Ogimashi, Japão

Uma Aldeia Fiel ao “A”


Luzes de Ogimachi

A aldeia de Ogimachi ilumina-se aos poucos à medida que a escuridão toma conta da região de Shirakawa-go.

Atalho rizícola

Visitantes e moradores percorrem um caminho entre arrozais secos e em frente a uma casa típica da aldeia.

A abrigado

Casa imponente de Ogimachi por detrás do arvoredo que envolve a aldeia, poucos dias antes dos primeiros nevões.

Tons de Outono

Cores outonais enfeitam a orla da floresta em redor da aldeia, junto a um abrigo agrícola.

Japão bucólico

Campos agrícolas com os primeiros tons de Outono, por detrás dos cedros típicos de Shirakawa-go.

Getas Baixas

Sandálias tradicionais nipónicas "geta" expostas para uso à entrada de uma pequena casa da povoação.

Água dos Deuses

Colheres colocadas numa fonte à entrada do templo xintoísta Hachiman-jinja.

Reverência xintoísta

Fiel ora em frente ao templo Hachiman-jinja, nas imediações de Ogimachi.

Formas de Shirakawa-go

Edifício tradicional de Ogimachi, com telhado de colmo íngreme e resistente por forma a repelir a neve que cai em abundância na povoação.

Coração de Ogimachi

Núcleo de edifícios centrais de Ogimachi, todos erguidos segundo os mesmos critérios arquitectónicos de resistência ao Inverno.

Sinal dos tempos

Letreiro nipónico com caracteres kanji em grande destaque na velha aldeia de Ogimachi.

No interior de Ogimachi

Morador e guia exemplifica a forma de vida tradicional dos habitantes de Ogimachi a um grupo de visitantes.

Aldeia com "A" grande

Casario em forma de "A" disperso no sopé das montanhas verdejantes de Ogimachi.

Estendal Picante

Malaguetas secam ao ar livre e dão mais cor a uma das casas típicas da aldeia.

Sem Pressas

Casal aguarda junto a um estendal de malaguetas no alpendre de madeira de uma das casas tradicionais de Ogimachi.

Tábuas Xintoístas

Mensagens em nipónico expostas num painel de madeira do templo Hachiman-jinja.

Ponte para lado nenhum

Velha ponte de ferro sobre um meandro do rio Shogawa, nas imediações de Ogimachi.

Requinte histórico

Recanto arquitectónico de um dos edifícios históricos de Ogimachi com a madeira esculpida em detalhes incríveis.

Rio de Outono

Meandro rochoso de um rio nas imediações de Shirakawa go, colorido pela folhagem outonal.

Alameda de todas as cores

Visitantes nipónicos cruzam-se na alameda principal de Ogimachi, sob as árvores coloridas pelo Outono.

Fogo Controlado

Casa gassho liberta fumo ao início da noite, provavelmente porque os moradores haviam começado a tratar do jantar.

Pintor

Pintor aplica-se a retratar casas em "A" de Ogimachi na sua tela.

Pintor II

Pintor aplica-se a retratar casas em "A" de Ogimachi na sua tela.

Simples Linhas anti-neve

Brasão de uma casa gassho de Ogimachi, centrado no fundo do frontal em "A" de madeira.

Ogimashi revela uma herança fascinante da adaptabilidade nipónica. Situada num dos locais mais nevosos à face da Terra, esta povoação aperfeiçoou casas com verdadeiras estruturas anti-colapso.

Shirakawa-Go é, desde há muito, uma região eleita.  Começámos a descobri-la, faz uns bons dez anos, num documentário francês. Um comboio vencia o declive do percurso verdejante e solarengo da montanha até entrar num túnel, a meia-

encosta. Durante algum tempo, a imagem mantinha-se negra e a música que acompanhava o som do comboio parecia querer anunciar algo mas o narrador antecipa-se: “… et voilá … la vallée magique de Shirakawa-Go…”.

