Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra


Sol e Lua sobre o lago
Insólito Paquiderme
Um frontão principesco
Túnel para outro lado da cidade
Guilin-Pagode-de-Mulong-China-Guangxi
Guilin-Rio-Li-Elephant-Trunk-hill-China-Guangxi
Palácio do Principe de Jingjiang, outra versão
Galeria Comunista
Betão vs Pedra
Suave moda medieval
A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.

Uma Epopeia Ferroviária

26. Foram vinte e seis as horas de comboio as que nos levaram de Lijiang, na província de Yunnan via Dali e Kunming, até à distante Guilin.

Ignoramos o Natal numa qualquer carruagem espartana, deslocados numa comunidade pós-Comunista de sino-passageiros pouco dados a tais crendices. Nem às cristãs, nem às pagãs. Determinados, sim, a celebrar os momentos a bordo com o apego de outros quaisquer.

Um passeio descomprometido pelo corredor revela-nos pequenos torneios de mahjong e de cartas, banquetes de noodles instantâneos e conversas tão animadas que nos soavam a discussão.

Quase 1500km após a partida, sem nunca pormos os olhos noutros forasteiros, praticamente à mesma latitude da origem, a composição que há muito avançava entre arrozais mirrados pelo frio Invernal, desliza destino final adentro.

Pouco passa do meio-dia quando se imobiliza na estação Guilin West. Tínhamos dormido o possível nos lugares-cama cimeiros que nos calharam. Mesmo assim, ao percorrermos a plataforma, ainda sentimos o balanço do comboio e arrastamo-nos e à bagagem à laia de mortos-vivos em busca de sentido naquele escoador ferroviário da civilização oriental.

Um Descanso Ainda Melhor que o Merecido

Por sorte, tínhamos conseguido estadia num dos hotéis mais sofisticados e acolhedores da cidade. Cumprido um curto trajecto de táxi e um rápido check in, entregamo-nos aos portáteis mas acabamos por nos rendermos à cama acolchoada e aconchegante, apostados em recuperarmos os corpos e as mentes da canseira a que nos tínhamos submetido.

Despertamos já de noite, famintos, mas com energias suficientes para caminharmos pelos arredores do hotel em busca de um pouso poupado para jantarmos.

Está escuro. Um escuro peculiar. Aqui e ali, profanado por uma ou outra iluminação de rua, o breu prova-se quase alvo tal é a humidade que envolve a cidade e, naquela altura do ano, apostávamos que toda a província de Guangxi.

Apertamos os agasalhos para protegermos os ossos da cacimba. Mesmo sem sabermos qual o melhor rumo, metemo-nos a caminho. O hotel ficava numa zona destacada do casario urbano, entre os bairros de Sanliancun e de Xiacun, na iminência do rio Li e da ponte da rua Huancheng North que o atravessava.

A Noite Nevoenta de Guilin

Avançamos no sentido oposto ao rio, guiados por luzes que a névoa distorcia mas que indiciavam um qualquer nicho de civilização. Alternamos entre a berma da estrada e uma outra via lateral, salpicada de árvores.

De início, pensamos tratar-se de um refúgio pedonal pelo que caminhamos despreocupados com o trânsito. Isto até que uma motoreta fantasma surge do nada e nos força a um quase salto de emergência. Era a primeira. Não seria a última.

Nos últimos tempos, as motas e pequenos carros eléctricos pegaram de moda na China, muito graças à poupança de custos em combustível que proporcionam.

Mas, o desrespeito epidémico pelas regras e sinais de trânsito validava que, apostados em prolongar as cargas das baterias,  os seus condutores circulassem de noite, daquela forma, com as luzes desligadas, sem qualquer intenção de buzinar, fosse qual fosse o imprevisto.

Um restaurante aberto mas deserto de clientela abrevia-nos a caminhada. Instalamo-nos. Pedimos os chao fàn e miàn tiáo (arroz semi-frito e massa com vegetais) que sabíamos ideais para encher a barriga e simplificar processos. Devoramo-los com a avidez de quem há dois dias não via uma refeição empratada, regressamos ao hotel, aos portáteis e ao sono.

Novo Dia, o Mesmo Nevoeiro

Tomamos o pequeno-almoço na companhia de Ruby Zhu, a Communications Manager do hotel. Ruby nasceu em Xian. Estudou em Amesterdão, visitou a Alemanha e a Bélgica e habituou-se à liberdade europeia.

Não se furta a comunicar, seja qual for o tema: “nós não vamos à bola com os japoneses… as TV’s do hotel têm que ser boas. Não queremos as chinesas porque ainda estão longe disso. Mas também não compramos as japonesas. Compramos as coreanas. As coreanas são boas e as fábricas deles estão na China, por isso, ajudamo-los.”

Com a manhã a esgotar-se demais para o nosso gosto, encurtamos o convívio. Saímos disparados para a cidade.

