Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação


Nana Kwame V

Nana Kwame Menya V, nkyidomhen (chefe da área tradicional de Oguua) -, exibe o seu poder levitado por súbditos.

Trio andino

Acrobatas sobre andas, acima da Kotokuraba Rd. que acolhe a grande parada do Fetu Afahye.

Duo de pano

Mascarados em máscaras tradicionais de pano, numa pose ternurenta, durante a parada.

Baleia asafo

Participantes da 7ª companhia militar asafo fazem desfilar uma baleia simbólica do seu "batalhão".

Nana Kweku Ennu III

Nana Kweku Ennu III, chefe regional ganês da saúda a multidão do cimo do seu palanquim amarelo.

Geração Liberdade

Jovens ganeses posam junto a um mural anti-esclavagista e de libertação num edifício em ruínas de Cape Coast.

Conversa fácil

Ancião dialoga com um jovem participante do cortejo do festival Fetu Afahye.

Participantes no desfile do Festival Fetu Afahye passam em frente a um edifício cor-de-rosa exuberante no percurso.

Casa Dª Rosa

Participantes no desfile do Festival Fetu Afahye passam em frente a um edifício cor-de-rosa exuberante no percurso.

Legado Colonial

O forte de Cape Coast, construído pelos suecos durante o século XVII para suportar a sua actividade negreira e comercial na zona do actual Gana. Mais tarde adaptado e usado pelos Britânicos.

Os Emissários

Representantes regionais percorrem a Kotokuraba Rd em fila, nas suas túnicas ganesas coloridas.

Parada Online

Participantes da parada do festival Fetu Afahye entretidos com smartphones e disposotitivos afins.

 

Parelha

Dançarina em trajes e motivos arrojados é desafiada para uma dança a dois por um espectador do desfile.

Afahye 4G

Anúncio de empresa de telecomunicações ganesa parece tomar parte do desfile do festival Fetu Afahye.

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.

Sem sabermos bem como, vemo-nos numa embrulhada daquelas bem africanas. Frank, motorista da Autoridade de Turismo do Gana, tinha recebido instruções para nos deixar num lugar estratégico da parada mas, em tempo de festa, a zona litoral de Cape Coast estava toda à pinha

. Apesar dos apelos desesperados do condutor, de cabeça de fora da janela ou a buzinar sem cerimónias, emboscado pela multidão que seguia o cortejo, o sedan de vidros escuros mal se movia. Frank olha para trás em desespero. Sabia que era tudo menos normal largar-nos, ali,

sem a orientação dos anfitriões, nesse dia, entregues à sua própria celebração.

Contemplamo-lo, por momentos. Fazemos o que tínhamos que fazer. Estávamos no Gana pela primeira vez. Não tínhamos ideia do que representaria metermo-nos, de máquinas fotográficas ao pescoço, em tal turba eufórica. Mesmo assim, deixamos o carro refrigerado e mergulhamos no rio de gente que descia a Kotokuraba Rd.

Durante um primeiro trecho, progredimos num aperto húmido e transpirado. Não tarda, aproximamo-nos da zona do percurso em que muitos dos espectadores se haviam alinhado à beira da estrada. Muitos dos intervenientes do desfile estavam já para trás. A visão de uma bancada partilhada por anciãos em túnicas tradicionais garridas indiciava ser um lugar privilegiado para nos determos. Recuperamos o fôlego. Ensopamos o suor tropical que nos encharcava. Procuramos um espaço inofensivo e ficamos a apreciar o frenesim ora protocolar ora popular e gentio que fluía por aquela artéria congestionada da cidade.

Sucessivos clãs de personagens surgem de montante do cortejo. Chegados à frente da bancada, exibem as suas danças, ritmos, trajes, os seus visuais e artes tradicionais. Refastelados sobre cadeiras de plásticos, protegidos do sol cruel por um grande chapéu de sol escarlate com abas caídas, os anciãos da região de Oguaa (Cape Coast) apreciam cada um dos espectáculos com entusiasmo contido. À sua frente, rodopiam dançarinos portadores de estandartes das suas regiões. Apresentam-se guerreiros com fios e colares tribais dependurados dos troncos-nus musculados e inflados sobre  saias franjadas vernaculares. Estes guerreiros massivos, com ar condizente de poucos amigos seguram zagaias com ambas as mãos. Parecem nelas apoiar a austeridade e o seu excessivo peso bélico.

Desfilam ainda músicos, tocadores de grandes baterias de tambores elevados acima da multidão por carregadores sacrificados. E duos ou trios de trompetes e de trombones que metalizam a atmosfera com estranhas melodias hipnóticas. Entre os figurantes e artistas, prosseguiam os participantes populares casuais, muitos deles, tão ou mais motivados a brilhar. Alguns, dançavam por nós em profundo transe, arrebatados pelo ritmo dos tambores e pelo apelo sobrenatural dos deuses. Outros, respondiam ao estímulo do inesperado duo de forasteiros de máquinas em riste. Detinham-se. Encaravam-nos, surpresos e hesitantes. Então, movidos pelo álcool e pela adrenalina comunal do evento, ensaiavam poses estilosas de vedetas da ocasião.

