Samoa Ocidental

Em Busca do Tempo Perdido


Viagem no Tempo

Autocarro típico passa em frente da velha catedral católica de Apia.

Senhoras de branco

Duas senhoras caminham protegidas do sol numa aldeia do interior de Upolu.

Mergulho na selva

Papapapaitai, uma das quedas d'água mais luxuriantes de Upolu.

Rugby sobre o feno

Nativos confrontam-se num torneio de rugby disputado numa pequena povoação de Upolu.

Mísseis de Upolu

Proprietário de uma porção de litoral faz projectar cocos de um dos muitos blow-holes de Samoa.

Fim da missa

Crentes deixam uma igreja católica nos arredores de Apia.

Mote rodoviário

A vida continua em Apia, a partir do início de 2012, do lado contrário da Linha Internacional da Data.

À moda de Samoa

Autoridade de Apia, combina uniforme policial convencional com trajes tradicionais samoanos.

Acenos vegetais

Árvores peculiares numa zona plana de Upolu.

Amigas de farda

Estudantes em uniformes da sua escola aguardam pela chegada de um autocarro.

Return to Paradise Beach

Uma enseada idílica de Upolu, onde Gary Cooper chegou a contracenar e foi filmada uma das séries do programa "Survivor Pacific".

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para Oeste da Linha Internacional de Data.

São escassos os relógios, os placares electrónicos e monitores de partidas e chegadas mas o simples facto de estarmos a atravessar o pequeno aeroporto Faleolo de Apia, provava-nos que tínhamos acabado de cruzar a Linha Internacional de Data (LID) para leste e voado par

a trás no tempo. Estávamos agora num misterioso ontem tropical e, depois da reserva dos bilhetes e dos vários contactos com as autoridades da ilha, era o programa de actividades em Samoa que nos exigia os derradeiros acertos cronológicos, como mais tarde os reclamaram cad

a telefonema e contacto com o resto do mundo.

Anthony – o nosso anfitrião – detecta-nos entre os recém-chegados de Auckland, Nova Zelândia e saúda-nos com um talofa expressivo. O seu traje típico é composto de um lava-lava (espécie de saia longa) combinado com uma camisa com design florido. Relembra-nos o forte orgulho dos nativos na nação samoana e o privilégio de estarmos tão longe de casa, nos confins do outro lado do mundo.

“Já acertaram os relógios? Não se esqueçam que não é só a hora. Atrasem-nos um dia senão vão andar sempre à nossa frente e só dá confusão.” assegura-nos com boa disposição. “Não se riam! Acreditem no que vos digo: para mim, isto agora já é quase mecânico mas quando comecei a trabalhar no turismo fiz várias viagens para Auckland e Sydney e fartei-me de ter problemas por causa desta maldita linha imaginária.”

As ilhas samoanas – incluindo, na altura, a Samoa Americana, hoje um território distinto pertencente aos E.U.A – mantiveram-se a oeste da LID até 1892, ano em que comerciantes americanos convenceram o rei Malietoa Laupepa a adoptar o “dia americano”, de maneira a que o arquipélago ficasse apenas a três horas atrás da Califórnia, algo benéfico para as transacções comerciais de então. Essa alteração foi concretizada através da repetição do 4 de Julho de 1892, dia da Independência dos Estados Unidos e, apesar de as ilhas terem sido administradas pela Grã-Bretanha, E.U.A e Nova Zelândia e de Samoa Ocidental se ter tornado, em 1962, na primeira nação do Pacífico a declarar independência, o território permaneceu 119 anos a leste da linha.

Bastam algumas dezenas de quilómetros em volta de Upolu para percebermos porque razão um problema que se tinha já revelado óbvio para os grandes vizinhos “ocidentais” Austrália e Nova Zelândia, só recentemente suscitou a intervenção das actividades.

Atravessamos pequenas aldeias do litoral organizadas em redor das suas fales (estruturas polinésias de abrigo de forma oval ou redonda). E, de cada vez que o guia nos leva a um lugar e nos deixa por conta própria, Anthony dá-nos uma hora de referência para o reencontro mas faz questão de acrescentar que se trata de “Samoan Time” o que equivale a dizer que estamos à vontade e podemos aparecer muito mais tarde.  Também interpretámos este aviso como um: “se vocês portugueses e restantes latinos acham que são descontraídos, habituem-se à ideia de que nós, samoanos, somos dez vezes mais”.

Sente-se o calor habitual destas paragens tropicais do Pacífico do Sul e a humidade sufoca. São outras razões válidas – para lá do isolamento geográfico e da resistência polinésia à mudança – para grande parte dos nativos descansarem à sombra de árvores, no interior das suas casas simples ou dos pequenos negócios domiciliários. A impressão com que ficamos é que o tempo parou, por estes lados, e, se a ciência impede qualquer conclusão do tipo, sabemos que, a determinada altura, o seu passar “retardado” já quase só favorecia Samoa em termos de promoção turística.

