Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”


Transbordo
Passageiros do "Congoola/Lady of the Seas" são transportados para uma das ilhas que acolheram "Survivor"
Robin of Efate
Robin, um tripulante do "Congoola/Lady of the Seas" nativo de Vanuatu que testemunhou o desenvolvimento do fenómeno "Survivor" de Efate.
Música da selva
A banda da Ekasup Cultural Village uma aldeia criada para exibir aspectos da vida tradicional de Vanuatu.
De escala
Barco de apoio prestes a chegar ao veleiro "Congoola/Lady of the Seas"
Nativos nas quedas d’água de Mele
Pai e filho percorrem a base inundada de uma das mais famosas quedas d' água da luxuriante Efate.
À proa
Passageiros convivem e apreciam os cenários de Efate a bordo do Congoola/Lady of the Seas.
À moda de um chefe
Figurante da Ekasup Cultural Village em trajes tradicionais de Vanuatu.
Selva vs Pacífico do Sul
Litoral de Efate: um encontro de recife coralífero com floresta tropical melanésia.
Verdadeira aldeia sobrevivente
Aldeia tradicional de Efate, perdida no interior luxuriante da ilha.

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Para a maior parte das pessoas, Vanuatu não é mais que uma grande interrogação, um vazio cognitivo que contempla todos os imaginários possíveis.  Na prática, o nome identifica um arquipélago absolutamente único do Pacífico do Sul, formado por oitenta e duas ilhas tropicais de origem relativamente recente em termos geológicos, de que se projectam vários vulcões activos. Do total, 65 mantêm-se inabitadas, ainda mais selvagens que as restantes. Durante quatro mil anos, as outras foram exclusivamente partilhadas por tribos melanésias guerreiras e canibais com uma proveniência que continua sob estudo. Até que os exploradores europeus chegaram à zona e as disputaram.

Sem a sua obrigação de reclamar o que quer que fosse, desembarcamos tranquilamente no aeroporto de Bauerfield e somos prendados com uma recepção hilariante. Uma string band toca com toda a alma, transmitindo-nos, pela postura caricata dos músicos, os instrumentos que mais parecem de brincar e as vozes de cana rachada, a sensação de que nos juntamos a um desenho animado.

Em termos turísticos, Port Vila, é a estrela nacional, mais famosa que Efate ou até que o país em si. A capital serve de porta aos australianos, neozelandeses e japoneses que ali afluem através de pacotes de férias baratos, limitados, por isso, aos lugares costeiros aflorados pelos navios e aos trilhos mais que batidos pelas agências. Port Vila e Efate são Vanuatu mas uma versão bem suave, um mundo à parte das suas restantes ilhas onde qualquer pequena expedição descamba num aventura tresloucada. Começamos por explorar aquela Vanuatu introdutória, nesse mesmo fim de tarde, pelos seus recantos mais interessantes.

Na manhã seguinte, visitamos o mercado. À primeira vista e naquela incursão quase pioneira na Melanésia popular, as parecenças dos visuais, as cores garridas das vestes dos nativos e os produtos tropicais básicos expostos fazem com que nos pareça um qualquer mercado da África sub-saaariana. Aos poucos, as diferenças sublinham-se. Ao contrário dos africanos, os padrões dos tecidos não incluem formas animais. Depois, reparámos ainda nos misteriosos cabelos louros das crianças e no dialecto bislama que infantiliza, de forma divertida, a milenar e institucional língua inglesa: “Tankyu Tumas” assim fecham as nossas compras os vendedores, descomprometidos para com o original “Thank you so much”. 

Compramos papaias e mangos. Também toranjas, as mais suculentas e doces que alguma vez provámos. Nunca pensámos que adaptação alimentar àquelas paragens se revelasse tão rápida. A partir de então, fizeram parte da nossa dieta, como os duriões, o taro e, sem grande alternativa, as baguetes, parte da herança deixada pelos franceses que controlaram o arquipélago em condomínio com os ingleses, até à independência de 1980.

Port Vila guarda alguns edifícios do período colonial que teve início em 1906. Passamos no seu principal núcleo na Rue Carnot e na Rue de Paris, agora conhecidas por Chinatown por grande parte das suas lojas e armazéns serem explorados por comerciantes chineses.

Durante a 2ª Guerra Mundial, as forças militares dos Estados Unidos estabeleceram enormes estações de rádio cruciais para a missão de travar a expansão nipónica no oceano Pacífico, até então, avassaladora. Essas estações chamaram-se Number One, Two e Three. As duas últimas foram preservadas com os nomes correspondentes em Bislama: Nambatu e Nambatri e situam-se na zona residencial mais requintada de Port Vila. A Nambawan foi ocupada pelo Independence Park.