O festival Fetu Afahye tem muito mais que se lhe diga que a ostentação com que ali nos deparávamos. Começa, aliás, de uma forma bem contrastante. O seu cerimonial é inaugurado semanas antes, quando Osabarimba Kwesi Atta II, o Chefe Supremo da região de Oguua, se entrega a uma semana de confinamento e conferências com os deuses. Neste período, são proibidos a dança, os tambores, o ruído e a festividade em geral na municipalidade de Cape Coast.

A Lagoa Fosu que se enfia costa adentro como uma extensão providencial do Golfo da Guiné e prenda os nativos com alimento fácil, tem a pesca interditada. Os seus guardiães (amissafos) levam a cabo um ritual de purificação com o objectivo de espantar os maus espíritos, rogar pela abundância de peixes e por colheitas favoráveis. Uma data em particular, a Amuntumadeze, é reservada para a comunidade limpar o seu ambiente: recolher lixo, desentupir sarjetas, pintar fachadas de prédios e tudo o mais que possa contribuir para a higienização e o embelezamento das ruas.

Esta preocupação advém do trauma que a população de Oguua terá sofrido ainda antes do período colonial, quando uma peste fulminante dizimou boa parte dos seus habitantes e estes, em desespero, oraram como nunca aos deuses. O nome do evento ganhou aí a sua origem. “Fetu” é uma adaptação de “efin tu” que se traduz no dialecto fante como “livrar-se da sujidade” ou “livrar-se do mal”.

Uns dias depois do Amuntumadeze, o povo aflui à lagoa onde, durante a noite, os sacerdotes e sacerdotisas invocam os deuses, acompanhados por danças populares ao som de tambores. Outros rituais têm lugar num santuário local. Osabarimba Kwesi Atta II oferece uma bebida aos deuses e reabre oficialmente a lagoa, lançando ele próprio uma rede três vezes à agua. Se a rede capturar muito peixe, isso é sinal de pesca e colheitas abundantes no ano vindouro.

À medida que a semana se aproxima do fim, mais nativos chegam da área de Cape Coast mas também de partes longínquas do Gana. Os chefes de Oguua dão-lhes as boas-vindas, após o que se reúnem num durbar diplomático com o propósito de resolver disputas que se tenham vindo a arrastar. Seguem-se uma cerimónia de convocação dos espíritos ancestrais, o ritual Bakatue que envolve disparos solenes de mosquetes. Por fim, o sacrifício de um touro pelo próprio Osabarimba Kwesi Atta II  em honra de Nana Paprata – um dos deuses fulcrais da Terra – valida as celebrações festivas e a parada semi-tresloucada de Sábado em que nos continuávamos a embrenhar.

Avançamos e recuamos na Kotokuraba Rd. em perseguição ofegante dos motivos mais excêntricos do cortejo. Um enorme boneco de baleia negra de boca aberta, é empurrada por participantes de uma das asafos, as organizações militares do  subgrupo étnico ganês fante que contribuem para a segurança e paz da área tradicional de Oguua: a Bentsir, a Anaafo, a Ntsin, a Nkum, a Abrofomba, a Akrampa e a Amanful. A migração sobre rodas daquela réplica de cetáceo rua abaixo expunha à comunidade de Cape Coast, a força da companhia militar que a adoptar como símbolo e o conceito histórico de que, por mais evolução tecnológica a que homem chegue, o mundo natural será sempre mais poderoso que o humano.

A espaços, animam ainda o cortejo as passagem mirabolantes dos chefes de distintas regiões ganesas. Surgem envoltos de exuberantes indumentárias nobiliárquicas: coroas, braceletes, enormes anéis de ouro, tecidos lustrosos e outros adereços tão ou mais vistosos. Saúdam o povo do cimo da sua soberania, deitados em palanquins com formas algures entre sofás e  banheiras e que dezenas de súbditos sustentam no ar.

A populaça exalta com a proximidade dos líderes. Clamam pelos diminutivos dos seus longos nomes dinásticos e acenam lenços ou t-shirts enroladas de volta, em jeito de gratidão.

Toda esta comoção atinge um auge bem audível com a entrada em cena do actual Omanhen Osabarimba Kwesi Atta II, como é suposto, sumptuoso e majestoso a dobrar e, por desfilar em casa e ser o supremo, muito mais louvado que os congéneres.

Nem sempre os chefes de Cape Coast puderam expor desta forma o seu poder, controlar o seu destino e o do seu povo, ou proporcionar-lhe o idolatrado Fetu Afahye.   

