Lombok, Indonésia

Na Sombra de Bali


Sementeira lacustre

Camponesas plantam arroz nos arredores da capital Mataram.

O Protector sagrado

O vulcão Gunung Rinjani, segundo mais elevado da Indonésia, envolto em nuvens.

Crespusculo Romântico

Namorados partilham um pôr-do-sol alaranjado a sul de Senggigi.

O último salto

Queda d'água encharca a selva no sopé do monte Rinjani.

Capricho dos Deuses

Chapéu de sol arrumado contra um dos santuários do templo hinduista Batu Bolong.

Parelha & Arado

Agricultor lavra um terreno alguns kms para o interior de Bangsal, na costa norte de Lombok.

Índico Turquesa

Praia com areia vulcânica a norte de Senggigi.

Macaca Fascicularis

Femea de macaco caranguejeiro numa floresta tropical.

Perahu

Pescador navega um pequeno barco tradicional.

Formas tropicais

Base de árvore curvilínea numa floresta junto a Senaru.

Hinduismo balinês

Silhueta do templo Batu Bolong contra a do vulcão Gunung Agung, já parte de Bali.

Uma Questão de Equilíbrio

Mulher transporta o filho e alguma carga adicional a caminho de Senaru.

Selva densa

Floresta tropical para oeste de Senaru, numa encosta baixa do monte Rinjani.

Em linha

Grupo de camponesas planta arroz num campo alagado nas imediações de Mataram.

Água que brota da selva

Vislumbre longínquo de uma das cascatas junto a Senaru.

Doca seca

Barcos de pesca coloridos em doca seca, numa aldeia piscatória de Lombok.

Pose de Arroz

Mulher indonésia interrompe a plantação de arroz para se meter com os visitantes.

Socalcos verdejantes

Campos agrícolas frondosos de Senaru.

Triagem

Camponesa separa folhas de arrôz.

Rio em queda

Cascata na proximidade de Senaru, uma pequena aldeia do norte de Lombok.

Sementeira II

Camponeses semeiam arroz num campo de Lombok.

Há muito encobertos pela fama da ilha vizinha, os cenários exóticos de Lombok continuam por revelar, sob a protecção sagrada do guardião Gunung Rinjani, o segundo maior vulcão da Indonésia.

A estrada que segue para norte de Senggigi sobe e desce, curva e volta a curvar infinitamente desvendando, a cada um dos seus caprichos, cenários tropicais inesperados.

Fazemos o percurso a meia-encosta. Sucedem-se, lá em baixo, enseadas de areia cinzenta, pintada pelo col

orido das embarcações de pesca tradicionais ou extra-escurecidas pela sombra da floresta de coqueiros que preenche o vale, até quase tocar o azulão do Mar de Bali.

Mais alguns “ésses”, uma longa rampa e, da ilha homónima, insinua-se, no

horizonte, o triângulo quase perfeito do Gunung Agung, um vulcão de 3142 metros de altitude que já foi devastador e pode voltar a entrar em actividade a qualquer momento, apesar da imagem angelical impingida pela sua auréola de nuvens permanente.

O ambiente &eac

ute; rústico e rural mas roça o topo da escala do exotismo. Nos campos verdejantes à beira do asfalto, caminham camponeses de chapéus cónicos que conduzem cabras e vacas aos pastos. Ao nível do mar, remam pescadores a b

ordo de pequenos perahus (barcos artesanais) prestes a desembarcar nas suas aldeias plantadas no areal.

Praias maravilhosas não faltam em Lombok. Na costa noroeste, de Senggigi até chegar a Pemenang destacam-se a Malimbu e a Mangsit. Mais para norte, fica a de Sira e, ao lado, a Medana. Quem as contempla, desertas e selvagens, fica de pé atrás. Que há de errado com estas baías irresistíveis? Nos dias que correm, nada de nada. O que se passa é que Lombok esteve décadas à sombra da vizinha glamorosa e o seu promissor desenvolvimento turístico foi prejudicado por confrontos religiosos ocorridos em 2000 e pelos atentados de Kuta, Bali, em 2002. Por estes motivos e mais alguns, como o facto de ter uma população maioritariamente muçulmana tradicionalista que inibe alguns comportamentos ocidentais “pagãos”, em termos turísticos, Lombok é, hoje, a Bali de há vinte anos atrás. Agora que a tranquilidade parece ter regressado de vez, não se deve manter assim por muito tempo. Os seus visuais exóticos justificam-no mas são apenas a razão mais óbvia.

