Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro


Voo marinho

Moa entra no mar raso de braços abertos, numa pose evocativa do culto de tangata manu

Cratera de retalhos

A cratera exuberante do vulcão extinto Ranu Kao, no extremo sudoeste de Rapa Nui e junto a Orongo.

Tangata manu rupestre

Pormenor de um petróglifo de Mata Ngarau, desenhado num dos abundantes rochedos de basalto de Rapa Nui.

Do ângulo certo

Visitante da Ilha da Páscoa fotografa um dos muitos petroglifos de Mata Ngarau.

Orgulho saudosista

Nativo Moa, faz ondular uma bandeira da nação rapa nui.

O Percurso do ovo

As rochas e petroglifos de Mata Ngarau, o âmago sagrado de Orongo. Ao longe, o trio de ilhéus ao largo de Rapa Nui: Motu Nui, o maior, antecedido de Motu Iti e do afiado Motu Kao Kao. Era em Motu Nui que os participantes no culto tangata manu deviam achar o desejado primeiro ovo do ano.

Cristianismo Rapa Nui

Pormenor do cemitério de Hanga Roa, a capital de Rapa Nui, com uma combinação de elementos indigenas e cristãos.

Abrigos ceremoniais

Edifícios seculares da aldeia de Orongo, construída para preparar a competição, e acolher os rituais e o tangata manu de cada ano.

A fábrica

Moais semi-enterrados na pedreira de Rano Raraku, onde os nativos rapa nui fabricavam os seus deuses de pedra.

Linha divina

Vislumbre dos moais de ahu Tongariki, a maior formação da Ilha da Páscoa.

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.

Ditaram o destino geológico e a recente urbanização colonial chilena que a caldeira mais exuberante da Ilha da Páscoa ficasse encaixada no recanto sudoeste do seu quase triângulo, num domínio verdejante trancado pela enorme pista do aeroporto, abaixo da ca

pital Hanga Roa.

Tínhamos prestado a nossa homenagem à maior parte das formações de moais que guardavam a ilha e visitado a pedreira de Rano Raraku em que os nativos antes os geravam. Estava na hora de abordarmos Ranu Kao e a velha aldeia vizinha de Orongo. Metemo-nos no jipe que usávamos há vários dias. Contornamos o espaço vasto do aeroporto. Detemo-nos junto ao início do trilho que conduz à caldeira do vulcão extinto, há muito um lago com a superfície coberta por um manto de retalhos multicolor de erva verdejante e água escura. Do cimo da orla, o cenário arredondado por diante arrebata-nos. Aquela era, de longe, uma das paisagens mais incríveis de toda a Polinésia e do oceano Pacífico em redor. Ficamos uns bons vinte minutos a contemplá-la. Só passado esse tempo, sentimos justo prosseguirmos borda fora rumo ao mar azulão e a Orongo.

As ruínas da povoação cerimonial estavam logo por ali. A ausência de outras pessoas, um silêncio natural desafiado pelo vento, pelo ressoar difuso do Pacífico abaixo e por ocasionais guinchos de aves marinhas envolveram a caminhada e a entrada na povoação de um mistério e solenidade que nos chegaram a arrepiar. Por fim, atingimos a secção em que a falda da caldeira quase se abria ao oceano. No extremo leste dessa espécie de falha, confrontamo-nos com um amplo crasto de construções feitas de pedras empilhadas com o interior apenas acessível por aberturas ínfimas alinhadas junto ao solo ervado.

Diante do agrupamento, junto ao limiar da aldeia e do sudoeste de Rapa Nui, encontramos uma formação rochosa repleta de petróglifos intrincados. Mesmo se a visão distante mas rival de três ilhéus perdidos na imensidão do oceano e do céu nos reclamava a atenção, examinamo-los com cuidado.

O vento era, ali, mais intenso. Fazia ondular o verde vegetal a nossos pés e o azul marinho-celeste sem fim. Ao mesmo tempo, rodeava os ilhéus de um branco pulsante. Estimulava-nos a curiosidade quanto ao que levara os indígenas rapa nui a instalar-se naqueles confins indómitos da sua ilha e a sulcar as rochas com tanta dedicação.

Como tudo o que diz respeito à Ilha da Páscoa, o tema intriga e apaixona uma larga comunidade de historiadores, arqueólogos e outros estudiosos. Teorias não faltam. Nem explanações aturadas dessas explicações. Em algo, a maior parte parece coincidir: uma nova realidade surgiu pouco depois de os indígenas rapa nui terem começado a derrubar os moais que antes haviam esculpido e erguido.