A partir do fim do século XV, as potências coloniais europeias sucederam-se no controle desta parte da costa africana do Golfo da Guiné, do tráfico de ouro e, logo, de escravos que se apressaram a explorar. Em 1482, os portugueses fundaram o forte de São Jorge de Mina, a pouco mais de 10 km de onde estávamos e, em simultâneo, a sua proveitosa colónia da Costa do Ouro. Ao longo dos séculos, outros fortes e entrepostos se sucederam, alguns de nações ocupantes menos esperadas e notórias em África, casos da Suécia e da Dinamarca.

Durante este período de intensa rivalidade europeia, as autoridades coloniais de Cape Coast começaram a considerar o Fetu Afahye a uma espécie de Natal Negro, uma celebração tradicional maligna que comprometia os valores cristãos trazidos do Velho Mundo. Interditaram-no por largo tempo. O festival só seria retomado após a contestação de vários líderes e sacerdotes da Região Tradicional de Oguua. Em 1948, apenas nove anos antes da declaração de independência ganesa do domínio britânico.

Na Kotokuraba Rd., ao invés, o cortejo sabático do Fetu Afahye prosseguia sem pausas ou clemência. A determinada altura,  com a sensação de vertigem conferida por uma trupe de acrobatas sobre andas, que caminhava acima dos transeuntes e se detinha a conversar com os espectadores nas varandas mais elevadas do percurso.

Aproximávamo-nos do extremo sul da via, da Chapel Square e do Palácio do Chefe em que era suposto o desfile desembocar. Antes disso, ainda atravessou uma praça em que se transformou numa festa de rua efémera animada por uma banca que passava música a altos berros e seduzia ao estrelato dançarinos casuais. Lá nos espantamos com uma peixeira que se contorcia com incrível graciosidade africana sem nunca deixar cair o tabuleiro equilibrado sobre a cabeça.

O cortejo atinge os derradeiros meandros. Serpenteamos pela Royal Lane e chegamos ao Victoria Park, o sítio pré-determinado para novo Durbar, a celebração oficial de encerramento que volta a reunir os chefes.

A acção dá lugar a um aturado protocolo repleto de diplomacia e de locução. Osabarimba Kwesi Atta II circula com pompa, recebe os cumprimentos e saudações dos visitantes. Logo, senta-se e acolhe o orador convidado. O Omanhen e os seus chefes devolvem as felicitações do orador convidado e, em seguida, o chefe supremo de Ouguua inaugura aquele que é o mais conceituado dos discursos. A batalha verbal ainda tem uma derradeira resposta do orador convidado. Até que, por fim – para mais que provável alívio de muitos dos presentes – as companhias Asafo tomam o protagonismo e, com as suas acrobacias, encerram o Durbar.

A multidão debanda para os distintos focos de festa nocturna  disseminados em redor. Um núcleo mais paciente precede a boémia de uma peregrinação ao Cape Coast Castle, outro dos fortes negreiros erguidos pelos europeus na costa do Gana, este pelos oportunistas suecos. Juntamo-nos a esta romaria. Depois de termos já visitado o de São Jorge de Mina, inteiramo-nos, ali, do quão dramático se provou o período do tráfico negreiro que devassou a nação ganesa. Do cimo das suas muralhas nos deslumbramos com a cor e o vigor da frota tradicional pesqueira que preenche muito do areal da enseada contígua. Para o interior, do litoral da cidade ao seu âmago, Cape Coast rejubilava de espiritualidade e liberdade. E inebriava-se à altura do encerramento do seu Fetu Afahye.

Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.

Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.

Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.

Acra, Gana

A Cidade que Nasceu no Berço da Costa do Ouro

Do desembarque dos navegadores portugueses à independência em 1957, sucederam-se as potências que dominaram a região do Golfo da Guiné. Após o século XIX, Acra, a actual capital do Gana, instalou-se em redor de três fortes coloniais erguidos pela Grã-Bretanha, Holanda e Dinamarca. Nesse tempo, cresceu de mero subúrbio até uma das megalópoles mais pujantes de África.

Elmina, Gana 

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.

Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Moon Festival californiano.

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Um
Arquitectura & Design

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Cocquete
Cerimónias e Festividades

Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

Memória cruel
Cidades

Hiroxima, Japão

Uma Cidade Rendida à Paz

Em 6-8-1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Cultura
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Em manobras
Em Viagem

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Fila Vietnamita
Étnico

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Passerelle secular
História

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Autoridade bubalina
Ilhas

Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem a maior manada bubalina e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

À sombra da árvore
Natureza

PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Caminhada sob brasas
Parques Naturais

Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.

No rumo da Democracia
Património Mundial Unesco

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Pesca no Paraíso
Praia

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Um matrimónio espacial
Religião

Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua. 

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Uma espécie de portal
Sociedade

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Hipo-comunidade
Vida Selvagem

PN Chobe, Botswana

Um Rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.