Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”


Transbordo

Passageiros do "Congoola/Lady of the Seas" são transportados para uma das ilhas que acolheram "Survivor"

Robin of Efate

Robin, um tripulante do "Congoola/Lady of the Seas" nativo de Vanuatu que testemunhou o desenvolvimento do fenómeno "Survivor" de Efate.

Música da selva

A banda da Ekasup Cultural Village uma aldeia criada para exibir aspectos da vida tradicional de Vanuatu.

De escala

Barco de apoio prestes a chegar ao veleiro "Congoola/Lady of the Seas"

Nativos nas quedas d’água de Mele

Pai e filho percorrem a base inundada de uma das mais famosas quedas d' água da luxuriante Efate.

À proa

Passageiros convivem e apreciam os cenários de Efate a bordo do Congoola/Lady of the Seas.

À moda de um chefe

Figurante da Ekasup Cultural Village em trajes tradicionais de Vanuatu.

Selva vs Pacífico do Sul

Litoral de Efate: um encontro de recife coralífero com floresta tropical melanésia.

Verdadeira aldeia sobrevivente

Aldeia tradicional de Efate, perdida no interior luxuriante da ilha.

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Para a maior parte das pessoas, Vanuatu não é mais que uma grande interrogação, um vazio cognitivo que contempla todos os imaginários possíveis.  Na prática, o nome identifica um arquipélago absolutamente único do Pacífico do Sul, formado por oitenta e duas ilhas tropicais de origem relativamente recente em termos geológicos, de que se projectam vários vulcões activos. Do total, 65 mantêm-se inabitadas, ainda mais selvagens que as restantes. Durante quatro mil anos, as outras foram exclusivamente partilhadas por tribos melanésias guerreiras e canibais com uma proveniência que continua sob estudo. Até que os exploradores europeus chegaram à zona e as disputaram.

Sem a sua obrigação de reclamar o que quer que fosse, desembarcamos tranquilamente no aeroporto de Bauerfield e somos prendados com uma recepção hilariante. Uma string band toca com toda a alma, transmitindo-nos, pela postura caricata dos músicos, os instrumentos que mais parecem de brincar e as vozes de cana rachada, a sensação de que nos juntamos a um desenho animado.

Em termos turísticos, Port Vila, é a estrela nacional, mais famosa que Efate ou até que o país em si. A capital serve de porta aos australianos, neozelandeses e japoneses que ali afluem através de pacotes de férias baratos, limitados, por isso, aos lugares costeiros aflorados pelos navios e aos trilhos mais que batidos pelas agências. Port Vila e Efate são Vanuatu mas uma versão bem suave, um mundo à parte das suas restantes ilhas onde qualquer pequena expedição descamba num aventura tresloucada. Começamos por explorar aquela Vanuatu introdutória, nesse mesmo fim de tarde, pelos seus recantos mais interessantes.

Na manhã seguinte, visitamos o mercado. À primeira vista e naquela incursão quase pioneira na Melanésia popular, as parecenças dos visuais, as cores garridas das vestes dos nativos e os produtos tropicais básicos expostos fazem com que nos pareça um qualquer mercado da África sub-saaariana. Aos poucos, as diferenças sublinham-se. Ao contrário dos africanos, os padrões dos tecidos não incluem formas animais. Depois, reparámos ainda nos misteriosos cabelos louros das crianças e no dialecto bislama que infantiliza, de forma divertida, a milenar e institucional língua inglesa: “Tankyu Tumas” assim fecham as nossas compras os vendedores, descomprometidos para com o original “Thank you so much”. 

Compramos papaias e mangos. Também toranjas, as mais suculentas e doces que alguma vez provámos. Nunca pensámos que adaptação alimentar àquelas paragens se revelasse tão rápida. A partir de então, fizeram parte da nossa dieta, como os duriões, o taro e, sem grande alternativa, as baguetes, parte da herança deixada pelos franceses que controlaram o arquipélago em condomínio com os ingleses, até à independência de 1980.

Port Vila guarda alguns edifícios do período colonial que teve início em 1906. Passamos no seu principal núcleo na Rue Carnot e na Rue de Paris, agora conhecidas por Chinatown por grande parte das suas lojas e armazéns serem explorados por comerciantes chineses.

