Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL


Ilha menor, habitante XL

Tupola Tapaau, moradora da ilha de Manono, uma ilha menor de Samoa.

Recolecção II

Nativos de Tongatapu vasculham os recifes durante a maré-baixa.

Recolecção I

Moradora da ilha de Tongatapu mostra um polvo recém-capturado.

Ao balcão

Kosetalau Toreafoa, dono de uma loja de beira de estrada de Samoa Ocidental.

Sobrelotado

Passageira volumosa em trajes tradicionais entra num mini-bus de Tongatapu.

Floresta alimentar

Grandes taros, em tempos, o tubérculo na base alimentar de Tonga e de boa parte da Polinésia.

Skipper XL

Timoneiro ao leme de um barco que liga Tongatapu à Fafa Island Resort.

Desgosto

Senhoras saídas de um cemitério de Tongatapu onde visitaram um parente que pereceu devido às doenças não comunicáveis que assolam Tonga e o Pacífico do Sul.

Recolecção III

Nativa de Tongatapu vasculha os recifes durante a maré-baixa.

A iguaria possível

Moradores de Tongatapu cozinham torresmos à moda local, outro petisco nada saudável.

Corrida literária

Samoano corre acima e abaixo da colina em que está sepultado Robert Louis Stevenson para perder peso.

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.

Sentimos o tema do excesso de peso na pele bem mais cedo do que contávamos. Embarcamos no avião com destino a Nuku’ Alofa, a capital de Tonga. Menos de um minuto depois de nos sentarmos a bordo, ficamos a conhecer os parceiros de voo mais imediatos. Uma senhora que se aproxima dos fundos da coxia ganha um volume intimidante.

A muito esforço, encaixa-se no assento exíguo. Sem que o pudesse evitar, faz sumir o braço esquerdo da nossa cadeira mais próxima e invade o espaço que nos estava reservado.

O avião desacelera na pista do aeroporto Fua’amotu e imobiliza-se em frente ao seu edifício principal. Livres do aperto, atravessamos os metros derradeiros do asfalto atentos às peculiaridades inaugurais da nação. Seguiam-nos, vagarosos, dezenas de outros passageiros tonganeses que acenavam aos familiares e amigos na varanda sobranceira do aeroporto.

Entre uns e os outros, saltava uma vez mais à vista o tamanho exagerado e arredondado das pessoas. Nem os tupenus e os kofu-tupenus – as saias tradicionais de tarja – disfarçavam a corpulência dos vultos, muitos deles acima dos 90, 100 ou até bem mais quilos.

À medida que exploramos a cidade e a ilha de Tongatapu em redor, percebemos o quão generalizado se revelava o excesso de peso e de dimensão da população. E de como, com o tempo, se havia acumulado desde o topo da sua esfera dinástica.

Uma Monarquia de Peso

Em Setembro de 2006, após 41 anos no trono, Tonga perdeu o seu rei Taufa’ahau Tupou IV. Nas três décadas anteriores ao falecimento, Tupou IV manteve lugar no livro dos recordes como o monarca mais pesado do mundo, à data do registo inicial (1976) com uns módicos 209 kg. Ao longo da sua vida, os problemas de saúde sucederam-se, cardíacos, de diabetes e derivados.

O rei ainda se aventurou a fazer exercício três vezes por semana e perdeu quase metade desse peso. Baixou para os 130kg. O esforço não chegou para evitar um ano e meio de desterro e de tratamentos em Auckland. E a sua morte, aos 88 anos,  mesmo assim não tão precoce como se poderia prever.

Muitos dos seus inocentes e humildes súbditos sucumbem às mesmas maleitas, demasiados, em plena meia-idade, ou pouco depois.

Nem sempre assim foi. Malgrado a prevalência da má alimentação e das doenças, uma porção significativa dos tonganeses resiste, em especial, aqueles que não chegam a ter dinheiro para se alimentar fora de casa, ou para consumir diferente do que as suas terras lhes proporcionam.

A base alimentar do arquipélago de Tonga, de todas as ilhas da vasta Polinésia, aliás, assentava em tubérculos (em especial no taro), em bananas, coco e no peixe e marisco capturado ao largo.

No entanto, a partir dos séculos XIX e XX, por influência da emigração destes ilhéus para a Nova Zelândia e Austrália, começaram por se popularizar, na origem, peças de carne gordas (repletas de gorduras saturadas, cartilagens e pele) e pouco dispendiosas.

Da Alimentação Tradicional à Seriamente Prejudicial

Foram os casos das maminhas de cordeiro e das caudas de peru, consideradas restos nos países produtores de gado. O hábito de as comer ter-se-á desenvolvido nesses mesmos países. Com o tempo, os produtores constataram que os polinésios imigrados as apreciavam.

