Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL


Ilha menor, habitante XL

Tupola Tapaau, moradora da ilha de Manono, uma ilha menor de Samoa.

Recolecção II

Nativos de Tongatapu vasculham os recifes durante a maré-baixa.

Recolecção I

Moradora da ilha de Tongatapu mostra um polvo recém-capturado.

Ao balcão

Kosetalau Toreafoa, dono de uma loja de beira de estrada de Samoa Ocidental.

Sobrelotado

Passageira volumosa em trajes tradicionais entra num mini-bus de Tongatapu.

Floresta alimentar

Grandes taros, em tempos, o tubérculo na base alimentar de Tonga e de boa parte da Polinésia.

Skipper XL

Timoneiro ao leme de um barco que liga Tongatapu à Fafa Island Resort.

Desgosto

Senhoras saídas de um cemitério de Tongatapu onde visitaram um parente que pereceu devido às doenças não comunicáveis que assolam Tonga e o Pacífico do Sul.

Recolecção III

Nativa de Tongatapu vasculha os recifes durante a maré-baixa.

A iguaria possível

Moradores de Tongatapu cozinham torresmos à moda local, outro petisco nada saudável.

Corrida literária

Samoano corre acima e abaixo da colina em que está sepultado Robert Louis Stevenson para perder peso.

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.

Sentimos o tema do excesso de peso na pele bem mais cedo do que contávamos. Embarcamos no avião com destino a Nuku’ Alofa, a capital de Tonga. Menos de um minuto depois de nos sentarmos a bordo, ficamos a conhecer os parceiros de voo mais imediatos. Uma senhora que se aproxima dos fundos da coxia ganha um volume intimidante.

A muito esforço, encaixa-se no assento exíguo. Sem que o pudesse evitar, faz sumir o braço esquerdo da nossa cadeira mais próxima e invade o espaço que nos estava reservado.

O avião desacelera na pista do aeroporto Fua’amotu e imobiliza-se em frente ao seu edifício principal. Livres do aperto, atravessamos os metros derradeiros do asfalto atentos às peculiaridades inaugurais da nação. Seguiam-nos, vagarosos, dezenas de outros passageiros tonganeses que acenavam aos familiares e amigos na varanda sobranceira do aeroporto.

Entre uns e os outros, saltava uma vez mais à vista o tamanho exagerado e arredondado das pessoas. Nem os tupenus e os kofu-tupenus – as saias tradicionais de tarja – disfarçavam a corpulência dos vultos, muitos deles acima dos 90, 100 ou até bem mais quilos.

À medida que exploramos a cidade e a ilha de Tongatapu em redor, percebemos o quão generalizado se revelava o excesso de peso e de dimensão da população. E de como, com o tempo, se havia acumulado desde o topo da sua esfera dinástica.

Uma Monarquia de Peso

Em Setembro de 2006, após 41 anos no trono, Tonga perdeu o seu rei Taufa’ahau Tupou IV. Nas três décadas anteriores ao falecimento, Tupou IV manteve lugar no livro dos recordes como o monarca mais pesado do mundo, à data do registo inicial (1976) com uns módicos 209 kg. Ao longo da sua vida, os problemas de saúde sucederam-se, cardíacos, de diabetes e derivados.

O rei ainda se aventurou a fazer exercício três vezes por semana e perdeu quase metade desse peso. Baixou para os 130kg. O esforço não chegou para evitar um ano e meio de desterro e de tratamentos em Auckland. E a sua morte, aos 88 anos,  mesmo assim não tão precoce como se poderia prever.

Muitos dos seus inocentes e humildes súbditos sucumbem às mesmas maleitas, demasiados, em plena meia-idade, ou pouco depois.

Nem sempre assim foi. Malgrado a prevalência da má alimentação e das doenças, uma porção significativa dos tonganeses resiste, em especial, aqueles que não chegam a ter dinheiro para se alimentar fora de casa, ou para consumir diferente do que as suas terras lhes proporcionam.

A base alimentar do arquipélago de Tonga, de todas as ilhas da vasta Polinésia, aliás, assentava em tubérculos (em especial no taro), em bananas, coco e no peixe e marisco capturado ao largo.

No entanto, a partir dos séculos XIX e XX, por influência da emigração destes ilhéus para a Nova Zelândia e Austrália, começaram por se popularizar, na origem, peças de carne gordas (repletas de gorduras saturadas, cartilagens e pele) e pouco dispendiosas.