Isolada do centro da China pelas montanhas Nan, a província de Guangxi sempre se manteve à parte, tanto em termos geográficos como no imaginário dos chineses de outras partes, que lhe atribuem uma boa dose de misticismo, visível nas ilustrações artísticas de incontáveis restaurantes chineses, na China, e por esse mundo fora.

Da Indústria à Aposta na Ecologia

Um canal baptizado de Ling, aberto em tempos ancestrais (II a.C), permitiu que pequenas embarcações navegassem do rio Yangtse para o Xi, através de um outro, o Xiang. Daí em diante, o comércio despontou e desenvolveu-se sem retorno. Numa vasta zona fluvial e com forte pluviosidade, a agricultura não tardou a conquistar o seu espaço. Garantiu o sustento de centenas de milhares de almas entretanto para ali migradas.

Avançamos no tempo. Por altura da 2ª Guerra Mundial, Guilin contava com uma população de mais de dois milhões quando serviu de base para sucessivos ataques contra as forças invasoras nipónicas. Sem surpresa, sofreu a retaliação dos japoneses. Foi arrasada.

As autoridades esboçaram uma recuperação assente na instalação de várias fábricas poluentes. Mais tarde, quando a paisagem circundante  suscitou a admiração do mundo, a aposta no marketing turístico da região, obrigou à expulsão dessas fábricas.

Guilin continuou a desenvolver-se no registo ecológico pretendido. A cidade é agora a terceira de Guangxi, a seguir à capital Nanning (quase 7 milhões de habitantes) e a Liuzhou (4 milhões). A Guilin urbana não acolhe sequer um milhão de habitantes mas recebe 3.2 milhões de visitantes todos os anos. À data deste texto, Guilin não integrava um único prédio com mais de vinte andares, um caso raro na China contemporânea, apostada em crescer em todas as direcções incluindo a do céu.

Monumentos que Acompanharam a História

Mesmo erguido durante a dinastia Ming (1372 d.C. a 1392 d.C), o Palácio amarelo do Príncipe de Jingjiang que encontramos a 4km, do lado de lá do rio Li, parece concorrer pelo azul do firmamento com um dos penhascos abruptos e afiados que despontam do solo, um pouco por toda a parte.

Surge em plena Cidade Interior, o âmago histórico de Guilin com 630 anos, mais antigo que o da Cidade Proibida de Pequim. Hoje, tal como constatámos pela quantidade de jovens a por ali passar, funciona como a Universidade de Guangxi mas, nos 257 anos decorridos desde a sua construção até ter sido danificado durante a dinastia Qing, o palácio acolheu catorze reis de doze distintas gerações.

Não só. Durante a Guerra Civil Chinesa, o fundador do Kuomintang Sun Yat-sen também lá se alojou, durante a Expedição do Norte (1926-1928) em que o Exército Nacional Revolucionário Chinês procurou derrotar o Governo de Beyiang com sede em Pequim e outros senhores da guerra para assim reunificar a China ainda dividida devido a efeitos imprevistos da Primeira Revolução Chinesa.

Um Pico Solitário com Vista Panorâmica

Demoramos tempo a assimilar a história complexa do lugar. Bem mais que a beleza do complexo muralhado, organizado em redor de quatro grandes pavilhões, quatro salões e quarenta outros grandes edifícios “à sombra” do imponente Solitary Beauty Peak, um outro morro aguçado situado quase sobre o rio Li e a que temos o bom senso de subir pela escadaria íngreme e sinuosa. Sabemos que atingimos o cume quando, extenuados, damos de caras com o pequeno pagode que o coroa.

Daquele cimo destacado de que, durante o Verão, pende uma vegetação farta, contemplamos a vista a 360º: o casario de Guilin para diante, sobretudo à esquerda do rio Li que retalha a cidade.

A maior distância, em quase todas as direcções, as silhuetas das colinas pontiagudas abundantes nestas partes do norte de Guangxi e que formam o Império de Rocha deslumbrante da região, o domínio de Leye-Fengshan, declarado geopark tal é o virtuosismo geológico dos seus incontáveis penhascos, grutas e câmaras subterrâneas de calcário.

Mal a Primavera se insinua, este cenário atrai uma horda ansiosa de espeleólogos, escaladores e aventureiros em geral dispostos a arriscar (pelo menos um pouco) as vidas em honra da imponência e excentricidade da Natureza local. Ainda estávamos a meio do Inverno. De acordo, tal como acontecia no topo do Solitary Beauty Peak, os visitantes eram sobretudo chineses de férias após o período ocidental da Passagem d’Ano.

A Vida Ribeirinha nas Margens do Li

Regressamos ao nível do solo e à margem do Li, apontados a outra sua peculiaridade, a Elephant Trunk Hill. Pelo caminho, protegidas de eventual chuva debaixo de uma ponte, um batalhão de mulheres munidas de tambores e que seguravam tiras de tecido lustroso, ensaiavam movimentos de uma qualquer parada em que iriam participar.