Conscientes da dificuldade que as ilhas isoladas de Tonga, Samoa e restante Polinésia, tinham de consumir carne, fosse pela sua escassez fosse pelo custo elevado das peças de melhor qualidade, encontraram na exportação daquelas “sobras” um nicho de negócio lucrativo.

A Nova Zelândia começou a para lá exportar os mutton flats que produzia em quantidades industriais ou não tivesse muitos mais habitantes ovinos que humanos. Já os Estados Unidos, detentores da vizinha Samoa Americana, exportaram as caudas de peru.

Em pouco tempo, os polinésios do Pacífico do Sul viam-nas como iguarias. No mesmo tempo, a tal pseudo-carne gerou uma epidemia de obesidade que só se agravaria, o que não surpreende se tivermos em conta que cada 100g dos mutton flaps contêm 40g de gordura, 20g das quais, saturadas. Alguns tonganeses consomem quase 1kg numa única refeição.

Os Mutton Flaps, em vez de Peixe e Vegetais

Nos dias que dedicamos a Nuku’Alofa, trabalhamos ao computador, repousamos e alimentamo-nos num tal de “Friends Cafe” um antro cosmopolita que atraía e reunia os forasteiros, turistas e em negócios. Mesmo se o seu menu ocidentalizado se provava dos mais dispendiosos da cidade e o WiFi oferecido demorava meia-hora a enviar ou a receber ficheiros com umas dezenas de kb.

Também alugamos um carro e saímos à descoberta de Tongatapu, a ilha-mãe de Tonga. Nessas voltas, apercebemo-nos da quantidade de nativos que, durante a maré-baixa, passavam os recifes a pente fino e recolhiam tudo o que se movesse ou parecesse vivo: polvos, chocos, moluscos, ouriços e criaturas afins.

E, para o interior, como diversas famílias continuavam a lavrar as terras e a plantar e a colher os vegetais mais apreciados.

No entanto, desprovidos de quaisquer noções de saúde ou nutricionismo, muitos destes pescadores, recolectores e agricultores procuram vender os produtos do seu trabalho.

Se o conseguem (o que nem sempre é fácil), adquirem os apetecidos mutton flaps que alimentaram e viciaram as últimas gerações que cresceram sem alternativas viáveis de carne. Com frequência, os mutton flaps eram a única peça de ovídeo à venda.

Carnes mais saudáveis de outro tipo de gado tinham preços fora do alcance. Em simultâneo, os consumidores deixaram-se iludir pelo preconceito generalizado de que o que vinha de fora era de qualidade superior: “Em tempos, os tonganeses remaram pela vastidão destes mares do Pacífico nas suas grandes canoas” declarou à BBC sobre o problema a anciã Papiloa Bloomfield Foliaki. “Quando deixou de ser necessário, invertemos essas canoas em terra e usámo-las como lares.

O Preconceito Prejudicial de que Se é Estrangeiro é Melhor

Agora já ninguém está contente com essas casas. Só as ocidentais, mais evoluídas, as que encontram na Nova Zelândia, na Austrália e Estados Unidos satisfazem as famílias. Com a comida é a mesma coisa.”

À medida que a modernidade deu à costa de Tonga e de outras ilhas polinésias, distintas receitas do mesmo mal se propagaram. À imagem do que testemunhámos em comunidades mais pobres e socialmente desprotegidas da Nova Zelândia, sobretudo de etnia maori ou de imigrantes polinésios, mais tarde em Apia – a capital de Samoa Ocidental – os MacDonalds, Burguer Kings, KFCs e franchisados do género enriqueciam os proprietários e as empresas-mãe.

Gerava grandes lucros gerados com base no desconhecimento das famílias do que deviam ou não comer, do que era saudável ou lhes arruinaria a saúde.

Em repetidas ocasiões, reparámos em como reuniam os seus grandes clãs às meses destes estabelecimentos. E em como se empanturravam de hambúrgueres e asinhas de frango e batatas fritas, de gelados e batidos e os empurravam com quase-baldes de bebidas gaseificadas e açucaradas.

Noutras ocasiões, vimos como se entregavam a churrascos caseiros animados em que devoravam entrecostos, salsichas e outros petiscos tão ou mais gordos e gordurosos.

Ou como, em Samoa, Kosetalau Toreafoa, o dono regressado da diáspora na Austrália e E.U.A. de uma loja de beira de estrada pouco mais tinha à venda que refrigerantes, enlatados e pacotes chineses de noodles instantâneos, inundados de MSG’s, sal e gorduras saturadas.