Da Alimentação Tradicional à Seriamente Prejudicial

Foram os casos das maminhas de cordeiro e das caudas de peru, consideradas restos nos países produtores de gado. O hábito de as comer ter-se-á desenvolvido nesses mesmos países. Com o tempo, os produtores constataram que os polinésios imigrados as apreciavam.

Conscientes da dificuldade que as ilhas isoladas de Tonga, Samoa e restante Polinésia, tinham de consumir carne, fosse pela sua escassez fosse pelo custo elevado das peças de melhor qualidade, encontraram na exportação daquelas “sobras” um nicho de negócio lucrativo.

A Nova Zelândia começou a para lá exportar os mutton flats que produzia em quantidades industriais ou não tivesse muitos mais habitantes ovinos que humanos. Já os Estados Unidos, detentores da vizinha Samoa Americana, exportaram as caudas de peru.

Em pouco tempo, os polinésios do Pacífico do Sul viam-nas como iguarias. No mesmo tempo, a tal pseudo-carne gerou uma epidemia de obesidade que só se agravaria, o que não surpreende se tivermos em conta que cada 100g dos mutton flaps contêm 40g de gordura, 20g das quais, saturadas. Alguns tonganeses consomem quase 1kg numa única refeição.

Os Mutton Flaps, em vez de Peixe e Vegetais

Nos dias que dedicamos a Nuku’Alofa, trabalhamos ao computador, repousamos e alimentamo-nos num tal de “Friends Cafe” um antro cosmopolita que atraía e reunia os forasteiros, turistas e em negócios. Mesmo se o seu menu ocidentalizado se provava dos mais dispendiosos da cidade e o WiFi oferecido demorava meia-hora a enviar ou a receber ficheiros com umas dezenas de kb.

Também alugamos um carro e saímos à descoberta de Tongatapu, a ilha-mãe de Tonga. Nessas voltas, apercebemo-nos da quantidade de nativos que, durante a maré-baixa, passavam os recifes a pente fino e recolhiam tudo o que se movesse ou parecesse vivo: polvos, chocos, moluscos, ouriços e criaturas afins.

E, para o interior, como diversas famílias continuavam a lavrar as terras e a plantar e a colher os vegetais mais apreciados.

No entanto, desprovidos de quaisquer noções de saúde ou nutricionismo, muitos destes pescadores, recolectores e agricultores procuram vender os produtos do seu trabalho.

Se o conseguem (o que nem sempre é fácil), adquirem os apetecidos mutton flaps que alimentaram e viciaram as últimas gerações que cresceram sem alternativas viáveis de carne. Com frequência, os mutton flaps eram a única peça de ovídeo à venda.

Carnes mais saudáveis de outro tipo de gado tinham preços fora do alcance. Em simultâneo, os consumidores deixaram-se iludir pelo preconceito generalizado de que o que vinha de fora era de qualidade superior: “Em tempos, os tonganeses remaram pela vastidão destes mares do Pacífico nas suas grandes canoas” declarou à BBC sobre o problema a anciã Papiloa Bloomfield Foliaki. “Quando deixou de ser necessário, invertemos essas canoas em terra e usámo-las como lares.

O Preconceito Prejudicial de que Se é Estrangeiro é Melhor

Agora já ninguém está contente com essas casas. Só as ocidentais, mais evoluídas, as que encontram na Nova Zelândia, na Austrália e Estados Unidos satisfazem as famílias. Com a comida é a mesma coisa.”

À medida que a modernidade deu à costa de Tonga e de outras ilhas polinésias, distintas receitas do mesmo mal se propagaram. À imagem do que testemunhámos em comunidades mais pobres e socialmente desprotegidas da Nova Zelândia, sobretudo de etnia maori ou de imigrantes polinésios, mais tarde em Apia – a capital de Samoa Ocidental – os MacDonalds, Burguer Kings, KFCs e franchisados do género enriqueciam os proprietários e as empresas-mãe.

Gerava grandes lucros gerados com base no desconhecimento das famílias do que deviam ou não comer, do que era saudável ou lhes arruinaria a saúde.

Em repetidas ocasiões, reparámos em como reuniam os seus grandes clãs às meses destes estabelecimentos. E em como se empanturravam de hambúrgueres e asinhas de frango e batatas fritas, de gelados e batidos e os empurravam com quase-baldes de bebidas gaseificadas e açucaradas.

Noutras ocasiões, vimos como se entregavam a churrascos caseiros animados em que devoravam entrecostos, salsichas e outros petiscos tão ou mais gordos e gordurosos.

