Tsfat, Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma


Estante Sagrada

Livros religiosos judaicos preenchem as prateleiras da sinagoga de Abuhav.

Compenetração Literária

Religioso estuda um dos livros sagrados do judaísmo na sinagoga de Abuhav.

Um bimah Central

Seis degraus alegadament equivalentes aos dias de trabalho na semana, conduzem ao cimo do bimah da sinagoga.

Arte judaica

Yacoov Kaszemacher, um dos muitos artistas que se instalaram na cada vez mais popular Tsfat.

Fachada de Sinagoga

Elementos religiosos e decorativos incontornáveis do judaísmo na sinagoga de Abuhav.

Um morador ultraortodoxo

Judeu hassídico percorre uma ruela coberta de Tsfat, também chamada de Safed ou Zafad.

Letreiro Sinagoga
Família Feliz

Meirav, Ronen e o seu filho Nahman, juntos no seu bar e loja de especiarias de Tsfat.

Parochet

Cortinados simbólicos colocados em frente à arca Torah da sinagoga de Abuhav, uma de várias de Tsfat.

Mulher judia
Safed ou Tsfat

Painel celebra o facto de se considerar Tsfat, Safed, a capital mundial da espiritualidade e cultura judaica.

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.

Ainda é manhã cedo quando deixamos Tiberias e as margens do mar da Galileia em direcção a norte. Sentimo-nos aliviados pelo período menos activo das forças do Hezbollah presentes em povoações do sul do Líbano ali tão pró

ximas e que se estima terem para cima de 50.000 misseis apontados ao território hebraico. 

As primeiras vistas dos infra-arredores povoação destoam ligeiramente do que esperávamos encontrar. Confrontamo-nos com uma enorme estação de serviço e, pouco depois, embrenhamo-nos num casario algo incaracterístico, mesmo se, em parte, com o tom aproximado ao das fachadas amareladas de arenito predominantes nesta região. Nos derradeiros metros do percurso, cruzamo-nos ainda com pedestres atarefados, muitos deles judeus hassídicos facilmente identificáveis devido às suas vestes negras. 

A estrada começa a trepar uma encosta íngreme. Percebemos, por fim, que estamos a chegar a Tsfat, a mais elevada de todas as cidades de Israel, situada a 900 metros de altitude, no cimo do terceiro monte do país. Pouco depois, a via principal estreita e desemboca num parque de estacionamento exíguo em que, por sorte, encontramos lugar. Fica-se por ali a Tsfat rodoviária. De então em diante, ficámos entregues às pernas e ao vasto labirinto de ruelas calçadas e coloridas a que se rende a povoação.

Num ápice, vemo-nos a passear entre lojas de recordações e galerias de arte quase sempre diminutas e atafulhadas de artefactos, de quadros, ilustrações e fotografias de todos os tipos. À porta de uma destas galerias, de kipá e fato negros e um cabelo branco apenas lateral que se prolonga para uma barba comprida também alva, Yacoov Kaszemacher ostenta uma figura que irradia bem-estar e simpatia. Ao mesmo tempo, as suas pinturas e fotografias da vida tradicional e ultra-ortodoxa judaica são de tal forma expressivas que nos retêm por algum tempo junto ao autor. “Entrem! Lá dentro há muitas mais, estou a ver que vos estão a sensibilizar.”

Yacoov acaba por nos guiar na galeria. Como era de esperar, instigado pela série de perguntas que lhe vamos colocando, também nos expõe parte da sua vida.

Filho de pais polacos, foi criado numa casa secular da Paris pós-guerra. Na cidade da luz, habituou-se a frequentar clubes nocturnos e a conviver com os músicos, artistas e filósofos discípulos primeiro da Beat Generation, mais tarde, da geração Flower Power. Orgulha-se da sua longa auto-aprendizagem no que diz respeito às técnicas de pintura e fotografia. E à forma como o seu estilo evoluiu com cores fortes, expressões de temas místicos, algo matemáticos.