A Vulnerabilidade Genética dos Polinésios

Como se não bastasse, os cientistas apuraram que muitos dos polinésios portam um gene da obesidade desenvolvido ao longo dos séculos crê-se que por, nas suas viagens e tentativas de colonização do Pacífico, se terem visto obrigados a resistir a longos períodos sem se alimentarem.

Este gene faz alegadamente com que mais gordura se acumule nos seus corpos e com que ganhem mais depressa peso e volume.

Tal factor será determinante na predominância polinésia no topo do ranking dos países mais “pesados” no mundo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, nove dos dez países cimeiros são a Samoa Americana, Nauru, Ilhas Cook, Tokelau, Tonga, Samoa, Ilhas Marshall, Kiribati e Palau.

Só o Qatar, o Kuwait, Saint Kitts and Nevis, as Bahamas, Barbados e outras ilhas caribenhas  se imiscuem no Top 20 neste clube restrito de obesos. Em vários dos territórios mais de 50% da população é obesa.

Em alguns, a percentagem nacional ultrapassa os 80%. Nos tempos mais recentes, a Samoa Americana, com nove obesos em cada dez habitantes tem vindo a destacar-se dos demais. Ao que não será alheia a ainda mais intensa adopção do fast food que há muito devassa os E.U.A.

Polinésios como o tatuado, encorpado e barrigudo Kosetalau Toreafoa, que nos atende a afagar a grande barriga exibida acima do balcão, resistem a abandonar as crenças culturais de que “grande é belo e sinal de riqueza e prosperidade”.

Falham em entender que, ao invés, magro não significa necessariamente pobre ou com fome e em distinguir entre grande e gordo.

Outros Agentes Nocivos: as Igrejas e as Multinacionais

A religião, por sua vez, preenche uma variável não desprezável no tema. Os sacerdotes de igrejas como a Free Wesleyan Church, a igreja mórmon de Jesus Cristo e dos Santos dos Últimos Dias, a Igreja Livre de Tonga e até mesmo as igrejas católicas romanas ocupam lugares de autoridade e modelo social influentes mas prejudiciais se tivermos em conta que quase todos são obesos.

Nem tudo é negativo. Tanto em Tonga como em Samoa os jovens e homens até à meia-idade continuam a praticar râguebi ao fim de tarde ou manhãs de fim-de-semana e feriados, em vários ervados naturais disseminados pelo arquipélago.

Um râguebi nem sempre de primeira água mas atlético e sôfrego, a espaços violento e que faz da pequena nação a 12ª potência mundial do desporto, fornecedora de inúmeros jogadores naturalizados sobretudo à todo-poderosa Nova Zelândia.

Na Polinésia Francesa, as autoridades gaulesas reagiram em 2009 com taxas sobre as bebidas açucaradas. Desde então, outras nações do Pacífico seguiram o exemplo, com sucesso reduzido.

As multinacionais são de tal forma predominantes que acabam por manipular os governos e contornar as restrições. Aqui e ali, os seus logos e designs decoraram as fachadas de lares, bares e outros negócios das ilhas, como acontece com os das multinacionais de fast food proeminentes. Enquanto isso, boa parte dos polinésios continua sem saber como se desenrodilhar do flagelo nutricional que os vitima.

Mais informação sobre este tema na página respectiva da Wikipedia.

Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.

Ilha da Páscoa, Chile

Sob o Olhar dos Moais

Rapa Nui foi descoberta pelos europeus no dia de Páscoa de 1722. Mas, se o nome cristão da ilha faz todo o sentido, a civilização que a colonizou de estátuas observadoras permanece envolta em mistério

Samoa Ocidental

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para Oeste da Linha Internacional de Data.

Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.

Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

A pequena-grande Senglea
Arquitectura & Design

Senglea, Malta

A Cidade com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Verão Escarlate
Cidades

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Entusiasmo Vermelho
Cultura

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Ferry Nek Luong
Em Viagem

Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso

Étnico
Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Bark Europa
História

Canal Beagle, Argentina

No Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies

Praia Islandesa
Ilhas

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Pré-Tosquia
Natureza

Nova Zelândia

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Sal Muito Grosso
Parques Naturais

Salta e Jujuy, Argentina

Nas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.

Danças na Catedral
Património Mundial Unesco

Antigua, Guatemala

Guatemala à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.

Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Caribe profundo
Praia

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Cortejo garrido
Religião

Suzdal, Rússia

1000 Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

À sombra da árvore
Sociedade

PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Glaciar Meares
Vida Selvagem

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.