Às Voltas Com o Tempo

“O último país à face da Terra a ver o sol a pôr-se” era um conceito frequentemente explorado pelos responsáveis das campanhas internacionais de marketing que assim aproveitavam para chamar a atenção de jovens recém-casados com poder de compra principalmente da Austrália e da Nova Zelândia mas também da Europa, dos Estados Unidos e até do Japão. Com a mudança, em vez de desaparecer, o trunfo solar será invertido para “o primeiro país do mundo a ver o sol nascer” e, por acréscimo, a actividade turística passa a ganhar dois dias extra de contacto e operacionalidade com os congéneres kiwi e aussie – Samoa encontrava-se 23 horas atrás da Nova Zelândia, onde 130.000 habitantes têm origem samoana e passou a estar 1 hora à frente – o que trará vantagens comerciais significativas a curto prazo.

Mas, como sempre acontece nestes casos, é impossível agradar a gregos e a troianos e alguns proprietários de resorts queixam-se que o apelo do derradeiro pôr-do-sol era muito mais romântico que um nascer do sol madrugador, ainda que o primeiro do planeta.

A sua insatisfação não demoveu o primeiro-ministro Tuila’epa Sailele Malielegaoi que se queixava com frequência da situação vigente: “… quando é Sexta-feira, aqui, é Sábado na Nova Zelândia e, quando estamos na igreja ao Domingo, eles já estão a tratar de negócios em Sydney e Brisbane. Em cada semana que passa, são dois dias de trabalho perdidos”.

Rico Tupai, um dos homens de negócios mais influentes do país completou o raciocínio numa outra declaração à imprensa: “ à Sexta mandamos emails para a Austrália e Nova Zelândia com questões e nunca temos respostas porque lá já é fim de semana. Quando as respostas chegam, estamos nós longe dos computadores, a conviver com as famílias…”  

Na prática, a decisão implicou uma opção de aproximação à esfera destes dois países e da Ásia, com quem Samoa passou a ter relações prioritárias, em detrimento da esfera norte-americana, incluindo da “irmã” Samoa Americana que, apesar de situada a apenas alguns quilómetros para leste, ficou 25 horas atrás de Samoa, enquanto Los Angeles, a quase 8000 km de distância, se encontra agora 22 horas atrás de Apia.

Assim, à meia-noite local do dia 29 Dezembro (Sexta-feira) Samoa passou directamente para 31, na companhia da pequena nação vizinha Tokelau que aproveitou a boleia.

Devido ao seu teor histórico, a mudança foi oficializada por uma pequena cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, seguida por um chá ou café matinal oferecido a todas as pessoas que a tinham presenciado. Mas foi celebrada apenas por alguns habitantes que, sob um céu iluminado pelo rebentamento de fogo de artifício, circularam e buzinaram em redor da rotunda da velha torre branca e amarela do relógio do centro de Apia (a capital), erguida em memória daqueles que combateram e morreram na 1a Guerra Mundial, no local em que existia um palco em que os marinheiros já em terra faziam serenadas de recepção aos seus compatriotas que chegavam em navios. Com o fim da guerra, esta torre foi dotada de relógio e de sinos por um dos seus homens de negócios pioneiros de Samoa, Olaf Frederick Nelson, que os ofereceu em memória do seu único filho Ta’isi, vítima de uma epidemia de gripe trazida para as ilhas pelo navio neozelandês SS Talune, em 1918.

Passados 94 anos e em tempos de paz e saúde, sem ninguém se aperceber, os ponteiros deste relógio foram forçados a dar duas voltas completas para diante.

Vários turistas endinheirados aproveitaram para viajar até Samoa para experimentarem a travessia de um lado para o outro da LID e, mais tarde, viverem uma das primeiras passagens de ano à face da Terra, para depois viajarem para a Samoa Americana, cruzando de novo a LID, para chegarem a 31 de Dezembro e celebrarem de novo, no último território do mundo a chegar a 2012.

Aqueles que já tinham reservas feitas nos hotéis e resorts de Upolu e Savai’i – as duas ilhas principais de Samoa – não tiveram que pagar a estada de 30 de Dezembro uma vez que oficialmente o dia não existiu.

Quanto a nós, na manhã seguinte, regressamos a Auckland e atravessámos a Linha Internacional de Data. À tarde, voltamos a cruzá-la para o dia anterior, a caminho dos Estados Unidos e uns meses depois, para o dia seguinte, com a China como destino. 

Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Volta ao Mundo - Parte 1

Viajar Traz Sabedoria. Saiba como dar a Volta ao Mundo.

A Terra gira sobre si própria todos os dias. Nesta série de artigos, encontra esclarecimentos e conselhos indispensáveis a quem faz questão de a circundar pelo menos uma vez na vida.

Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Filhos da Mãe-Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Tempo de MassKara
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Trólei Azul
Cidades

Oslo, Noruega

Uma Capital Sobrecapitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Rosa Puga
Cultura

Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

À sombra da falésia
Em Viagem

Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Grande Ilha. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.

Passagem
Étnico

Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
A derradeira luz
História
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Ilhas
São Nicolau, Cabo Verde

Sodade, Sodade

A voz de Cesária Verde cristalizou o sentimento dos caboverdeanos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau percebe porque lhe chamam, para sempre e com orgulho, "nha terra".
Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Caminhada Suprema
Natureza

Savuti, Botswana

O Domínio dos Leões Comedores de Elefantes

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Mokoros
Parques Naturais

Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.

Património Mundial Unesco
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Espantoso
Praia

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

As forças ocupantes
Religião

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Sphynx
Sociedade

Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Brincadeira ao ocaso
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.