Tinham-nos alojado num dos últimos andares de um dos edifícios mais altos da cidade. Da janela do quarto, admiramos a actividade de formigueiro em redor de dois barcos ancorados junto ao molhe que delimita a capital, entregues ao colorido carrega e descarrega que antecedia a sua partida e o percurso de alpondra por diversas ilhas habitadas da nação Vanuatu. Não tardámos a ver-nos a bordo de uma embarcação em tudo distinta.

Em tempos um dos veleiros da organização na regata Sydney-Hobart, a "Lady of the Sea" mudou-se para os mares bem mais quentes e suaves em redor de Efate e passou a revelar aos novos passageiros as suas maravilhas tropicais. Navegamos em direcção a uma ilha baptizada de Tranquility onde é suposto pararmos para recreio balnear, incluindo snorkeling entre as tartarugas. Antes de lá chegarmos, no entanto, o timoneiro e guia aponta para um litoral luxuriante. “Rapazes, ali está Gideon’s Landing um dos vários domínios Survivor de Efate. As celebridades australianas que participaram estiveram todos aí.

Dois adolescentes franceses chegam-se à amurada e admiram e comentam o cenário em êxtase, não pelo seu possível contexto bíblico, mais pela importância mediática que conquistou. Aguardam pela indicação do timoneiro de onde teve lugar a sexta série da versão francesa. Enquanto isso, entregam-se a uma série de recordações dos momentos para eles inolvidáveis de Koh Lanta, a versão gaulesa do reality show a que só a hora de entrar na água de máscaras e barbatanas põe cobro.

Cabe-nos elucidar os leitores que teimam em resistir à TV ou aos seus programas deste tipo: “Survivor” é um concurso reality show de perícia e sobrevivência. Inventou-o, em 1992, o produtor britânico Charlie Parson para a produtora Planet 24 que detinha a meias com (quem diria…) Sir Bob Geldof. O concurso foi franchisado. Emitiu-o pela primeira vez enquanto “Expedition: Robinson” a Sveriges Television da Suécia que, em 1997, levou os seus concorrentes para a Malásia. Essa estreia teve grande sucesso. A partir de então, o concurso alastrou-se ao mundo como um vírus televisivo. Inúmeros canais das mais distintas nações desenvolveram os seus próprios Survivors. “Vanuatu, Islands on Fire”, o primeiro a ser filmado em Efate, em 2004, foi já a nona série do concurso norte-americano. Nos anos seguintes, Efate recebeu ainda a segunda série do “Australian Survivor” e “Koh Lanta”, a sexta série da versão francesa.  Em 2011, até parte da versão portuguesa de “Perdidos na Tribo”, lá se instalou. O programa supunha que doze VIPs portugueses se mudassem para viver entre tribos de distintas regiões do mundo. Durou bastante menos do que estava previsto. Os concorrentes nunca estimaram que as condições em que iam viver fossem tão duras.

Em qualquer dos casos, a fórmula do reality show dita que os participantes se dividem em tribos rivais de pretensos náufragos. Essas tribos devem construir abrigos e sobreviver na selva com recursos mínimos: catanas, cantís, pequenos tachos e quantidades controladas de arroz e de outros cereais. Defrontam-se em desafios pré-estabelecidos pela produção que levam à sua sucessiva eliminação. Até que se forma uma tribo única em que os derradeiros sobreviventes se confrontam. Os prémios, monetários ou de bens invejáveis, são sempre chorudos.

Regressamos ao areal e à conversa com Robin, um jovem tripulante ni-vanuatu da embarcação. Não tardamos a abordar o tema: “a verdade é que deu dinheiro a ganhar a muita gente de cá. Os donos de alguns dos lugares fizeram os negócios da sua vida. Mas depressa percebemos como (os Survivor) usavam e corrompiam a nossa cultura.”

Bastou-nos investigar um pouco para os exemplos dessa sua conclusão se revelarem. Durante a série americana, as duas tribos em competição tomaram de empréstimo os nomes de Yasur e Lopevi, dois dos vulcões mais emblemáticos do arquipélago e de toda a Melanésia. “Vanuatu, Islands on Fire” foi inaugurado de forma teatral com os dezoito participantes norte-americanos a descerem do veleiro em que seguíamos para bordo de uma pequena frota de canoas. Dois dos concorrentes cairam ao mar mas foram içados pelos nativos que os levaram até próximo da costa. Enquanto os jovens “survivors” caminhavam sobre águas rasas, bandos de nativos pintados, cobertos de folhas e em saias também vegetais correram em direcção a eles aos gritos e a brandirem lanças.  Surgiu então um chefe tribal que deu as boas-vindas aos forasteiros, chegados com uma missão que, mais que não compreender, 95% da população ni-vanuatu considerou ridícula.