Durante a 2ª Guerra Mundial, as forças militares dos Estados Unidos estabeleceram enormes estações de rádio cruciais para a missão de travar a expansão nipónica no oceano Pacífico, até então, avassaladora. Essas estações chamaram-se Number One, Two e Three. As duas últimas foram preservadas com os nomes correspondentes em Bislama: Nambatu e Nambatri e situam-se na zona residencial mais requintada de Port Vila. A Nambawan foi ocupada pelo Independence Park.

Tinham-nos alojado num dos últimos andares de um dos edifícios mais altos da cidade. Da janela do quarto, admiramos a actividade de formigueiro em redor de dois barcos ancorados junto ao molhe que delimita a capital, entregues ao colorido carrega e descarrega que antecedia a sua partida e o percurso de alpondra por diversas ilhas habitadas da nação Vanuatu. Não tardámos a ver-nos a bordo de uma embarcação em tudo distinta.

Em tempos um dos veleiros da organização na regata Sydney-Hobart, a "Lady of the Sea" mudou-se para os mares bem mais quentes e suaves em redor de Efate e passou a revelar aos novos passageiros as suas maravilhas tropicais. Navegamos em direcção a uma ilha baptizada de Tranquility onde é suposto pararmos para recreio balnear, incluindo snorkeling entre as tartarugas. Antes de lá chegarmos, no entanto, o timoneiro e guia aponta para um litoral luxuriante. “Rapazes, ali está Gideon’s Landing um dos vários domínios Survivor de Efate. As celebridades australianas que participaram estiveram todos aí.

Dois adolescentes franceses chegam-se à amurada e admiram e comentam o cenário em êxtase, não pelo seu possível contexto bíblico, mais pela importância mediática que conquistou. Aguardam pela indicação do timoneiro de onde teve lugar a sexta série da versão francesa. Enquanto isso, entregam-se a uma série de recordações dos momentos para eles inolvidáveis de Koh Lanta, a versão gaulesa do reality show a que só a hora de entrar na água de máscaras e barbatanas põe cobro.

Cabe-nos elucidar os leitores que teimam em resistir à TV ou aos seus programas deste tipo: “Survivor” é um concurso reality show de perícia e sobrevivência. Inventou-o, em 1992, o produtor britânico Charlie Parson para a produtora Planet 24 que detinha a meias com (quem diria…) Sir Bob Geldof. O concurso foi franchisado. Emitiu-o pela primeira vez enquanto “Expedition: Robinson” a Sveriges Television da Suécia que, em 1997, levou os seus concorrentes para a Malásia. Essa estreia teve grande sucesso. A partir de então, o concurso alastrou-se ao mundo como um vírus televisivo. Inúmeros canais das mais distintas nações desenvolveram os seus próprios Survivors. “Vanuatu, Islands on Fire”, o primeiro a ser filmado em Efate, em 2004, foi já a nona série do concurso norte-americano. Nos anos seguintes, Efate recebeu ainda a segunda série do “Australian Survivor” e “Koh Lanta”, a sexta série da versão francesa.  Em 2011, até parte da versão portuguesa de “Perdidos na Tribo”, lá se instalou. O programa supunha que doze VIPs portugueses se mudassem para viver entre tribos de distintas regiões do mundo. Durou bastante menos do que estava previsto. Os concorrentes nunca estimaram que as condições em que iam viver fossem tão duras.

Em qualquer dos casos, a fórmula do reality show dita que os participantes se dividem em tribos rivais de pretensos náufragos. Essas tribos devem construir abrigos e sobreviver na selva com recursos mínimos: catanas, cantís, pequenos tachos e quantidades controladas de arroz e de outros cereais. Defrontam-se em desafios pré-estabelecidos pela produção que levam à sua sucessiva eliminação. Até que se forma uma tribo única em que os derradeiros sobreviventes se confrontam. Os prémios, monetários ou de bens invejáveis, são sempre chorudos.

Regressamos ao areal e à conversa com Robin, um jovem tripulante ni-vanuatu da embarcação. Não tardamos a abordar o tema: “a verdade é que deu dinheiro a ganhar a muita gente de cá. Os donos de alguns dos lugares fizeram os negócios da sua vida. Mas depressa percebemos como (os Survivor) usavam e corrompiam a nossa cultura.”