Ou como, em Samoa, Kosetalau Toreafoa, o dono regressado da diáspora na Austrália e E.U.A. de uma loja de beira de estrada pouco mais tinha à venda que refrigerantes, enlatados e pacotes chineses de noodles instantâneos, inundados de MSG’s, sal e gorduras saturadas.

A Vulnerabilidade Genética dos Polinésios

Como se não bastasse, os cientistas apuraram que muitos dos polinésios portam um gene da obesidade desenvolvido ao longo dos séculos crê-se que por, nas suas viagens e tentativas de colonização do Pacífico, se terem visto obrigados a resistir a longos períodos sem se alimentarem.

Este gene faz alegadamente com que mais gordura se acumule nos seus corpos e com que ganhem mais depressa peso e volume.

Tal factor será determinante na predominância polinésia no topo do ranking dos países mais “pesados” no mundo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, nove dos dez países cimeiros são a Samoa Americana, Nauru, Ilhas Cook, Tokelau, Tonga, Samoa, Ilhas Marshall, Kiribati e Palau.

Só o Qatar, o Kuwait, Saint Kitts and Nevis, as Bahamas, Barbados e outras ilhas caribenhas  se imiscuem no Top 20 neste clube restrito de obesos. Em vários dos territórios mais de 50% da população é obesa.

Em alguns, a percentagem nacional ultrapassa os 80%. Nos tempos mais recentes, a Samoa Americana, com nove obesos em cada dez habitantes tem vindo a destacar-se dos demais. Ao que não será alheia a ainda mais intensa adopção do fast food que há muito devassa os E.U.A.

Polinésios como o tatuado, encorpado e barrigudo Kosetalau Toreafoa, que nos atende a afagar a grande barriga exibida acima do balcão, resistem a abandonar as crenças culturais de que “grande é belo e sinal de riqueza e prosperidade”.

Falham em entender que, ao invés, magro não significa necessariamente pobre ou com fome e em distinguir entre grande e gordo.

Outros Agentes Nocivos: as Igrejas e as Multinacionais

A religião, por sua vez, preenche uma variável não desprezável no tema. Os sacerdotes de igrejas como a Free Wesleyan Church, a igreja mórmon de Jesus Cristo e dos Santos dos Últimos Dias, a Igreja Livre de Tonga e até mesmo as igrejas católicas romanas ocupam lugares de autoridade e modelo social influentes mas prejudiciais se tivermos em conta que quase todos são obesos.

Nem tudo é negativo. Tanto em Tonga como em Samoa os jovens e homens até à meia-idade continuam a praticar râguebi ao fim de tarde ou manhãs de fim-de-semana e feriados, em vários ervados naturais disseminados pelo arquipélago.

Um râguebi nem sempre de primeira água mas atlético e sôfrego, a espaços violento e que faz da pequena nação a 12ª potência mundial do desporto, fornecedora de inúmeros jogadores naturalizados sobretudo à todo-poderosa Nova Zelândia.

Na Polinésia Francesa, as autoridades gaulesas reagiram em 2009 com taxas sobre as bebidas açucaradas. Desde então, outras nações do Pacífico seguiram o exemplo, com sucesso reduzido.

As multinacionais são de tal forma predominantes que acabam por manipular os governos e contornar as restrições. Aqui e ali, os seus logos e designs decoraram as fachadas de lares, bares e outros negócios das ilhas, como acontece com os das multinacionais de fast food proeminentes. Enquanto isso, boa parte dos polinésios continua sem saber como se desenrodilhar do flagelo nutricional que os vitima.

Mais informação sobre este tema na página respectiva da Wikipedia.

Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Ilha da Páscoa, Chile

Sob o Olhar dos Moais

Rapa Nui foi descoberta pelos europeus no dia de Páscoa de 1722. Mas, se o nome cristão da ilha faz todo o sentido, a civilização que a colonizou de estátuas observadoras permanece envolta em mistério.

Samoa Ocidental

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para Oeste da Linha Internacional de Data.

Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.

Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Voo marinho
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Silhuetas Islâmicas
Cidades

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Tempo de surf
Cultura

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Bark Europa
Em Viagem

Canal Beagle, Argentina

No Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies

Promessa?
Étnico
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Rumo ao vale
História
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Mme Moline popinée
Ilhas

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Recanto histórico
Natureza

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Patrulha réptil
Parques Naturais
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Santuário sobre a floresta II
Património Mundial UNESCO

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Cap 110
Praias

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.

Folia Divina
Religião

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

A todo o vapor
Sobre carris

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul

Sociedade
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Um rasto na madrugada
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.