Tataouine, Tunísia

Os Castelos de Areia que Não Desmoronam


Dia no ksar

Nativos deixam o ksar Ouled Soultane.

Abraço ansião

Dois anciãos saúdam-se no ksar Oule Soultane.

Acrobacias a cavalo

Cavaleiro galopa de costas ao som de música berbere.

Tuareg

Guerreiro líbio exibe arte de guerra tuareg.

Encenação de batalha

Cavaleiros encenam antigas batalhas no deserto.

Jóquei

Jóquei tunisino antes do início de uma prova equestre.

Moda berber

Mulheres exibem o folclore berber no ksar Douiret.

Cenário do deserto

O deserto visto do ksar Douiret, na iminência de uma tempestade de areia.

Conversa Discreta

Motorista da comitiva de políticos fala ao telefone num recanto do Ksar Ouled Soultane.

Cavalaria do Deserto

Grupo de cavaleiros alinhados em frente à bancada do estádio de Tataouine em que se realizou o Festival dos Ksour.

Tuareg

Guerreiro tuareg, parte de uma comitiva líbia que participou no festival.

Quotidiano simulado

Dois nativos berberes observam o trabalho de um ferreiro figurante, no ksar Ouled Soultane.

Convívio berber

Nativos da região de Tataouine posam contra uma fachada interior do ksar Ouled Soultane.

De volta a Casa

Mulheres descem do ksar Douiret para a planície em redor, a caminho da sua aldeia.

Vida colorida

Mulher exibe dotes de tecelagem durante exibições culturais levadas a cabo em Tataouine.

Corredores do Deserto

Prémios são entregues aos vencedores e participantes de uma prova de atletismo do Festival dos Ksours.

Reverência Forçada

Participantes do Festival dos Ksours louvam o então Presidente Tunisino Ben Ali, deposto durante a revolução tunisina Primavera Árabe.

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. A Tunísia presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.

Tataouine ganhava nova vida. Provenientes dos quatro cantos do Magrebe e do Egipto, instalavam-se na povoação milhares de almas do Saara. Chegavam por terra em carrinhas cobertas de poeira fina ou em voos curtos provenientes das nações vizinhas. Formavam comitivas desorganizadas e barulhentas que se instalavam um pouco por toda a cidade e arredores, de tendas de inspiração beduína aos hotéis mais luxuosos.

Os nativos estão habituados à invasão anual dos visitantes. Identificam facilmente as suas origens e saúdam-nos com salamaleques efusivos e apertos de mão repetidos.

Não estamos assim tão longe da Europa mas estas portas do Saara estabelecem ainda uma fronteira de exotismo que era famosa em tempos coloniais. Os franceses partiram da Tunísia no terceiro mês de 1956 mas, por terras gaulesas, “aller à Tataouine” continua a significar perder-se no fim do mundo. Sem saber como nem porquê, George Lucas conseguiu ridicularizar a expressão. Filmou parte substancial do episódio IV da Guerra das Estrelas na região circundante e, quando teve que baptizar um remoto exoplaneta das areias para a saga, optou por Tatooine.  Enquanto avançamos do centro da capital de província para o hipódromo que acolhe vários eventos do festival, aquela terra parece realmente de outro mundo. Uma vasta zona de baixas-pressões resiste sobre o centro e norte de África. Estende-se do interior do Senegal, Mali e Níger até à Sicília e à Sardenha e o manto de nuvens cúmplice rouba o sol escaldante a grande parte do Saara. Ao mesmo tempo, vendavais revolvem as dunas do deserto e pintam a atmosfera do sul da Tunísia de um tom sépia algo marciano, nada de estranho para os seus habitantes mais que habituados a estas tempestades.

Zulia, uma anfitriã do evento recebe-nos em frente ao hipódromo e, após os cumprimentos, faz questão de avisar: “Está prestes a começar uma corrida. Andem por aí à vontade mas tenham cuidado com os animais. Alguns sentem a excitação no ar e podem dar coices ou morder”. Não levamos a coisa muito a sério e circulamos entre camelos e cavalos a que os proprietários e os jóqueis dão os últimos cuidados. Um veterinário de serviço inspeciona-os meticulosamente e tira notas num bloco com páginas pré-formatadas. Está visto que as provas não são a brincar.

Passamos para o interior do recinto e damos com as bancadas repletas de um público estranhamente agasalhado e curioso que acompanha a chegada à meta dos primeiros classificados de uma meia-maratona, atrapalhados por camelos foragidos que teimam em não abandonar a pista.

Os prémios são entregues com pompa e circunstância e, logo após, têm início exibições de acrobacias montadas que entusiasmam a multidão: cavaleiros que galopam virados para trás, outros que deles se dependuram e apanham terra do chão tudo ao som de tambores e flautas do deserto tocados ao vivo e narrado em directo por uma repórter radiofónica equipada a rigor.

Entretanto, um exército de peões em djellabas toma conta do recinto. Alinham-se no extremo oposto à bancada empunhando bandeiras vermelhas e brancas, – as cores da Tunísia – enquanto guerreiros a cavalo galopam de um lado para o outro simulando antigas batalhas históricas a que Lawrence das Arábias preferia não ter faltado. Inesperadamente, tornamo-nos vítimas do confronto.  