Saída do escuro, no outro lado da m

ontanha, a composição revela, então, o cenário encantador do vale do rio Sho-gawa, com as suas casitas longínquas em forma de A parcialmente afundadas na neve.

O documentário manipulava a realidade. Apesar do crescimento inexorável das vias de comunicação japonesas, nenhum comboio dá ou alguma vez deu directamente para o vale mostrado a seguir ao túnel. Foi a inacessibilidade desta zona remota que atraiu os seus primeiros colonos, membros deslocados do clã Taira – praticamente aniquilado, em 1185, pelo clã rival Minamoto – que apostaram tudo em evitar novos confrontos mas tiveram que se defender do clima austero da região. Shirakawa-Go continua a registar uma das maiores quedas anuais de neve do mundo e, entre Dezembro e Abril, fica regularmente isolada do exterior do vale devido à intensidade e duração das tempestades.

O clima impiedoso e a acumulação excessiva de neve -que provocou provavelmente o desabamento de várias das primeiras casas erguidas – foram a inspiração forçada do estilo arquitectónico gassho-zukuri (mãos em oração). A construção gassho-zukuri foi aperfeiçoada com o passar dos séculos. Suporta, sobre estruturas fortes feitas de troncos de cedros, enormes telhados em V invertido e três ou quatro andares desenhados para alojar famílias extensas (às vezes de quase 30 pessoas).

Como é visível no maior de todos os gasshos de Shirakawa-Go, Wadanake – agora declarado Tesouro Nacional – as casas reservam ainda espaço para diversos tipos de armazenamentos e indústrias: sericultura no topo e produção de nitrato, (essencial para a produção de pólvora) abaixo do primeiro piso.

Um aparte para referir que a pólvora alterou uma balança de poder que era secular no Japão e se tornou vital para a sobrevivência dos shoguns (senhores feudais). Começou a ser produzida em grande quantidade em Shirakawa-Go e restante província de Hida, pouco depois de as armas de fogo terem sido introduzidas no Japão, pelos mercadores portugueses, a partir de 1543.

Passado meio milénio, a história do país do sol nascente deu voltas e mais voltas. A mais importante de todas – também ela militar – acabou em tragédia. Melhor do que proclamou o ex-primeiro ministro Yoshida Shigeru, o Japão perdeu a Segunda Guerra Mundial mas ganhou a paz e, por extensão, uma combinação entre prosperidade económica e equilíbrio social que é única à face da Terra.

Não espanta, portanto, que os senhores japoneses continuem bem armados.

Na multidão que, aos fins de semana, flui entre os cento e dez gasshõs de Ogimachi, cruzam-se inúmeros de chefes de família abastados (muitos octogenários e nonagenários), munidos de modelos SLR Canon ou Nikon topo de gama apesar de os seus conhecimentos de fotografia pouco passarem da função On/Off.

Até nas mais paragens mais remotas deste bastião do consumismo se percebe que o dinheiro é abundante, mas a forma algo desalmada com que o Japão e os japoneses se habituaram a gerá-lo causou e continua a causar sérios revezes ambientalistas e paisagísticos, por todo o país. Nem Shirakawa-Go nem Hida, em geral, parecem estar a salvo.

Shirakawa já era um importante destino turístico antes de a UNESCO ter aceite Ogimachi e Ainokura na lista do Património Mundial. A partir da classificação, no entanto, a fama da região e o número de visitantes aumentaram exponencialmente. Contribuiu para o processo a conhecida predisposição social japonesa para os comportamentos de grupo. À medida que os autocarros de excursão descarregavam mais e mais pessoas, aliciados pelo lucro, muitos dos proprietários de gasshos transformaram-nos em lojas de recordações e aos terrenos em redor em pequenos parques de estacionamento pagos. Estas e outras atrocidades culturais fizeram com que a UNESCO ameaçasse com a desclassificação que está actualmente em julgamento.