A Linha de Wallace, uma divisória biogeográfica entre a flora e a fauna da zona ecológica indomalaia e a da Australásia, passa exactamente sobre o Estreito de Lombok. Apesar dos escassos 75 km de leste a oeste, quase os mesmos de norte a sul, Lombok contribui decisivamente para a ruptura da paisagem, a Wallacea. É uma das Pequenas Ilhas da Sonda com maiores contrastes.

Devido à morfologia acidentada que culmina nos 3726 metros do vulcão Gunung Rinjani – o segundo mais alto da Indonésia, atrás apenas do Puncak Jaya (5050 m), da Papua Ocidental – certas áreas do seu território são tão húmidas e luxuriantes como Bali. Outras, principalmente a sul e a leste, mantêm-se secas como o interior da Austrália, anos a fio, independentemente do fluir das monções do sudeste asiático que se antecipam ou atrasam mas acabam sempre por chegar.

Anunciam-se por volta de Outubro, mês em que o acumular de nuvens se intensifica. Costumam resistir até Maio quando a mudança de padrão climático vira os ventos para norte e a chuva passa para as latitudes superiores do sul da China, Filipinas, da Península Malaia, Myanmar, Tailândia e vizinhos da antiga Indochina. A partir de Maio, apesar de predominarem os dias solarengos, abordam Lombok nuvens determinadas, tantas vezes escuras como breu, que descarregam num ápice e somem noutro.

Foi num cenário meteorológico deste tipo que chegámos, vindos de Denpasar – Bali, sobrevoando um trecho curto mas majestoso do Anel de Fogo do Pacífico: o céu carregado até mais não e o sol a espreitar com receio, reflectindo-se no mar. Por algumas horas, reinou uma atmosfera densa, arroxeada, de luz mágica e cheiro forte a terra asiática encharcada. Na manhã seguinte instalaram-se as altas pressões e tudo voltou a normalidade.

Os 2.4 milhões de habitantes de Lombok adaptaram-se à morfologia e ao clima da ilha. Moram e têm os seus arrozais a norte do Rinjani, nas planícies férteis do centro, irrigadas pela água que flui da vertente sul do vulcão e nas zonas costeiras viradas a oeste, também elas propícias à vida.

São maioritariamente sasaks, uma etnia muçulmana que retém antigas crenças animistas. Em termos fisiológicos, assemelham-se aos javaneses e aos balineses mas foram, durante largo tempo, um povo de montanha, algo que moldou a sua cultura e lei tradicionais Adat, o princípio porque continuam a reger o nascimento, a circuncisão, os noivados, os casamentos e, em tantas situações, o dia-a-dia.

Oprimidos pelos balineses que ocupavam toda a ilha desde 1750, em 1891, os sasaks convidaram os holandeses que ocupavam Bali a tomar conta de Lombok.  A resposta demorou mas chegou em força: três anos depois, o governador das Índias Orientais Holandesas, Van der Wijck, assinou um tratado com os rebeldes e acabou por derrotar os balineses, conseguindo manipular as aristocracias de ambos os povos em conflito de forma a conservar a paz e o poder. Foi um equilíbrio improvável que se manteve longos anos, mesmo após da concessão da independência dos holandeses à Indonésia, em 1958, e a integração de Lombok na província insular de Nusa Tenggara Barat. 

Actualmente, os balineses são à volta de 10% e os Sasaks quase 90% mas, devido ao requinte colorido da sua religião, os primeiros destacam-se da multidão. Como as restantes cidades e povoações menores da ilha, Senggigi – a mais turística – desperta ao chamamento do “Allah hu Akbar” madrugador cantado pelos muezins e rege-se pelos quatro seguintes. Isso não impede que, ao mesmo tempo, no Pura (templo) Batu Bolong, a família Mindra, trajada a preceito de sash (lenço) e sarong coloridos leve a cabo os rituais elegantes do hinduísmo balinês. 

O hinduísmo balinês está tão ou mais distante do indiano que Lombok da Índia. Como os hindus do sub-continente, os balineses crêem na trindade Brahma, Shiva e Vishnu, mas acreditam também num deus supremo, Sanghyang Widi que não é frequentemente venerado, com excepção para a fundação de uma nova aldeia.