De um momento para o outro, Make Make, o deus criador, supremo e omnipotente deixou de proteger o povo Rapa Nui, incapaz de prever a catástrofe que, com a sua fé cega na supervisão dos moais, acabou por gerar.

As árvores da ilha terão sido quase todas cortadas para servirem de rolos e roldanas que permitiam a complexa deslocação dos moais da pedreira em que eram esculpidos para os lugares que lhes eram destinados. Sem árvores, os nativos deixaram de poder construir barcos e de pescar. Em pouco tempo, exterminaram as galinhas e aves afins da ilha. Até mesmo as aves marinhas se terão tornado escassas, de tal forma raras que os nativos as sacralizaram.

A Ilha da Páscoa é o lugar da Terra mais isolado. Dista 1850km das ilhas do Pacífico mais próximas, as do arquipélago, hoje, também chileno de Juan Fernández que ainda fica a 600km do continente sul-americano.

Ora, numa sociedade tão só e esperançada na benevolência do sobrenatural, a emergência do culto substituto do dos moais, o tangata manu (homem pássaro) não se fez esperar.

No século XVIII, os navegadores europeus começaram a ancorar nas enseadas da ilha. O pioneiro foi o holandês Jacob Roggeveen, em 5 de Abril de 1722, o Domingo de Páscoa que inspiraria o baptismo de Rapa Nui.

Em Novembro de 1770, chegaram os primeiros navegadores espanhóis e, quatro anos mais tarde, o incontornável britânico James Cook. Os diários dos espanhóis confirmam que todos os moais estavam de pé. Já os registos de James Cook, informam que alguns haviam sido derrubados.

De início, os habitantes de Rapa Nui estavam organizados em redor de um sistema de classes bem estruturado, com um ariki (chefe supremo) acima dos chefes de nove clãs. Com a sua existência ameaçada pela falta de árvores e de alimento, um grupo de líderes guerreiros terá organizado uma espécie de golpe de estado. Fundaram, assim, a nova religião que venerava Make Make e legitimava o sub-culto de Tangata Manu.

Daí em diante, ano após ano, jovens guerreiros (hopus) de cada clã eram nomeados pelos ivi-attuas (xamanes) de cada clã rival para participarem numa competição realizada de Julho a Setembro. Os competidores começavam por se concentrar nas grutas da ravina no prolongamento da cratera de Ranu Kao. Dessas grutas, deviam atravessar a nado o mar infestado de tubarões até Motu Nui, o maior dos ilhéus ao largo, antecedido de Motu Iti e do afiado Motu Kao Kao. Ali, aguardavam a chegada das manutara, as andorinhas-do-mar-escuras que migravam anualmente de outras partes do Pacífico, para lá nidificarem.

O participante que colhesse o seu primeiro ovo, escalava ao penhasco supremo de Motu Nui. Do topo, gritava para o seu xamane algo do género: “Temos o ovo, vai rapar a cabeça”. Então, os participantes derrotados nadavam juntos de volta à base de Rapa Nui. O felizardo, regressava sozinho, do ilhéu, com o ovo enrodilhado numa meda de longas ervas atada sobre a cabeça. Depois, tinha ainda que escalar os rochedos afiados que o separavam das alturas de Orongo para o entregar ao respectivo ivi-attua. Era declarado o Tangata manu, o ivi-attua do participante vencedor. Triunfante, esse xamane liderava, então, uma procissão que cruzava parte da ilha, até à zona a que o seu clã pertencia.

Três dias após ser colhido, o ovo era vazado, enchido de fibras vegetais e colocado na cabeça rapada e pintada de branco ou vermelho do Tangata Manu. Lá permaneceria por um ano mas, mais importante que o direito ao adereço, o Tangata manu passava a ser considerado tapu (sagrado). Recebia distintos tributos e oferendas de comida. Conquistava, aliás, para o seu clã, o direito de controlar a distribuição dos recursos escassos da ilha durante o ano seguinte, sendo o mais crucial, o privilégio de colherem os ovos postos pelas aves em Motu Nui durante cinco dos doze meses da sua vigência e residência em Orongo. No restante tempo, o Tangata manu permanecia num retiro espiritual num edifício erguido para o acolher.

A Orongo que examinávamos e de que perscrutávamos o trio de ilhéus terá sido erguida como a povoação oficial do evento que, contando com o cerimonial envolvido, durava quase um mês. Servia como ponto de chegada de uma marcha prévia dos clãs participantes com início em Mataveri, junto ao actual aeroporto.