Apesar deste inconveniente, acredite que Shirakawa-Go e, acima de tudo, Ogimachi têm o seu indiscutível encanto que aumenta se forem visitados de Segunda a Sexta enquanto os japoneses trabalham. Se quiser confirmar, experimente observar Ogimachi do alto do ponto de observação, o Shiroyama Tenbodai. De preferência, bem cedo ou ao fim do dia quando as excursões estão ausentes e o cenário bucólico dos campos cultivados e da floresta em redor – possivelmente envolto numa névoa suavizante – exibe todo o seu esplendor.

Parte da área entre Gokayama e Tokayama, destaca-se, no Outono, pelo exotismo vermelho-amarelado das suas montanhas arborizadas, irradiantes quando os raios de sol nelas incidem ou empasteladas quando está enevoado ou chove. A paisagem só não é divinal porque foi vitima da mesma falta de sensibilidade que prejudicou Shirakawa Go, desta feita, a um nível governamental.

Como explica Alex Kerr no seu livro “Lost Japan”, a determinação nacional de fazer o país “funcionar” e facturar, em conjunto com a grande densidade populacional – são 130 milhões de habitantes num país de montanhas –  tem causado gradualmente a sua destruição.

Ao volante, ao longo da estrada 158 e entre incontáveis e intermináveis túneis, essa mácula vai-nos surgindo sob a forma de uma floresta de postes de alta tensão e cabos, sopés de encostas e margens de rios cimentadas, sequências surreais de barragens, plantações introduzidas de cedros etc. etc. Com o tempo, habituamo-nos a apreciar os cenários com uma espécie de filtro visual sempre que exploramos a província em redor.

Quando partimos de volta a Takayama, os gasshos soltam fumo branco com cheiro a lenha e a noite cai de vez sobre o vale e os telhados em A de Shirakawa-go.

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Casario

Lares Doces Lares

Poucas espécies são mais sociais e gregárias que a humana. Os habitantes da Terra tendem a emular as moradias de outros e a instalar-se junto a elas. Alguns desses núcleos revelam-se impressionantes.

Takayama, Japão

Entre o Passado Nipónico e a Modernidade Japonesa

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Magome-Tsumago, Japão

O Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o shogun Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é frequentemente invadido por uma turba ansiosa por evasão.

Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Até há pouco, os estúdios nipónicos produziam 60% de todas as séries de animação. “Higurashi no Naku Koro ni” teve enorme sucesso. Em Ogimashi, damos com um grupo de kigurumis das suas personagens.

Praia soleada
Arquitectura & Design

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Aventura
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Em louvor do vulcão
Cerimónias e Festividades

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Pesca Preciosa
Cidades

Colónia del Sacramento, Uruguai

Um Vaivém Colonial

A fundação de Colónia del Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Cultura
Great Zimbabwe

Pequena Dança Bira, Grande Zimbabwe

A aldeia KwaNemamwa está situada junto ao lugar mais emblemático do Zimbabwé, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova nação. É ali que vários habitantes de etnia Karanga exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas de Great Zimbabwé.
Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilômetros de Nampula, fruta tropical é coisa que não falta.
Silhuetas Islâmicas
Étnico

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Moldura
História

Lençois da Bahia, Brasil

Uma Liberdade Pantanosa

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.

Entre andorinhas
Ilhas

Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24s de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Caribe rosado
Natureza

PN Henri Pittier, Venezuela

Entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Épico Western
Parques Naturais

Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos E.U.A. Hoje, na Navajo Nation, os navajos também vivem na pele dos velhos inimigos.

Maias de agora
Património Mundial Unesco

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Aulas de surf
Praia

Waikiki, Havai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbour e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.

Céu Divinal
Religião

Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo israelita. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Modelos de rua
Sociedade

Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana

Longsheng, China

A aldeia chinesa dos maiores cabelos do mundo. Nutridos a arroz, claro

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de uma aldeia renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os seus cabelos anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm que faz da aldeia recordista. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e o cereal. 

Recanto histórico
Vida Selvagem

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.