Yacoov retoma outra das escolhas inquestionadas da sua vida: “no fim dos anos 60 comecei a interessar-me pela espiritualidade, Evoluí de hippie para um judeu hassídico estudioso da Tora e, em 1971, mudei-me para Israel. Acrescentei motivos judaicos e cabalísticos ao meu trabalho que, aos poucos, se tornou meditativo. Muito do que estão a ver são imagens que traduzem sentimentos e a vida judaica de Israel, de Tsfat e do hassidismo.”

A sua determinação em assentar arraiais em Safed, ou Zefad – como é também conhecida a cidade – foi partilhada por muitos outros artistas e religiosos. Mesmo que, de uma forma intermitente, há muito que ali se instavam vindos dos quatro cantos do mundo.

Tsfat foi fundada no século II a.C. como aldeia farol (masu’of), parte de uma cadeia de lugares no topo de elevações dotadas de fogos sinalizadores acesos para marcar o início de um novo mês ou dias sagrados. Esta cadeia estendia-se até Jerusalém. Mais tarde, os cruzados ergueram no local uma cidadela que lhes permitiu controlar a rota para Damasco.

Nos séculos XV e XVI, começou a assumir a sua função mística. Por essa altura, milhares de judeus sefarditas fugiram da Inquisição espanhola e portuguesa. Muitos dos que se instalaram na cidade eram cabalistas, uma espécie de investigadores da verdade oculta, filósofos racionais em grande parte interessados igualmente em ciência e na medicina.

O Rabi Isaac Luria viria a revelar-se o seu líder e a fundar a Cabala (a palavra significa tradição) com base em textos judaicos dos séculos XII e XIII gerados no sul de França e em Espanha. A reinterpretação destes textos procurou encontrar respostas para as questões que mais intrigavam os Judeus incluindo a verdadeira causa espiritual da sua expulsão da Ibéria.

Luria (também conhecido por Ari) não deixou escritos mas um assistente registou a essência dos seus ensinamentos. Na prática, professavam que para criar o Mundo, o Infinito havia sido danificado por forma a gerar espaço para a Criação. Como resultado, centelhas da Luz Divina caíram da sua posição original e ficaram em risco de ser usadas pelo Mal. Os Judeus podiam restaurar a Luz Divina e reparar o Infinito se levassem a cabo 613 mandamentos, sendo os dez de Moisés, apenas um início. Esta interpretação deu aos Judeus, uma forma de compreenderem, como parte do Mal, os horrores da Inquisição e da sua expulsão. Mostrou-lhes igualmente que deveriam reagir pela procura de uma consciência espiritual elevada que permitisse reparar o Mundo.

É óbvio que, por esta altura da nossa própria aprendizagem da Cabala, nos inclinamos a pensar que o Mal triunfou em larga escala sobre a desejada reparação, pelo menos assim o indiciam os eventos históricos mais maléficos alguma vez registados à face da Terra, os do Holocausto.

Entramos no bairro das sinagogas de Tsfat. Destas, damos prioridade à mais importante da cidade, a de Abuhav que se estima ter sido erguida por seguidores do rabi homónimo, em 1490, com uma configuração assente na Cabala: quatro pilares centrais representantes dos elementos na base da Criação, dez janelas na cúpula simbólicas dos Mandamentos e imagens das doze tribos de Israel que enunciam a unidade judaica. Ainda pinturas de árvores de romã, uma fruta que tem, por norma, 613 sementes.

O judeu encarregue de guardar o templo recebe-nos com um shalom efusivo que baste, limitado pela preocupação em nos impor o uso de kipá e um saiote.

Deixa-nos a investigar o templo e a fotografar à vontade e  regressa às profundezas dos seus estudos cabalistas, com a cabeça praticamente afundada num enorme livro envelhecido.