Mais à frente, uma frota de pescadores sentados sobre o mesmo número de jangadas de bambu, as tradicionais do Li, pescavam sobre as águas gélidas e quase imóveis do rio.

A Elephant Trunk Hill forçou-nos a 5km de caminhada. Identificamo-la, claro está, pela forma que lhe dá o nome, notória por um morro comprido terminar já sobre o rio com um enorme orifício que, após a época das chuvas, fica reduzido a metade.

Prosseguimos ao longo do Li, na direcção da Fubo Hill, uma outra colina de calcário com o sopé esburacado pela erosão e com três grutas independentes. Incluindo a Thousand Bhuddas Cave, recheada de esculturas de Buda ali conquistadas às paredes rochosas durante a dinastia Tang (608-907 d.C.).

Estão 8 ou 9 graus. Indiferente à frescura e para espanto de uma comitiva que apreciava o rio a partir de aberturas da gruta, um morador de Guilin decidido a preservar a juventude do corpo, nada ali em frente. Esbraceja na água esverdeada, em absoluto contraste com um pescador encasacado que o contempla com indiferença, sobre o limiar do penhasco.

Como acontece por toda a China, comerciantes de recordações mantêm nas imediações uma banca dotada de trajes coloridos das diversas minorias étnicas de Guangxi: os Zhuang, os Yao, os Hui, os Miao e os Dong. Uns atrás dos outros mas bem espaçados, os sino-turistas chineses vestem as suas vestes preferidas e fazem-se fotografar em reboliço.

À Descoberta da excêntrica Guilin Lacustre

Regressamos ao centro da cidade. Lá procuramos por outro dos seus refúgios emblemáticos de tranquilidade e lazer, o lago urbano de Fir (Shanhu). Quando chegamos, grupos de habitantes sincronizam as almas de acordo com as coreografias do tai-chi enquanto o dia curto do Inverno chinês se desfaz.

O intensificar do lusco-fusco faz realçar os dois pagodes quase gémeos que se projectam do lago. Tratam-se do Sol e do Lua, também conhecidos por Prata e Ouro, e iluminados a condizer. Não seriam os últimos pagodes que apreciaríamos nem naquela noite nem em Guilin.

Saímos disparados. Apanhamos um táxi para o hotel. Pelo caminho, detemo-nos em Mulong, um outro lago parte do itinerário aquático “dois rios, quatro lagos” da cidade. Mulong tem tudo para ser importante mas encontramo-lo sem vivalma, relegado a um aparente plano secundário.

Completamente sós, deslumbramo-nos com o exotismo asiático daquele outro cenário histórico, encaixado entre dois enormes penhascos ligados por uma ponte em arco. Também o conjunto está iluminado, de forma ainda mais exuberante que os pagodes Sol e Lua.

Por fim, encontramos um funcionário. A muito esforço, explica-nos que só em época alta abrem os pequenos restaurantes e é levado à cena um espectáculo temático. Naquela altura, o lugar servia apenas para acolher eventos e celebrações particulares.

Já com a noite cerrada, surgem os primeiros convidados de uma delas. Nós, concedemos-lhe a exclusividade contratada e recolhemos ao hotel surpreendidos e satisfeitos com o que a cidade nos revelara. Na manhã seguinte, mudamo-nos para Yangshuo e começamos a explorar o cenário mágico de água e pedra que envolve Guilin.

 

Espectáculos

A Terra em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.

Badaling, China

Uma Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da maior estrutura criada pelo homem, recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.

Pequim, China

O Coração do Grande Dragão

É o centro histórico incoerente da ideologia maoista-comunista e quase todos os chineses aspiram a visitá-la mas a Praça Tianamen será sempre recordada como um epitáfio macabro das aspirações da nação

Huang Shan, China

A Montanha dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.

Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.

Aurora fria II
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Via Crucis
Cerimónias e Festividades

Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.

Natal de todas as cores
Cidades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Debate ao molho
Cultura

Lhasa, Tibete

O Mosteiro da Sagrada Discussão

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

A derradeira luz
Em Viagem
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Voo marinho
Étnico
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
O derradeiro submarino
História
Suomenlinna, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
Fajazinha (Ocaso)
Ilhas
Flores, Açores

Os Confins Inverosímeis de Portugal (e da Europa)

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Natureza
Quedas d'água

Admiráveis Caudais Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do Salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra catadupas de todos os tipos.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Cavalgada em tons de Dourado
Parques Naturais

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Património Mundial Unesco
Grande Zimbabué

Grande Zimbabué, Pequena Dança Bira

A aldeia KwaNemamwa está situada junto ao lugar mais emblemático do Zimbabwé, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova nação. É ali que vários habitantes de etnia Karanga exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas de Great Zimbabwé.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Brigada incrédula
Praia

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Promessa?
Religião
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Sociedade
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Abastecimento
Vida Selvagem

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.