Lhasa, Tibete

O Mosteiro da Sagrada Discussão


Debate ao molho

Monges aglomerados confrontam um colega que propõe uma premissa polémica.

Desafio

Monge lança novo argumento com a projecção do corpo para frente e um bater de palmas.

Porta para o Debate

Portal tibetano anuncia a entrada para o pátio do debate do Mosteiro de Sera.

Moto para dois

Espectadores do debate abandonam o Mosteiro de Sera numa mota sui generis.

Expressão de convicção

Monge fervilha ao transmitir as suas razões a um adversário de discussão.

Chaminé dourada

Pormenor arquitectónico-religioso do Mosteiro de Sera.

Reflexão no escuro

Lama reflecte durante uma argumentação com um colega aprendiz do budismo.

Fé na discussão

Monge segura um juzu (rosário budista).

Contra a montanha

Fachada lateral de um dos edifícios do Mosteiro de Sera com as montanha de Pubuchok em fundo.

Confronto de argumentos

Monge afundado no meio de outros e de uma discussão intensa.

Incredibiilidade infantil

Bebé tibetano assiste espantado à comoção intelectual protagonizada pelas dezenas de monges à sua frente

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.

Estamos no pico do Inverno e não há um pingo de nuvem no céu azulão sobre Lhasa ou a maior parte do Planalto Tibetano. Lobsang, o anfitrião indígena destacado pela agência de viagens chinesa diz-nos que chegámos na época mais genu&iacu

te;na possível, que não devem estar sequer 20 estrangeiros em todo o Tibete.

Depressa percebemos que se sente contrariado por ter que trabalhar para o invasor. Desde que chegámos que faz questão de atalhar ao mínimo possível o tempo que nos dedica.

Essa manhã, solarenga mas gélida, como se provaria cada uma das seguintes, não seria excepção.

“Mas querem mesmo ir ao Sera?”, tenta enrolar-nos, ainda atordoado do convívio alcoolizado da noite anterior. “Já visitaram tantos mosteiros aqui em Lhasa. O Sera é só mais um. A arquitectura é igual à dos outros e o que lá vão ver pouca diferença fará para o que encontraram nos anteriores, garanto-vos.”

Por sorte, tínhamos lido sobre o lugar e sabíamos bem o que o tornava distinto. Não cedemos. Lobsang optou, então, por uma estratégia de não confrontação: “Bom, eu hoje de manhã tenho que ir tratar dos papéis de uns alemães que vêm em Maio. Se querem mesmo lá ir, chamo-vos táxis e ligo a um camarada que vos pode acompanhar”.

Fá-lo sem apelo. Alguns minutos depois, aparecem dois carros modernos com matrículas e condutores chineses. O tal camarada já vem num deles. Metemo-nos no da frente. Ryan, um “valet” (encarregado de estacionar veículos em hotéis, casinos etc.) norte-americano e Jacob, adolescente sueco estudante de mais de 1 metro e 90 que atraía em redor de si grupos de tibetanos fascinados com a sua altura eram parceiros de viagem que tínhamos conhecido ainda em Chengdu (a capital da província chinesa de Sichuan). Entraram os dois no táxi de trás.

O mosteiro distava menos de 2 km mas o motorista equipado a rigor para a condução, de luvas e óculos escuros, decide que é uma distância mais que suficiente para desafiar o colega. Percorrem, assim, o trajecto como se de uma competição de rali se tratasse, com arranques chiados e saltos precipitados pelo declive rebaixado de condutas de água.

Ainda nos debatíamos com uma mal das alturas horripilante provocado por termos recentemente viajado, numa hora e meia apenas, dos 500 metros de altitude de Chengdu, para os 3650 de Lhasa.

Quando saímos dos táxis, já com a montanha ressequida de Pubuchok como fundo e nas imediações do mosteiro, a conversa manteve-se centrada neste tema: “Realmente estes chineses dão cabo de tudo! queixa-se Ryan, o único que se tinha furtado ao voo. ”Vim eu três dias apertado no comboio para me safar da dor de cabeça e bastou uns minutos naquele carro infernal para me sentir a rebentar tão ou mais que vocês!”

O amigo de Lobsang convida-nos a caminharmos ao longo de uma alameda delimitada por árvores desfolhadas e edifícios tibetanos brancos. No cimo, damos com a entrada principal do templo, construído, em 1419, por Jamchen Chojey, discípulo de um dos principais mestres budistas de então.

Para não variar, no interior, é proibido fotografar ou filmar e tresanda a manteiga de iaque, o combustível eleito pelos tibetanos para assegurarem a iluminação e a manutenção da chama nas velas oferecidas pelos crentes.

Fazemos o circuito integral das várias salas do templo e seguimos as explicações exaustivas do recém-empossado novo guia do grupo. Somos obrigados a dar razão parcial ao que o anfitrião original nos havia tentado transmitir: a sua dissertação soa-nos bastante repetitiva face ao que ouvíramos noutros templos e mosteiros.