Ao contrário do que acontece na Índia, em que proliferam imagens quase livres e invariavelmente garridas destes deuses, em Lombok, como em Bali, a trindade nunca é vista. A génese da cultura e religião balinesas está na era Majapahit, um reino de influência indiana que, de 1293 a 1500, dominou várias ilhas indonésias e a península malaia e acabou por se refugiar, em Bali, da invasão dos Sultanatos de Malaca e Demak.

Uma das crenças pré-Majapahit que os balineses preservaram foi o kaja, kelod ou kangin, a orientação dos templos de frente para montanhas, o mar ou o nascer do sol, em deferência aos seus espíritos animistas. É por respeito a esta crença que o ritual da família Mindra se faz sob a supervisão longínqua e sagrada do Gunung Agung, o maior vulcão de Bali.

A ilha não é propriamente grande mas vamos tratando da descoberta de Lombok, aos poucos, contando com a cooperação da mota alugada que continua sem dar problemas.

A costa oeste já ficou para trás e, com ela, uma série de aldeolas sasaks encaixadas entre o mar e a montanha, quase sempre à beira da estrada que, aqui e ali, desaparece debaixo da areia arrastada pelas torrentes de água caídas da encosta.

Cruzar estas povoações exige cuidados de condução redobrados. Atravessam-se à nossa frente cães, vacas e galinhas e, como o trânsito é reduzido, a estrada faz ainda de campo de futebol, de pátio para todas as brincadeiras de criança e convívio dos adultos. Já no norte, os espaços aumentam. Surgem arrozais vastos e campos com outras culturas salpicados de espantalhos toscos e camponeses atarefados.

Passamos, sem parar, por Bangsal e seu pequeno porto.  É famosa entre a comunidade mundial de “mochileiros” a máfia local de pretensos guias, agentes e vendedores aldrabões que tudo inventam para conseguir umas rupias extra durante o translado para as Gili Islands – cuja tradução trapalhona do bahasa e do inglês é Ilhas Ilhas – que acabámos também por visitar.

Ficámos apenas duas noites nas Gili. Venceu a vontade de regressar a Lombok que nos tinha surpreendido e continuava a fascinar. Como tal, voltámo-nos a instalar em Senggigi e prosseguimos a exploração, ainda à moda motoqueira. 

Decidimos deixar a costa e tomar um caminho que iria começar em Mataram, a capital, e seguir para norte, atravessando a extremidade leste do Parque Nacional Gunung Rinjani, uma área elevada de floresta densa.

A caótica Mataram tem cerca de 320.000 mil habitantes. Apesar de ser considerada uma cidade, é, na realidade, um conglomerado de quatro cidades independentes: Ampenam (o porto); Mataram (o centro administrativo); Cakranegara (o centro de negócios) e Bertais, a zona marginal que recebeu o novo terminal de autocarros. Depois de verificarmos um ou outro pura e o Mayura Water Palace, supostamente na lista das suas atracções imperdíveis, concluímos que o tempo é melhor gasto sobre a “nossa” poderosa Honda Supra, à descoberta dos cenários naturais e rurais da ilha. 

A estrada interior entre Mataram e Pemenang tem um desenho no mapa praticamente igual à que liga as duas povoações pela costa. As vistas, essas, são distintas. Começamos por atravessar uma zona de arrozais minifundiários e arrumados em socalcos sobrepostos até à orla do bambu que anuncia o início da selva. À frente e acima no percurso, a estrada embrenha-se totalmente na vegetação e torna-se sombria. Atinge o seu ponto mais alto, já em plena Monkey Forest, onde reinam centenas de exemplares endiabrados e ladrões, de uma subespécie barbuda, os macacos-caranguejeiros (macaca fascicularis).

Ali, a selva abre e dá origem a um miradouro espontâneo que revela uma das perspectivas mais impressionantes de Lombok: a floresta tropical densa e coberta de névoa a estender-se suavemente encosta abaixo até encontrar o mar, vários quilómetros para diante.

As vertentes íngremes do Rinjani abrigam inúmeros cenários semelhantes ao deste itinerário, todos eles com os seus encantos particulares. Proliferam quedas d’ água impressionantes com acessos que partem de aldeolas semeadas em campos rurais idílicos e continuam para trilhos de selva dignos de um Indiana Jones ou da colega Lara Croft.