A sociedade e imprensa sediada em Port Vila, aproveitou para se divertir. O Vanuatu Daily Post publicou um cartoon que mostrava duas mulheres tribais da nação a apreciarem o briefing transmitido aos competidores por um anfitrião do reality show com visual militar e tom condizente: “Para ganharem o milhão de dólares, vocês têm que sobreviver 39 dias sem electricidade, água canalizada, duches quentes e telefones; completamente isolados do mundo moderno!” Ao lado, uma das senhoras comenta para a outra, em bislama: “Mas o quê, tia? O que é que aquilo tem de especial? A minha velha mãe viveu assim toda a sua vida!”

Por irónico que pareça, o concurso foi criticado vezes sem conta devido ao seu primitivismo radical, por os concorrentes serem largados na selva, entre animais e plantas perigosos ou letais de que as câmaras exibiam planos próximos ao som de rufar de tambores, isto, apesar de os campos tribais dos participantes se situarem a apenas uma hora de carro de hotéis de quatro estrelas de Port Vila.

Em Efate, eram poucos os nativos que se preocupavam demasiado com a falta de genuinidade e respeito étnico gritante de uma ficção que contribuiu para a prosperidade dos nativos, não necessariamente para a sua felicidade. Imagens usadas para ilustrar a equipa Yasur revelaram erupções exuberantes do vulcão Lopevi – aquele que simbolizava a equipa adversária homónima – isto porque o Yasur só tinha erupções estrombolianas, como tal, bastante contidas. O espectáculo tinha que resplandecer acima de tudo, incluindo as mais básicas verdades e realidades do país.

Durante quinze dias, explorámos outras partes de Efate e outras cinco ilhas, cada qual, incrível à sua maneira. Nesse tempo, percebemos como Vanuatu se mantém num fascinante equilíbrio entre a mais absoluta inocência e a forçosa aprendizagem da civilização ocidental. Aos poucos, mais e mais habitantes deixam de considerar curiosos caprichos ocidentais os reality shows que aproveitam a exuberância e essa mesma inocência do país. No computo geral, a nação preserva-se orgulhosamente ni-vanuatu com toda a pureza de valores que o gentílico encerra.

Quanto ao “Survivor”, volvidos vinte anos, resiste. Em Setembro de 2016, trinta e duas épocas e dezoito países depois, regressou à nação vizinha de Fiji.

Nos últimos tempos, Vanuatu tem tido a sua dose de desastres naturais. Situado sobre o anel de fogo, agitaram-no recentemente sismos com magnitude bem superiores a 7. Em 2015, o ciclone Pam causou danos avultados em diversas ilhas, incluindo Efate. Mesmo assim, repetem-se os boatos de que o concurso não tardará a lá regressar. No entretanto, continuam a chegar turistas mais interessados em descobrir os lugares em que os vários Survivors se desenrolaram que Vanuatu em si.

Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais

Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.

Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Espiritu Santo, Vanuatu

Divina Melanésia

Pedro Fernandes de Queirós pensava ter descoberto a Terra Australis. A colónia que propôs nunca se chegou a concretizar. Hoje, Espiritu Santo, a maior ilha de Vanuatu, é uma espécie de Éden.
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Visitantes em caminhada, Fortaleza de Massada, Israel
Parques nacionais
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Coração Budista do Myanmar
Cidades

Yangon, Myanmar

A Grande Capital Birmanesa (Delírios da Junta Militar à Parte)

Em 2005, o governo ditatorial do Myanmar inaugurou uma nova capital bizarra e quase deserta. A vida exótica e cosmopolita mantém-se intacta, em Yangon, a maior e mais fascinante cidade birmanesa.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Kiomizudera, Quioto, um Japão Milenar quase perdido
Cultura
Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
A Toy Train story
Em Viagem
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Entusiasmo Vermelho
Étnico

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Teatro de Manaus, Brasil
História
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Visitantes nos Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha
Ilhas
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Natureza
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Parques Naturais
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Guardiã, Museu Estaline, Gori, Georgia
Património Mundial UNESCO
Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Perigo de praia
Praias

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Religião
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Sociedade
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Vida Selvagem
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.