Bastou-nos investigar um pouco para os exemplos dessa sua conclusão se revelarem. Durante a série americana, as duas tribos em competição tomaram de empréstimo os nomes de Yasur e Lopevi, dois dos vulcões mais emblemáticos do arquipélago e de toda a Melanésia. “Vanuatu, Islands on Fire” foi inaugurado de forma teatral com os dezoito participantes norte-americanos a descerem do veleiro em que seguíamos para bordo de uma pequena frota de canoas. Dois dos concorrentes cairam ao mar mas foram içados pelos nativos que os levaram até próximo da costa. Enquanto os jovens “survivors” caminhavam sobre águas rasas, bandos de nativos pintados, cobertos de folhas e em saias também vegetais correram em direcção a eles aos gritos e a brandirem lanças.  Surgiu então um chefe tribal que deu as boas-vindas aos forasteiros, chegados com uma missão que, mais que não compreender, 95% da população ni-vanuatu considerou ridícula.

A sociedade e imprensa sediada em Port Vila, aproveitou para se divertir. O Vanuatu Daily Post publicou um cartoon que mostrava duas mulheres tribais da nação a apreciarem o briefing transmitido aos competidores por um anfitrião do reality show com visual militar e tom condizente: “Para ganharem o milhão de dólares, vocês têm que sobreviver 39 dias sem electricidade, água canalizada, duches quentes e telefones; completamente isolados do mundo moderno!” Ao lado, uma das senhoras comenta para a outra, em bislama: “Mas o quê, tia? O que é que aquilo tem de especial? A minha velha mãe viveu assim toda a sua vida!”

Por irónico que pareça, o concurso foi criticado vezes sem conta devido ao seu primitivismo radical, por os concorrentes serem largados na selva, entre animais e plantas perigosos ou letais de que as câmaras exibiam planos próximos ao som de rufar de tambores, isto, apesar de os campos tribais dos participantes se situarem a apenas uma hora de carro de hotéis de quatro estrelas de Port Vila.

Em Efate, eram poucos os nativos que se preocupavam demasiado com a falta de genuinidade e respeito étnico gritante de uma ficção que contribuiu para a prosperidade dos nativos, não necessariamente para a sua felicidade. Imagens usadas para ilustrar a equipa Yasur revelaram erupções exuberantes do vulcão Lopevi – aquele que simbolizava a equipa adversária homónima – isto porque o Yasur só tinha erupções estrombolianas, como tal, bastante contidas. O espectáculo tinha que resplandecer acima de tudo, incluindo as mais básicas verdades e realidades do país.

Durante quinze dias, explorámos outras partes de Efate e outras cinco ilhas, cada qual, incrível à sua maneira. Nesse tempo, percebemos como Vanuatu se mantém num fascinante equilíbrio entre a mais absoluta inocência e a forçosa aprendizagem da civilização ocidental. Aos poucos, mais e mais habitantes deixam de considerar curiosos caprichos ocidentais os reality shows que aproveitam a exuberância e essa mesma inocência do país. No computo geral, a nação preserva-se orgulhosamente ni-vanuatu com toda a pureza de valores que o gentílico encerra.

Quanto ao “Survivor”, volvidos vinte anos, resiste. Em Setembro de 2016, trinta e duas épocas e dezoito países depois, regressou à nação vizinha de Fiji.

Nos últimos tempos, Vanuatu tem tido a sua dose de desastres naturais. Situado sobre o anel de fogo, agitaram-no recentemente sismos com magnitude bem superiores a 7. Em 2015, o ciclone Pam causou danos avultados em diversas ilhas, incluindo Efate. Mesmo assim, repetem-se os boatos de que o concurso não tardará a lá regressar. No entretanto, continuam a chegar turistas mais interessados em descobrir os lugares em que os vários Survivors se desenrolaram que Vanuatu em si.

Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais

Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.

Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.

Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.

Pentecostes, Vanuatu

Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.

Espiritu Santo, Vanuatu

Divina Melanésia

Pedro Fernandes de Queirós pensava ter descoberto o grande continente do sul. A colónia que propôs nunca se chegou a concretizar. Hoje, Espiritu Santo, a maior ilha de Vanuatu, é uma espécie de Éden.

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Um
Arquitectura & Design

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

A ver a vida passar
Cidades
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Cavalos garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, na iminência da Galiza
Cultura
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Devils Marbles
Em Viagem

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Étnico
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Muito que escolher
História

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Pedaço de Maldivas
Ilhas

Maldivas

De Atol em Atol

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Um meandro demoníaco
Natureza
Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
No rumo da Democracia
Parques Naturais

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

No sopé do grande Aratat
Património Mundial UNESCO

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Espantoso
Praias

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Céu Divinal
Religião

Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo israelita. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Formação
Sociedade

Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.