São os casos de Tetebatu e Lendang Nangka, na vertente sul, mas principalmente de Senaru, na norte, com acesso às suas quedas d´água Sindang Gila e Tiu Kelep, ambas, pela dimensão e beleza, dignas da caminhada de quarenta minutos e travessias de rio a que obrigam.

Apesar de existirem outras hipóteses, com o passar dos anos, Senaru transformou-se na base eleita para as ascensões à Danau Segara Anak (Filha do Mar) – a enorme cratera-lago azul-turquesa do vulcão Gunung Rinjani – e acolheu o Rinjani Trek Centre, em que podem ser contratados guias e carregadores e tratar-se da restante logística.

O circuito integral – como o mais curto de ida e volta à cratera – é desaconselhado durante a época da chuva quando os trilhos estão enlameados e escorregadios. Algo penoso para quem não está em boa forma, faz-se em quatro dias: são cinco ou seis horas de trekking, no primeiro, para atingir o Pos III (o terceiro abrigo a partir de Senaru); mais três a quatro para ir dali às termas, no segundo dia; o mesmo tempo para Pelawangan II (um abrigo situado já sobre a cratera), no terceiro e, no quarto dia, cinco a seis horas para atingir o cume do vulcão. Esta derradeira etapa tem início por volta das três horas da madrugada. O horário, cruel, tem uma boa justificação: permite chegar ao topo a tempo do nascer do sol, com sorte, antes de as nuvens se instalarem.

Depois da conquista do cume e da merecida  contemplação do lago-cratera e da paisagem de Lombok, segue-se o percurso descendente até Sembalun Lawang que, comparado com os anteriores, se faz com uma perna às costas.

O Gunung Rinjani mantém-se inactivo desde 1901, ao contrário do Baru, comparativamente, uma miniatura de vulcão alojada na sua cratera. A última erupção do Baru ocorreu em 1994. Mudou a forma do cume do Rinjani e espalhou cinza sobre grande parte de Lombok. Nada de verdadeiramente dramático.

Tanto os sasaks como os balineses consideram o Rinjani sagrado. Alguns sasaks fazem várias peregrinações por ano, por norma, durante a lua cheia quando lhe prestam homenagem e aproveitam para curar problemas de saúde banhando-se nas águas quentes que dele brotam. Já para os balineses, tem a mesma importância religiosa que o Gunung Agung. Vêem-no como um trono dos deuses e, por essa razão, organizam uma peregrinação anual em que é realizada a Pekelan, a cerimónia em que atiram jóias ao lago e fazem outras oferendas ao espírito da montanha.

Tanta reverência parece garantir a clemência e protecção do vulcão. Os anos passam e o Gunung Rinjani continua a poupar e a proteger Lombok, um segredo bem guardado de Nusa Tenggara.

 

 

PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a dois mil metros no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.

Ilha Moyo, Indonésia

Uma Ilha Só Para Alguns

Poucas pessoas conhecem ou tiveram o privilégio de explorar a reserva natural de Moyo. Uma delas foi a princesa Diana que, em 1993, nela se refugiou da opressão mediática que a viria a vitimar.

Vulcão Ijen, Indonésia

Escravos do Enxofre

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Gili Islands, Indonésia

As Ilhas que Não Passam Disso Mesmo

São tão humildes que ficaram conhecidas pelo termo bahasa que significa apenas ilhas. Apesar de discretas, as Gili tornaram-se o refúgio predilecto dos viajantes que passam por Lombok ou Bali.

Filhos da Mãe-Arménia
Arquitectura & Design

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Aterragem sobre o gelo
Aventura

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Folia Divina
Cerimónias e Festividades

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

Silhuetas Islâmicas
Cidades

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Cultura
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Espera sem fim
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós-voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo desregula-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Épico Western
Étnico

Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos E.U.A. Hoje, na Navajo Nation, os navajos também vivem na pele dos velhos inimigos.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Cidade dourada
História

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Antes da chuva
Ilhas

Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.

Aurora fria II
Inverno Branco
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Twelve Apostles
Natureza

Victoria, Austrália

No Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes de Melbourne, a estrada B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. E bastam alguns km para perceber porque foi baptizada The Great Ocean Road.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Correria equina
Parques Naturais
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Rumo ao vale
Património Mundial Unesco

Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Tambores e tatoos
Praia

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

1º Apuro Matrimonial
Religião

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Praia portuária
Sociedade

Sentosa, Singapura

O Recreio de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.