptou o comportamento de um javali. A irmã de Tiridates teve uma visão recorrente de que só o prisioneiro Gregório poderia curar o rei. Quase moribundo, Gregório viu-se resgatado do fosso, livre e com a árdua missão de restaurar a sanidade de Tiridates. Viria a cumpri-la. Tiridates não tardou a arrepender-se das atrocidades que cometera. Tanto ele, como a sua corte e o exército se converteram ao Cristianismo. O fosso em que Gregório esteve preso acolheu, mais tarde, em sua honra, o mosteiro de Khor Virap.

Entusiasmados por continuarmos na senda da vida do Iluminador, visitamo-la num dos dias seguintes, com nova incursão a partir de Ierevan.

Viajamos para sul, em direcção ao rio Arax que tornava húmida a atmosfera frígida. O Arax estabelece a fronteira com a Turquia, repleta de arame-farpado e minas e uma das mais conturbadas à face da Terra devido aos acontecimentos de 1915-23 que os Arménios qualificam de genocídio Arménio com cerca de 1.5 milhões de vítimas às mãos dos otomanos, enquanto os turcos argumentam que o número é muito inferior e se deveu às meras agruras da Primeira Guerra mundial e tempos que se seguiram.

Nos derradeiros quilómetros do percurso, voltamos a aproximar-nos a olhos vistos do monte Ararat que, a determinada altura, se eleva no prolongamento de vinhas ressequidas pelo frio. Khor Virap, encontramo-lo sobre uma elevação rochosa apenas na aparência, na base do grande Ararat onde, apesar da polémica em volta do assunto, grande parte dos Arménios acredita ter-se imobilizado a Arca de Noé após o Dilúvio e que devia fazer, ainda hoje, parte do território da sua nação. Cristina Kyureghian, a guia que nos acompanha, descreve, aliás, uma das curiosas embirrações diplomáticas entre arménios e turcos: “sabem que os turcos tiveram o desplante de exigir que retirássemos o monte Ararat da nossa bandeira. Dizem que não nos pertence. Os nossos representantes responderam que, nesse caso, eles nunca deviam ter incluído a lua na deles.”

Vencemos a derradeira rampa para o mosteiro. Acabamos por entrar ao mesmo tempo que um padre ortodoxo arménio recebido pelos trabalhadores e outros religiosos com a devida pompa.

Explora o interior do complexo um grupo de russos e alguns outros visitantes de distintas paragens. É com os russos que partilhamos a capela de Gevorg, antes de descermos ao fosso lúgubre de 6m de profundidade e 4.4m de diâmetro em que Gregório sobreviveu durante treze anos apenas porque uma mulher clemente daquela zona lhe atirava algum alimento todos os dias. No regresso à superfície, examinamos o resto do complexo e subimos a uma pequena elevação próxima do mosteiro. Dali destacados, admiramos o monte Ararat e o cemitério ortodoxo vasto que se estende por uma encosta oposta abaixo até à longa estrada recta que conduz ao mosteiro. De quando em quando, percebemos e acompanhamos com os olhos velhos Ladas que a percorrem, vagarosos, na nossa direcção. Não tarda, tomamos a mesma estrada e deixamos Khor Virap para trás.

Tiridates III, esse, enveredou por um caminho de fé sem retorno para a Arménia. Aceitou que Gregório o baptizasse, aos membros da corte e a muitos membros da classe alta. Reconhecido, em 301 d.C., o rei concedeu ainda a Gregório o direito de converter todos os súbditos. Ao mesmo tempo, é há muito aceite pelos historiadores que tornou a Arménia a primeira nação a ter o Cristianismo como religião oficial de estado, se bem que este facto se tem revestido de controvérsia, nomeadamente pela possibilidade de o monarca do reino de Odessa o ter feito em 218 d.C.

É já em Echmiadzin que compreendemos melhor o respeito inquestionável que os arménios conservam por essa decisão deste antigo rei e pela devoção do seu santo padroeiro de há muito, o primeiro líder da Igreja Apostólica Arménia.

É Domingo. O dia amanhece uma vez mais radioso. Ierevan repousa do seu habitual reboliço laboral. Viajamos, assim, bem mais rápido do que esperávamos até a grande catedral, a tempo da missa que estava prestes a ter lugar. Mais e mais fiéis afluem para a porta principal da catedral, erguida por ordem de Gregório entre 301 e 303 no lugar de um templo pagão. Hoje, considerada a mais antiga do mundo.

São homens e mulheres de todas as idades e, por irónico que possa parecer, até militares adolescentes nas fardas camufladas e bélicas que, mesmo em tempos mais recentes, a Arménia se viu forçada a usar. Já no interior grandioso e opressivo do santuário, acendem velas vermelhas e entregam-se a sucessivas preces. As pequenas chamas da fé aquecem-lhes as faces e os laivos de luz diagonal filtrados pelos vitrais no alto da igreja. Acrescentam algum misticismo à atmosfera já de si arcana. Apostólica arménia, a missa pouco tem que ver com aquelas a que estávamos habituados. Desenrola-se em distintas secções da catedral. O coro produz melodias poderosas a partir de uma ala. Os principais sacerdotes, cobertos por mantos vermelhos ou dourados resplandecentes, vocalizam ou ecoam a missa com ritos e rituais vagarosos e repetidos que envolvem ceptros, crucifixos, livros religiosos, outros artefactos sagrados. Não têm lugar as esperadas sequências de bancos. A maior parte dos crentes mantém-se de pé e move-se de um lado para o outro do espaço cruciforme num convívio que se prova tão religioso como social e informal.

Esta harmonia é suavemente quebrada quando o Catholicos actual da Arménia marca presença na catedral no seu habitual traje encapuçado negro coberto de um manto púrpura e circula entre os crentes que buscam a bênção da sua bênção.

Reconhecemos-lhe o cargo supremo e concentramos nele toda atenção. Acompanhamos a comoção gerada até à porta da catedral onde dezenas de outros fiéis já aguardam o líder da sua igreja com indisfarçada ansiedade.

O Catholicos, saúda-os e benze-os. Sem que o esperássemos, aquela personagem volumosa de face rosada e barba muito branca estranha o aparato fotográfico que, em vez de um simples crucifixo, temos pendurado ao pescoço. Ainda assim, acaba por nos benzer mesmo antes de se sumir, à frente de um séquito de sacerdotes, nos aposentos retirados de Echmiadzin.

 

 

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Guwahati, India

A Cidade que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Suzdal, Rússia

1000 Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.

Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.

Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo israelita. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Seydisfjordur
Arquitectura & Design

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Fogo-de-artifício branco
Aventura

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cerimónias e Festividades
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Gentlemen Club & Steakhouse
Cidades

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Cultura
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Erika Mae
Em Viagem

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Danças
Étnico
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Dia escuro
História

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Ilhas
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Natureza
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Lagoas fumarentas
Parques Naturais

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Vista aérea da Ilha de Principe, São Tomé e Principe
Património Mundial UNESCO
Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Insólito Balnear
Praias

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Religião
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Tsumago em hora de ponta
Sociedade

Magome-Tsumago, Japão

O Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o shogun Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é frequentemente invadido por uma turba ansiosa por evasão.

Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Curiosidade ursa
Vida Selvagem

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.