E, tal como Lobsang, também este amigo se furtava compreensivelmente a abordar a melindrosa integração à força do Tibete na Grande China, quanto mais a contribuição dramática de Sera para a revolta de 1959.

Nesse ano, o exército chinês danificou vários dos colégios do mosteiro e assassinou centenas dos mais de 5000 monges residentes. Depois de o Dalai Lama se ter asilado na Índia, muitos dos sobreviventes refugiaram-se em Bylakuppe, próximo da cidade indiana de Mysore, estado de Karnataka. Estabeleceram, ali, um mosteiro de Sera paralelo, com os seus próprios colégios budistas e um Grande Salão de Assembleia com as mesmas linhas arquitectónicas do original.

A assistência do governo indiano permitiu que neles se estabelecessem mais de 3.000 monges tibetanos que desenvolvem actividades missionárias budistas na Índia e em diversos outros países.

Além da arquitectura religiosa e compaixão professada por Buda, os monges também levaram do Tibete o hábito de se reunirem dia após dia para discutirem, da forma o mais dialéctica possível, os ensinamentos do seu mestre iluminado.

A seita Gelupga (Chapéu Amarelo) do Budismo Tibetano a que pertencem os 600 monges aprendizes que ainda resistem em Sera tornou-se predominante no Tibete, a partir do final do século XVI. Estuda as doutrinas budistas através de um processo passo-a-passo. Durante a sua aprendizagem, os lamas devem participar nestes debates por forma a aperfeiçoarem a sua capacidade de compreensão e evoluírem para níveis mais avançados de estudo. Por norma, as sessões têm lugar às três da tarde de 2ª a 6ª. Duram, em média, uma hora e meia e só são suspensas em virtude de uma celebração ou cerimónia religiosa coincidente ou de mau tempo.

Quando deixamos o interior lúgubre do mosteiro, damos de caras com uma porta que anuncia “Debating Courtyard”. Nesse recreio amplo, entre árvores despidas pelo longo Inverno do planalto e sobre uma brita farinhenta, as múltiplas disputas já se faziam ouvir.

Dispersos pelo pátio, vários núcleos de monges trajados apenas com os seus hábitos vermelhos e que seguram “juzus” (rosários budistas) nas mãos, trocam argumentos atrás de argumentos. Em certos grupos, um ou dois dos religiosos apoderaram-se do protagonismo. São atentamente seguidos ou desafiados por pequenas plateias amontoadas com relativa intimidade. Para melhor expressarem os seus argumentos, estes profetas da ocasião puxam pelos interlocutores e fazem soar os seus juzus ou, mais frequentemente,  repetem um mesmo movimento de recuo, avanço e projecção do corpo para a frente que termina com um batimento de palmas exuberante.

Os “claps” sucessivos ressoam por todo o pátio. Fazem as mãos dos autores tão vermelhas como os seus trajes mas parecem ajudar a convencer os adversários. Quando se vêm forçados a reconhecer a razão, estes, soltam “oooooohhhhhs” prolongados em coro, e voltam a analisar as falhas e virtudes das suas alegações perante a examinação pouco criteriosa do público, então, na sua maioria, tibetano.

Passa a hora e meia. Os lamas recolhem ao conforto quase espartano dos edifícios do mosteiro de Sera. A assistência debanda alameda abaixo.

De acordo com instruções telefónicas de Lobsang, regressamos ao centro de Lhasa de autocarro. Aquele a que subimos vai lotado. Entre passageiros intrigados pela presença dos forasteiros e já vestidos para mais um fim de tarde enregelante, não tardámos a reencontrar os sorrisos incondicionais dos tibetanos e o seu aroma familiar a manteiga de iaque. 

Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Guwahati, India

A Cidade que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.

Bagan, Myanmar

A Planície das Compensações Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Silhuetas Registão
Cidades

Samarcanda, Usbequistão

Um Desvio na Rota da Seda

Em Samarcanda, o algodão é agora o bem mais transaccionado e os Ladas e Chevrolets substituíram os camelos. Hoje, em vez de caravanas, Marco Polo iria encontrar os piores condutores do Usbequistão.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cultura
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Em Viagem
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Punta Cahuita
Étnico

Cahuita, Costa Rica

Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral costariquenho tão afro quanto caribenho. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Coreografia pré-matrimonial
História

Old Jaffa, Israel

Onde Assenta a Cidade que Nunca Pára

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Um cenário imponente
Ilhas

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Caçada com Bolhas
Natureza

Juneau, Alasca

Na Capital Diminuta do Grande Norte

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta cidade ínfima que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Sal Muito Grosso
Parques Naturais

Salta e Jujuy, Argentina

Nas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.

Torres del Paine I
Património Mundial UNESCO

PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Conversa ao pôr-do-sol
Praias

White Beach, Filipinas

A Praia Asiática de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.

Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Religião
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Fim da Viagem
Sociedade

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.