Os cavaleiros haviam recebido ordens para dispararem quando se cruzassem em frente ao centro da bancada. Mas alguns fazem-no contra o solo, demasiado próximo dos fotógrafos e do público. Já estávamos meio surdos mas ainda somos atingidos por pequenas pedras projectadas do chão que nos provocam feridas ligeiras no pescoço e na face e deixam uma espectadora a chorar, com perda momentânea de visão.

Recuperamos do incómodo e um comentário sarcástico de um colega inglês devolve-nos o bom-humor: “São assim os guerreiros do deserto! Se os tivessem deixado usar pólvora a sério, por esta altura estávamos todos mortos!”

Pouco depois, entra em cena uma milícia tuaregue líbia que nos impressiona com os seus trajes negros, as bolsas vermelhas a tiracolo e os turbantes e véus que lhes revelam apenas os olhos. Sentimo-nos intimidados mas, ao mesmo tempo, aliviados. Como armas, usavam punhais. Só com muito azar sofreríamos novos danos até porque as encenações marciais estavam prestes a terminar.

Nos últimos anos e até à revolução tunisina, o grande evento do hipódromo era encerrado em apoteose com uma multidão de  participantes e figurantes a exibir ao público uma fotografia emoldurada do ex-Presidente Ben Ali, entre bandeiras ondulantes da Tunísia e gritos de apoio incondicional, enquanto o speaker de serviço assegurava uma longa ovação de pé.

A realização do festival de 2012 esteve em dúvida mas foi recentemente confirmada pelos representantes da Associación des Diplomés du Superieur, pela primeira vez encarregada de supervisionar a organização. Ben Ali não estará presente, nem em pessoa nem em imagens. E dificilmente o presidente actual Moncef Marzouki exigirá ou terá direito a semelhante culto.

No dia seguinte, a celebração passa a itinerante. Afasta-se da cidade e visita os ksour considerados mais importantes da região. Viajamos quase 20 km e damos com uma multidão de pedestres de beira de estrada que, como nós, se dirigem para o ksar de Guermassa num cenário extraterrestre ainda e cada vez mais alaranjado, entrecortado por mesetas longínquas.

A subida para o topo da colina explica porque o povo berbere ali instalou a sua fortificação. Pelo caminho, informam-nos que está prestes a começar o espectáculo dos aldeãos. 

Chegamos extenuados mas a tempo de ouvir a música começar, acompanhada por um coro de mulheres trajadas com haiks folclóricos e lenços vermelhos que cobrem as cabeças coroadas por tiaras douradas.

Um camelo altivo, também enfeitado, espreita por cima deste grupo com relativa indiferença.

Ao nível do solo, dois anciãos de djellabas brancas protagonizam uma estranha dança bélica. Circulam num sentido e no outro, de espingardas velhas em riste que nos fazem lembrar ponteiros de relógio, renovando coreografias com provocações dramáticas e perseguições lentas e contidas.

Quando a exibição termina, mudamo-nos para o ksar Ouled Soultane, um dos mais sumptuosos de todo o Magrebe por agrupar duas estruturas de ghorfas (células de armazenamento de alimentos) construídas em alturas diferentes (séculos XV e XVIII) e que são repartidas por quatro ou cinco andares.

Também aqui os aldeões organizaram uma recepção calorosa aos visitantes que inclui comida tradicional, música e danças e uma  reconstituição do que teria sido a existência das tribos berberes que ali habitavam.

Dois outros anciãos encontram-se e trocam um abraço interminável que nos parece pôr cobro a uma longa separação. Perguntamos o porquê de tanta emoção a um organizador que fala francês e este explica-nos com orgulho: “Nunca foi fácil por estes lados. Agora a Tunísia é predominantemente árabe mas já foi berbere. A partir da altura em que os primeiros exércitos islâmicos aqui chegaram, os raides tornaram-se frequentes e, sempre sob ameaça, as tribos habituaram-se a dar valor à amizade e à solidariedade. Foram valores  que nunca mais se perderam. Estes cumprimentos são apenas uma das suas expressões. Não pensem que só acontecem nestes dias.”

Acompanhamos o festival até o fim e percebemos melhor a honra porque se rege o evento: apesar de todas as adversidades, os povos indígenas do Saara não salvaram só os ksours. Também preservaram as suas identidades.

Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.

Sudeste da Tunísia

A Base Terráquea da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.

 

Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.

Cartagena de Índias, Colômbia

Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".

Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Aos repelões
Cerimónias e Festividades

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Wilkommen in Africa
Cidades

Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cultura
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

De volta ao porto
Em Viagem

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Jingkieng Wahsurah
Étnico

Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Cria(ra)m Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes vegetais deslumbrantes às futuras gerações.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
The Rock
História

São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

40 anos passados sobre o fim da sua pena, o ex-presídio de Alcatraz recebe mais visitas que nunca.Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos

Aulas de surf
Ilhas

Waikiki, Havai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbour e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.

Frígida pequenez
Inverno Branco

Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor” mas Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

O Apogeu da América do Norte
Natureza

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Fila chilena
Parques Naturais

Pucón, Chile

A Brincar com o Fogo

Pucón abusa da confiança da natureza e prospera no sopé da montanha Villarrica.Seguimos este mau exemplo por trilhos gelados e conquistamos a cratera de um dos vulcões mais activos da América do Sul.

No rumo da Democracia
Património Mundial Unesco

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Insólito Balnear
Praia

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Glamour vs Fé
Religião

Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.

Colosso Ferroviário
Sobre carris

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Ijen-Inferno
Sociedade

Vulcão Ijen, Indonésia

Escravos do Enxofre

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.