Com a prova encerrada, eram gravadas nas rochas de basalto imagens de Make Make e do novo tangata manu. Na actualidade, perduram em Orongo e em redor cerca de 480 petróglifos. Algumas rochas exibem imagens dos homens-pássaro. Outras combinam os tangata manus com linhas comemorativas do deus Make Make.

Além de nada aliviar o já longo calvário do povo Rapa Nui, o novo culto colidiu com a obsessão dos missionários europeus entretanto instalados na ilha em converter os nativos ao Cristianismo. Foi banido sem apelo.

A partir de meio do século XIX, tornaram-se cada vez mais frequentes as incursões de traficantes de escravos vindos do litoral do Peru. Estes raides, epidemias fulminantes de tuberculose, varíola e outras doenças trazidas pelos forasteiros e deportações para outras paragens do Pacífico, causaram a diminuição drástica da população da ilha.

Em 1871, de muitos milhares (entre 7 a 20.000 no auge de Rapa Nui), sobravam 111 indígenas na ilha. Criadores de gado compraram boa parte das terras da há muito desmatada Rapa Nui que passou a servir de pasto aos seus ranchos.

Volvidos 17 anos, a Ilha da Páscoa viu-se anexada pelo Chile. Os nativos sobreviventes foram agrupados na zona da actual capital Hanga Roa. Só em 1966 lhes foi concedida a cidadania chilena. O censo de 2017, registou 9400 cidadãos que se consideraram de etnia Rapa Nui ,a habitar um pouco por todo o longilíneo Chile. Mesmo que o critério peque por excessiva ambiguidade, a Ilha da Páscoa abriga 7700 habitantes dos quais 60% se consideram descendentes dos aborígenes da Ilha da Páscoa.

Dias depois da nossa incursão a Orongo, Moa – de longe, o nativo que conhecemos na ilha mais determinado em recuperar a cultura Rapa Nui – leva a cabo uma série de orações e ritos em frente às formações de moais, hoje, quase todas reerguidas. Numa dessas estranhas actuações, coberto apenas com uma pequena tarja de cintura e com um estandarte da nação Rapa Nui atado à perna direita, o indígena entra pelo mar raso ao lado de um dos ahus. Altivo, orgulhoso, confronta a imensidão do oceano Pacífico e abre os braços numa pose simbólica do saudoso tangata manu.

Os séculos passaram e as embarcações dos colonos europeus ancoraram e zarparam. Por mais que evoque a história em tempos gloriosa do seu povo, dói a Moa a consciência de que nem o deus criador Make Make, nem os sucessivos Homens Pássaro salvaram a excêntrica mas frágil civilização Rapa Nui das garras da civilização ocidental.

 

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Ilha da Páscoa, Chile

Sob o Olhar dos Moais

Rapa Nui foi descoberta pelos europeus no dia de Páscoa de 1722. Mas, se o nome cristão da ilha faz todo o sentido, a civilização que a colonizou de estátuas observadoras permanece envolta em mistério

San Pedro de Atacama, Chile

O Oásis dos Gringos

Os conquistadores espanhóis tinham partido e o comboio desviou as caravanas de gado e nitrato. San Pedro recuperava a paz mas uma horda de forasteiros à descoberta da América do Sul invadiu o pueblo.

Ilha Robinson Crusoe, Chile

Na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe

Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.

Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.

Pucón, Chile

A Brincar com o Fogo

Pucón abusa da confiança da natureza e prospera no sopé da montanha Villarrica.Seguimos este mau exemplo por trilhos gelados e conquistamos a cratera de um dos vulcões mais activos da América do Sul.

Lenha à Pressa
Arquitectura & Design

Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.

Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Folia Divina
Cerimónias e Festividades

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

Modelos de rua
Cidades

Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.

Ilha menor
Comida

Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.

Combate
Cultura

Filipinas

Quando só os Galos Despertam um Povo

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Recanto histórico
Em Viagem

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

Espantoso
Étnico

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
No rumo da Democracia
História

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

Ruinas Infames
Ilhas

Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Las Cuevas
Natureza

Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Esqui
Parques Naturais

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Água grande
Património Mundial Unesco

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Sol nascente nos olhos
Praia

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Bruxinha de chaleira
Religião

Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Fim da Viagem
Sociedade

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana

Longsheng, China

A aldeia chinesa dos maiores cabelos do mundo. Nutridos a arroz, claro

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de uma aldeia renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os seus cabelos anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm que faz da aldeia recordista. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e o cereal. 

Um rasto na madrugada
Vida Selvagem

Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das suas etnias. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.