O fundador Isaac Luria sempre foi contra uma divulgação excessiva da Cabala, de início acessível apenas a homens judaicos casados e com mais de quarenta anos. Contra a sua vontade, a Diáspora dos judeus acabou por disseminar os seus preceitos por todo o Mundo e entre personalidades que, fossem suas contemporâneas, por certo baniria.

Em 2009 e 2012, a recém-convertida Madonna deu concertos em Telavive, nenhum na noite de sexta-feira, quando tem início o período sabático dos judeus. Também começou a introduzir elementos visuais cabalistas nos seus videoclips e recebeu uma carta prévia do rabi Samuel Eliyahu que lhe pediu, em vão, para actuar na Terra Santa em roupas modestas.

A cantora visitou Tsfat e, em particular, a sepultura de Ari  onde cantou uma canção típica do Sabat, “Lecha Dodi”, num tom o mais cabalista possível.

Em 2012, chegou com a família e alguns amigos. Antes, em 2009, acompanharam-na Jesus – o seu namorado brasileiro modelo de então, não o Messias judeu que nunca convenceu os crentes judaicos – ainda o rabi Michael Berg, filho de Philip Berg, o fundador do Kabalah Center Internacional de Los Angeles.

Desde 1965, que foi esta a principal instituição divulgadora da Cabala, responsável pela pretensa adesão de outras estrelas do showbizz norte-americano como Demi Moore, Britney Spears, Anthony Kiedis dos Red Hot Chili Peppers, Ashton Kutcher, Naomi Campbell e muitos outros.

Vários deixaram de frequentar o centro alegadamente por preferirem a anterior fé cristã, ou nenhuma. Alguns outros – como a ex-esposa de Mick Jagger – de forma assumida porque lhe foi requerida doação de 10% dos seus rendimentos.

Pelo que percebemos à descoberta de Tsfat, a mediatização conseguida com incursões destas estrelas fazem jeito e pouco preocupam quem se instalou com meras preocupações comerciais. Já para os que se assumem como os verdadeiros cabalistas, quantas mais desistências melhor. O Rabi Gavriel Hubbara da comunidade Iemenita de Tsfat não se furtou a declarar acerca da rapariga material. “Ela só vem cá para chamar atenção para ela própria…” e só está a insultar o seu próprio alegado estudo da cabala a visitar aquele tal rabi para sua investigação”, sem dúvida uma referência ao Kabalah Center e ao já falecido Philip Berg. 

Guwahati, India

A Cidade que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.

Mar Morto, Israel

À Tona d'água, nas profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha. 

Masada, Israel

O Último Baluarte Judaico

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Masada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista

Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.

Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus radicais pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação

Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Dragão Humano
Cerimónias e Festividades

São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Moon Festival californiano.

De novo na ribalta
Cidades
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Acolhimento de Satoko
Cultura

Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Até há pouco, os estúdios nipónicos produziam 60% de todas as séries de animação. “Higurashi no Naku Koro ni” teve enorme sucesso. Em Ogimashi, damos com um grupo de kigurumis das suas personagens.

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Pórtico do tempo
Em Viagem
Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Insólito Balnear
Étnico

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Muito que escolher
História

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Eden Polinésio
Ilhas

Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.

Recta Final
Inverno Branco

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Cowboys basotho
Natureza

Malealea, Lesoto

O Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Vale de socalcos
Património Mundial Unesco

Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.

Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Magníficos Dias Atlânticos
Praia

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.

Num equilíbrio fluvial
Religião

Chiang Kong - Luang Prabang, Laos

Por Esse Mekong Abaixo

Os custos mais baixos e a beleza dos cenários são as principais razões para fazer esta viagem. Seja como for, a descida pelo rio "mãe de todas as águas" pode ser tão pitoresca como incómoda.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Coreografia pré-matrimonial
Sociedade

Old Jaffa, Israel

Onde Assenta a Cidade que Nunca Pára

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.